Posts

The Alexander Albon Case: A Wasted Potential

Article dedicated to the reader Lucilene Mota, who asked for an analysis of Alexander Albon. Special thanks to Adriana Perantoni for the sources of Noemí de Miguel and the information about Antonio Pérez.

 

On December 18th, 2020, Red Bull Racing announced Sergio Pérez to race alongside Max Verstappen in 2021. Therefore, the British-Thai driver Alexander Albon got relegated to a reserve driver. Some controversies follow the circumstances of this situation at Red Bull. Some examples are their inability in making a car as good as Verstappenthe exit of Pérez from Racing Point after Sebastian Vettel acquired shares of its future owner, and Albon’s hiring in the middle of the 2019 season to replace Pierre Gasly (what generated a big hope over the new driver);

It notes that Red Bull is impatient to become the new challenger of Mercedes, given the fall in Ferrari’s performance and the rise of Racing Point in 2020. Aware of Verstappen’s ability, who conquered the team’s first wins since 2014, the Austrian team was looking for a teammate who could follow the Dutchman’s speed after the exit of Daniel Ricciardo for Renault with the end of the 2018 season. Albon ended up being a victim of this haste and having a humiliating exit from the constructor’s championship runner-up. This article will explain how it happened and why there was a big injustice with the athlete.

 

1- The 2019 season: the opportunity to shine

 

As explained earlier, Daniel Ricciardo’s departure led Red Bull to look for another talent to race alongside Max Verstappen. The duo had achieved excellent results from 2016 to 2018, which allowed the team to be runner-up and then third place (for two consecutive years) in the constructors’ championship. Replacing a driver who guaranteed victories and podiums for the team would not be easy, but Red Bull had a young name in mind: Pierre Gasly.

 

Pierre Gasly takes fourth place in the 2018 Bahrain Grand Prix. (Photo: Sky Sports) [1]

 

The French driver had excelled in Toro Rosso, having his best result so far, the fourth place in the Bahrain Grand Prix of 2018. They believed that if Gasly could reach such a high position in a car considered average, he would succeed in getting at least podiums in a top team. However, his performance in the first year with Red Bull was below expectations. While Verstappen was an almost constant presence on the podium, Gasly was behind Ferrari drivers (Sebastian Vettel and Charles Leclerc). Not being able to take advantage of the Italian team’s crisis (whose tension between the drivers was aggravating), the Frenchman got fewer points for Red Bull, which lost the chance to win the runners-up championship.

Unhappy with Gasly and Verstappen’s mismatch, consultant Helmut Marko convinced Red Bull officials to replace the Dutchman’s teammate. From the 2019 Belgian Grand Prix onwards, Alexander Albon would take the seat. It was too late for Red Bull to recover the loss, but they saw the new driver as a long-term investment (if he performed well, he would remain on the team the following year). Albon had commendable performances, as in the Russian Grand Prix (in which he started from the pits and finished in fifth place) and in Brazil (having a chance to get the first podium, but was reached by Lewis Hamilton with a few laps to go). Albon finished the championship in eighth place, with 92 points. Considering that he spent the first half of the season at Toro Rosso and only then went to a top team, the result is impressive. For this reason, he was elected by the Autosports Awards as the “Rookie of the Year” in 2019.

 

Alexander Albon being awarded the “Rookie of the Year” award in 2019. (Photo: FIA) [2]

 

2- 2020: “With great power comes great responsibility.”

 

This phrase from Uncle Ben, from “Spider-Man,” sums up the pressure that fell on Alexander Albon in his second season with Red Bull. The driver started the year well, having one more chance to get his first podium at the Austrian Grand Prix. An unfortunate coincidence prevented him from winning: again, a collision with Lewis Hamilton. In the following races, Albon reached the scoring zone, but in places much lower than Max Verstappen’s. The situation was soon similar to that of Pierre Gasly in 2019, but Helmut Marko chose not to fire the Thai in a hurry.

Two factors prevented immediate action by Red Bull. First, the second layoff in two consecutive years without the championship ending would put the team’s reputation in check. The switch from Gasly to Albon no longer seemed as justified in 2020 as it was in 2019, and taking out the Thai was in danger of resulting in yet another unsatisfactory replacement. Soon, Marko would be classified as “impetuous.” Second, AlphaTauri did not have the appropriate names to take Albon’s place. Bringing Gasly back would be “humiliating” for Red Bull (who would have to admit he “made a mistake” with the Frenchman), and Daniil Kvyat already had a ticket by the Austrian team, being fired at the beginning of the 2016 season and replaced by Verstappen. The switch from the Russian to the Dutch driver was the most assertive of Red Bull in recent years in the short, medium, and long term, which did not repeat with the following changes (this is because Verstappen is a separate case).

Helmut Marko (left) and Max Verstappen (right). (Photo: XPB) [3]

 

In the first half of 2020, Albon faced difficulties in training on Friday and Saturday, starting from intermediate places on the grid, which is not expected for a top team driver. Only in the Tuscan Grand Prix, a race marked by accidents that led almost half of the grid to abandon, the Thai got his well-deserved first podium after winning a duel with Daniel Ricciardo for third place. He repeated the result only at the Bahrain Grand Prix, in which Sergio Pérez’s car engine ignited the rear of the vehicle and forced the Mexican to abandon. Despite the podiums, Albon was nowhere near what Ricciardo had been for Red Bull, and Gasly’s victory in the Italian Grand Prix only added to the team’s embarrassment.

Pierre Gasly’s win at the 2020 Italian Grand Prix. (Photo: Matteo Bazzi/AP) [4]

 

The similarity between Albon’s performance in 2020 and Gasly’s in 2019 was just one ingredient in the change of drivers from Red Bull to 2021. Another reason is in the context of another team.

 

3- Changes in Racing Point: Sergio Pérez enters the game

 

In 2020 Racing Point started a landmark chapter in its history. The previous season served as a test for the team’s new plans, bought in the second half of 2018 by a consortium led by Lawrence Stroll after the Force India bankruptcy. Deciding to join the group of top teams, the English team had impressive results thanks to the joint work of the engineering department and its team of drivers, formed by Lance Stroll and Sergio Pérez.

For 2021, the team sought even more investments to continue its triumphant path. One of the agreements reached was with the French company Aston Martin, which will give its name to the team. Everything seemed to go as it was, but now with improvements approaching, a turnaround happened: Ferrari fired Sebastian Vettel for his disappointing performances, and months later, Racing Point announced him as its driver for 2021. His signing would not have been so controversial if were it not for the confusion of information reported to the press: Racing Point oscillated between denial and interest in Vettel, and the narratives of Pérez and the team leader, Otmar Sznafnauer, about whether the Mexican had previously been warned of the situation conflicted with each other. Journalist Adam Cooper later revealed the truth, reporting that Vettel had bought shares in Aston Martin, thereby securing a seat on the team (to better understand this case, read the article by Ricardo Hernandes Meyer here).

 

Otmar Sznafnauer, Racing Point’s team boss (left), and Sebastian Vettel (right). (Photo: XPB) [5]

 

They note Pérez is one of the most consistent drivers in Formula One. He has podiums under challenging races, as in the 2018 Azerbaijan Grand Prix. The journalist Noemí de Miguel, who reported first hand that Renault was negotiating the signing Fernando Alonso for 2021 (confirmed months later), stated that Red Bull planned to bring Pérez to be Max Verstappen’s teammate. One of the signs of this negotiation was when Antonio Pérez, the driver’s brother, started to follow Red Bull’s profile on Twitter. However, both “Checo” and the Austrian team preferred to keep the talks a secret (perhaps not to affect Albon’s results) and only announced the decision after the Abu Dhabi Grand Prix.

 

Among the profiles Antonio Pérez, Sergio’s brother, follows on Twitter por Antonio Pérez, is Red Bull’s. (Photo: Twitter) [6]

 

We can see that Racing Point’s and Ferrari’s actions also impacted Red Bull, mainly in Albon’s fate. The expectation was that Vettel would have a gap year to reflect on his mistakes and rethink his career, just as it did with Esteban Ocon. However, the German had a master’s strategy: buying shares in the owner company guarantees a place. Indeed the press will not emphasize this because it prefers to generate controversies over Stroll, which has nothing to do with the story (the reason is implicit). Pérez’s need for a seat and Red Bull’s desire to replace Albon without being like what happened to Pierre Gasly led to the Mexican’s hiring and, consequently, the Thai’s replacement.

 

4- Helmut Marko’s haste: the sacrifice of young Red Bull talents

 

The Red Bull consultant had previously told the press that “none of the young people on the team’s training program come close to Max Verstappen.” Such a statement is harmful to athletes, who feel their work devalued. Sport is indeed an area that demands pressure to result in achievements, but this comparison hinders young drivers’ self-confidence and frustrates the team’s plans. Also, Marko seems to put too much pressure on the athletes and not to do the same with the engineering department, unable to produce a car up to Verstappen’s potential despite allegedly working focused on the driver. Recalling that engineers are fundamental in the performance of a team in Formula One, as noted in Williams’s case.

Verstappen, as previously revealed, is an exceptional talent. As a teenager, he achieved victories, podiums, and records in a team that did not have the best car on the grid. It does not mean, however, that other drivers cannot be talented. Demanding a Verstappen clone from his students is an absurd attitude by Marko, as each person has their work style. Not even Max’s father, Jos Verstappen, had such brilliant career results as his son. If instead of demanding a second version of the Dutchman, Red Bull worked to develop both drivers’ potential, the team would have a better performance in the championships. But it seems that this team favors one athlete and wants the other, as observed in the first decade of 2010 with Sebastian Vettel and Mark Webber.

 

 

Marko even accused Albon of not having self-confidence. With a boss like this, it gets tricky. (Photo: GPBlog) [7]

 

Pierre Gasly’s victory in 2020 proved that each rider has his time to adapt and that excessive charges do not shape an athlete based on another just because the team’s board wishes. Unfortunately, while being an enemy of perfection, haste shows up as one of Marko’s values, which sacrifices Red Bull’s opportunities. The example of Racing Point, which preferred to “take it easy” in 2019 to rock out in 2020, demonstrates that caution should be the main ingredient of good planning, not anxiety.

Another essential point to note is the hiring of Yuki Tsunoda to race for AlphaTauri in 2021. As Daniil Kvyat is no longer able to satisfy the group, and Gasly does a great job, it is natural to fire the Russian to give the Japanese a chance. Although this means an impediment for Albon to return to AlphaTauri, Tsunoda should is not responsible for the Thai’s misfortune, as this is a new talent that will have a chance to present his work. As demonstrated earlier, the purchase of Vettel’s seat at Aston Martin influences Albon’s situation much more than the hiring of the Japanese driver.

 

5- Conclusions

 

Alexander Albon’s case only differs from that of Pierre Gasly in one point: the time Red Bull fired each of them. Both were victims of Helmut Marko’s haste and eagerness to have two riders with the performance of Max Verstappen, which places all the responsibility on young athletes. Both Albon and Gasly have proven their talent and deserve seats in Formula One but have suffered from the Austrian team’s conflict of interest, which wishes for triumph by choosing the wrong ways.

If Sebastian Vettel had not bought Aston Martin’s shares in his successful attempt to stay on track despite his impetuosity, perhaps Red Bull would have to keep Albon for longer. That’s because Racing Point would probably keep its drivers, as Lance Stroll and Sergio Pérez have excellent dynamics as teammates and guarantee remarkable results in the races. As the Mexican is more experienced and then has a more extensive curriculum, he became the ideal candidate for Red Bull to continue its fight against Mercedes, besides satisfying the desire to fire a driver whose “mistake” was “not being” Verstappen.

 

This is how Red Bull thinks: Verstappen is above any driver. [8]

 

Although he said he never suffered racism in his personal or professional life, some fans and journalists remember a case that is at least suspect. At the 2019 Italian Grand Prix, the stewards decided to punish him for an incident with Carlos Sainz Jr., even though it was the Spaniard who threw the opponent off the track. That was one of the actions that led to suspects of racism on the stewards (the others were the unfair decisions with Stroll and Lewis Hamilton), which hurt the three colored drivers on the grid to benefit white athletes. Albon may not have noticed the “coincidences” in the Italian Grand Prix’s decisions, but these cannot be ignored. Also, when speculation began about his departure from Red Bull, much was said about a possible interest by the company’s owners in keeping him from being Thai. Sponsoring companies are indeed interested in compatriot athletes in their respective sports categories, but Albon should not be remembered just for his ethnic origins. His work and effort justified his presence in Formula One.

Alexander Albon is yet another driver condemned for his team’s irresponsibility even though he is innocent. A similar case was that of Sergey Sirotkin, who left Formula One with the stigma of a “pay driver” although he was not to blame for Williams’s crisis (which was proved in the following years to be by its engineers and managers). Those directly responsible for leaving the Red Bull driver are Vettel (for causing Pérez to quit Racing Point when he bought Aston Martin shares) and Marko (for demanding perfection from his drivers quickly). But what can we consider the “culprit” for Albon’s misfortune is Red Bull’s segregationist policy, which prefers to turn one driver into a prince (even though he doesn’t have the resources to do so) and the other into a beggar when he could turn them both into heroes. If they do not change their strategies, the Austrian team is in danger of going through a crisis similar to that of Ferrari, and other “Albons” will be sacrificed in the process.

 

In short. [9]

6- Read also:

 

 

7- Bibliography

 

 

8- Photos

Note: None of the photos used in this article, except the montages, belongs to me. This site has informative intentions, not commercial. The links where I took the photos are indicated below. All copyrights reserved.

O Caso Alexander Albon: Um Potencial Desperdiçado

Matéria dedicada à leitora Lucilene Mota, que pediu uma análise a respeito de Alexander Albon. Agradecimentos especiais a Adriana Perantoni pela fonte de Noemí de Miguel e as informações sobre Antonio Pérez.

 

No dia 18 de dezembro de 2020, a equipe Red Bull Racing anunciou a contratação de Sergio Pérez para correr ao lado de Max Verstappen em 2021. Com isso, o piloto anglo-tailandês Alexander Albon foi rebaixado ao posto de piloto reserva. Algumas controvérsias acompanham as circunstâncias dessa situação na Red Bull, como a incapacidade do time de fazer um carro à altura de Verstappen, a saída de Pérez da Racing Point após Sebastian Vettel comprar ações da futura proprietária da escuderia, e a própria contratação de Albon em 2019 no meio da temporada para substituir Pierre Gasly (que gerou uma grande expectativa em cima do novo piloto).

Percebe-se que a Red Bull está impaciente para se tornar a nova desafiante da Mercedes, dada a queda de rendimento da Ferrari e a ascensão da Racing Point em 2020. Ciente da habilidade de Verstappen, que conquistou as primeiras vitórias do time desde 2014, o time austríaco buscava um companheiro de equipe que acompanhasse o ritmo do holandês após a saída de Daniel Ricciardo para a Renault com o fim da temporada de 2018. Albon acabou sendo vítima dessa pressa e tendo uma saída humilhante da atual vice-campeã de construtoras. Nessa matéria, vamos explicar como isso aconteceu e porque houve uma grande injustiça com o atleta.

 

1- Temporada de 2019: a oportunidade de brilhar

 

Como explicado anteriormente, a saída de Daniel Ricciardo levou a Red Bull a procurar outro talento para correr ao lado de Max Verstappen. A dupla havia obtido resultados excelentes de 2016 a 2018, o que permitiu que a escuderia fosse vice-campeã e depois terceira colocada (por dois anos consecutivos) no mundial de construtoras. Substituir um piloto que garantia vitórias e pódios ao time não seria uma tarefa fácil, mas a Red Bull tinha um jovem nome em mente: Pierre Gasly.

 

Pierre Gasly conquista o quarto lugar do Grande Prêmio do Bahrein de 2018. (Foto: Sky Sports) [1]

 

O piloto francês havia se destacado na Toro Rosso, tendo seu melhor resultado até então um quarto lugar no Grande Prêmio do Bahrein de 2018. Acreditava-se que se Gasly era capaz de chegar a uma posição tão alta em um carro considerado mediano, conseguiria no mínimo pódios em uma equipe de ponta. No entanto, seu desempenho no primeiro ano com a Red Bull ficou abaixo do esperado. Enquanto Verstappen era uma presença quase constante no pódio, Gasly ficava atrás dos pilotos da Ferrari (Sebastian Vettel e Charles Leclerc). Não sendo capaz de aproveitar a crise do time italiano (cuja tensão entre os pilotos era um agravante), o francês conseguia menos pontos para a Red Bull, que perdia a chance de conquistar o vice-campeonato de construtoras.

Descontente com o descompasso entre Gasly e Verstappen, o consultor Helmut Marko convenceu os dirigentes da Red Bull a substituir o companheiro de equipe do holandês. A partir do Grande Prêmio da Bélgica de 2019, Alexander Albon assumiria essa vaga. Já era tarde para a Red Bull recuperar o prejuízo, mas o novo piloto era visto como um investimento a longo prazo (se tivesse uma boa performance, continuaria no time no ano seguinte). Albon teve atuações elogiáveis, como no Grande Prêmio da Rússia (no qual largou dos boxes e terminou em quinto lugar) e no do Brasil (tendo uma chance de conseguir o primeiro pódio, mas foi atingido por Lewis Hamilton faltando poucas voltas para o fim). Albon terminou o campeonato em oitavo lugar, com 92 pontos. Considerando que o mesmo passou a primeira metade da temporada na Toro Rosso e só então foi para uma equipe de ponta, o resultado é impressionante. Por isso, foi eleito pelo Autosports Awards como o “Estreante do Ano” em 2019.

 

Alexander Albon sendo premiado como “Estreante do Ano” de 2019. (Foto: FIA) [2]

 

2- 2020: “Com grandes poderes vêm grandes responsabilidades”

 

Essa frase do Tio Ben, de “Homem-Aranha”, resume a pressão que caiu sobre Alexander Albon em sua segunda temporada com a Red Bull. O piloto começou o ano bem, tendo mais uma chance de conseguir o primeiro pódio, no Grande Prêmio da Áustria, mas uma infeliz coincidência impediu a conquista: novamente, uma colisão com Lewis Hamilton. Nas corridas seguintes, Albon alcançava a zona de pontuação, mas em lugares bem inferiores aos de Max Verstappen. Logo, a situação era semelhante à de Pierre Gasly em 2019, mas Helmut Marko optou por não demitir o tailandês apressadamente.

Havia dois fatores que impediam uma ação imediata por parte da Red Bull. Em primeiro lugar, uma segunda demissão em dois anos consecutivos sem que o campeonato terminasse colocaria em xeque a reputação do time. A troca de Gasly por Albon já não parecia tão justificada em 2020 quanto era em 2019, e tirar o tailandês corria o risco de resultar em mais uma substituição não muito satisfatória. Logo, Marko seria taxado como “impetuoso”. Em segundo lugar, a AlphaTauri não tinha nomes apropriados para ocupar o lugar de Albon: trazer Gasly de volta seria “humilhante” para a Red Bull (que teria que admitir que “errou” com o francês), e Daniil Kvyat já tinha passagem pelo time austríaco, sendo demitido no começo da temporada de 2016 e substituído por Verstappen. A troca do russo pelo holandês foi a mais assertiva da Red Bull nos últimos anos a curto, médio e longo prazo, o que não se repetiu com as mudanças seguintes (isso porque Verstappen é um caso à parte).

 

Helmut Marko (esquerda) e Max Verstappen (direita). (Foto: XPB) [3]

 

O que se observou na primeira metade de 2020 é que Albon enfrentava dificuldades nos treinos de sexta e sábado, largando de lugares intermediários do grid, o que não é esperado para um piloto de equipe de ponta. Apenas no Grande Prêmio da Toscana, corrida marcada por acidentes que levaram quase a metade do grid a abandonar, o tailandês conseguiu seu merecido primeiro pódio após vencer um duelo com Daniel Ricciardo pelo terceiro lugar. O resultado se repetiu apenas no Grande Prêmio do Bahrein, no qual o motor do carro de Sergio Pérez incendiou a parte traseira do veículo e forçou o mexicano a abandonar. Apesar dos pódios, Albon não estava perto do que havia sido Ricciardo para a Red Bull, e a vitória de Gasly no Grande Prêmio da Itália somente agravou o constrangimento do time.

 

Vitória de Pierre Gasly no Grande Prêmio da Itália de 2020. (Foto: Matteo Bazzi/AP) [4]

 

A semelhança entre o desempenho de Albon em 2020 e de Gasly em 2019 foi apenas um dos ingredientes da mudança de pilotos da Red Bull para 2021. Outro motivo se encontra no contexto de outra equipe.

 

3- Mudanças na Racing Point: Sergio Pérez entra na jogada

 

Em 2020 a Racing Point iniciou um capítulo marcante de sua história. A temporada anterior serviu como um teste para os novos planejamentos da equipe, comprada na segunda metade de 2018 por um consórcio liderado por Lawrence Stroll após a falência da Force India. Decidida a entrar no grupo das equipes de ponta, a escuderia inglesa teve resultados impressionantes graças ao trabalho conjunto do departamento de engenharia e de sua dupla de pilotos, formada por Lance Stroll e Sergio Pérez.

Para 2021, o time buscou ainda mais investimentos para continuar seu caminho triunfante. Um dos acordos obtidos foi com a empresa francesa Aston Martin, que dará seu nome à equipe. Tudo parecia seguir exatamente como estava, porém com melhorias se aproximando, até que uma reviravolta aconteceu: Sebastian Vettel foi demitido da Ferrari por suas performances decepcionantes e meses depois foi anunciado como piloto da Racing Point para 2021. Sua contratação não teria sido tão polêmica se não fosse pela confusão de informações relatadas à imprensa: a Racing Point oscilava entre a negação e o interesse por Vettel, e as narrativas de Pérez e do chefe de equipe, Otmar Sznafnauer, sobre se o mexicano havia sido previamente avisado da situação conflitavam entre si. A verdade foi revelada mais tarde pelo jornalista Adam Cooper, que relatou que Vettel havia comprado ações da Aston Martin, e com isso garantiu um assento no time (para entender melhor este caso, leia o artigo de Ricardo Hernandes Meyer aqui).

 

Otmar Sznafnauer, chefe de equipe da Racing Point (esquerda), e Sebastian Vettel (direita). (Foto: XPB) [5]

 

Pérez é notado por ser um dos pilotos mais consistentes da Fórmula 1. Em seu currículo encontram-se pódios em corridas difíceis, como no Grande Prêmio do Azerbaijão de 2018. A jornalista Noemí de Miguel, que relatou em primeira mão que a Renault negociava a contratação de Fernando Alonso para 2021 (confirmada meses depois), afirmava que a Red Bull planejava trazer Pérez para correr ao lado de Max Verstappen. Um dos indícios dessa negociação foi quando Antonio Pérez, irmão do piloto, passou a seguir o perfil da Red Bull no Twitter. No entanto, tanto “Checo” quanto a equipe austríaca preferiram manter as conversas em segredo (talvez para não afetar os resultados de Albon) e somente anunciaram a decisão após o Grande Prêmio de Abu Dhabi.

 

Entre os perfis seguidos no Twitter por Antonio Pérez, irmão de Sergio, está o da Red Bull. (Foto: Twitter) [6]

 

Percebe-se que as ações da Racing Point e da Ferrari também tiveram impacto na Red Bull, principalmente no destino de Albon. Esperava-se que Vettel teria um ano sabático para refletir sobre seus erros e repensar sua carreira, tal como houve com Esteban Ocon. No entanto, o alemão teve uma estratégia de mestre: comprando ações da empresa dona, garante uma vaga. É claro que a imprensa de maneira geral não vai ressaltar esse fato, pois prefere gerar controvérsias em cima de Stroll, que não tem nada a ver com a história (o motivo fica implícito). A necessidade de vaga de Pérez e o desejo da Red Bull por substituir Albon sem que isso se parecesse com o caso de Pierre Gasly propiciaram a contratação do mexicano e, consequentemente, a substituição do tailandês.

 

4- A pressa de Helmut Marko: o sacrifício dos jovens talentos da Red Bull

 

O consultor da Red Bull já havia dito para a imprensa que “nenhum dos jovens do programa de treinamento da equipe chega perto de Max Verstappen”. Tal afirmação é prejudicial para os atletas, que sentem uma desvalorização de seu trabalho. É certo que o esporte é uma área que demanda pressão para resultar em conquistas, mas esse tipo de comparação não apenas atrapalha a autoconfiança dos jovens pilotos como também frustra os planos da própria equipe. Somado a isso, Marko parece pressionar demais os atletas e não fazer o mesmo com o departamento de engenharia, incapaz de produzir um carro à altura do potencial de Verstappen apesar de alegadamente trabalhar focado no piloto. Lembrando que os engenheiros são fundamentais no desempenho de uma escuderia na Fórmula 1, como se observou no caso da Williams.

Verstappen, como revelado anteriormente, é um talento excepcional. Ainda adolescente conseguiu vitórias, pódios e recordes em uma equipe que não tinha o melhor carro do grid. Isso não significa, porém, que outros pilotos não possam ser bons. Exigir de seus alunos um clone de Verstappen é uma atitude absurda de Marko, pois cada pessoa tem seu estilo de trabalho. Nem mesmo o pai de Max, Jos Verstappen, teve resultados tão brilhantes na carreira quanto o filho. Se em vez de exigir uma segunda versão do holandês a Red Bull trabalhasse para desenvolver o potencial de ambos os pilotos, o time teria uma performance melhor nos campeonatos. Mas parece que essa escuderia privilegia um atleta e pretere o outro, como observado na primeira década de 2010 com Sebastian Vettel e Mark Webber.

 

Marko chegou a acusar Albon de não ter confiança. Com um chefe desses fica difícil. (Foto: GPBlog) [7]

 

A vitória de Pierre Gasly em 2020 provou que cada piloto tem seu tempo de adaptação e que cobranças excessivas não moldam um atleta baseado em outro somente porque o conselho da equipe deseja. Lamentavelmente, embora seja inimiga da perfeição, a pressa se mostra como um dos valores de Marko e isso sacrifica as oportunidades da Red Bull. O exemplo da Racing Point, que preferiu “ir com calma” em 2019 para arrasar em 2020, demonstra que cautela deve ser o principal ingrediente de um bom planejamento, não ansiedade.

Outro ponto importante a ser notado é a contratação de Yuki Tsunoda para correr pela AlphaTauri em 2021. Como Daniil Kvyat não consegue satisfazer mais o grupo e Gasly faz um ótimo trabalho, é natural que o russo seja demitido para dar uma chance ao japonês. Embora isso signifique um impedimento para que Albon volte à AlphaTauri, Tsunoda não deve ser responsabilizado pelo infortúnio do tailandês, pois trata-se de um novo talento que terá uma chance de apresentar seu trabalho. Como demonstrado anteriormente, a compra de assento de Vettel na Aston Martin influencia muito mais a situação de Albon do que a contratação do piloto japonês.

 

5- Conclusões

 

O caso de Alexander Albon apenas se difere do de Pierre Gasly no tempo em que cada um foi demitido da Red Bull. Ambos foram vítimas da pressa e da ânsia de Helmut Marko em ter dois pilotos com o desempenho de Max Verstappen, o que descarrega toda a responsabilidade nos jovens atletas. Tanto Albon quanto Gasly provaram ter talento e merecem assentos na Fórmula 1, mas sofreram com o conflito de interesses da equipe austríaca, que deseja o triunfo optando pelos meios errados.

Caso Sebastian Vettel não tivesse comprado as ações da Aston Martin, em sua tentativa bem sucedida de se manter nas pistas apesar de sua impetuosidade, talvez a Red Bull tivesse que manter Albon por mais tempo. Isso porque provavelmente a Racing Point manteria seus pilotos, já que Lance Stroll e Sergio Pérez têm uma ótima dinâmica como companheiros e garantem ótimos resultados nas corridas. Como o mexicano é mais experiente, e com isso tem um currículo mais extenso, ele se tornou o candidato ideal para a Red Bull prosseguir em sua luta contra a Mercedes, além de satisfazer a vontade de demitir um piloto cujo “erro” foi não ser igual a Verstappen.

 

É assim que a Red Bull pensa: Verstappen está acima de qualquer piloto. [8]

 

Embora tenha dito que nunca sofreu racismo em sua vida pessoal ou profissional, alguns torcedores e jornalistas se lembram de um caso no mínimo suspeito. No Grande Prêmio da Itália de 2019, os comissários decidiram puni-lo por um incidente com Carlos Sainz Jr., mesmo tendo sido o espanhol a lançar o adversário para fora da pista. Esta foi uma das ações que levaram às suspeitas de racismo por parte dos comissários (as outras foram as decisões injustas com Stroll e Lewis Hamilton), que prejudicaram os três pilotos de cor do grid em benefício de atletas brancos. Talvez Albon não tenha percebido as “coincidências” nas decisões tomadas no Grande Prêmio da Itália, mas estas não podem ser ignoradas. Além disso, quando começaram as especulações a respeito de sua saída da Red Bull, muito se falou de um possível interesse dos donos da empresa em mantê-lo por ele ser tailandês. É certo que empresas patrocinadoras se interessam por atletas compatriotas em suas respectivas categorias esportivas, mas Albon não deve ser lembrado apenas por suas origens étnicas. Seu trabalho e esforço justificaram sua presença na Fórmula 1.

Alexander Albon é mais um piloto condenado pela irresponsabilidade de sua equipe mesmo sendo inocente. Um caso parecido foi o de Sergey Sirotkin, que saiu da Fórmula 1 com o estigma de “piloto pagante” embora não tivesse culpa pela crise enfrentada pela Williams (que foi provada nos anos seguintes ser de seus engenheiros e dirigentes). Os responsáveis diretos pela saída do piloto da Red Bull são Vettel (por ter causado a saída de Pérez da Racing Point ao comprar as ações da Aston Martin) e Marko (por exigir perfeição de seus pilotos em pouco tempo), mas o que podemos considerar a “culpada” pelo infortúnio de Albon é a política segregacionista da Red Bull, que prefere transformar um piloto em príncipe (mesmo não tendo os recursos para isso) e o outro em mendigo, quando poderia transformar ambos em heróis. Se não mudar suas estratégias, a equipe austríaca corre o risco de passar por uma crise semelhante à da Ferrari e outros “Albons” serão sacrificados no processo.

 

Resumo da ópera. [9]

 

6- Leia também:

 

 

7- Bibliografia

 

 

8- Fotos

Obs.: Nenhuma das fotos inseridas neste artigo (exceto as montagens) pertence a mim. Este site possui fins informativos, não comerciais. Abaixo estão indicados os links de onde tirei as fotos. Todos os direitos reservados.

 

Formula One: The Business Sport

Virtually all Formula One fans love the sport for its competition. A proof of this is the television audience rates in the 2010s: in Brazil, at least, the number of viewers was falling year after year during the Turbo Era, which marked the dominance of Sebastian Vettel, while it began to increase at record levels when it started a certain balance between Mercedes, Ferrari, and Red Bull. However, fans get so emotional from the cars’ disputes that they forget about a definitive factor in Formula One: money.

I decided to do this article because of an unpleasant episode that happened to a friend of mine. In a Whatsapp group, she talked to a professor and, to reinforce her point of view, included a weblink to an article on the Motorsport website signed by Adam Cooper, which reported on the investments of Sebastian Vettel in Aston Martin. Behold, a man appears and then laughs at her comment, finding it absurd that someone says that a four-time champion buys a place in a team, even if the facts show just that. My friend responded well, arguing that Vettel was not indeed acting as a four-time champion (look at his accidents and results, which in no way resemble his champion days). But the man kept making fun of (and still questioned the journalistic quality of Cooper, an experienced and respected journalist in the area), ignoring a simple question: Why would anyone invest in a team in which they could not participate?

This story proved that the mentioned guy does not know Formula One well, but many fans also do not realize the sport’s financial character. It is no wonder that many journalists try to sell sensationalist headlines based on creating controversies about money instead of informing fans about the role of money in Formula One. As we propose to inform and raise awareness, here is the true face of world motorsport’s top category.

 

1- Expensive sport, investors rule

 

Anyone who accesses the Formula One website notes that there is a part reserved for partners, in other words, the sponsors. As Paulo Mourão well defined in his book The Economics of Motorsports: The Case of Formula One (2017), the costs of running each race are around millions of euros, as there are high material and human demands. Everything costs money in Formula One: the structures of the track and the paddock, the cars’ engineering, the physical preparation of the drivers, transport, the salary of the employees, among other components of the category. Many sectors benefit from this process (hospitality, fuel, tourism, etc.). As you may know, money does not grow on trees, so resources are needed to make all of this possible. Therefore, the sponsoring companies invest in the category for this purpose (other than Formula One revenues, such as selling tickets and consumables, taxes, transmission agreements, contribution rates for teams and organizers).

 

Bernie Ecclestone (the former owner of Formula One) and Chase Carey (the current CEO of Fórmula One). [1]

 

As well explained in the article Understand the Esteban Ocon Case (2019), the high costs of Formula One make it difficult for drivers who do not have significant financial support to cover the team’s expenses. Unfortunately, the sports media fails to teach the public that this is an intrinsic characteristic of the category. However, the following logic can explain it: the press vehicles are usually sponsored and avoid demolishing investments in general. Sensationalism ends up being a profitable business, as it holds more people’s attention and helps disseminate the materials. In other words: it is easier to label drivers and teams than to show that everything in Formula One is related to money.

 

2- The case of Sebastian Vettel

 

It is not uncommon to see drivers expanding their area of expertise. We had the cases of Jack Brabham, Jackie Stewart, and Emerson Fittipaldi as team owners; Niki Lauda was a shareholder and adviser to Mercedes, Alain Prost became an ambassador for Renault, among others. More recently, we had Lawrence Stroll, father of Lance, as a majority partner at Racing Point, and Nico Rosberg as the manager of Robert Kubica (although he quit the role months later). But the case of Sebastian Vettel has peculiarities that are fundamental to understanding the situation.

 

Fired from Ferrari, Vettel invested in Aston Martin. The event did not generate much controversy (if it were with other driver…) [2]

 

To start, except for Jack Brabham, all the drivers mentioned above (Fittipaldi, Prost, Roberg, and Stewart) entered the business world when they were no longer on the tracks. Sebastian Vettel is a member of the current grid and found himself on the edge of a precipice when Ferrari fired him. After all, as explained in the article The Dismissal of Sebastian Vettel, they were losing money and credibility with the German driver’s constant accidents. It is important to remember that the teams receive payments for their results, which are better when their drivers have consistent performances. It was useless to have won four titles with Red Bull in the early 2010s; nowadays, he was wasting good chances to score points with Ferrari. But Vettel did not give up and was willing to do anything to continue in Formula One, so he looked for an opportunity to invest in a team: he would make money as a driver and shareholder.

However, it could not be any team but one with great potential and real chances of triumph. Nobody wondered why Vettel did not buy Williams shares as Toto Wolff did? Or Haas? To realize why he got so interested in Racing Point, look at its growth in 2020. And unlike Wolff, who was thinking about marketing gains, Vettel wants to clean up his image and bring a glorious new chapter to his athletic career.

 

3- Conclusion

 

Even if the fans do not realize it, sport is a business. That is not the only case of Formula One (Brazilians will remember Neymar’s transfer from Santos to Barcelona, known as Neymargate). Sometimes the press does not instruct the fans properly because as much are people lay on the subject, it increases the chances of believing in sensationalist headlines and feeding a certain fanaticism through controversies. Therefore, many fans still do not realize that business is a much more significant component of Formula One than the competition itself.

 

The case of Neymar is one more proof of the inherent relation between money and sports. [3]

 

So, if you think that Sebastian Vettel does not need to buy seats because he was victorious in the past (even though this is, indeed, the current situation) or that Nico Rosberg managed Robert Kubica for charity, know that you are analyzing the case in a shallow way. And there is no point in laughing or trying to disqualify the other based on sex or age. Both sides must inform themselves to have a reasonable debate.


Bibliography

About Brazilian television audience rates

About the article itself

 

Note: Some sources consulted for this articles are present in the thesis “A Fórmula 1 no Brasil: Uma análise sobre a transmissão televisiva no país” (2020), that will be published by Faculdade Cásper Líbero (I gave sources for the author during the elaboration of the thesis and she gave me resources for my publication). I am clarifying his point so that there will be no accusations of plagiarism.

 

Photos

Note: None of the photos used in this article belongs to me. This site has informative intentions, not commercial. The weblinks where I took the photos are indicated below. All copyrights reserved.

Fórmula 1: O Esporte dos Negócios

Praticamente todos os fãs de Fórmula 1 gostam do esporte por sua competição. Uma prova disso são os índices de audiência televisiva na década de 2010: no Brasil, pelo menos, o número de espectadores estava caindo ano após ano durante a “Era Turbo”, que marcou o domínio de Sebastian Vettel, enquanto que começou a aumentar em níveis recorde quando começou um certo equilíbrio entre Mercedes, Ferrari e Red Bull. No entanto, os fãs se emocionam tanto com as disputas entre os carros que se esquecem de um fator definitivo na Fórmula 1: o dinheiro.

Resolvi fazer este artigo por causa de um episódio desagradável que aconteceu com uma amiga minha. Em uma conversa em um grupo de Whatsapp, ela estava conversando com um professor e, para reforçar seu ponto de vista, incluiu um link de uma matéria do site Motorsport assinada por Adam Cooper, que relatava sobre os investimentos de Sebastian Vettel na Aston Martin. Eis que um sujeito aparece e simplesmente ri do comentário dela, achando um absurdo que alguém diga que um “tetracampeão” compre uma vaga em uma equipe, mesmo que os fatos mostrem exatamente isso. Minha amiga soube responder bem, argumentando que Vettel não estava exatamente agindo como um “tetracampeão” (basta ver seus acidentes e resultados, que em nada se assemelham a seus tempos de campeão). Mas o homem continuou debochando (e ainda questionou a qualidade jornalística de Cooper, um jornalista experiente e conceituado no meio), ignorando uma simples questão: Por que alguém investiria em uma equipe da qual não pudesse participar?

Essa história provou que o sujeito em questão não conhece bem a Fórmula 1, mas sei que muitos fãs também não percebem o caráter financeiro do esporte. Não é à toa que muitos jornalistas tentam vender manchetes sensacionalistas com base em criar polêmicas sobre o dinheiro em vez de informar os torcedores sobre o papel deste na Fórmula 1. Como nossa proposta é informar e conscientizar, aqui está a verdadeira face dos negócios da “categoria máxima do automobilismo mundial”.

 

1- Esporte caro, investidores mandam

 

Quem acessa o site da Fórmula 1 nota que há uma parte reservada aos “partners” (ou seja, aos “parceiros”), que nada mais são do que os patrocinadores. Como bem definiu Paulo Mourão em seu livro “The Economics of Motorsports: The Case of Formula One” (2017), os custos da realização de cada corrida giram em torno de milhões de euros, pois há uma grande demanda material e humana. Tudo custa dinheiro na Fórmula 1: as estruturas da pista e do paddock, a engenharia dos carros, a preparação física dos pilotos, o transporte, o salário dos funcionários, entre outros componentes da categoria. Isso sem falar nos inúmeros setores beneficiados nesse processo (hotelaria, combustíveis, turismo, etc.). Como devem saber, “dinheiro não nasce em árvore”, é preciso uma fonte de recursos para viabilizar tudo isso. Logo, são as empresas patrocinadoras que investem na categoria para tal propósito (fora outras receitas da Fórmula 1, como a venda de ingressos e artigos de consumo, impostos, acordos de transmissão, taxas de contribuição das escuderias e organizadores).

 

Bernie Ecclestone (antigo dono da Fórmula 1) e Chase Carey (atual CEO da Fórmula 1). [1]

 

Como bem explicado na matéria “Entenda o Caso Esteban Ocon” (2019), os altos custos da Fórmula 1 dificultam o ingresso de pilotos que não tenham um suporte financeiro significativo para arcar com as despesas da equipe. Infelizmente, a mídia esportiva falha em ensinar ao público que esta é uma característica intrínseca da categoria, embora isso possa ser explicado pela seguinte lógica: normalmente os veículos de imprensa são patrocinados e por isso evitam falar mal de investimentos de maneira geral, e o sensacionalismo acaba sendo um negócio rentável, pois prende mais atenção das pessoas e ajuda a disseminar as matérias. Em outras palavras: é mais fácil rotular pilotos e equipes do que mostrar que tudo na Fórmula 1 está relacionado ao dinheiro.

 

2- O caso de Sebastian Vettel

 

Não é raro ver pilotos expandindo sua área de atuação. Tivemos os casos de Jack Brabham, Jackie Stewart e Emerson Fittipaldi como donos de escuderias, Niki Lauda foi acionista e conselheiro da Mercedes, Alain Prost se tornou embaixador da Renault, entre outros. Mais recentemente, tivemos Lawrence Stroll, pai de Lance, como sócio majoritário da Racing Point, e Nico Rosberg como empresário de Robert Kubica (embora tenha se desligado da função meses depois). Mas o caso de Sebastian Vettel tem peculiaridades que são fundamentais para entender a situação.

 

Demitido da Ferrari, Vettel investiu na Aston Martin. O fato não gerou tanta polêmica (se fosse com outro piloto…) [2]

 

Para começar, com exceção de Jack Brabham, todos os pilotos citados anteriormente (Fittipaldi, Prost, Roberg e Stewart) entraram no mundo dos negócios quando já não estavam mais nas pistas. Sebastian Vettel é um membro do grid atual e se viu na beira de um precipício quando foi demitido da Ferrari, afinal, como explicado na matéria “A Demissão de Sebastian Vettel: Justiça ou Injustiça?”, a equipe estava perdendo dinheiro e credibilidade com os constantes acidentes do alemão. Lembrando que as escuderias recebem um pagamento por seus resultados, que são melhores quando os pilotos têm performance consistente. De nada adiantava ele ter vencido quatro títulos com a Red Bull no começo dos anos 2010 se nos tempos atuais com a Ferrari estava desperdiçando boas oportunidades de pontuação. Mas Vettel não se deu por vencido e estava disposto a tudo para continuar na Fórmula 1, para isso buscou uma oportunidade de investir em uma equipe: ele ganharia dinheiro como piloto e acionista.

Mas não poderia ser qualquer time, teria que ser um com grande potencial e chances reais de triunfo. Ninguém se indagou o porquê de Vettel não ter comprado ações da Williams como fez Toto Wolff? Ou da Haas? Basta ver a evolução da Racing Point em 2020 e todo o projeto em torno do crescimento da escuderia para entender porque o alemão se interessou tanto pela “Mercedes Rosa”. E diferente de Wolff, que estava pensando nos ganhos mercadológicos, Vettel deseja limpar sua imagem e trazer um novo capítulo glorioso à sua carreira atlética.

 

3- Conclusão

 

Mesmo que os fãs não percebam, o esporte é um negócio, e este não é o caso único da Fórmula 1 (os brasileiros vão lembrar bem da transferência do Neymar do Santos para o Barcelona, conhecida como “Neymargate”). Às vezes a imprensa não instrui corretamente os torcedores, pois quanto mais leiga acerca do tema for a pessoa, maiores as chances de a mesma acreditar em manchetes sensacionalistas e de alimentar um fanatismo através de polêmicas. Logo, muitos torcedores ainda não percebem que os negócios são uma parte constituinte muito mais significativa da Fórmula 1 do que a competição em si.

 

O caso de Neymar é mais uma prova da relação intrínseca entre o dinheiro e o esporte. [3]

 

Agora, se você pensa que Sebastian Vettel não precisa comprar vagas porque foi vitorioso no passado (mesmo sendo exatamente esta a situação), e que Nico Rosberg empresariou Robert Kubica por caridade, saiba que está analisando o caso de maneira rasa. E não adianta rir ou tentar desqualificar o outro baseado em sexo ou idade. Para fazer um debate razoável, é preciso que ambos os lados estejam devidamente informados.


Bibliografia

Sobre a audiência

Sobre a matéria em si

Nota: Algumas das fontes consultadas para este artigo estão presentes no TCC “A Fórmula 1 no Brasil: Uma análise sobre a transmissão televisiva no país” (2020), que ainda será publicado pela Faculdade Cásper Líbero (cedi fontes para a autora na elaboração do trabalho e ela me cedeu fontes para minha publicação). Estou esclarecendo esse ponto para que não haja acusações de plágio.

 

Fotos

Obs.: Nenhuma das fotos inseridas neste artigo pertence a mim. Este site possui fins informativos, não comerciais. Abaixo estão indicados os links de onde tirei as fotos. Todos os direitos reservados.