Posts

Lando Norris: O Queridinho da Fórmula 1

Todos os pilotos são iguais, mas alguns são mais iguais que outros.

Paráfrase de George Orwell, “A Revolução dos Bichos” (1945)

 

Ao contrário de Max Verstappen e Lance Stroll, Lando Norris entrou na Fórmula 1 sob uma chuva de elogios da imprensa esportiva. Jornalistas, narradores e comentaristas exaltavam o jovem piloto inglês da mesma maneira que faziam com Charles Leclerc em 2018 e 2019. A impressão que os torcedores tinham era de que uma grande estrela estava chegando às pistas.

No entanto, comparado a outros pilotos de sua geração, Norris não conseguiu muitos grandes feitos. Porém, isso não impediu a mídia de continuar tratando-o como um dos maiores atletas da Fórmula 1. Isso alimentou o fanatismo de muitos torcedores, que chegam a ser agressivos com quem duvida da suposta maestria do piloto. Nesta matéria, vamos analisar o perfil de Norris e as intenções da mídia por trás de sua idolatria.

 

1- As origens de Lando Norris

 

Nascido em Bristol no dia 13 de novembro de 1999, Lando Norris é o segundo filho do empresário Adam Norris e de sua esposa Cisca Wauman. O casal também é pai de Oliver, Flo e Cisca. De acordo com uma matéria do jornal Bristol Post, a fortuna pessoal de Adam Norris chegava a £205 milhões em 2019, tornando-o o um dos homens mais ricos do Reino Unido.

As condições financeiras de sua família permitiram que Norris tivesse certos privilégios em relação à maior parte da população mundial, como um tutor disponível em tempo integral para auxiliá-lo nas matérias de matemática e física. O piloto estudou na tradicional Millifield School, mas abandonou os estudos antes de se formar. Norris não é modesto ao afirmar que “se eu não fosse um bom piloto, essa não seria uma decisão sábia”.

 

Lando Norris e seu pai, Adam. (Foto: F1i.com) [1]

 

De 2014 a 2018, Norris participou de 16 edições de campeonatos de monoposto antes de estrear na Fórmula 1. Venceu cinco deles: a Fórmula MSA de 2015, a Eurocup Formula Renault 2.0, a Fórmula Renault 2.0 NEC e a Toyota Racing Series em 2016 e a Fórmula 3 Europeia de 2017.

Considerando o tratamento midiático dado a pilotos que estrearam antes na Fórmula 1 em situação semelhante, e tendo em vista sua origem burguesa, Norris seria um bom candidato à alcunha de “piloto pagante”. No entanto, veículos tradicionais de imprensa evitam associá-lo ao elitismo inerente à categoria.

 

2- A sensação teen da internet

 

É quase um consenso entre os sociólogos que as redes sociais influenciam muito na reputação de uma empresa ou figura pública. Comprada pela Liberty Media no final de 2016, a própria Fórmula 1 passou a investir pesadamente na divulgação online na esperança de atrair o público jovem. O resultado foi positivo, com um aumento considerável na audiência e na interação com a categoria, além de ganhos financeiros significativos.

Lando Norris soube aproveitar bem esse recurso. Através de postagens humoradas nas redes sociais, o piloto moldou sua reputação entre os internautas. Consequentemente, formou uma base de fãs jovens, que era um dos objetivos da Fórmula 1. No entanto, boa parte dos novos torcedores não conseguia distinguir o Norris da internet do Norris das pistas. Logo, encantados pelo conteúdo das redes sociais, eles passaram a considerar o piloto como um dos melhores do esporte, ainda que os fatos provem o contrário.

 

Diferente do que ocorre nas pistas, a postura de Norris nas redes sociais costuma ser bem humorada, o que atraiu muitos fãs. (Foto: Drive Tribe) [2]

 

Para analisar o desempenho do piloto inglês, consideramos sete pilotos do grid de 2021 da chamada “nova geração da Fórmula 1”: Max Verstappen, Lance Stroll, Charles Leclerc, Esteban Ocon, Pierre Gasly, Lando Norris e George Russell. Ficam de fora Yuki Tsunoda, Mick Schumacher e Nikita Mazepin por serem estreantes em 2021, não tendo tempo o suficiente para se chegar a um veredito concreto. O mesmo vale para Nicholas Latifi, estreante em 2020. Entre os sete citados previamente, Verstappen teve o melhor desempenho durante a carreira, seguido por Leclerc, Stroll e Gasly. Norris é o antepenúltimo da lista, à frente apenas de Ocon e Russell, como indica a tabela abaixo.

 

 

Para se classificar um piloto como “talentoso” ou “pagante”, é preciso estabelecer critérios de avaliação. De acordo com os impactos no histórico do piloto e na tabela do campeonato, os critérios adotados são vitórias, pódios, pole positions, recordes e pontos*. Através da análise conjunta dos dados, chegamos ao veredicto sobre a performance do atleta. Gasly, por exemplo, tem uma vitória até o momento e Stroll nenhuma, mas o canadense tem uma pole, três pódios e dois recordes, contra dois pódios e um recorde do francês. Portanto, Stroll fica à frente de Gasly, vencendo-o em três dos cinco critérios estabelecidos.

(*Os pontos afetam a tabela do campeonato, mas os recordes são mais marcantes para o histórico do piloto, portanto foram colocados à frente na ordem de relevância para a análise. Além disso, os pontos são totalmente dependentes da particularidade de cada corrida.)

No caso de Norris, que até agora possui três pódios, supera Ocon e Russell, pilotos com uma certa peculiaridade. Até o Grande Prêmio do Sakhir de 2020, penúltima corrida daquele ano, Ocon não havia tido pódio e Russell não havia pontuado. Percebe-se pelos dados oficiais que seria mais razoável considerar Verstappen, Leclerc, Stroll e Gasly “mais talentosos” que Norris. Mas a mídia esportiva tradicional tem outra abordagem.

 

Internauta expressa apoio a Norris no Twitter com frase generalista. (Foto: 9GAG) [3]

 

Infelizmente, os interesses financeiros de um veículo de comunicação acabam se sobressaindo ao comprometimento com os fatos. No ambiente esportivo, observa-se que os patrocinadores de atletas e equipes também financiam emissoras e sites, influenciando na maneira como seus assessorados são representados na mídia. A reputação do atleta, portanto, resulta do trabalho de sua assessoria de imprensa e da influência de seus patrocinadores nos veículos de comunicação. A postura do piloto também pode ter certo impacto na reputação (principalmente em escândalos). Mas, algumas vezes, em casos menos graves, ela fica na sombra dos outros dois fatores.

Isso explica, por exemplo, as situações de Stroll e Norris. Por mais que os fatos indiquem que ele tem talento e que não pode ser considerado “pagante”, Stroll ainda será crucificado na mídia devido à incompetência de seus assessores e à sua própria passividade diante das crises de imagem (ver “Racing Point: Uma Imagem Mal Gerida”). Ao mesmo tempo, Norris será retratado como um piloto de grande talento e generosidade, ainda que seus resultados e comportamento mostrem o contrário.

 

3- Lando Norris humilde: um personagem de histórias infantis

 

Durante a transmissão do Grande Prêmio de Mônaco de 2021, o narrador brasileiro Sérgio Maurício e os comentaristas Reginaldo Leme e Max Wilson dedicaram um tempo para elogiar Lando Norris. O adjetivo mais usado foi “humilde”. No entanto, nenhum dos três citou qualquer evento que comprovasse essa suposta “humildade” do piloto. Na vida real, o comportamento de Norris está longe do que pode ser considerado “humilde”.

O primeiro “surto” de Norris ocorreu no Grande Prêmio da Espanha de 2019, ao colidir com Lance Stroll. Embora tenha se desculpado com a equipe pela batida, admitindo sua responsabilidade, o inglês esbravejou contra o canadense, culpando-o pelo ocorrido mesmo que os comissários o tivessem inocentado. No Grande Prêmio da França, ordenou à McLaren que mandasse Carlos Sainz Jr. lhe ceder sua posição. Ao ser ultrapassado por Sergio Pérez no Grande Prêmio de Abu Dhabi, Norris chorou no rádio e desmereceu a atuação do mexicano.

 

Os comentários ácidos de Norris não poupam nem seus companheiros de equipe. O caso mais recente foi Ricciardo. (Foto: GPBlog) [4]

 

Em 2020, durante o Grande Prêmio da Bélgica, o piloto agrediu verbalmente seu engenheiro, que o havia alertado sobre exceder os limites da pista (que poderia gerar uma punição). No Grande Prêmio da Itália, irritado por Stroll ter conquistado o pódio, Norris agiu de maneira hipócrita. Fez críticas infundadas ao regulamento da FIA que permite a troca de pneus durante a bandeira vermelha, mas omitiu que os comissários o investigaram por ter sido excessivamente lento nos boxes, o que de fato contraria as regras. No Grande Prêmio do Eifel, o piloto foi grosseiro com sua equipe, novamente se utilizando de vocabulário chulo. Após uma colisão com Stroll no Grande Prêmio de Portugal, Norris ofendeu a capacidade de aprendizagem do adversário. Em entrevista na mesma semana, desmereceu o heptacampeonato de Lewis Hamilton, creditando-o totalmente ao carro da Mercedes. Após muitas críticas pela postura arrogante, Norris lançou um pedido de desculpas a Stroll e Hamilton, mas sequer mencionou seus nomes, referindo-se a ambos como “certas pessoas”.

No Grande Prêmio da Emília-Romanha de 2021, Norris exigiu que a McLaren ordenasse a Daniel Ricciardo a ceder-lhe a posição. Diferente do que houve na França em 2019, a equipe acatou a vontade do piloto inglês. Apesar da manobra, considerada antiesportiva por muitos especialistas, Norris foi eleito o “Piloto do Dia” pelo público. A performance mais impressionante daquela corrida, no entanto, foi a de Hamilton, que conquistou o segundo lugar após uma batida no muro quase o tirar da prova. Além disso, Norris disse abertamente que “não tem simpatia” por Ricciardo diante das dificuldades enfrentadas pelo companheiro, e que o considera “menos adaptável” que Sainz. O inglês também relata que almeja uma posição de “liderança” dentro da McLaren.

 

Matéria do site oficial da Fórmula 1 relata que houve ordens de equipe na troca de posições entre Norris e Ricciardo. (Foto: Site oficial da Fórmula 1) [5]

 

Os fatos elencados anteriormente provam que Norris não tem uma postura ética e respeitosa dentro do ambiente esportivo, tanto com os demais competidores quanto com sua própria equipe. Portanto, a palavra “humilde” não descreve sua conduta, mesmo que os narradores e comentaristas brasileiros insistam em tratá-lo como tal. Ressalta-se que o mesmo Sérgio Maurício que aplaude Norris, mesmo com todas as grosserias ditas pelo inglês, criticou Max Verstappen por responder duramente a uma pergunta indelicada de um jornalista em 2018. Voltamos à paráfrase do início da matéria: “Todos os pilotos são iguais, mas alguns são mais iguais que outros”.

Enquanto a mídia tradicional omite o comportamento inadequado de Norris e o vende como o melhor e mais humilde piloto de todos os tempos, jornalistas independentes e internautas desmascaram essa fraude. Inicialmente, o piloto foi comparado à personagem Veruca Salt, do livro infantil “A Fantástica Fábrica de Chocolate” (1964). Eles têm características em comum: ambos são ingleses, muito ricos e exigem que todas as suas vontades sejam atendidas, não importa o quanto precisem gritar por isso.

 

Embora a mídia esportiva tente disfarçar, Norris tem muitas características em comum com a personagem Veruca Salt. [5]

 

Norris também foi comparado a outros personagens fictícios. Um deles é Quico, do seriado mexicano “Chaves” (1973-1980), famoso por gritar seu bordão “Cale-se, cale-se, cale-se, você me deixa louco”. A referência se deve ao fato de Norris ter berrado várias vezes com seu engenheiro no rádio. Outro personagem comparado a Norris é o Príncipe Adam, da franquia “A Bela e a Fera” da Disney (esta, por sua vez, é uma adaptação do conto francês de Suzanne de Villeneuve, escrito em 1740). No filme “O Natal Encantado” (1998), é revelado que Adam agia de maneira deveras rude com seus criados e era indiferente ao sofrimento alheio. Por conta disso, uma feiticeira decidiu transformá-lo em fera. Além do príncipe, que tem o mesmo nome que o pai de Norris, outra personagem francesa com comportamento semelhante ao do piloto é Chloé Bourgeois, do desenho animado “Miraculous”. Incapaz de amar alguém além de si mesma, Chloé maltrata todo e qualquer um que cruze seu caminho, e acha que é obrigação de todos servi-la e idolatrá-la. Apesar de ela não demonstrar respeito por ninguém, possui uma grande base de fãs (principalmente americanos), tal como Norris. Esses relativizam seu perfil grosseiro e torcem por seu triunfo no final.

 

Os jornalistas tratam Norris como “o rico humilde” (como Adrien Agreste), mas na vida real ele age como “o rico mimado” (como Chloé Bourgeois). [6]

 

Infelizmente, por não estar de acordo com seus interesses, a mídia tradicional não tratará Norris e suas grosserias da mesma forma que o faz com outros pilotos. Somado a isso, seus torcedores mais fanáticos continuarão promovendo ambientes hostis na internet em seu nome até que sua onda de popularidade se dissipe.

Além disso, o fator racial deve ser levado em conta. Hamilton afirmou em entrevista que “seria mais popular no Reino Unido se fosse branco”, o que permite o levantamento de mais uma hipótese. Ciente de que Hamilton é o piloto britânico mais bem sucedido da história, talvez a mídia tente investir na imagem de Norris (bem como na de George Russell) na esperança de que o público acredite que o posto um dia será ocupado por um piloto branco. Consequentemente, a mídia dos outros países adota a mesma postura, já que os principais órgãos da imprensa oficial da Fórmula 1 se encontram no Reino Unido.

 

4- Conclusão

 

A mídia esportiva elegeu Lando Norris como seu piloto favorito devido, principalmente, à vantagem econômica que ele traz a seus patrocinadores e à Fórmula 1. Sua popularidade nas redes sociais atraiu muitos torcedores jovens à categoria, mas estes o enxergam por um filtro de celebridade e não percebem que o atleta está longe de ser o astro gentil que a imprensa vende. Como Norris é bem assessorado e o dinheiro continua sendo o principal motor da Fórmula 1, talvez não o veremos sendo tratado igual aos outros pilotos tão cedo.

 

Adendo (23/07/2021): Lando Norris confirmou que sua equipe ganhou muitos patrocinadores com seu ingresso. Além disso, sua participação no Twitch atraiu bastante público. Essas informações (conferidas aqui) comprovam o argumento principal da matéria.

 


Fontes:

 

1- As origens de Lando Norris

 

2- A sensação teen da internet

*Fontes da tabela

 

3- Lando Norris humilde: um personagem de histórias infantis

 

Adendo

 

Fotos:

Obs.: Nenhuma das fotos inseridas neste artigo, exceto as montagens, pertence a mim. Este site possui fins informativos, não comerciais. Abaixo estão indicados os links de onde tirei as fotos. Todos os direitos reservados.

 

 

Racing Point: Uma Imagem Mal Gerida

O caso da gestão de imagem da Racing Point entre 2018 e 2020 deveria ser estudado pelas faculdades de Relações Públicas tanto quanto o caso da Escola Base é abordado nas de Jornalismo. O motivo é o mesmo: trata-se de um exemplo do que um bom profissional definitivamente não deve fazer.

Sucessivos erros e negligências tornaram a equipe e seus pilotos (principalmente Lance Stroll) alvos de constantes ataques e desinformações por parte da imprensa. É provável que houvesse um conflito entre as soluções para os problemas de imagem e os interesses da escuderia. Esta matéria tem por objetivo analisar as falhas da Racing Point em lidar com as sucessivas crises de imagem antes de sua transformação em Aston Martin.

 

(A autora da matéria é formada em Rádio, TV e Internet pela Faculdade Cásper Líbero, e fez cursos de Assessoria de Imprensa e Gerenciamento de Crise pela mesma instituição e pelo Senac. Suas professoras foram Neuza Serra e Aurora Seles.)

 

1- O início da Racing Point e a primeira crise: o Caso Esteban Ocon

 

Em 2018, o empresário indiano Vijay Mallya enfrentou problemas judiciais na justiça de seu país natal, que o acusava de fraude e lavagem de dinheiro. Somado a isso, sua escuderia na Fórmula 1, a Force India, decretou falência em julho daquele ano devido ao acúmulo de dívidas. Em meio às várias especulações sobre o futuro do time (entre elas a de que seria comprado pelo empresário mexicano Carlos Slim, um dos patrocinadores de Sergio Pérez), o canadense Lawrence Stroll, pai de Lance, se juntou a um grupo de empresários para montar um consórcio e comprar a Force India. Consequentemente, a escuderia correu o resto da temporada de 2018 sob o nome de Racing Point Force India.

 

Vijay Mallya: dono da Force India de 2007 a 2018. (Foto: Getty Images) [1]

 

Lance Stroll até então corria pela Williams, uma equipe marcada por sérios problemas administrativos. A chefe de equipe, Claire Williams, e o engenheiro-chefe, Paddy Lowe, buscavam transferir a culpa do mau desempenho do time aos pilotos, embora o motivo deste problema estivesse na estrutura precária do carro montado pelo departamento de engenharia. A imprensa adotou a narrativa de Claire e Lowe e passou a atacar Stroll e seu companheiro de equipe Sergey Sirotkin.

Devido ao fato de um dos novos donos da Force India ser pai de um piloto, especulou-se que ou Sergio Pérez ou Esteban Ocon sairia para dar lugar a ele. Pérez trazia mais patrocínios e conseguia pontuações mais altas, tornando-o a escolha mais provável para continuar na equipe. Por outro lado, Ocon era amigo pessoal de Lance Stroll, embora o componente emocional não seja definitivo em decisões de negócios. No entanto, o que pouco se falou foi que Ocon já era cotado para deixar a Force India, pois seu então padrinho Toto Wolff, chefe de equipe da Mercedes, teria lhe oferecido uma vaga em seu time se não dificultasse para Lewis Hamilton em uma possível disputa por posições no Grande Prêmio de Mônaco de 2018.

 

Toto Wolff falhou em arranjar um assento a Esteban Ocon 2019, mas o piloto preferiu deixar a mídia culpar Lance Stroll. (Photo: EsporteNET) [2]

 

Segundo o radialista e teórico da comunicação americano Ben Shapiro, os fatos tornam-se irrelevantes para a mídia quando esta cria uma narrativa para seguir sua agenda. Na análise do sociólogo e teórico da comunicação alemão Theodor Adorno (1903-1969), a mídia tem uma visão puramente mercadológica de seu público-alvo. Conciliando as duas teses, vemos que não era interessante para a imprensa divulgar a verdade (de que Esteban Ocon estava de partida), pois atenderia mais à sua agenda e a seus interesses financeiros criar polêmicas para vender manchetes, mesmo que isso prejudicasse a reputação de Lance Stroll.

A equipe de assessoria de imprensa do canadense nunca conseguiu administrar bem a crise de imagem gerada pela perseguição midiática. Muitos jornalistas se recusavam a reconhecer seus feitos na Fórmula 1, que a própria categoria considera “históricos”. A estratégia adotada era de simplesmente ignorar comentários maldosos da imprensa e dos torcedores. Embora isso seja um bom plano para manter o controle emocional, “o silêncio nunca é a melhor resposta”, como dizia a professora Neuza Serra. Era dever dos assessores de Stroll deixar bem claro que o mesmo nunca se enquadrou no perfil de “piloto pagante”, pois cumpriu todos os pré-requisitos da FIA para o ingresso na Fórmula 1 (como os 40 pontos na Superlicença, que são obtidos, nunca comprados) e conseguiu um pódio e dois recordes em seu ano de estreia, por uma equipe pouco competitiva.

 

Pódio de Lance Stroll no Grande Prêmio do Azerbaijão: o último da Williams. (Foto: FORMULA1) [3]

 

Esteban Ocon se aproveitou da polêmica para se omitir sobre o caso. Mesmo sabendo que a culpa de sua provável saída da Fórmula 1 era da falha de Toto Wolff em lhe arrumar um assento em outra equipe (já que as outras escuderias viam com desconfiança as relações entre Ocon e Mercedes), ele preferiu deixar a mídia culpar a compra da Force India por Lawrence Stroll e seus sócios. Só depois de meses que o piloto se pronunciou contra os ataques a Lance Stroll, mesmo não sendo sincero sobre os responsáveis por sua situação delicada. Manter a polêmica apesar do pronunciamento foi uma ótima estratégia de autopromoção para Ocon.

 

Esteban Ocon esclarecendo a polêmica, pero no mucho. (Foto: Instagram) [4]

 

2- A segunda crise: a saída de Sergio Pérez e o ingresso de Sebastian Vettel

 

Durante o ano de 2019, Lance Stroll levou mais tempo para se adaptar ao novo carro, e consequentemente suas pontuações estavam abaixo das de Sergio Pérez. Logo, alguns setores da imprensa continuavam a duvidar de sua capacidade, como foi o caso do comentarista Reginaldo Leme durante a transmissão do Grande Prêmio da França pela Rede Globo. Apesar disso, teve alguns resultados impressionantes, como o quarto lugar na Alemanha.

Em 2020 a Racing Point começou a temporada como uma candidata a “equipe de ponta”, com um ótimo desempenho dos carros e pilotos. Entretanto, o time foi acusado de copiar os sistemas de freios da Mercedes e, com isso, ganhar vantagens. Apesar da equipe ter sido condenada a pagar uma multa e perder 15 pontos no campeonato depois de uma investigação, os pilotos conseguiram trazê-la de volta ao topo. Na época, Lawrence Stroll se pronunciou sobre o caso, ressaltando que não costuma aparecer na imprensa, mas que pretende esclarecer a situação, provando a integridade de sua escuderia.

 

 

A Renault liderou o movimento contra a Racing Point, embora seu passado não seja exatamente o mais ético na Fórmula 1. [5]

 

O caso logo foi esquecido com uma segunda crise de imagem: novamente, a mídia encontrou uma oportunidade de manchar a reputação de Lance Stroll em acusá-lo de ter influência sobre as decisões da Racing Point por ser filho de um dos donos. Após ser demitido da Ferrari, devido a uma série de decisões erradas que custaram pontos à equipe, Sebastian Vettel estava sem opções para o grid de 2021. Decidiu comprar ações da Aston Martin, empresa que seria a dona da Racing Point no ano seguinte, e logo garantiu sua vaga. O problema estava na divulgação dos acontecimentos: a Racing Point ora negava, ora confirmava a vinda de Vettel, e também havia inconstância nas narrativas sobre se Sergio Pérez havia sido avisado ou não.

O fato é que a Racing Point jamais abordou em seus releases que Sebastian Vettel era mais do que um piloto, mas sim um acionista. E mesmo grandes nomes da mídia noticiando o fato (como Sergio Quintanilha e Adam Cooper), a imprensa investiu novamente em insinuar que Sergio Pérez foi dispensado porque demitir Lance Stroll estava fora de cogitação. O natural de uma equipe de assessoria de imprensa seria justamente esclarecer dois pontos primordiais neste caso: o de que Stroll é um piloto com um bom começo de carreira, e por ser jovem pode ser um bom investimento a longo prazo, e que Vettel comprou seu assento. Em vez disso, tanto a assessoria da equipe quanto a de Stroll preferiram omitir o que seria crucial para encerrar a crise.

 

3- A passividade de Lance Stroll (e de sua assessoria de imprensa)

 

Diante dos fatos elencados, também não se deve ignorar que a postura de Lance Stroll diante das sucessivas crises pelas quais passa sua imagem é no mínimo curiosa. Como dito anteriormente, o piloto e sua assessoria de imprensa preferem ignorar os insultos porque sabem que estes não possuem fundamento, mas acabam desperdiçando uma boa oportunidade de revelar a verdade à imprensa e melhorar sua imagem. Ignorar a crise não vai fazê-la sumir, só a faz aumentar.

A prova de que Lance Stroll não possui privilégios na Racing Point (como muitos da mídia insinuam) é que seus estrategistas falham constantemente nos planos para as corridas (principalmente nos pit stops, como no Grande Prêmio da Turquia, de onde Stroll largou da pole position e acabou em nono lugar), e não há nenhuma queixa do piloto ou de sua família quanto a isto. E sua assessoria poderia usar um recurso muito útil para silenciar por definitivo esses boatos.

 

Embora os estrategistas estejam falhando constantemente, nem Lance Stroll nem sua família reclamam disso. Esta é apenas uma das muitas provas de que Lance não está recebendo privilégios na equipe. [6]

 

Como comprovado em “A Fórmula 1 no Brasil: Uma análise sobre a transmissão televisiva no país”, aqueles que criticam a fortuna de Lance Stroll, um piloto indígena e judeu, e não fazem o mesmo com pilotos brancos com menos feitos, são racistas. O mesmo vale para aqueles que criticaram os investimentos de Lawrence Stroll na Force India e não fizeram o mesmo com os de Sebastian Vettel na Aston Martin. A imprensa, em sua visão mercadológica, se passa por apoiadora da luta contra as desigualdades sociais, e como afirmado por Ben Shapiro, investe no discurso da luta de classes para engajar seu público-alvo. Mas é muito suspeito que o condenado nessa narrativa seja justamente um piloto indígena e judeu, membro de minorias étnicas e engajado em causas sociais.

Por esta lógica, o que aparentemente seria um caso de narrativa de promover uma luta de classes (entre o piloto “sortudo por ser rico” e os torcedores “sem a mesma sorte”) acaba por se revelar um discurso reacionário que reforça um sistema de opressão de minorias, pois nega o direito de fortuna ao atleta de etnias historicamente perseguidas (judeus e indígenas) ao mesmo tempo que permite ao que pertence ao grupo dominante (europeus brancos).

(“A Fórmula 1 no Brasil: Uma análise sobre a transmissão televisiva no país”, p. 120-121)

 

Portanto, é estranho que a assessoria de Lance Stroll não aponte o caráter racista nos ataques da mídia ao piloto. Se assim fizesse, a imprensa seria obrigada a noticiar, e os jornalistas, temendo serem taxados como “racistas” pela opinião pública, mudariam o discurso. Também suspeito é o fato de Stroll ainda considerar Esteban Ocon seu amigo, mesmo quando este usou uma crise da imagem do canadense para se autopromover em vez de ajudá-lo.

 

Como diria o Robin, “Santa Ingenuidade, Batman!” [7]

 

Além disso, o ingresso de Sebastian Vettel na Aston Martin provocou uma atitude suspeita no próprio Lawrence Stroll, cujo posicionamento não condiz com a realidade e coloca em xeque a reputação do próprio filho. O empresário culpou a demissão de Vettel da Ferrari antes do início da temporada de 2020 pelo mau desempenho do alemão naquele ano (ignorando que essa “má fase” já ocorria nos últimos anos devido a “erros individuais” de Vettel, levando-o a ser demitido, como relatou o jornalista e ex-piloto Martin Brundle). Também responsabilizou o carro da Ferrari pelo infortúnio do piloto, ignorando que, diferente do que houve com seu filho e Sergey Sirotkin na Williams em 2018 (no qual ambos os pilotos tinham dificuldades nas pistas devido ao carro), o desempenho de Charles Leclerc em 2020 muito acima do de Vettel prova que, embora tenha um impacto, o carro da Ferrari não foi o fator principal pelo rendimento abaixo do esperado do alemão. Por fim, ao confiar que Vettel trará benefícios à equipe por ter sido tetracampeão com a Red Bull entre 2010 e 2013, o empresário recorre à falácia argumentum ad antiquitatem (apelo à tradição ou ao passado), apresentando o futuro como uma continuidade de um passado distante, ignorando as mudanças que ocorrem no presente. Ora, a Mercedes também não tinha um tetracampeão em 2014, quando sua equipe era composta por Lewis Hamilton e Nico Rosberg, e venceu todos os campeonatos a partir daquele ano. O próprio Lawrence Stroll não menciona a compra de ações de Vettel, como se quisesse também esconder esse fato para que o alemão não seja lembrado como “comprador de vaga” (recorrendo a seu passado para ajudar na estratégia de divulgação). Consequentemente, por falta de ciência (ou, talvez, até por seu próprio consentimento), permite que a mídia continue distorcendo a imagem de seu filho Lance para satisfazer os objetivos mercadológicos da equipe.

 

4- Conclusão

 

A assessoria de imprensa da Racing Point falhou constantemente em proteger seus pilotos, principalmente Lance Stroll, de ataques descabidos e sensacionalistas por parte da mídia. E mesmo que isso signifique que Stroll não possui privilégios em sua equipe, a imprensa prefere ignorar os fatos para obter vantagens financeiras através de polêmicas.

Às vezes, as empresas acabam por permitir certas crises de imagem para esconder seus reais interesses. No caso da Racing Point, era óbvio que Sebastian Vettel não queria ser lembrado como “o piloto que precisou comprar sua vaga porque, apesar de seu passado glorioso, seu presente estava um desastre”. Logo, a equipe omitiu uma informação que seria essencial para salvar a reputação de Lance Stroll. Percebe-se, portanto, que se há um privilegiado na Racing Point (atual Aston Martin), esse alguém é Vettel. A passividade do piloto canadense e de sua assessoria de imprensa é um exemplo claro de como não encarar uma crise de imagem causada pela mídia.

 

Estão fazendo um ótimo trabalho na engenharia. Só falta melhorar na assessoria de imprensa. [8]

 

5- Bibliografia

Para melhor compreensão das fontes, a bibliografia foi dividida em seções de acordo com as informações apresentadas na matéria.

 

1- Criação da Racing Point

 

2- Caso Esteban Ocon

 

3- Caso Williams

3.1 Claire Williams e Paddy Lowe responsabilizando os pilotos pelos problemas da escuderia (de 2017 a 2018)

3.2 Reais causas dos problemas

 

4- Comentário de Reginaldo Leme

 

5- Feitos de Lance Stroll na Fórmula 1

 

6- Ações filantrópicas e causas sociais defendidas por Lance Stroll

 

7- Escândalo dos freios

 

8- “Erros individuais” levaram Sebastian Vettel a ser demitido pela Ferrari (depoimento de Martin Brundle)

 

9- Sebastian Vettel compra ações da Aston Martin

 

10- Discrepância de narrativas sobre a situação de Sergio Pérez

 

11- Depoimento falacioso de Lawrence Stroll em favor de Sebastian Vettel

 

12- Impacto do carro no desempenho dos pilotos

 

12- Embasamento teórico

 

6- Fotos

Obs.: Nenhuma das fotos inseridas neste artigo, exceto as montagens, pertence a mim. Este site possui fins informativos, não comerciais. Abaixo estão indicados os links de onde tirei as fotos. Todos os direitos reservados.