Encerramos as atividades | We ended the activities

Português

 

Comunicamos que o The Racing Track vai encerrar suas atividades a partir de hoje (03/08/2021) depois de 3 anos no ar. O site ficará disponível até ser completamente desligado, em data que será anunciada posteriormente.

Agradecemos a todos os leitores e seguidores que deram apoio ao projeto. Caso alguém queira entrar em contato para obter informações e fontes, deve mandar um e-mail para rebecaroalves@yahoo.com.

 

English

 

We announce that The Racing Track will end its activities today (August 3rd, 2021) after three years online. The website will remain available until it is completely shut down, on a date announced later.

We thank all readers and followers who supported the project. If anyone wants to contact for information and sources, they should email rebecaroalves@yahoo.com.

Lando Norris: The Darling of Formula One

All drivers are equal, but some drivers are more equal than others.

Paraphrase of George Orwell’s “Animal Farm” (1945)

 

Unlike Max Verstappen and Lance Stroll, Lando Norris entered Formula One under a shower of praise from the sports press. Journalists, narrators, and commentators extolled the young English driver in the same way they did to Charles Leclerc in 2018 and 2019. The impression the fans had was that a big star was coming to the tracks.

However, compared to other drivers of his generation, Norris has not achieved great things. Still, this did not prevent the media from treating him as one of the greatest athletes in Formula One. That fueled the fanaticism of many fans, who are even aggressive towards those who doubt the driver’s alleged mastery. In this article, we will analyze Norris’s profile and the media’s intentions behind his idolatry.

 

1- Lando Norris’s origins

 

Born in Bristol on November 13th, 1999, Lando Norris is the second child of businessman Adam Norris and his wife, Cisca Wauman. The couple is also the parents of Oliver, Flo, and Cisca. According to a report in the Bristol Post, Adam Norris’s fortune reached £ 205 million in 2019, making him one of the richest men in the United Kingdom.

His family’s financial conditions allowed Norris to have certain privileges compared with most of the world’s population, like a full-time tutor to assist him in mathematics and physics subjects. The driver studied at the traditional Millifield School but dropped out of school before graduating. Norris is not modest in saying that “If I wasn’t a very good driver it would not be a wise decision.”

 

Lando Norris and his father Adam. (Photo: F1i.com) [1]

 

From 2014 to 2018, Norris participated in 16 editions of single-seat championships before debuting in Formula One. He won five of them: the MSA Formula in 2015, Eurocup Formula Renault 2.0, Formula Renault 2.0 NEC, and Toyota Racing Series in 2016, and European Formula Three in 2017.

Considering the media treatment given to drivers who had previously debuted in Formula One in a similar situation, and bearing in mind his bourgeois origin, Norris would be a good candidate for the nickname “pay driver.” However, traditional media outlets avoid associating it with the category’s inherent elitism.

 

2- The internet’s teen sensation

 

It is almost a consensus among sociologists that social networks greatly influence a company or public figure’s reputation. Bought by Liberty Media at the end of 2016, Formula One itself began to invest heavily in online advertising in the hope of attracting young audiences. The result was positive, with a considerable increase in audience and interaction with the category, in addition to significant financial gains.

Lando Norris knew how to take advantage of that resource. Through humorous posts on social networks, the driver shaped his reputation among Internet users. Consequently, he formed a young fan base, which was one of the goals of Formula One. However, most new fans could not distinguish Norris from the internet from Norris from the tracks. Soon, delighted by the content of social networks, they started to consider the driver as one of the best in the sport, even though the facts prove otherwise.

 

Unlike what happens on the tracks, Norris’ posture on social media is usually very humorous, which attracted many fans. (Photo: Drive Tribe) [2]

 

To analyze the performance of the English driver, we consider seven drivers on the 2021 grid from the so-called “new generation of Formula One”: Max Verstappen, Lance Stroll, Charles Leclerc, Esteban Ocon, Pierre Gasly, Lando Norris, and George Russell. Yuki Tsunoda, Mick Schumacher, and Nikita Mazepin are left out since they are rookies in 2021, not having enough time to reach a substantial verdict. The same goes for Nicholas Latifi, who debuted in 2020. Among the seven previously mentioned, Verstappen had the best performance during his career, followed by Leclerc, Stroll, and Gasly. Norris is the third from the bottom’s list, just ahead of Ocon and Russell, as shown in the table below.

 

 

To classify someone as “talented” or “pay driver,” it is necessary to establish evaluation criteria. According to the impacts on the driver’s history and the championship table, the ones adopted are wins, podiums, pole positions, records, and points*. Through the joint analysis of the data, we arrive at the verdict on the athlete’s performance. Gasly, for example, has a win so far and Stroll none, but the Canadian has one pole, three podiums, and two records against two podiums by the Frenchman. Therefore, Stroll is ahead of Gasly, beating him on three of the five established criteria.

(*The points affect the championship table, but the records are more remarkable for the driver’s history, so they were placed ahead in the order of relevance for the analysis. In addition, the points are dependent on the particularity of each race.)

In the case of Norris, who so far has three podiums, he overcomes Ocon and Russell, drivers with a certain peculiarity. Until the 2020 Sakhir Grand Prix, that year’s penultimate race, Ocon had not had a podium, and Russell had not scored. It is clear from official data that it would be more reasonable to consider Verstappen, Leclerc, Stroll, and Gasly “more talented” than Norris. But traditional sports media has another approach.

 

An internet user expresses support for Norris on Twitter with a generalist phrase. (Photo: 9GAG) [3]

 

Unfortunately, the financial interests of a media outlet outweigh the commitment to the facts. In the sports environment, it is observed that sponsors of athletes and teams also fund broadcasters and websites, influencing the way their advisors are represented in the media. Therefore, the athlete’s reputation results from his press office’s work and his sponsors’ influence in the media. The driver’s posture can also have some impact on reputation (especially in scandals). But sometimes, in less severe cases, it falls into the shadow of the other two factors.

That explains, for example, the situations of Stroll and Norris. Facts indicate Stroll has talent and cannot be considered a “pay driver.” However, he will still be crucified in the media due to his advisers’ incompetence and the driver’s passivity before image crises (see “Racing Point: A Poorly Managed Image”). At the same time, Norris will be portrayed as a very talented and generous driver, even though his results and behavior show the opposite.

 

3- Humble Lando Norris: a character from children’s stories

 

During the 2021 Monaco Grand Prix broadcast, Brazilian narrator Sérgio Maurício and commentators Reginaldo Leme and Max Wilson took the time to praise Lando Norris. The most used adjective was “humble.” However, none of the three cited an event that proved this alleged “humility” of the driver. In real life, Norris’s behavior is far from what can be considered “humble.”

Norris’s first heated moment was at the 2019 Spanish Grand Prix when he collided with Lance Stroll. He apologized to the team for the crash, admitting his responsibility, but then raged against the Canadian. The Englishman blamed Stroll even though the commissioners had cleared him. At the French Grand Prix, he ordered McLaren to tell Carlos Sainz Jr. to swap positions. When Sergio Pérez overtook him at the Abu Dhabi Grand Prix, Norris cried on the radio and belittled the Mexican’s performance.

 

Norris’s acid comments don’t spare even his teammates. The most recent case was Ricciardo. (Photo: GPBlog) [4]

 

In 2020, during the Belgian Grand Prix, the driver verbally assaulted his engineer, who had warned him about exceeding the track limits (which could lead to a penalty). At the Italian Grand Prix, annoyed that Stroll had won the podium, Norris acted hypocritically. He made unfounded criticisms of the FIA ​​regulation that allows tire changes during the red flag. However, he omitted that the stewards investigated him for being too slow in the pits, which in fact, runs counter to the rules. At the Eifel Grand Prix, the driver was rude to his team, using a foul vocabulary again. After a collision with Stroll at the Portuguese Grand Prix, Norris offended the opponent’s learning ability. In an interview the same week, he belittled Lewis Hamilton’s seventh world title and credited it to the Mercedes car. After severe criticism for the arrogant stance, Norris apologized to Stroll and Hamilton but did not even mention their names, referring to both as “certain people.”

At the 2021 Emilia Romagna Grand Prix, Norris demanded McLaren to order Daniel Ricciardo swapping positions. Unlike what happened in France in 2019, the team accepted the English driver’s wishes. Despite the maneuver, considered unsportsmanlike by many experts, the audience elected Norris as “Driver of the Day.” However, the most impressive performance of that race was that of Hamilton, who reached the second place after a hit in the wall almost took him out. In addition, Norris said openly that he “has no sympathy” for Ricciardo before the difficulties faced by his teammate and that he considers him “less adaptable” than Sainz. The Englishman also reports that he aims for a “leading” position within McLaren.

 

An article on the Formula One official website reports that there were team orders in Norris and Ricciardo swap positions. (Photo: Formula One official website) [5]

 

The facts listed above prove that Norris has no ethical and respectful posture within the sports environment, both with his team and other competitors. Therefore, the word “humble” does not describe his conduct, even though the Brazilian narrators and commentators insist on treating him as such. It is noteworthy that the same Sérgio Maurício, who applauds Norris, despite all the rudeness spoken by the English, criticized Max Verstappen for responding harshly to a journalist’s rude question in 2018. We return to the paraphrase at the beginning of the text: “All drivers are equal, but some drivers are more equal than others.”

While the mainstream media overlooks Norris’s inappropriate behavior and sells him as the best and most humble driver of all time, independent journalists and internet users have unmasked this fraud. Initially, the driver was compared to Veruca Salt, from the children’s book “The Fantastic Chocolate Factory” (1964). They have characteristics in common: both are English, very wealthy, and demand that all their wishes be met, no matter how much they need to shout for it.

 

Although the sports media tries to disguise it, Norris has many characteristics in common with Veruca Salt. [5]

 

Also, they compared Norris with other fictional characters. One of them is Quico, from the Mexican series “El Chavo del Ocho” (1973-1980), famous for shouting his catchphrase “Shut up, shut up, shut up, you make me crazy.” The reference is due to the several times Norris yelled at his engineer on the radio. Another character compared to Norris is Prince Adam, from Disney’s franchise “Beauty and the Beast” (this, in turn, is an adaptation of the French tale by Suzanne de Villeneuve, written in 1740). The movie “The Enchanted Christmas” (1998) revealed that Adam acted very rude to his servants and was indifferent to the suffering of others. As a result, a witch decided to turn him into a beast. In addition to the prince, Norris’s father’s namesake, another French character with behavior similar to that of the driver is Chloé Bourgeois, from the cartoon “Miraculous.” Unable to love anyone other than herself, Chloé mistreats anyone who crosses her path. Also, she thinks that serving and idolizing her is everyone’s duty. Although Chloé shows no respect for anyone, she has a large fan base (mainly Americans), just like Norris; these relativize her crude profile and hope for her triumph in the end.

 

Journalists treat Norris as a “humble rich one” (like Adrien Agreste), but in real life, he acts like a “spoiled rich one” (like Chloé Bourgeois). [6]

 

Unfortunately, because it is not in line with its interests, the mainstream media will not treat Norris and his rudeness in the same way as other drivers. In addition, his most passionate fans will continue to promote hostile environments on the internet on his behalf until his wave of popularity dissipates.

Also, people must take the racial factor into account. Hamilton said in an interview that he “would be more popular in the UK if he were White,” which allows one more hypothesis to be raised. Aware that Hamilton is the most successful British driver in history, perhaps the media will try to invest in Norris’s image (just as George Russell’s), hoping that the audience will believe that the post will one day be filled by a White driver. Consequently, the media in other countries adopt the same stance once the central bodies of the official Formula One press are based in the United Kingdom.

 

4- Conclusion

 

The sports media elected Lando Norris as its favorite driver mainly due to the financial benefits he brings to both his sponsors and Formula One.  His popularity on social media has attracted many young fans to the category, but these see him through a celebrity filter. Then, they do not realize that the athlete is far from being the gentle star the press sells. Since Norris is well-advised and Formula One keeps money as its most significant factor, we may not see him being treated like other drivers anytime soon.

 

Addendum (23/07/2021): Lando Norris confirmed that McLaren received more sponsors when he debuted. Also, his participation on Twitch attracted more public. That information (checked here) proves the article’s main argument.

 


Sources:

 

1- Lando Norris’s origins

 

2- The internet’s teen sensation

*Sources of the table

 

3- Humble Lando Norris: a character from children’s stories

 

Addendum

 

Photos:

Note: None of the photos used in this article belongs to me. This site has informative intentions, not commercial. The weblinks where I took the photos are indicated below. All copyrights reserved.

 

 

Lando Norris: O Queridinho da Fórmula 1

Todos os pilotos são iguais, mas alguns são mais iguais que outros.

Paráfrase de George Orwell, “A Revolução dos Bichos” (1945)

 

Ao contrário de Max Verstappen e Lance Stroll, Lando Norris entrou na Fórmula 1 sob uma chuva de elogios da imprensa esportiva. Jornalistas, narradores e comentaristas exaltavam o jovem piloto inglês da mesma maneira que faziam com Charles Leclerc em 2018 e 2019. A impressão que os torcedores tinham era de que uma grande estrela estava chegando às pistas.

No entanto, comparado a outros pilotos de sua geração, Norris não conseguiu muitos grandes feitos. Porém, isso não impediu a mídia de continuar tratando-o como um dos maiores atletas da Fórmula 1. Isso alimentou o fanatismo de muitos torcedores, que chegam a ser agressivos com quem duvida da suposta maestria do piloto. Nesta matéria, vamos analisar o perfil de Norris e as intenções da mídia por trás de sua idolatria.

 

1- As origens de Lando Norris

 

Nascido em Bristol no dia 13 de novembro de 1999, Lando Norris é o segundo filho do empresário Adam Norris e de sua esposa Cisca Wauman. O casal também é pai de Oliver, Flo e Cisca. De acordo com uma matéria do jornal Bristol Post, a fortuna pessoal de Adam Norris chegava a £205 milhões em 2019, tornando-o o um dos homens mais ricos do Reino Unido.

As condições financeiras de sua família permitiram que Norris tivesse certos privilégios em relação à maior parte da população mundial, como um tutor disponível em tempo integral para auxiliá-lo nas matérias de matemática e física. O piloto estudou na tradicional Millifield School, mas abandonou os estudos antes de se formar. Norris não é modesto ao afirmar que “se eu não fosse um bom piloto, essa não seria uma decisão sábia”.

 

Lando Norris e seu pai, Adam. (Foto: F1i.com) [1]

 

De 2014 a 2018, Norris participou de 16 edições de campeonatos de monoposto antes de estrear na Fórmula 1. Venceu cinco deles: a Fórmula MSA de 2015, a Eurocup Formula Renault 2.0, a Fórmula Renault 2.0 NEC e a Toyota Racing Series em 2016 e a Fórmula 3 Europeia de 2017.

Considerando o tratamento midiático dado a pilotos que estrearam antes na Fórmula 1 em situação semelhante, e tendo em vista sua origem burguesa, Norris seria um bom candidato à alcunha de “piloto pagante”. No entanto, veículos tradicionais de imprensa evitam associá-lo ao elitismo inerente à categoria.

 

2- A sensação teen da internet

 

É quase um consenso entre os sociólogos que as redes sociais influenciam muito na reputação de uma empresa ou figura pública. Comprada pela Liberty Media no final de 2016, a própria Fórmula 1 passou a investir pesadamente na divulgação online na esperança de atrair o público jovem. O resultado foi positivo, com um aumento considerável na audiência e na interação com a categoria, além de ganhos financeiros significativos.

Lando Norris soube aproveitar bem esse recurso. Através de postagens humoradas nas redes sociais, o piloto moldou sua reputação entre os internautas. Consequentemente, formou uma base de fãs jovens, que era um dos objetivos da Fórmula 1. No entanto, boa parte dos novos torcedores não conseguia distinguir o Norris da internet do Norris das pistas. Logo, encantados pelo conteúdo das redes sociais, eles passaram a considerar o piloto como um dos melhores do esporte, ainda que os fatos provem o contrário.

 

Diferente do que ocorre nas pistas, a postura de Norris nas redes sociais costuma ser bem humorada, o que atraiu muitos fãs. (Foto: Drive Tribe) [2]

 

Para analisar o desempenho do piloto inglês, consideramos sete pilotos do grid de 2021 da chamada “nova geração da Fórmula 1”: Max Verstappen, Lance Stroll, Charles Leclerc, Esteban Ocon, Pierre Gasly, Lando Norris e George Russell. Ficam de fora Yuki Tsunoda, Mick Schumacher e Nikita Mazepin por serem estreantes em 2021, não tendo tempo o suficiente para se chegar a um veredito concreto. O mesmo vale para Nicholas Latifi, estreante em 2020. Entre os sete citados previamente, Verstappen teve o melhor desempenho durante a carreira, seguido por Leclerc, Stroll e Gasly. Norris é o antepenúltimo da lista, à frente apenas de Ocon e Russell, como indica a tabela abaixo.

 

 

Para se classificar um piloto como “talentoso” ou “pagante”, é preciso estabelecer critérios de avaliação. De acordo com os impactos no histórico do piloto e na tabela do campeonato, os critérios adotados são vitórias, pódios, pole positions, recordes e pontos*. Através da análise conjunta dos dados, chegamos ao veredicto sobre a performance do atleta. Gasly, por exemplo, tem uma vitória até o momento e Stroll nenhuma, mas o canadense tem uma pole, três pódios e dois recordes, contra dois pódios e um recorde do francês. Portanto, Stroll fica à frente de Gasly, vencendo-o em três dos cinco critérios estabelecidos.

(*Os pontos afetam a tabela do campeonato, mas os recordes são mais marcantes para o histórico do piloto, portanto foram colocados à frente na ordem de relevância para a análise. Além disso, os pontos são totalmente dependentes da particularidade de cada corrida.)

No caso de Norris, que até agora possui três pódios, supera Ocon e Russell, pilotos com uma certa peculiaridade. Até o Grande Prêmio do Sakhir de 2020, penúltima corrida daquele ano, Ocon não havia tido pódio e Russell não havia pontuado. Percebe-se pelos dados oficiais que seria mais razoável considerar Verstappen, Leclerc, Stroll e Gasly “mais talentosos” que Norris. Mas a mídia esportiva tradicional tem outra abordagem.

 

Internauta expressa apoio a Norris no Twitter com frase generalista. (Foto: 9GAG) [3]

 

Infelizmente, os interesses financeiros de um veículo de comunicação acabam se sobressaindo ao comprometimento com os fatos. No ambiente esportivo, observa-se que os patrocinadores de atletas e equipes também financiam emissoras e sites, influenciando na maneira como seus assessorados são representados na mídia. A reputação do atleta, portanto, resulta do trabalho de sua assessoria de imprensa e da influência de seus patrocinadores nos veículos de comunicação. A postura do piloto também pode ter certo impacto na reputação (principalmente em escândalos). Mas, algumas vezes, em casos menos graves, ela fica na sombra dos outros dois fatores.

Isso explica, por exemplo, as situações de Stroll e Norris. Por mais que os fatos indiquem que ele tem talento e que não pode ser considerado “pagante”, Stroll ainda será crucificado na mídia devido à incompetência de seus assessores e à sua própria passividade diante das crises de imagem (ver “Racing Point: Uma Imagem Mal Gerida”). Ao mesmo tempo, Norris será retratado como um piloto de grande talento e generosidade, ainda que seus resultados e comportamento mostrem o contrário.

 

3- Lando Norris humilde: um personagem de histórias infantis

 

Durante a transmissão do Grande Prêmio de Mônaco de 2021, o narrador brasileiro Sérgio Maurício e os comentaristas Reginaldo Leme e Max Wilson dedicaram um tempo para elogiar Lando Norris. O adjetivo mais usado foi “humilde”. No entanto, nenhum dos três citou qualquer evento que comprovasse essa suposta “humildade” do piloto. Na vida real, o comportamento de Norris está longe do que pode ser considerado “humilde”.

O primeiro “surto” de Norris ocorreu no Grande Prêmio da Espanha de 2019, ao colidir com Lance Stroll. Embora tenha se desculpado com a equipe pela batida, admitindo sua responsabilidade, o inglês esbravejou contra o canadense, culpando-o pelo ocorrido mesmo que os comissários o tivessem inocentado. No Grande Prêmio da França, ordenou à McLaren que mandasse Carlos Sainz Jr. lhe ceder sua posição. Ao ser ultrapassado por Sergio Pérez no Grande Prêmio de Abu Dhabi, Norris chorou no rádio e desmereceu a atuação do mexicano.

 

Os comentários ácidos de Norris não poupam nem seus companheiros de equipe. O caso mais recente foi Ricciardo. (Foto: GPBlog) [4]

 

Em 2020, durante o Grande Prêmio da Bélgica, o piloto agrediu verbalmente seu engenheiro, que o havia alertado sobre exceder os limites da pista (que poderia gerar uma punição). No Grande Prêmio da Itália, irritado por Stroll ter conquistado o pódio, Norris agiu de maneira hipócrita. Fez críticas infundadas ao regulamento da FIA que permite a troca de pneus durante a bandeira vermelha, mas omitiu que os comissários o investigaram por ter sido excessivamente lento nos boxes, o que de fato contraria as regras. No Grande Prêmio do Eifel, o piloto foi grosseiro com sua equipe, novamente se utilizando de vocabulário chulo. Após uma colisão com Stroll no Grande Prêmio de Portugal, Norris ofendeu a capacidade de aprendizagem do adversário. Em entrevista na mesma semana, desmereceu o heptacampeonato de Lewis Hamilton, creditando-o totalmente ao carro da Mercedes. Após muitas críticas pela postura arrogante, Norris lançou um pedido de desculpas a Stroll e Hamilton, mas sequer mencionou seus nomes, referindo-se a ambos como “certas pessoas”.

No Grande Prêmio da Emília-Romanha de 2021, Norris exigiu que a McLaren ordenasse a Daniel Ricciardo a ceder-lhe a posição. Diferente do que houve na França em 2019, a equipe acatou a vontade do piloto inglês. Apesar da manobra, considerada antiesportiva por muitos especialistas, Norris foi eleito o “Piloto do Dia” pelo público. A performance mais impressionante daquela corrida, no entanto, foi a de Hamilton, que conquistou o segundo lugar após uma batida no muro quase o tirar da prova. Além disso, Norris disse abertamente que “não tem simpatia” por Ricciardo diante das dificuldades enfrentadas pelo companheiro, e que o considera “menos adaptável” que Sainz. O inglês também relata que almeja uma posição de “liderança” dentro da McLaren.

 

Matéria do site oficial da Fórmula 1 relata que houve ordens de equipe na troca de posições entre Norris e Ricciardo. (Foto: Site oficial da Fórmula 1) [5]

 

Os fatos elencados anteriormente provam que Norris não tem uma postura ética e respeitosa dentro do ambiente esportivo, tanto com os demais competidores quanto com sua própria equipe. Portanto, a palavra “humilde” não descreve sua conduta, mesmo que os narradores e comentaristas brasileiros insistam em tratá-lo como tal. Ressalta-se que o mesmo Sérgio Maurício que aplaude Norris, mesmo com todas as grosserias ditas pelo inglês, criticou Max Verstappen por responder duramente a uma pergunta indelicada de um jornalista em 2018. Voltamos à paráfrase do início da matéria: “Todos os pilotos são iguais, mas alguns são mais iguais que outros”.

Enquanto a mídia tradicional omite o comportamento inadequado de Norris e o vende como o melhor e mais humilde piloto de todos os tempos, jornalistas independentes e internautas desmascaram essa fraude. Inicialmente, o piloto foi comparado à personagem Veruca Salt, do livro infantil “A Fantástica Fábrica de Chocolate” (1964). Eles têm características em comum: ambos são ingleses, muito ricos e exigem que todas as suas vontades sejam atendidas, não importa o quanto precisem gritar por isso.

 

Embora a mídia esportiva tente disfarçar, Norris tem muitas características em comum com a personagem Veruca Salt. [5]

 

Norris também foi comparado a outros personagens fictícios. Um deles é Quico, do seriado mexicano “Chaves” (1973-1980), famoso por gritar seu bordão “Cale-se, cale-se, cale-se, você me deixa louco”. A referência se deve ao fato de Norris ter berrado várias vezes com seu engenheiro no rádio. Outro personagem comparado a Norris é o Príncipe Adam, da franquia “A Bela e a Fera” da Disney (esta, por sua vez, é uma adaptação do conto francês de Suzanne de Villeneuve, escrito em 1740). No filme “O Natal Encantado” (1998), é revelado que Adam agia de maneira deveras rude com seus criados e era indiferente ao sofrimento alheio. Por conta disso, uma feiticeira decidiu transformá-lo em fera. Além do príncipe, que tem o mesmo nome que o pai de Norris, outra personagem francesa com comportamento semelhante ao do piloto é Chloé Bourgeois, do desenho animado “Miraculous”. Incapaz de amar alguém além de si mesma, Chloé maltrata todo e qualquer um que cruze seu caminho, e acha que é obrigação de todos servi-la e idolatrá-la. Apesar de ela não demonstrar respeito por ninguém, possui uma grande base de fãs (principalmente americanos), tal como Norris. Esses relativizam seu perfil grosseiro e torcem por seu triunfo no final.

 

Os jornalistas tratam Norris como “o rico humilde” (como Adrien Agreste), mas na vida real ele age como “o rico mimado” (como Chloé Bourgeois). [6]

 

Infelizmente, por não estar de acordo com seus interesses, a mídia tradicional não tratará Norris e suas grosserias da mesma forma que o faz com outros pilotos. Somado a isso, seus torcedores mais fanáticos continuarão promovendo ambientes hostis na internet em seu nome até que sua onda de popularidade se dissipe.

Além disso, o fator racial deve ser levado em conta. Hamilton afirmou em entrevista que “seria mais popular no Reino Unido se fosse branco”, o que permite o levantamento de mais uma hipótese. Ciente de que Hamilton é o piloto britânico mais bem sucedido da história, talvez a mídia tente investir na imagem de Norris (bem como na de George Russell) na esperança de que o público acredite que o posto um dia será ocupado por um piloto branco. Consequentemente, a mídia dos outros países adota a mesma postura, já que os principais órgãos da imprensa oficial da Fórmula 1 se encontram no Reino Unido.

 

4- Conclusão

 

A mídia esportiva elegeu Lando Norris como seu piloto favorito devido, principalmente, à vantagem econômica que ele traz a seus patrocinadores e à Fórmula 1. Sua popularidade nas redes sociais atraiu muitos torcedores jovens à categoria, mas estes o enxergam por um filtro de celebridade e não percebem que o atleta está longe de ser o astro gentil que a imprensa vende. Como Norris é bem assessorado e o dinheiro continua sendo o principal motor da Fórmula 1, talvez não o veremos sendo tratado igual aos outros pilotos tão cedo.

 

Adendo (23/07/2021): Lando Norris confirmou que sua equipe ganhou muitos patrocinadores com seu ingresso. Além disso, sua participação no Twitch atraiu bastante público. Essas informações (conferidas aqui) comprovam o argumento principal da matéria.

 


Fontes:

 

1- As origens de Lando Norris

 

2- A sensação teen da internet

*Fontes da tabela

 

3- Lando Norris humilde: um personagem de histórias infantis

 

Adendo

 

Fotos:

Obs.: Nenhuma das fotos inseridas neste artigo, exceto as montagens, pertence a mim. Este site possui fins informativos, não comerciais. Abaixo estão indicados os links de onde tirei as fotos. Todos os direitos reservados.

 

 

A Fórmula 1 no Brasil: Uma análise sobre a transmissão televisiva no país

Olá, meus queridos leitores. Tudo bem com vocês?

Estou compartilhando com vocês meu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) sobre como é feita a transmissão televisiva da Fórmula 1 no Brasil, destacando sua parte técnica, financeira e narrativa. Esse TCC foi realizado em 2020 e foi lançado após o Grande Prêmio de Portugal, antes de alguns acontecimentos, como a primeira pole de Lance Stroll no Grande Prêmio da Turquia, os primeiros pontos de George Russell (com a Mercedes) no Grande Prêmio do Sakhir, e a ida dos direitos de transmissão para a Rede Bandeirantes. Embora sua publicação depois de concluído tenha demorado um pouquinho, aqui estou eu para mostrá-lo a vocês.

O reccorte escolhido foi a temporada de 2019, pois ela havia sido a última completa da Fórmula 1 até a data de finalização. Como analisei o estilo narrativo dos quatro narradores da época (Luís Roberto de Múcio, Cléber Machado, Sérgio Maurício e Galvão Bueno), selecionei uma corrida narrada por cada um deles para desenvolver o trabalho. Logo, os GP’s escolhidos foram os de MônacoFrançaJapãoBrasil. Contém entrevistas com especialistas em Fórmula 1, incluindo Sergio Quintanilha, do portal Terra.

Vale ressaltar que o trabalho foi aprovado com nota máxima pelos três avaliadores: meus professores Renato Tavares Júnior (orientador) e João Alexandre Peschanski, e o editor-chefe do site F1Mania Gabriel Gavinelli. Se você é estudante e está fazendo trabalhos sobre Fórmula 1, talvez o meu TCC possa te ajudar. Ele tem uma ampla bibliografia que fornece muitas informações úteis, e serviu de base para alguns artigos aqui no site.

Só para saber, eu me formei em Rádio, TV e Internet pela Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo-SP. Espero em breve trazer uma versão traduzida para o inglês e postá-la aqui.

Para mais informações, entre em contato comigo pela aba “Contato” do site. Para acessar o arquivo, clique no título abaixo.

 

A Fórmula 1 no Brasil: Uma análise sobre a transmissão televisiva no país

 

Veja o trailer do projeto no YouTube:

 

Racing Point: A Poorly Managed Image

The case of Racing Point’s image management between 2018 and 2020 should be studied by the faculties of Public Relations as much as those of Journalism in Brazil analyzes the Base School case. The reason is the same: it is an example of what an excellent professional should not do.

Successive errors and negligence made the team and its drivers (mainly Lance Stroll) the target of constant attacks and misinformation by the press. There was likely a conflict between the solutions to the image problems and the interests of the team. This article analyzes Racing Point’s failures to deal with successive image crises before its transformation into Aston Martin.

(The author of the article has a degree in Broadcasting from Faculdade Cásper Líbero and took courses in Press Office and Crisis Management by the same institution and Senac. Her teachers were Neuza Serra and Aurora Seles.)

 

1- The beginning of Racing Point and the first crisis: the Esteban Ocon Case

 

In 2018, Indian businessman Vijay Mallya faced legal problems in his home country’s justice system, which accused him of fraud and money laundering. His team in Formula One, Force India, declared bankruptcy in July of that year due to successive debts. Amid various speculations about the team’s future (among them that the Mexican businessman Carlos Slim, one of Sergio Pérez’s sponsors, would buy it), Canadian Lawrence Stroll, Lance’s father, joined an entrepreneur group to set up a consortium and buy Force India. Consequently, the team ran the rest of the 2018 season as Racing Point Force India.

 

Vijay Mallya: Force India’s owner from 2007 to 2018. (Photo: Getty Images) [1]

 

Lance Stroll, until then, drove for Williams, a team marked by severe administrative problems. Team principal Claire Williams and chief engineer Paddy Lowe blamed the drivers for the team’s poor performance. However, this problem lay in the low structure of the car assembled by the engineering department. The press adopted Claire and Lowe’s narrative and attacked Stroll and his teammate Sergey Sirotkin.

Since one of the new owners of Force India was the father of a driver, they speculated that either Sergio Pérez or Esteban Ocon would leave to make way for him. Pérez brought in more sponsorships and got higher scores, making him the most likely to stay on the team. On the other hand, Esteban Ocon was a personal friend of Lance Stroll, although the emotional component is not definitive in business decisions. However, they highly omitted that Ocon was already quoted to leave Force India. His then patron Toto Wolff, Mercedes’s team principal, would have offered him a seat on his team if he hadn’t made it difficult for Lewis Hamilton in a possible dispute for positions at the 2018 Monaco Grand Prix.

 

Toto Wolff failed to give Esteban Ocon a seat in 2019, but the driver choose to let the media blame Lance Stroll. (Photo: EsporteNET) [2]

 

According to the American podcaster and communication theorist Ben Shapiro, the facts become irrelevant to the media when it creates a narrative to follow its agenda. In the analysis of the German sociologist and communication theorist Theodor Adorno (1903-1969), the media has a purely market view of its target audience. Reconciling the two theses, we see that it was not enjoyable for the press to divulge the truth: Esteban Ocon was leaving. It would be more in line with its plan and financial interests to create controversies to sell headlines, even if this would damage Lance Stroll’s reputation.

The Canadian driver’s press officers never learned how to manage his image crisis generated by the media persecution. Many journalists refused to acknowledge their achievements in Formula One, which the category considers ‘historic.’ The strategy adopted was to ignore malicious comments from the press and fans. Although this is an excellent plan to maintain emotional control, “silence is never the best answer,” Professor Neuza Serra said. Stroll’s advisers’ duty was to clarify that he never fit into the ‘pay driver’ profile. One proof is that the Canadian fulfilled all the FIA prerequisites for entering Formula One, like the 40 points in the Superlicence (these are earned and cannot be bought). The other is that he achieved a podium and two records in his debut year by a team that is not very competitive.

 

Lance Stroll’s podium at the 2017 Azerbaijan Grand Prix: the last Williams had. (Foto: FORMULA1) [3]

 

Esteban Ocon took advantage of the controversy to disregard the case. He knew that was Toto Wolff’s fault for his probable exit from Formula One, as he failed to get him a seat on another team (the others viewed the relations between Ocon and Mercedes with suspicion). However, Ocon preferred to let the media blame Force India’s purchase by Lawrence Stroll and his partners. Only after months did the driver speak out against the attacks on Lance Stroll, even though he was not sincere about those responsible for his delicate situation. Maintaining the controversy despite the announcement was an excellent self-promotion strategy for Ocon.

 

Esteban Ocon clarifying the controversy, pero no mucho. (Photo: Instagram) [4]

 

2- The second crisis: the departure of Sergio Pérez and the entry of Sebastian Vettel

 

During 2019, Lance Stroll took longer to adapt to the new car, and consequently, his scores were below those of Sergio Pérez. Soon, some press sectors continued to doubt its capacity, as did Brazilian commentator Reginaldo Leme during the broadcast of the French Grand Prix by Rede Globo. Despite this, it had some impressive results, like fourth place in Germany.

In 2020 Racing Point started the season as a candidate for ‘top team,’ as its cars and drivers had an excellent performance. However, the team was accused of copying Mercedes’ brake systems and gaining advantages. Although FIA ordered Racing Point to pay a fine and lose 15 championship points after an investigation, the drivers managed to bring it back to the top. At the time, Lawrence Stroll commented on the case, stressing that he does not usually appear in the press but intends to clarify the situation, proving his team’s integrity.

 

Renault took the leadership of the movement against Racing Point, though its past is not exactly the most ethical in Formula One. [5]

 

They soon forgot this case due to a second image crisis. Again, the media found an opportunity to tarnish Lance Stroll’s reputation by accusing him of influencing Racing Point’s decisions for being the son of one of the owners. Fired from Ferrari due to a series of wrong choices that costed points for the team, Sebastian Vettel was out of options for the 2021 grid.. He decided to buy shares in Aston Martin, the company that would own Racing Point the following year, and soon secured his place. The problem was in the disclosure of events: Racing Point, sometimes denied, then confirmed the arrival of Vettel, and there was also inconsistency in the narratives about whether they warned Sergio Pérez or not.

The fact is that Racing Point never mentioned in its releases that Sebastian Vettel was more than a driver but a shareholder. And even big names in the media reporting the fact (like Adam Cooper and Sergio Quintanilha), the press reinvested in insinuating that Sergio Pérez was dismissed because firing Lance Stroll was out of the question. The natural thing for a press relations team would be to clarify two main points in this case: that Stroll is a driver with an excellent start to his career, and because he is young, he can be a good investment in the long run, and that Vettel bought his seat. Instead, both the team’s and Stroll’s advisors preferred to omit what would be crucial to ending the crisis.

 

3- The passivity of Lance Stroll (and his press office)

 

Given the facts listed, it is essential to note that Lance Stroll’s stance in the face of the successive crises through which his image goes is, at least, curious. As stated earlier, the driver and his press office prefer to ignore the insults because they know they are unfounded but end up wasting a good opportunity to reveal the truth to the press and improve his image. Ignoring the crisis is not going to make it go away; it just increases it.

The proof that Lance Stroll does not have privileges at Racing Point (as many in the media suggest) is that there is no complaint from him or his family on the constant fails of his strategists who persistently fail to plan for the races. It happens mainly at pit stops, as in the Turkish Grand Prix, where Stroll started from pole position and ended in ninth place. And his staff could use a handy resource to silence these rumors permanently.

 

Though the strategists are constantly failing, neither Lance Stroll nor his family complains about it. This is just one from the many proofs that Lance is not receiving privileges in the team. [6]

 

As evidenced in “Formula One in Brazil: An analysis of the television broadcasting in the country,” those who criticize the wealth of Lance Stroll, an indigenous and Jewish driver, and do not do the same with white drivers with fewer achievements, are racist. The same goes for those who criticized Lawrence Stroll’s investments in Force India and did not do the same with Sebastian Vettel’s investments in Aston Martin. In its marketing view, the press pretends to be a supporter of the fight against social inequalities, and – as stated by Ben Shapiro – it invests in the class struggle discourse to engage its target audience. But it is very suspicious that the convict in this narrative is precisely a Jewish-Amerindian driver, a member of ethnic minorities, and involved in social causes.

By this logic, what would apparently be a narrative case of promoting a class struggle (between the driver “lucky to be rich” and the fans “without the same luck”) turns out to be a reactionary discourse that reinforces a system of oppression of minorities, because it denies the athlete of historically persecuted ethnic groups (Jews and Amerindians) the right to fortune while allowing those belonging to the dominant group (white Europeans).

(Translated from Portuguese to English from “Formula One in Brazil: An analysis of the television broadcasting in the country”, p. 120-121)

 

Therefore, it is strange that Lance Stroll’s advisers do not point out the racist character in the media attacks on the driver. If it did, the press would be forced to report, and journalists, fearing that they would be labeled as ‘racist’ by public opinion, would change the discourse. Also suspicious is that Stroll still considers Esteban Ocon his friend, even when he used the Canadian driver’s image crisis to promote himself instead of helping him.

 

As Robin would say, “Holy Naivety, Batman!” [7]

 

Also, Sebastian Vettel’s entry into Aston Martin caused a suspicious attitude in Lawrence Stroll himself, whose position is inconsistent with reality and puts his own son’s reputation in check. The businessman blamed Vettel’s dismissal from Ferrari before the beginning of the 2020 season for the German’s poor performance that year. He ignores the fact that this ‘bad phase’ had already occurred in recent years due to Vettel’s “individual mistakes,” leading him to be fired, as reported by journalist and former driver Martin Brundle). He also blamed the Ferrari car for the driver’s misfortune, ignoring that Vettel’s situation is quite different from that of Lance Stroll and Sergey Sirotkin at Williams in 2018 (both drivers had difficulties on the track due to the car). Charles Leclerc’s performance in 2020, far above Vettel’s, proves that, although it has an impact, the Ferrari car was not the main factor for the German’s underperforming performance. Finally, in trusting that Vettel will benefit the team for having been a four-time champion with Red Bull between 2010 and 2013, the businessman resorts to the fallacy argumentum ad antiquitatem (appeal to tradition or the past), presenting the future as a continuity of the past distant, ignoring the changes that occur in the present. However, Mercedes also did not have a four-time champion in 2014, when their team was composed of Lewis Hamilton and Nico Rosberg, and won all championships from that year. Lawrence Stroll himself does not mention Vettel’s purchase of shares, as if he also wanted to hide this fact so that the German is not remembered as a ‘seat buyer’ (using his past to help with the disclosure strategy). Consequently, as for lack of science (or, maybe, even with his consent), he allows the media to continue distorting his son Lance’s image to satisfy the team’s marketing goals.

 

4- Conclusion

 

Racing Point’s press office has consistently failed to protect its drivers, especially Lance Stroll, from the media’s unreasonable and sensationalist attacks. And even if it means that Stroll does not have privileges on his team, the press prefers to ignore the facts to obtain financial advantages through controversies.

Sometimes, companies end up allowing specific image crises to hide their real interests. In the case of Racing Point, it is evident that Sebastian Vettel did not want to be remembered as ‘the driver who had to buy his seat because, despite his glorious past, his present was a disaster.’ Therefore, the team omitted information that would be essential to save Lance Stroll’s reputation. Consequently, it is clear that if there is a privileged person at Racing Point (now Aston Martin), that someone is Vettel. The passivity of the Canadian driver and his press office is a clear example of how not to face an image crisis caused by the media.

 

They are doing a great job in engineering. They only need to improve in press office. [8]

 

5- Bibliography

To better understand the sources, the bibliography was divided into sections according to the information presented in the article.

 

1- The creation of Racing Point

 

2- The Esteban Ocon Case

 

3- The Williams Case

3.1 Claire Williams and Paddy Lowe blaiming the drivers for the team’s problems (from 2017 to 2018)

3.2 The real causes for the problems

 

4- Reginaldo Leme’s comment

 

5- Lance Stroll’s deeds in Formula One

 

6- Philanthropic actions and social causes defended by Lance Stroll

 

7- The brakes’ scandall

 

8- “Individual mistakes” led Sebastian Vettel to be fired from Ferrari (Martin Brundle’s testimony)

 

9- Sebastian Vettel buys shares from Aston Martin

 

10- Discrepancy of narratives about Sergio Pérez’s situation

 

11- Lawrence Stroll’s fallacious testimony in favor of Sebastian Vettel

 

12- The impact of the car on the drivers’ performance

 

12- Theoretical basis

 

6- Photos

Note: None of the photos used in this article, except the montages, belongs to me. This site has informative intentions, not commercial. The links where I took the photos are indicated below. All copyrights reserved.

 

Racing Point: Uma Imagem Mal Gerida

O caso da gestão de imagem da Racing Point entre 2018 e 2020 deveria ser estudado pelas faculdades de Relações Públicas tanto quanto o caso da Escola Base é abordado nas de Jornalismo. O motivo é o mesmo: trata-se de um exemplo do que um bom profissional definitivamente não deve fazer.

Sucessivos erros e negligências tornaram a equipe e seus pilotos (principalmente Lance Stroll) alvos de constantes ataques e desinformações por parte da imprensa. É provável que houvesse um conflito entre as soluções para os problemas de imagem e os interesses da escuderia. Esta matéria tem por objetivo analisar as falhas da Racing Point em lidar com as sucessivas crises de imagem antes de sua transformação em Aston Martin.

 

(A autora da matéria é formada em Rádio, TV e Internet pela Faculdade Cásper Líbero, e fez cursos de Assessoria de Imprensa e Gerenciamento de Crise pela mesma instituição e pelo Senac. Suas professoras foram Neuza Serra e Aurora Seles.)

 

1- O início da Racing Point e a primeira crise: o Caso Esteban Ocon

 

Em 2018, o empresário indiano Vijay Mallya enfrentou problemas judiciais na justiça de seu país natal, que o acusava de fraude e lavagem de dinheiro. Somado a isso, sua escuderia na Fórmula 1, a Force India, decretou falência em julho daquele ano devido ao acúmulo de dívidas. Em meio às várias especulações sobre o futuro do time (entre elas a de que seria comprado pelo empresário mexicano Carlos Slim, um dos patrocinadores de Sergio Pérez), o canadense Lawrence Stroll, pai de Lance, se juntou a um grupo de empresários para montar um consórcio e comprar a Force India. Consequentemente, a escuderia correu o resto da temporada de 2018 sob o nome de Racing Point Force India.

 

Vijay Mallya: dono da Force India de 2007 a 2018. (Foto: Getty Images) [1]

 

Lance Stroll até então corria pela Williams, uma equipe marcada por sérios problemas administrativos. A chefe de equipe, Claire Williams, e o engenheiro-chefe, Paddy Lowe, buscavam transferir a culpa do mau desempenho do time aos pilotos, embora o motivo deste problema estivesse na estrutura precária do carro montado pelo departamento de engenharia. A imprensa adotou a narrativa de Claire e Lowe e passou a atacar Stroll e seu companheiro de equipe Sergey Sirotkin.

Devido ao fato de um dos novos donos da Force India ser pai de um piloto, especulou-se que ou Sergio Pérez ou Esteban Ocon sairia para dar lugar a ele. Pérez trazia mais patrocínios e conseguia pontuações mais altas, tornando-o a escolha mais provável para continuar na equipe. Por outro lado, Ocon era amigo pessoal de Lance Stroll, embora o componente emocional não seja definitivo em decisões de negócios. No entanto, o que pouco se falou foi que Ocon já era cotado para deixar a Force India, pois seu então padrinho Toto Wolff, chefe de equipe da Mercedes, teria lhe oferecido uma vaga em seu time se não dificultasse para Lewis Hamilton em uma possível disputa por posições no Grande Prêmio de Mônaco de 2018.

 

Toto Wolff falhou em arranjar um assento a Esteban Ocon 2019, mas o piloto preferiu deixar a mídia culpar Lance Stroll. (Photo: EsporteNET) [2]

 

Segundo o radialista e teórico da comunicação americano Ben Shapiro, os fatos tornam-se irrelevantes para a mídia quando esta cria uma narrativa para seguir sua agenda. Na análise do sociólogo e teórico da comunicação alemão Theodor Adorno (1903-1969), a mídia tem uma visão puramente mercadológica de seu público-alvo. Conciliando as duas teses, vemos que não era interessante para a imprensa divulgar a verdade (de que Esteban Ocon estava de partida), pois atenderia mais à sua agenda e a seus interesses financeiros criar polêmicas para vender manchetes, mesmo que isso prejudicasse a reputação de Lance Stroll.

A equipe de assessoria de imprensa do canadense nunca conseguiu administrar bem a crise de imagem gerada pela perseguição midiática. Muitos jornalistas se recusavam a reconhecer seus feitos na Fórmula 1, que a própria categoria considera “históricos”. A estratégia adotada era de simplesmente ignorar comentários maldosos da imprensa e dos torcedores. Embora isso seja um bom plano para manter o controle emocional, “o silêncio nunca é a melhor resposta”, como dizia a professora Neuza Serra. Era dever dos assessores de Stroll deixar bem claro que o mesmo nunca se enquadrou no perfil de “piloto pagante”, pois cumpriu todos os pré-requisitos da FIA para o ingresso na Fórmula 1 (como os 40 pontos na Superlicença, que são obtidos, nunca comprados) e conseguiu um pódio e dois recordes em seu ano de estreia, por uma equipe pouco competitiva.

 

Pódio de Lance Stroll no Grande Prêmio do Azerbaijão: o último da Williams. (Foto: FORMULA1) [3]

 

Esteban Ocon se aproveitou da polêmica para se omitir sobre o caso. Mesmo sabendo que a culpa de sua provável saída da Fórmula 1 era da falha de Toto Wolff em lhe arrumar um assento em outra equipe (já que as outras escuderias viam com desconfiança as relações entre Ocon e Mercedes), ele preferiu deixar a mídia culpar a compra da Force India por Lawrence Stroll e seus sócios. Só depois de meses que o piloto se pronunciou contra os ataques a Lance Stroll, mesmo não sendo sincero sobre os responsáveis por sua situação delicada. Manter a polêmica apesar do pronunciamento foi uma ótima estratégia de autopromoção para Ocon.

 

Esteban Ocon esclarecendo a polêmica, pero no mucho. (Foto: Instagram) [4]

 

2- A segunda crise: a saída de Sergio Pérez e o ingresso de Sebastian Vettel

 

Durante o ano de 2019, Lance Stroll levou mais tempo para se adaptar ao novo carro, e consequentemente suas pontuações estavam abaixo das de Sergio Pérez. Logo, alguns setores da imprensa continuavam a duvidar de sua capacidade, como foi o caso do comentarista Reginaldo Leme durante a transmissão do Grande Prêmio da França pela Rede Globo. Apesar disso, teve alguns resultados impressionantes, como o quarto lugar na Alemanha.

Em 2020 a Racing Point começou a temporada como uma candidata a “equipe de ponta”, com um ótimo desempenho dos carros e pilotos. Entretanto, o time foi acusado de copiar os sistemas de freios da Mercedes e, com isso, ganhar vantagens. Apesar da equipe ter sido condenada a pagar uma multa e perder 15 pontos no campeonato depois de uma investigação, os pilotos conseguiram trazê-la de volta ao topo. Na época, Lawrence Stroll se pronunciou sobre o caso, ressaltando que não costuma aparecer na imprensa, mas que pretende esclarecer a situação, provando a integridade de sua escuderia.

 

 

A Renault liderou o movimento contra a Racing Point, embora seu passado não seja exatamente o mais ético na Fórmula 1. [5]

 

O caso logo foi esquecido com uma segunda crise de imagem: novamente, a mídia encontrou uma oportunidade de manchar a reputação de Lance Stroll em acusá-lo de ter influência sobre as decisões da Racing Point por ser filho de um dos donos. Após ser demitido da Ferrari, devido a uma série de decisões erradas que custaram pontos à equipe, Sebastian Vettel estava sem opções para o grid de 2021. Decidiu comprar ações da Aston Martin, empresa que seria a dona da Racing Point no ano seguinte, e logo garantiu sua vaga. O problema estava na divulgação dos acontecimentos: a Racing Point ora negava, ora confirmava a vinda de Vettel, e também havia inconstância nas narrativas sobre se Sergio Pérez havia sido avisado ou não.

O fato é que a Racing Point jamais abordou em seus releases que Sebastian Vettel era mais do que um piloto, mas sim um acionista. E mesmo grandes nomes da mídia noticiando o fato (como Sergio Quintanilha e Adam Cooper), a imprensa investiu novamente em insinuar que Sergio Pérez foi dispensado porque demitir Lance Stroll estava fora de cogitação. O natural de uma equipe de assessoria de imprensa seria justamente esclarecer dois pontos primordiais neste caso: o de que Stroll é um piloto com um bom começo de carreira, e por ser jovem pode ser um bom investimento a longo prazo, e que Vettel comprou seu assento. Em vez disso, tanto a assessoria da equipe quanto a de Stroll preferiram omitir o que seria crucial para encerrar a crise.

 

3- A passividade de Lance Stroll (e de sua assessoria de imprensa)

 

Diante dos fatos elencados, também não se deve ignorar que a postura de Lance Stroll diante das sucessivas crises pelas quais passa sua imagem é no mínimo curiosa. Como dito anteriormente, o piloto e sua assessoria de imprensa preferem ignorar os insultos porque sabem que estes não possuem fundamento, mas acabam desperdiçando uma boa oportunidade de revelar a verdade à imprensa e melhorar sua imagem. Ignorar a crise não vai fazê-la sumir, só a faz aumentar.

A prova de que Lance Stroll não possui privilégios na Racing Point (como muitos da mídia insinuam) é que seus estrategistas falham constantemente nos planos para as corridas (principalmente nos pit stops, como no Grande Prêmio da Turquia, de onde Stroll largou da pole position e acabou em nono lugar), e não há nenhuma queixa do piloto ou de sua família quanto a isto. E sua assessoria poderia usar um recurso muito útil para silenciar por definitivo esses boatos.

 

Embora os estrategistas estejam falhando constantemente, nem Lance Stroll nem sua família reclamam disso. Esta é apenas uma das muitas provas de que Lance não está recebendo privilégios na equipe. [6]

 

Como comprovado em “A Fórmula 1 no Brasil: Uma análise sobre a transmissão televisiva no país”, aqueles que criticam a fortuna de Lance Stroll, um piloto indígena e judeu, e não fazem o mesmo com pilotos brancos com menos feitos, são racistas. O mesmo vale para aqueles que criticaram os investimentos de Lawrence Stroll na Force India e não fizeram o mesmo com os de Sebastian Vettel na Aston Martin. A imprensa, em sua visão mercadológica, se passa por apoiadora da luta contra as desigualdades sociais, e como afirmado por Ben Shapiro, investe no discurso da luta de classes para engajar seu público-alvo. Mas é muito suspeito que o condenado nessa narrativa seja justamente um piloto indígena e judeu, membro de minorias étnicas e engajado em causas sociais.

Por esta lógica, o que aparentemente seria um caso de narrativa de promover uma luta de classes (entre o piloto “sortudo por ser rico” e os torcedores “sem a mesma sorte”) acaba por se revelar um discurso reacionário que reforça um sistema de opressão de minorias, pois nega o direito de fortuna ao atleta de etnias historicamente perseguidas (judeus e indígenas) ao mesmo tempo que permite ao que pertence ao grupo dominante (europeus brancos).

(“A Fórmula 1 no Brasil: Uma análise sobre a transmissão televisiva no país”, p. 120-121)

 

Portanto, é estranho que a assessoria de Lance Stroll não aponte o caráter racista nos ataques da mídia ao piloto. Se assim fizesse, a imprensa seria obrigada a noticiar, e os jornalistas, temendo serem taxados como “racistas” pela opinião pública, mudariam o discurso. Também suspeito é o fato de Stroll ainda considerar Esteban Ocon seu amigo, mesmo quando este usou uma crise da imagem do canadense para se autopromover em vez de ajudá-lo.

 

Como diria o Robin, “Santa Ingenuidade, Batman!” [7]

 

Além disso, o ingresso de Sebastian Vettel na Aston Martin provocou uma atitude suspeita no próprio Lawrence Stroll, cujo posicionamento não condiz com a realidade e coloca em xeque a reputação do próprio filho. O empresário culpou a demissão de Vettel da Ferrari antes do início da temporada de 2020 pelo mau desempenho do alemão naquele ano (ignorando que essa “má fase” já ocorria nos últimos anos devido a “erros individuais” de Vettel, levando-o a ser demitido, como relatou o jornalista e ex-piloto Martin Brundle). Também responsabilizou o carro da Ferrari pelo infortúnio do piloto, ignorando que, diferente do que houve com seu filho e Sergey Sirotkin na Williams em 2018 (no qual ambos os pilotos tinham dificuldades nas pistas devido ao carro), o desempenho de Charles Leclerc em 2020 muito acima do de Vettel prova que, embora tenha um impacto, o carro da Ferrari não foi o fator principal pelo rendimento abaixo do esperado do alemão. Por fim, ao confiar que Vettel trará benefícios à equipe por ter sido tetracampeão com a Red Bull entre 2010 e 2013, o empresário recorre à falácia argumentum ad antiquitatem (apelo à tradição ou ao passado), apresentando o futuro como uma continuidade de um passado distante, ignorando as mudanças que ocorrem no presente. Ora, a Mercedes também não tinha um tetracampeão em 2014, quando sua equipe era composta por Lewis Hamilton e Nico Rosberg, e venceu todos os campeonatos a partir daquele ano. O próprio Lawrence Stroll não menciona a compra de ações de Vettel, como se quisesse também esconder esse fato para que o alemão não seja lembrado como “comprador de vaga” (recorrendo a seu passado para ajudar na estratégia de divulgação). Consequentemente, por falta de ciência (ou, talvez, até por seu próprio consentimento), permite que a mídia continue distorcendo a imagem de seu filho Lance para satisfazer os objetivos mercadológicos da equipe.

 

4- Conclusão

 

A assessoria de imprensa da Racing Point falhou constantemente em proteger seus pilotos, principalmente Lance Stroll, de ataques descabidos e sensacionalistas por parte da mídia. E mesmo que isso signifique que Stroll não possui privilégios em sua equipe, a imprensa prefere ignorar os fatos para obter vantagens financeiras através de polêmicas.

Às vezes, as empresas acabam por permitir certas crises de imagem para esconder seus reais interesses. No caso da Racing Point, era óbvio que Sebastian Vettel não queria ser lembrado como “o piloto que precisou comprar sua vaga porque, apesar de seu passado glorioso, seu presente estava um desastre”. Logo, a equipe omitiu uma informação que seria essencial para salvar a reputação de Lance Stroll. Percebe-se, portanto, que se há um privilegiado na Racing Point (atual Aston Martin), esse alguém é Vettel. A passividade do piloto canadense e de sua assessoria de imprensa é um exemplo claro de como não encarar uma crise de imagem causada pela mídia.

 

Estão fazendo um ótimo trabalho na engenharia. Só falta melhorar na assessoria de imprensa. [8]

 

5- Bibliografia

Para melhor compreensão das fontes, a bibliografia foi dividida em seções de acordo com as informações apresentadas na matéria.

 

1- Criação da Racing Point

 

2- Caso Esteban Ocon

 

3- Caso Williams

3.1 Claire Williams e Paddy Lowe responsabilizando os pilotos pelos problemas da escuderia (de 2017 a 2018)

3.2 Reais causas dos problemas

 

4- Comentário de Reginaldo Leme

 

5- Feitos de Lance Stroll na Fórmula 1

 

6- Ações filantrópicas e causas sociais defendidas por Lance Stroll

 

7- Escândalo dos freios

 

8- “Erros individuais” levaram Sebastian Vettel a ser demitido pela Ferrari (depoimento de Martin Brundle)

 

9- Sebastian Vettel compra ações da Aston Martin

 

10- Discrepância de narrativas sobre a situação de Sergio Pérez

 

11- Depoimento falacioso de Lawrence Stroll em favor de Sebastian Vettel

 

12- Impacto do carro no desempenho dos pilotos

 

12- Embasamento teórico

 

6- Fotos

Obs.: Nenhuma das fotos inseridas neste artigo, exceto as montagens, pertence a mim. Este site possui fins informativos, não comerciais. Abaixo estão indicados os links de onde tirei as fotos. Todos os direitos reservados.

 

The Alexander Albon Case: A Wasted Potential

Article dedicated to the reader Lucilene Mota, who asked for an analysis of Alexander Albon.

 

On December 18th, 2020, Red Bull Racing announced Sergio Pérez to race alongside Max Verstappen in 2021. Therefore, the British-Thai driver Alexander Albon got relegated to a reserve driver. Some controversies follow the circumstances of this situation at Red Bull. Some examples are their inability in making a car as good as Verstappenthe exit of Pérez from Racing Point after Sebastian Vettel acquired shares of its future owner, and Albon’s hiring in the middle of the 2019 season to replace Pierre Gasly (what generated a big hope over the new driver);

It notes that Red Bull is impatient to become the new challenger of Mercedes, given the fall in Ferrari’s performance and the rise of Racing Point in 2020. Aware of Verstappen’s ability, who conquered the team’s first wins since 2014, the Austrian team was looking for a teammate who could follow the Dutchman’s speed after the exit of Daniel Ricciardo for Renault with the end of the 2018 season. Albon ended up being a victim of this haste and having a humiliating exit from the constructor’s championship runner-up. This article will explain how it happened and why there was a big injustice with the athlete.

 

1- The 2019 season: the opportunity to shine

 

As explained earlier, Daniel Ricciardo’s departure led Red Bull to look for another talent to race alongside Max Verstappen. The duo had achieved excellent results from 2016 to 2018, which allowed the team to be runner-up and then third place (for two consecutive years) in the constructors’ championship. Replacing a driver who guaranteed victories and podiums for the team would not be easy, but Red Bull had a young name in mind: Pierre Gasly.

 

Pierre Gasly takes fourth place in the 2018 Bahrain Grand Prix. (Photo: Sky Sports) [1]

 

The French driver had excelled in Toro Rosso, having his best result so far, the fourth place in the Bahrain Grand Prix of 2018. They believed that if Gasly could reach such a high position in a car considered average, he would succeed in getting at least podiums in a top team. However, his performance in the first year with Red Bull was below expectations. While Verstappen was an almost constant presence on the podium, Gasly was behind Ferrari drivers (Sebastian Vettel and Charles Leclerc). Not being able to take advantage of the Italian team’s crisis (whose tension between the drivers was aggravating), the Frenchman got fewer points for Red Bull, which lost the chance to win the runners-up championship.

Unhappy with Gasly and Verstappen’s mismatch, consultant Helmut Marko convinced Red Bull officials to replace the Dutchman’s teammate. From the 2019 Belgian Grand Prix onwards, Alexander Albon would take the seat. It was too late for Red Bull to recover the loss, but they saw the new driver as a long-term investment (if he performed well, he would remain on the team the following year). Albon had commendable performances, as in the Russian Grand Prix (in which he started from the pits and finished in fifth place) and in Brazil (having a chance to get the first podium, but was reached by Lewis Hamilton with a few laps to go). Albon finished the championship in eighth place, with 92 points. Considering that he spent the first half of the season at Toro Rosso and only then went to a top team, the result is impressive. For this reason, he was elected by the Autosports Awards as the “Rookie of the Year” in 2019.

 

Alexander Albon being awarded the “Rookie of the Year” award in 2019. (Photo: FIA) [2]

 

2- 2020: “With great power comes great responsibility.”

 

This phrase from Uncle Ben, from “Spider-Man,” sums up the pressure that fell on Alexander Albon in his second season with Red Bull. The driver started the year well, having one more chance to get his first podium at the Austrian Grand Prix. An unfortunate coincidence prevented him from winning: again, a collision with Lewis Hamilton. In the following races, Albon reached the scoring zone, but in places much lower than Max Verstappen’s. The situation was soon similar to that of Pierre Gasly in 2019, but Helmut Marko chose not to fire the Thai in a hurry.

Two factors prevented immediate action by Red Bull. First, the second layoff in two consecutive years without the championship ending would put the team’s reputation in check. The switch from Gasly to Albon no longer seemed as justified in 2020 as it was in 2019, and taking out the Thai was in danger of resulting in yet another unsatisfactory replacement. Soon, Marko would be classified as “impetuous.” Second, AlphaTauri did not have the appropriate names to take Albon’s place. Bringing Gasly back would be “humiliating” for Red Bull (who would have to admit he “made a mistake” with the Frenchman), and Daniil Kvyat already had a ticket by the Austrian team, being fired at the beginning of the 2016 season and replaced by Verstappen. The switch from the Russian to the Dutch driver was the most assertive of Red Bull in recent years in the short, medium, and long term, which did not repeat with the following changes (this is because Verstappen is a separate case).

Helmut Marko (left) and Max Verstappen (right). (Photo: XPB) [3]

 

In the first half of 2020, Albon faced difficulties in training on Friday and Saturday, starting from intermediate places on the grid, which is not expected for a top team driver. Only in the Tuscan Grand Prix, a race marked by accidents that led almost half of the grid to abandon, the Thai got his well-deserved first podium after winning a duel with Daniel Ricciardo for third place. He repeated the result only at the Bahrain Grand Prix, in which Sergio Pérez’s car engine ignited the rear of the vehicle and forced the Mexican to abandon. Despite the podiums, Albon was nowhere near what Ricciardo had been for Red Bull, and Gasly’s victory in the Italian Grand Prix only added to the team’s embarrassment.

Pierre Gasly’s win at the 2020 Italian Grand Prix. (Photo: Matteo Bazzi/AP) [4]

 

The similarity between Albon’s performance in 2020 and Gasly’s in 2019 was just one ingredient in the change of drivers from Red Bull to 2021. Another reason is in the context of another team.

 

3- Changes in Racing Point: Sergio Pérez enters the game

 

In 2020 Racing Point started a landmark chapter in its history. The previous season served as a test for the team’s new plans, bought in the second half of 2018 by a consortium led by Lawrence Stroll after the Force India bankruptcy. Deciding to join the group of top teams, the English team had impressive results thanks to the joint work of the engineering department and its team of drivers, formed by Lance Stroll and Sergio Pérez.

For 2021, the team sought even more investments to continue its triumphant path. One of the agreements reached was with the French company Aston Martin, which will give its name to the team. Everything seemed to go as it was, but now with improvements approaching, a turnaround happened: Ferrari fired Sebastian Vettel for his disappointing performances, and months later, Racing Point announced him as its driver for 2021. His signing would not have been so controversial if were it not for the confusion of information reported to the press: Racing Point oscillated between denial and interest in Vettel, and the narratives of Pérez and the team leader, Otmar Sznafnauer, about whether the Mexican had previously been warned of the situation conflicted with each other. Journalist Adam Cooper later revealed the truth, reporting that Vettel had bought shares in Aston Martin, thereby securing a seat on the team (to better understand this case, read the article by Ricardo Hernandes Meyer here).

 

Otmar Sznafnauer, Racing Point’s team boss (left), and Sebastian Vettel (right). (Photo: XPB) [5]

 

They note Pérez is one of the most consistent drivers in Formula One. He has podiums under challenging races, as in the 2018 Azerbaijan Grand Prix. The journalist Noemí de Miguel, who reported first hand that Renault was negotiating the signing Fernando Alonso for 2021 (confirmed months later), stated that Red Bull planned to bring Pérez to be Max Verstappen’s teammate. One of the signs of this negotiation was when Antonio Pérez, the driver’s brother, started to follow Red Bull’s profile on Twitter. However, both “Checo” and the Austrian team preferred to keep the talks a secret (perhaps not to affect Albon’s results) and only announced the decision after the Abu Dhabi Grand Prix.

 

Among the profiles Antonio Pérez, Sergio’s brother, follows on Twitter por Antonio Pérez, is Red Bull’s. (Photo: Twitter) [6]

 

We can see that Racing Point’s and Ferrari’s actions also impacted Red Bull, mainly in Albon’s fate. The expectation was that Vettel would have a gap year to reflect on his mistakes and rethink his career, just as it did with Esteban Ocon. However, the German had a master’s strategy: buying shares in the owner company guarantees a place. Indeed the press will not emphasize this because it prefers to generate controversies over Stroll, which has nothing to do with the story (the reason is implicit). Pérez’s need for a seat and Red Bull’s desire to replace Albon without being like what happened to Pierre Gasly led to the Mexican’s hiring and, consequently, the Thai’s replacement.

 

4- Helmut Marko’s haste: the sacrifice of young Red Bull talents

 

The Red Bull consultant had previously told the press that “none of the young people on the team’s training program come close to Max Verstappen.” Such a statement is harmful to athletes, who feel their work devalued. Sport is indeed an area that demands pressure to result in achievements, but this comparison hinders young drivers’ self-confidence and frustrates the team’s plans. Also, Marko seems to put too much pressure on the athletes and not to do the same with the engineering department, unable to produce a car up to Verstappen’s potential despite allegedly working focused on the driver. Recalling that engineers are fundamental in the performance of a team in Formula One, as noted in Williams’s case.

Verstappen, as previously revealed, is an exceptional talent. As a teenager, he achieved victories, podiums, and records in a team that did not have the best car on the grid. It does not mean, however, that other drivers cannot be talented. Demanding a Verstappen clone from his students is an absurd attitude by Marko, as each person has their work style. Not even Max’s father, Jos Verstappen, had such brilliant career results as his son. If instead of demanding a second version of the Dutchman, Red Bull worked to develop both drivers’ potential, the team would have a better performance in the championships. But it seems that this team favors one athlete and wants the other, as observed in the first decade of 2010 with Sebastian Vettel and Mark Webber.

 

 

Marko even accused Albon of not having self-confidence. With a boss like this, it gets tricky. (Photo: GPBlog) [7]

 

Pierre Gasly’s victory in 2020 proved that each rider has his time to adapt and that excessive charges do not shape an athlete based on another just because the team’s board wishes. Unfortunately, while being an enemy of perfection, haste shows up as one of Marko’s values, which sacrifices Red Bull’s opportunities. The example of Racing Point, which preferred to “take it easy” in 2019 to rock out in 2020, demonstrates that caution should be the main ingredient of good planning, not anxiety.

Another essential point to note is the hiring of Yuki Tsunoda to race for AlphaTauri in 2021. As Daniil Kvyat is no longer able to satisfy the group, and Gasly does a great job, it is natural to fire the Russian to give the Japanese a chance. Although this means an impediment for Albon to return to AlphaTauri, Tsunoda should is not responsible for the Thai’s misfortune, as this is a new talent that will have a chance to present his work. As demonstrated earlier, the purchase of Vettel’s seat at Aston Martin influences Albon’s situation much more than the hiring of the Japanese driver.

 

5- Conclusions

 

Alexander Albon’s case only differs from that of Pierre Gasly in one point: the time Red Bull fired each of them. Both were victims of Helmut Marko’s haste and eagerness to have two riders with the performance of Max Verstappen, which places all the responsibility on young athletes. Both Albon and Gasly have proven their talent and deserve seats in Formula One but have suffered from the Austrian team’s conflict of interest, which wishes for triumph by choosing the wrong ways.

If Sebastian Vettel had not bought Aston Martin’s shares in his successful attempt to stay on track despite his impetuosity, perhaps Red Bull would have to keep Albon for longer. That’s because Racing Point would probably keep its drivers, as Lance Stroll and Sergio Pérez have excellent dynamics as teammates and guarantee remarkable results in the races. As the Mexican is more experienced and then has a more extensive curriculum, he became the ideal candidate for Red Bull to continue its fight against Mercedes, besides satisfying the desire to fire a driver whose “mistake” was “not being” Verstappen.

 

This is how Red Bull thinks: Verstappen is above any driver. [8]

 

Although he said he never suffered racism in his personal or professional life, some fans and journalists remember a case that is at least suspect. At the 2019 Italian Grand Prix, the stewards decided to punish him for an incident with Carlos Sainz Jr., even though it was the Spaniard who threw the opponent off the track. That was one of the actions that led to suspects of racism on the stewards (the others were the unfair decisions with Stroll and Lewis Hamilton), which hurt the three colored drivers on the grid to benefit white athletes. Albon may not have noticed the “coincidences” in the Italian Grand Prix’s decisions, but these cannot be ignored. Also, when speculation began about his departure from Red Bull, much was said about a possible interest by the company’s owners in keeping him from being Thai. Sponsoring companies are indeed interested in compatriot athletes in their respective sports categories, but Albon should not be remembered just for his ethnic origins. His work and effort justified his presence in Formula One.

Alexander Albon is yet another driver condemned for his team’s irresponsibility even though he is innocent. A similar case was that of Sergey Sirotkin, who left Formula One with the stigma of a “pay driver” although he was not to blame for Williams’s crisis (which was proved in the following years to be by its engineers and managers). Those directly responsible for leaving the Red Bull driver are Vettel (for causing Pérez to quit Racing Point when he bought Aston Martin shares) and Marko (for demanding perfection from his drivers quickly). But what can we consider the “culprit” for Albon’s misfortune is Red Bull’s segregationist policy, which prefers to turn one driver into a prince (even though he doesn’t have the resources to do so) and the other into a beggar when he could turn them both into heroes. If they do not change their strategies, the Austrian team is in danger of going through a crisis similar to that of Ferrari, and other “Albons” will be sacrificed in the process.

 

In short. [9]

6- Read also:

 

 

7- Bibliography

 

 

8- Photos

Note: None of the photos used in this article, except the montages, belongs to me. This site has informative intentions, not commercial. The links where I took the photos are indicated below. All copyrights reserved.

O Caso Alexander Albon: Um Potencial Desperdiçado

Matéria dedicada à leitora Lucilene Mota, que pediu uma análise a respeito de Alexander Albon.

 

No dia 18 de dezembro de 2020, a equipe Red Bull Racing anunciou a contratação de Sergio Pérez para correr ao lado de Max Verstappen em 2021. Com isso, o piloto anglo-tailandês Alexander Albon foi rebaixado ao posto de piloto reserva. Algumas controvérsias acompanham as circunstâncias dessa situação na Red Bull, como a incapacidade do time de fazer um carro à altura de Verstappen, a saída de Pérez da Racing Point após Sebastian Vettel comprar ações da futura proprietária da escuderia, e a própria contratação de Albon em 2019 no meio da temporada para substituir Pierre Gasly (que gerou uma grande expectativa em cima do novo piloto).

Percebe-se que a Red Bull está impaciente para se tornar a nova desafiante da Mercedes, dada a queda de rendimento da Ferrari e a ascensão da Racing Point em 2020. Ciente da habilidade de Verstappen, que conquistou as primeiras vitórias do time desde 2014, o time austríaco buscava um companheiro de equipe que acompanhasse o ritmo do holandês após a saída de Daniel Ricciardo para a Renault com o fim da temporada de 2018. Albon acabou sendo vítima dessa pressa e tendo uma saída humilhante da atual vice-campeã de construtoras. Nessa matéria, vamos explicar como isso aconteceu e porque houve uma grande injustiça com o atleta.

 

1- Temporada de 2019: a oportunidade de brilhar

 

Como explicado anteriormente, a saída de Daniel Ricciardo levou a Red Bull a procurar outro talento para correr ao lado de Max Verstappen. A dupla havia obtido resultados excelentes de 2016 a 2018, o que permitiu que a escuderia fosse vice-campeã e depois terceira colocada (por dois anos consecutivos) no mundial de construtoras. Substituir um piloto que garantia vitórias e pódios ao time não seria uma tarefa fácil, mas a Red Bull tinha um jovem nome em mente: Pierre Gasly.

 

Pierre Gasly conquista o quarto lugar do Grande Prêmio do Bahrein de 2018. (Foto: Sky Sports) [1]

 

O piloto francês havia se destacado na Toro Rosso, tendo seu melhor resultado até então um quarto lugar no Grande Prêmio do Bahrein de 2018. Acreditava-se que se Gasly era capaz de chegar a uma posição tão alta em um carro considerado mediano, conseguiria no mínimo pódios em uma equipe de ponta. No entanto, seu desempenho no primeiro ano com a Red Bull ficou abaixo do esperado. Enquanto Verstappen era uma presença quase constante no pódio, Gasly ficava atrás dos pilotos da Ferrari (Sebastian Vettel e Charles Leclerc). Não sendo capaz de aproveitar a crise do time italiano (cuja tensão entre os pilotos era um agravante), o francês conseguia menos pontos para a Red Bull, que perdia a chance de conquistar o vice-campeonato de construtoras.

Descontente com o descompasso entre Gasly e Verstappen, o consultor Helmut Marko convenceu os dirigentes da Red Bull a substituir o companheiro de equipe do holandês. A partir do Grande Prêmio da Bélgica de 2019, Alexander Albon assumiria essa vaga. Já era tarde para a Red Bull recuperar o prejuízo, mas o novo piloto era visto como um investimento a longo prazo (se tivesse uma boa performance, continuaria no time no ano seguinte). Albon teve atuações elogiáveis, como no Grande Prêmio da Rússia (no qual largou dos boxes e terminou em quinto lugar) e no do Brasil (tendo uma chance de conseguir o primeiro pódio, mas foi atingido por Lewis Hamilton faltando poucas voltas para o fim). Albon terminou o campeonato em oitavo lugar, com 92 pontos. Considerando que o mesmo passou a primeira metade da temporada na Toro Rosso e só então foi para uma equipe de ponta, o resultado é impressionante. Por isso, foi eleito pelo Autosports Awards como o “Estreante do Ano” em 2019.

 

Alexander Albon sendo premiado como “Estreante do Ano” de 2019. (Foto: FIA) [2]

 

2- 2020: “Com grandes poderes vêm grandes responsabilidades”

 

Essa frase do Tio Ben, de “Homem-Aranha”, resume a pressão que caiu sobre Alexander Albon em sua segunda temporada com a Red Bull. O piloto começou o ano bem, tendo mais uma chance de conseguir o primeiro pódio, no Grande Prêmio da Áustria, mas uma infeliz coincidência impediu a conquista: novamente, uma colisão com Lewis Hamilton. Nas corridas seguintes, Albon alcançava a zona de pontuação, mas em lugares bem inferiores aos de Max Verstappen. Logo, a situação era semelhante à de Pierre Gasly em 2019, mas Helmut Marko optou por não demitir o tailandês apressadamente.

Havia dois fatores que impediam uma ação imediata por parte da Red Bull. Em primeiro lugar, uma segunda demissão em dois anos consecutivos sem que o campeonato terminasse colocaria em xeque a reputação do time. A troca de Gasly por Albon já não parecia tão justificada em 2020 quanto era em 2019, e tirar o tailandês corria o risco de resultar em mais uma substituição não muito satisfatória. Logo, Marko seria taxado como “impetuoso”. Em segundo lugar, a AlphaTauri não tinha nomes apropriados para ocupar o lugar de Albon: trazer Gasly de volta seria “humilhante” para a Red Bull (que teria que admitir que “errou” com o francês), e Daniil Kvyat já tinha passagem pelo time austríaco, sendo demitido no começo da temporada de 2016 e substituído por Verstappen. A troca do russo pelo holandês foi a mais assertiva da Red Bull nos últimos anos a curto, médio e longo prazo, o que não se repetiu com as mudanças seguintes (isso porque Verstappen é um caso à parte).

 

Helmut Marko (esquerda) e Max Verstappen (direita). (Foto: XPB) [3]

 

O que se observou na primeira metade de 2020 é que Albon enfrentava dificuldades nos treinos de sexta e sábado, largando de lugares intermediários do grid, o que não é esperado para um piloto de equipe de ponta. Apenas no Grande Prêmio da Toscana, corrida marcada por acidentes que levaram quase a metade do grid a abandonar, o tailandês conseguiu seu merecido primeiro pódio após vencer um duelo com Daniel Ricciardo pelo terceiro lugar. O resultado se repetiu apenas no Grande Prêmio do Bahrein, no qual o motor do carro de Sergio Pérez incendiou a parte traseira do veículo e forçou o mexicano a abandonar. Apesar dos pódios, Albon não estava perto do que havia sido Ricciardo para a Red Bull, e a vitória de Gasly no Grande Prêmio da Itália somente agravou o constrangimento do time.

 

Vitória de Pierre Gasly no Grande Prêmio da Itália de 2020. (Foto: Matteo Bazzi/AP) [4]

 

A semelhança entre o desempenho de Albon em 2020 e de Gasly em 2019 foi apenas um dos ingredientes da mudança de pilotos da Red Bull para 2021. Outro motivo se encontra no contexto de outra equipe.

 

3- Mudanças na Racing Point: Sergio Pérez entra na jogada

 

Em 2020 a Racing Point iniciou um capítulo marcante de sua história. A temporada anterior serviu como um teste para os novos planejamentos da equipe, comprada na segunda metade de 2018 por um consórcio liderado por Lawrence Stroll após a falência da Force India. Decidida a entrar no grupo das equipes de ponta, a escuderia inglesa teve resultados impressionantes graças ao trabalho conjunto do departamento de engenharia e de sua dupla de pilotos, formada por Lance Stroll e Sergio Pérez.

Para 2021, o time buscou ainda mais investimentos para continuar seu caminho triunfante. Um dos acordos obtidos foi com a empresa francesa Aston Martin, que dará seu nome à equipe. Tudo parecia seguir exatamente como estava, porém com melhorias se aproximando, até que uma reviravolta aconteceu: Sebastian Vettel foi demitido da Ferrari por suas performances decepcionantes e meses depois foi anunciado como piloto da Racing Point para 2021. Sua contratação não teria sido tão polêmica se não fosse pela confusão de informações relatadas à imprensa: a Racing Point oscilava entre a negação e o interesse por Vettel, e as narrativas de Pérez e do chefe de equipe, Otmar Sznafnauer, sobre se o mexicano havia sido previamente avisado da situação conflitavam entre si. A verdade foi revelada mais tarde pelo jornalista Adam Cooper, que relatou que Vettel havia comprado ações da Aston Martin, e com isso garantiu um assento no time (para entender melhor este caso, leia o artigo de Ricardo Hernandes Meyer aqui).

 

Otmar Sznafnauer, chefe de equipe da Racing Point (esquerda), e Sebastian Vettel (direita). (Foto: XPB) [5]

 

Pérez é notado por ser um dos pilotos mais consistentes da Fórmula 1. Em seu currículo encontram-se pódios em corridas difíceis, como no Grande Prêmio do Azerbaijão de 2018. A jornalista Noemí de Miguel, que relatou em primeira mão que a Renault negociava a contratação de Fernando Alonso para 2021 (confirmada meses depois), afirmava que a Red Bull planejava trazer Pérez para correr ao lado de Max Verstappen. Um dos indícios dessa negociação foi quando Antonio Pérez, irmão do piloto, passou a seguir o perfil da Red Bull no Twitter. No entanto, tanto “Checo” quanto a equipe austríaca preferiram manter as conversas em segredo (talvez para não afetar os resultados de Albon) e somente anunciaram a decisão após o Grande Prêmio de Abu Dhabi.

 

Entre os perfis seguidos no Twitter por Antonio Pérez, irmão de Sergio, está o da Red Bull. (Foto: Twitter) [6]

 

Percebe-se que as ações da Racing Point e da Ferrari também tiveram impacto na Red Bull, principalmente no destino de Albon. Esperava-se que Vettel teria um ano sabático para refletir sobre seus erros e repensar sua carreira, tal como houve com Esteban Ocon. No entanto, o alemão teve uma estratégia de mestre: comprando ações da empresa dona, garante uma vaga. É claro que a imprensa de maneira geral não vai ressaltar esse fato, pois prefere gerar controvérsias em cima de Stroll, que não tem nada a ver com a história (o motivo fica implícito). A necessidade de vaga de Pérez e o desejo da Red Bull por substituir Albon sem que isso se parecesse com o caso de Pierre Gasly propiciaram a contratação do mexicano e, consequentemente, a substituição do tailandês.

 

4- A pressa de Helmut Marko: o sacrifício dos jovens talentos da Red Bull

 

O consultor da Red Bull já havia dito para a imprensa que “nenhum dos jovens do programa de treinamento da equipe chega perto de Max Verstappen”. Tal afirmação é prejudicial para os atletas, que sentem uma desvalorização de seu trabalho. É certo que o esporte é uma área que demanda pressão para resultar em conquistas, mas esse tipo de comparação não apenas atrapalha a autoconfiança dos jovens pilotos como também frustra os planos da própria equipe. Somado a isso, Marko parece pressionar demais os atletas e não fazer o mesmo com o departamento de engenharia, incapaz de produzir um carro à altura do potencial de Verstappen apesar de alegadamente trabalhar focado no piloto. Lembrando que os engenheiros são fundamentais no desempenho de uma escuderia na Fórmula 1, como se observou no caso da Williams.

Verstappen, como revelado anteriormente, é um talento excepcional. Ainda adolescente conseguiu vitórias, pódios e recordes em uma equipe que não tinha o melhor carro do grid. Isso não significa, porém, que outros pilotos não possam ser bons. Exigir de seus alunos um clone de Verstappen é uma atitude absurda de Marko, pois cada pessoa tem seu estilo de trabalho. Nem mesmo o pai de Max, Jos Verstappen, teve resultados tão brilhantes na carreira quanto o filho. Se em vez de exigir uma segunda versão do holandês a Red Bull trabalhasse para desenvolver o potencial de ambos os pilotos, o time teria uma performance melhor nos campeonatos. Mas parece que essa escuderia privilegia um atleta e pretere o outro, como observado na primeira década de 2010 com Sebastian Vettel e Mark Webber.

 

Marko chegou a acusar Albon de não ter confiança. Com um chefe desses fica difícil. (Foto: GPBlog) [7]

 

A vitória de Pierre Gasly em 2020 provou que cada piloto tem seu tempo de adaptação e que cobranças excessivas não moldam um atleta baseado em outro somente porque o conselho da equipe deseja. Lamentavelmente, embora seja inimiga da perfeição, a pressa se mostra como um dos valores de Marko e isso sacrifica as oportunidades da Red Bull. O exemplo da Racing Point, que preferiu “ir com calma” em 2019 para arrasar em 2020, demonstra que cautela deve ser o principal ingrediente de um bom planejamento, não ansiedade.

Outro ponto importante a ser notado é a contratação de Yuki Tsunoda para correr pela AlphaTauri em 2021. Como Daniil Kvyat não consegue satisfazer mais o grupo e Gasly faz um ótimo trabalho, é natural que o russo seja demitido para dar uma chance ao japonês. Embora isso signifique um impedimento para que Albon volte à AlphaTauri, Tsunoda não deve ser responsabilizado pelo infortúnio do tailandês, pois trata-se de um novo talento que terá uma chance de apresentar seu trabalho. Como demonstrado anteriormente, a compra de assento de Vettel na Aston Martin influencia muito mais a situação de Albon do que a contratação do piloto japonês.

 

5- Conclusões

 

O caso de Alexander Albon apenas se difere do de Pierre Gasly no tempo em que cada um foi demitido da Red Bull. Ambos foram vítimas da pressa e da ânsia de Helmut Marko em ter dois pilotos com o desempenho de Max Verstappen, o que descarrega toda a responsabilidade nos jovens atletas. Tanto Albon quanto Gasly provaram ter talento e merecem assentos na Fórmula 1, mas sofreram com o conflito de interesses da equipe austríaca, que deseja o triunfo optando pelos meios errados.

Caso Sebastian Vettel não tivesse comprado as ações da Aston Martin, em sua tentativa bem sucedida de se manter nas pistas apesar de sua impetuosidade, talvez a Red Bull tivesse que manter Albon por mais tempo. Isso porque provavelmente a Racing Point manteria seus pilotos, já que Lance Stroll e Sergio Pérez têm uma ótima dinâmica como companheiros e garantem ótimos resultados nas corridas. Como o mexicano é mais experiente, e com isso tem um currículo mais extenso, ele se tornou o candidato ideal para a Red Bull prosseguir em sua luta contra a Mercedes, além de satisfazer a vontade de demitir um piloto cujo “erro” foi não ser igual a Verstappen.

 

É assim que a Red Bull pensa: Verstappen está acima de qualquer piloto. [8]

 

Embora tenha dito que nunca sofreu racismo em sua vida pessoal ou profissional, alguns torcedores e jornalistas se lembram de um caso no mínimo suspeito. No Grande Prêmio da Itália de 2019, os comissários decidiram puni-lo por um incidente com Carlos Sainz Jr., mesmo tendo sido o espanhol a lançar o adversário para fora da pista. Esta foi uma das ações que levaram às suspeitas de racismo por parte dos comissários (as outras foram as decisões injustas com Stroll e Lewis Hamilton), que prejudicaram os três pilotos de cor do grid em benefício de atletas brancos. Talvez Albon não tenha percebido as “coincidências” nas decisões tomadas no Grande Prêmio da Itália, mas estas não podem ser ignoradas. Além disso, quando começaram as especulações a respeito de sua saída da Red Bull, muito se falou de um possível interesse dos donos da empresa em mantê-lo por ele ser tailandês. É certo que empresas patrocinadoras se interessam por atletas compatriotas em suas respectivas categorias esportivas, mas Albon não deve ser lembrado apenas por suas origens étnicas. Seu trabalho e esforço justificaram sua presença na Fórmula 1.

Alexander Albon é mais um piloto condenado pela irresponsabilidade de sua equipe mesmo sendo inocente. Um caso parecido foi o de Sergey Sirotkin, que saiu da Fórmula 1 com o estigma de “piloto pagante” embora não tivesse culpa pela crise enfrentada pela Williams (que foi provada nos anos seguintes ser de seus engenheiros e dirigentes). Os responsáveis diretos pela saída do piloto da Red Bull são Vettel (por ter causado a saída de Pérez da Racing Point ao comprar as ações da Aston Martin) e Marko (por exigir perfeição de seus pilotos em pouco tempo), mas o que podemos considerar a “culpada” pelo infortúnio de Albon é a política segregacionista da Red Bull, que prefere transformar um piloto em príncipe (mesmo não tendo os recursos para isso) e o outro em mendigo, quando poderia transformar ambos em heróis. Se não mudar suas estratégias, a equipe austríaca corre o risco de passar por uma crise semelhante à da Ferrari e outros “Albons” serão sacrificados no processo.

 

Resumo da ópera. [9]

 

6- Leia também:

 

 

7- Bibliografia

 

 

8- Fotos

Obs.: Nenhuma das fotos inseridas neste artigo (exceto as montagens) pertence a mim. Este site possui fins informativos, não comerciais. Abaixo estão indicados os links de onde tirei as fotos. Todos os direitos reservados.

 

The Fall of Williams: From Height To Ruins

Amid the Covid-19 pandemic that caused the cancellation and postponement of many races of the 2020 season, two announcements alarmed the sports media. One of them was the dismissal of Sebastian Vettel from Ferrari. The other is related to the severe financial crisis that affects Williams. Champion in the past, the British team, led by Claire Williams, underwent many bad management periods that culminated in a potential bankruptcy. Amid so much speculation, we will unravel the reasons that brought Williams to the current situation.

 

1- Origins: from Lady Virginia’s love to the first crisis

 

Williams’s origins come from two loves: Virginia Berry for Frank Williams and his for cars. Having come from a humble family, Frank joined a group of wealthy friends who loved races. To earn some money, he worked buying and selling car parts. Therefore, founded Frank Williams Racing Cars in 1966 and entered the automobile market, selling cars to drivers from diverse countries, mainly Italians. In the following year, he met Virginia, a wealthy but married woman. Both started a relationship, and she got divorced from her husband to be with Frank. After participating in some Formula Three rounds, known for his dangerous and risky way of driving, Frank turned Frank Williams Racing Cars into a Formula One team, having Piers Courage as the main driver.

 

Piers Courage, Frank Williams’ trusted driver. (Photo: nobresdogrid.com.br) [1]

 

However, in 1970, Courage died in a tragic accident at the Dutch Grand Prix. His death made Frank Williams very sad. In the following years, being renamed Williams FW by 1973, the team’s performance fell drastically and was criticized by the press. The cars were made with second-hand materials due to the team’s low budget. Having married Frank officially in 1974, Virginia made many sacrifices to keep the team, including selling her apartment. However, both the Williams family and the team experienced miserable days. With poor structure, the cars did not reach good results; then Formula One paid a low amount of money to the team. Consequently, there were not many resources to invest in cars’ improvement.

Deep in debt, Frank had no choice unless to accept the offer of oil magnate Walter Wolf and sell 60% of the team in 1976. At the end of that year, Wolf removed Frank from administration and bought his part, renaming the team as Walter Wolf Racing.

 

Walter Wolf: the first investor to resolve a Williams crisis. (Photo: reporter.si) [2]

 

2- Restart: Patrick Head and the new Williams

 

In 1977, Frank Williams signed with Belgian brewery Belle Vue, sponsor of driver Patrick Nève, and founded with Patrick Head the Williams Grand Prix Engineering Limited. As an engineer, Head was one of the responsible for the technological advance that allowed Williams’s rebirth. The team’s first year was not very encouraging, ending the season without points. However, better times were coming.

In the following year, Alan Jones got Williams’s first podium, with a third-place at United States Grand Prix. Five round later, at Great Britain, his teammate Clay Regazzoni guaranteed the first victory of the team’s history. Jones was victorious in Germany, Austria, Netherlands, and Canada and Regazzoni got podiums in Italy and Canada, ending both races in third place. Scoring 75 points, Williams became runner-up in the constructors’ championship, staying 38 behind first-place Ferrari.

 

Alan Jones: Williams’s first champion. (Photo: Motorsport) [3]

 

The ’80s marked Williams’s domain in Formula One. Having Alan Jones, and Carlos Reutemann in 1980, the team won for the first time as the drivers’ championship ad the constructors one. Jones was champion and Reutemann was third-place. The following year, the team was again constructors champion, with its drivers scoring 95 points (49 from Reutemann, runner-up, and 46 from Jones, third-place). In 1982, Keke Rosberg replaced Jones e became champion with 44 points. Getting six podiums, Rosberg was known as “one-victory champion,” as the only race he won that year was the Swiss Grand Prix, but his constancy in scoring guaranteed the title. Williams was fourth in the constructors’ championship, repeating it the following year when Jacques Laffite replaced Reutemann.

Ending sixth in 1984 and third in 1985, Williams returned to win the constructors championship in 1986, having Nigel Mansell and Nelson Piquet (two-time champion with Brabham in 1981 and 1983) as its drivers. Mansell ended the season as runner-up, and Piquet was third-place. The following year, the Brazilian was champion and British was the runner-up. Williams conquered its fourth constructors’ championship. The team ended the decade with a seventh-place in 1988 and a second-place in 1989.

 

Nigel Mansell and Nelson Piquet: highlights in Williams’s golden age. (Photo: Esportes em Ação) [4]

 

3- Frank’s accident and the rise of Claire

 

On March 8th, 1986, Frank Williams suffered a severe car accident in France, becoming a quadriplegic. However, he kept active as the team’s director. The team repeated success in the ’90s, winning constructors championship in 1992, 1993, 1994, 1996, and 1997, and drivers championship in 1992 (with Nigel Mansell), 1993 (with Alain Prost), 1996 (with Damon Hill), and 1997 (with Jacques Villeneuve). In 1994, the team suffered a significant loss: Ayrton Senna died in an accident at San Marino Grand Prix.

Father of Jonathan, Claire, and Jaime, Frank did not trust his children to rule the team, but his daughter was always interested in the family business. Joining the communication department in 2002, Claire took the sector’s highest post eight years later. In 2012, Frank abdicated the function of team principal, and Claire took office the following year, remaining until nowadays. She is also responsible for departments of marketing, communication, and the commercial business of Williams. Her brother Jonathan also works in the team. Ele played management roles until the rise of Claire.

 

Claire Williams: funders’ daughter and current team’s CEO. (Photo: Pinterest) [5]

 

4- The second crisis: Toto Wolff saves the team

 

At the beginning of the 2000s, Williams kept itself in a good position among the constructors. It ended in third-place in 2000 and 2001, and second-place in 2002 and 2003. After 2004, the team’s performance was going down, varying between fourth and eight-place until 2009. During this period, at least one driver left Williams by year. Among the most famous names of the team in that decade stand out Juan Pablo Montoya, Mark Webber, and Nico Rosberg.

It was clear there was something wrong with the team. The agreements with engine suppliers Cosworth (2006) and Toyota (2007-2009) did not yield good results. Earning less than in glory times, Williams had not enough resources for good upgrades in carr. However, in 2009, entrepreneur Toto Wolff bought some of the team’s shares and started to integrate its board of directors. It was the perfect opportunity to get out of the crisis.

 

Toto Wolff: Williams’s second savior. (Photo: EsporteNET) [6]

 

In 2010, deluded with Toyota, Williams returned to use Cosworth engines, signing a long-term agreement. However, without good results, the  partnership ended the following year. In 2012, the team started to use Renault engines, but performance kept well below the expected. Pastor Maldonado guaranteed the last Williams’ victory in its history at Spanish Grand Prix in that same year. Toto Wolff was named executive director, and his wife Susie was hired as a test driver. Williams had the opportunity to have, officially, the first woman in Formula One since Desiré Wilson, who drove in 1980. However, internal barriers impeded the realization of this fact, besides necessary changes in the engineering department. With this, Williams varied between sixth and ninth-place among the constructors between 2010 and 2013.

 

Pastor Maldonado’s win at the 2012 Spanish Grand Prix, the last of Williams. (Photo: CarsNB.com) [7]

 

5- Wolff’s exit and third crisis: Lawrence Stroll saves the team

 

In 2013, seeing himself with tied hands, Toto Wolff sold his shares in Williams and joined Mercedes, buying 30% of the team’s shares. Claire Williams took office as team principal and management positions. In the following year began the German team’s domain in Formula One that remains until nowadays. In 2014 and 2015, counting with Mercedes engines, Williams got back to the constructors’ podium, ending third-place. However, the team’s financial administration still had problems. Risking to close after the 2016 season, which ended fifth-place, the team needed more investments. Among its drivers, Felipe Massa announced his retirement at the end of that year, Valtteri Bottas remained in the team.

Still, in 2016, garment entrepreneur Lawrence Stroll, father of that year European Formula Three champion Lance Stroll, announced he would invest in Williams. Lance replaced Massa. However, with Nico Rosberg’s retirement, Wolff called Bottas, his patronized, to replace him at Mercedes. To complete the transference, Frank Williams’ daughter required Paddy Lowe back to the team, and he took the engineering department. According to Massa’s reports, Claire phoned him at Christman to return to the team to replace the Finnish driver.

 

Lance Stroll and his father Lawrence, Williams’s third savior. (Photo: F1Sport.it) [8]

 

In 2017, Williams had a medium start. Massa got some scores, and Stroll faced difficulties, with mechanical failures in the first race and accidents caused respectively by Sergio Pérez and Carlos Sainz Jr. in the following ones. The media started to attack the Canadian driver, blaming him for the team’s problems. Even before the season starts, during tests in Barcelona, Claire dared to blame Stroll’s crashes for the cancelation of one of the teams’ tests, which incited furious supporters to attack the young driver at social networks in a coward, unfair way. Lowe always criticized him in the press. At the same time, the same media that was delighted with a woman as a team principal did not have the same reaction with the debut of an Amerindian driver at the category. However, at the Azerbaijan Grand Prix, Stroll had the only podium of the team and Williams’s last until nowadays, with a third place. With this result, the team jumped to fifth place in the championship, earning a better bonus than the previous year.

 

Lance Stroll’s podium at the 2017 Azerbaijan Grand Prix: Williams’s last one. (Photo: Formula 1) [9]

 

Unfortunately, Stroll’s contribution to the team was not adequately recognized by people. In 2018, after Massa’s permanent retirement, Williams hired Sergey Sirotkin to replace him. Even with one more sponsor, Russian bank SMP, the engineering department did not know how to convert the investment in upgrades in the car. Consequently, both drivers had much difficulty in scoring. The media returned to attack Stroll, exonerating the engineers of any guilt for the bad performance of the cars. Some journalists ignored journalistic ethics (taught at college) and dared to use liable-to-prosecute-terms as “questionable talent drivers,” ignoring Stroll’s achievements in the previous year and championships precedent to his debut in Formula One and disregarding Sirotkin’s lack of experience. The media simply “forgot” that who makes the cars are the engineers, not the drivers, and that the team’s budget comes from sponsors (so investors are always welcome). Also, journalists used the argumentum ad hominem fallacy to attack the drivers and acquit Claire Williams and Paddy Lowe (see the source on the article written by Kadu Gouvêa at the bibliography).

 

Paddy Lowe, Williams’s technical director from 2017 to 2019. (Photo: Jornal Cruzeiro do Sul) [10]

 

6- Stroll’s exit and fourth crisis: masks start to fall

 

In mid-2018, Lawrence Stroll set up a consortium of investors and bought the Force India team. Indian authorities wanted its previous owner Vijay Mallya for alleged corruption. Lawrence kept Lance in Williams until the end of the year, even aware of his son’s difficulties with a nothing competitive car and his crucifixion by media. The Canadian driver moved to the new team, renamed Racing Point, the following year (see “Understand the Esteban Ocon Case”).

With Stroll out of the team, Williams lost its biggest scapegoat. The critics, believing the Canadian entrepreneur and his son were to blame for the team’s crisis, trusted that the new hirings would bring the team back to its golden age. However, with Stroll’s exit, Williams had the worst performance ever. Robert Kubica was the only one to score, making one point at German Grand Prix. George Russell, Toto Wolff’s sponsored, finished season without points. However, no media organ called him “pay driver,” even came from a wealthy family and not having chances to justify investment in his work, generating suspects of racism by media (see “The Lance Stroll Case: An Amerindian in Formula One”) .

 

George Russell: European White, he is not criticized by media even being unable to score. (Photo: AutoSport) [11]

 

Enduring in the last position of the championship with the lower bonus of its history, Williams found itself back in a severe crisis. Shortly at the beginning of 2019, seeing media now could not blame Stroll anymore and that Russell and Kubica could not get out of the last places, Lowe asked to exit from his functions claiming personal reasons. The engineering department kept failing at its job, being the most notable case of the delay in months of Kubica’s adapted steering wheel. Finally, the pressure fell into Claire. At the end of the year, Kubica was fired, and Nicholas Latifi, a Canadian driver of Iranian descent, was chosen as his substitute. Latifi had not even debuted, and some fans accused him of being a pay driver and made xenophobic offenses against Canada. There was even no statement of Williams about this.

 

Nicholas Latifi: had not debuted yet, and furious fans already blamed him for Williams’s fourth crisis. (Photo: tomadadetempo.com) [12]

 

In 2020, amid the paralyzation of the team’s activities due to the Covid-19 pandemic, Claire admitted that they could sell the entire Williams. Toto Wolff acquired 5% of the team’s shares in June.

 

7- After all, who is to blame?

 

Unlike what some journalists tried to instill at fans’ heads, Williams’s crisis’ fault is NOT Lawrence Stroll’s, even less Lance Stroll’s, and nor of any other investor or driver to whom the media dishonestly name as “pay driver.” No one is to blame except Claire Williams herself. As the daughter of the team’s founder and its gestor, Claire should manage the financial part better to ensure control in her hands. However, excessive spending that did not convert into results on track let the team depend on extern investments. Now, if Williams’s problem was money, how can it be possible to blame who put money on its cash? Toto Wolff and Lawrence Stroll did nothing but to HELP the British team at the moment it most needed support. Drivers and investors do not make cars; engineers do. Besides, the engineering department led by Paddy Lowe had enough money to develop a good project but failed considerably.

The fact that Lance being the son of Lawrence means absolutely nothing on the subject of Williams’s financial crisis. The Amerindian driver’s participation guaranteed to the team the fifth-place at the constructors’ championship in 2017 due to his third place at the Azerbaijan Grand Prix, justifying his father’s investment in the team. It is evident that the car’s performance is the engineer’s responsibility and financial control if for the team owners. Still, many people do not see it and, by ignorance of lack of character, blame Stroll. The media’s insistence in condemning him for all the problems that happen in current Formula One, since internal issues of the teams until the ones of the category as a whole, reflects two phenomena that follow the history of humankind and that caused the most significant tragedies.

 

 

This Einstein quote says a lot about the way the media treats Lance Stroll. (Photo: GoodReads) [13]

 

One of them is antisemitism, as powerful groups always blame Jews for the world’s misfortunes and do until now. As current society is more conscious of discrimination, the media only accuses Stroll and omits his ethnic origins (the reason for the persecution) to avoid being retaliated by public opinion. Some fans accept the speech because they go along with these ideas; others are easily fooled, reflecting what was previewed by Harold Lasswell in the 20th century: some passively accept everything the media says, without questioning anything. In the 21st century, Ben Shapiro proved the existence of this face of media, noting that it ignores the facts and shows the narrative as it wished to fulfill its agenda.

The other phenomenon is structural racism. Even with good financial conditions, Lance Stroll still belongs to minority groups (as he is Jewish and Amerindian), so the media will favor historically privileged groups (Europeans and Whites). With this, proving Shapiro’s analysis, it ignores Claire Williams’s management incompetence to blame Stroll, even without arguments and proofs. Its speech ends prevailing because many fans do not want to think, as it is more comfortable to accept what is said without checking the facts. For some people, it can seem absurd that racial questions are made in Formula One’s context, mainly in the case of a team’s bankruptcy. However, it is humanly impossible to ignore the unhealthy, unfair persecution the media and some fans do with Lance Stroll, and people must unmask the reasons.

 

8- Conclusion

 

Williams’s bad financial management put the team in four crises throughout its history. Even with suitable investments and sponsorship, the engineering department failed successively to upgrade the car so the drivers could fight for good positions and put the team back to the top of the championship. The media preferred to blame who was helping instead of the responsible ones for the car’s inefficiency. The hostile internal atmosphere keeps the team from potential investors under the fear of facing barriers to decisions (and if they belong to an ethnic minority, they risk being crucified by the press and fans and blamed by issues out of their responsibility). Then, for Williams, there is just the sale of the team or learn with its pasts and make a radical change in its attitude.

 

Williams’s problem: it always bites the hand that feeds it. [14]

 

Update: On March 21th, 2020, it was announced that Williams was sold to the American company Dorilton Capital.

 

9- Bibliography

 

 

10- Photos

Note: None of the photos used in this article, except the montage, belongs to me. This site has informative intentions, not commercial. The links where I took the photos are indicated below. All copyrights reserved.

 

A Queda da Williams: Do Auge à Ruína

Em meio à pandemia de Covid-19 que provocou o cancelamento e adiamento de várias corridas de 2020, dois anúncios alarmaram a mídia esportiva. Um deles foi a demissão de Sebastian Vettel da Ferrari. O outro se refere à grave crise financeira que assola a Williams. Outrora campeã, a escuderia inglesa comandada por Claire Williams passou por vários períodos de má administração que culminaram numa potencial falência. Em meio a tantas especulações, desvendaremos os motivos que levaram a Williams à situação atual.

 

1- Origens: do amor de Lady Virginia à primeira crise

 

As origens da Williams provêm de dois amores: o de Virginia Berry por Frank Williams e o dele por carros. Vindo de família pobre, Frank se juntou a um grupo de amigos ricos que amavam corridas. Para conseguir dinheiro, ele trabalhava na compra e venda de peças. Com isso, fundou a Frank Williams Racing Cars em 1966 e ingressou no mercado automobilístico, vendendo carros a pilotos de diversos países da Europa, principalmente para italianos. No ano seguinte, conheceu Virginia, uma moça rica e casada. Os dois começaram um relacionamento e ela se divorciou de seu marido para ficar com Frank. Depois de atuar em algumas rodadas da Fórmula 3, ficando conhecido por seu jeito perigoso e arriscado de direção, Frank transformou a Frank Williams Racing Cars em um time de Fórmula 1, tendo Piers Courage como seu piloto principal.

 

Piers Courage, piloto de confiança de Frank Williams. (Foto: nobresdogrid.com.br) [1]

 

Porém, em 1970, Courage morreu em um trágico acidente no Grande Prêmio da Holanda. Seu falecimento deixou Frank Williams muito triste. Nos anos seguintes, sendo nomeada como Williams FW a partir de 1973, o desempenho da escuderia caiu drasticamente, sendo alvo de críticas por parte da imprensa. Seus carros eram feitos de materiais de segunda mão devido ao baixo orçamento do time. Virginia, com quem Frank se casou oficialmente em 1974, fez muitos sacrifícios para manter a equipe, inclusive vendendo seu próprio apartamento. Porém, tanto a família Williams quanto a escuderia viviam dias de penúria. Com estruturas precárias, os carros não atingiam bons resultados, logo a Fórmula 1 pagava uma quantia baixa de dinheiro à equipe. Consequentemente, não havia muitos recursos a serem investidos na melhora dos carros. Atolado em dívidas, Frank não teve outra escolha a não ser aceitar a oferta do magnata do setor petrolífero Walter Wolf e vender 60% de sua escuderia em 1976. No final daquele ano, Wolf removeu Frank da administração e comprou sua parte, renomeando a escuderia como Walter Wolf Racing.

 

Walter Wolf: primeiro investidor a solucionar uma crise da Williams. (Foto: reporter.si) [2]

 

2- Recomeço: Patrick Head e a nova Williams

 

Em 1977, Frank Williams fez um acordo com a cervejaria belga Belle Vue, patrocinadora do piloto Patrick Nève, e fundou junto com Patrick Head a Williams Grand Prix Engineering Limited. Engenheiro, Head foi um dos responsáveis pelo avanço tecnológico que possibilitou o renascimento da Williams. O primeiro ano do novo time não foi muito animador, terminando a temporada sem pontos. No entanto, tempos melhores estavam por vir.

No ano seguinte, Alan Jones conquistou o primeiro pódio da Williams, com um terceiro lugar no Grande Prêmio dos Estados Unidos. Cinco rodadas depois, na Grã-Bretanha, seu companheiro de equipe, Clay Regazzoni, garantiu a primeira vitória da história da escuderia. Jones foi vitorioso na Alemanha, Áustria, Holanda e Canadá e Regazzoni conseguiu pódios na Itália e Canadá, chegando em terceiro lugar em ambas as corridas. Somando 75 pontos, a Williams se tornou a vice-campeã do campeonato de construtoras, ficando a 38 pontos da primeira colocada Ferrari.

 

Alan Jones: primeiro campeão pela Williams. (Foto: Motorsport) [3]

 

Os anos 80 marcaram o domínio da Williams na Fórmula 1. Tendo Alan Jones e Carlos Reutemann em 1980, a escuderia venceu pela primeira vez tanto o campeonato de pilotos quanto o de construtoras. Jones foi o campeão e Reutemann foi o terceiro colocado. No ano seguinte, a equipe foi novamente campeã de construtoras, com seus pilotos marcando juntos 95 pontos (49 de Reutemann, vice-campeão, e 46 de Jones, terceiro colocado). Em 1982, Keke Rosberg substituiu Jones e foi campeão com 44 pontos. Obtendo seis pódios, Rosberg ficou conhecido como “campeão de uma só vitória”, pois a única corrida que venceu naquele ano foi o Grande Prêmio da Suíça, mas sua constância em pontuar garantiu o título. A Williams foi a quarta no campeonato de construtoras, repetindo a posição no ano seguinte, quando Jacques Laffite substituiu Reutemann.

Ficando em sexto lugar em 1984 e em terceiro em 1985, a Williams voltou a ganhar o campeonato de construtoras em 1986, tendo como pilotos Nigel Mansell e Nelson Piquet (bicampeão com a Brabham em 1981 e 1983). Mansell terminou a temporada como vice-campeão e Piquet foi o terceiro colocado. No ano seguinte, o brasileiro foi o campeão e o inglês foi vice. A Williams conquistava seu quarto campeonato de construtoras. O time terminou a década com um sétimo lugar em 1988 e um segundo lugar em 1989.

 

Nigel Mansell e Nelson Piquet: destaques nos anos de ouro da Williams. (Foto: Esportes em Ação) [4]

 

3- Acidente de Frank e a ascensão de Claire

 

No dia 8 de março de 1986, Frank Williams sofreu um grave acidente de carro na França, ficando tetraplégico. Porém, continuou ativo como diretor da equipe. A escuderia repetiu o sucesso na década de 90, vencendo o campeonato de construtoras em 1992, 1993, 1994, 1996 e 1997, e o de pilotos em 1992 (com Nigel Mansell), 1993 (com Alain Prost), 1996 (com Damon Hill) e 1997 (com Jacques Villeneuve). Em 1994, o time sofreu uma grande perda: Ayrton Senna morreu em um acidente no Grande Prêmio de San Marino.

Pai de Jonathan, Claire e Jaime, Frank não confiava em seus filhos para comandar a escuderia, porém sua filha sempre teve interesse pelos negócios da família. Ingressando em 2002 no departamento de comunicação da escuderia, ela assumiu o posto mais alto do setor oito anos depois. Em 2012, Frank abdicou da função de chefe de equipe e Claire assumiu o cargo no ano seguinte, permanecendo até os dias de hoje. Ela também é responsável pelos departamentos de marketing, de comunicação e pelos negócios comerciais da Williams. Seu irmão Jonathan também trabalha na escuderia. Ele desempenhava funções administrativas até a ascensão de Claire.

 

Claire Williams: filha do fundador e atual CEO da escuderia. (Foto: Pinterest) [5]

 

4- A segunda crise: Toto Wolff salva a equipe

 

No início da década de 2000, a Williams permaneceu em uma boa posição entre as construtoras, ficando em terceiro lugar em 2000 e 2001 e em segundo em 2002 e 2003. A partir de 2004, o desempenho da equipe foi caindo, oscilando entre o quarto e o oitavo lugar até 2009. Durante esse período, pelo menos um piloto saía da Williams por ano. Entre os nomes mais conhecidos do time nessa década se destacam Juan Pablo Montoya, Mark Webber e Nico Rosberg.

Era nítido que havia algo de errado na escuderia. Os acordos com as provedoras de motor Cosworth (2006) e Toyota (2007-2009) não haviam rendido bons resultados. Ganhando menos do que nos anos de glória, a Williams não tinha recursos suficientes para boas atualizações no carro. Porém, em 2009, o empresário Toto Wolff comprou uma parte das ações do time e passou a integrar seu corpo de diretores. Era a oportunidade perfeita para sair da crise.

 

Toto Wolff: segundo salvador da Williams. (Foto: EsporteNET) [6]

 

Em 2010, desiludida com a Toyota, a Williams voltou a usar os motores Cosworth, firmando um acordo de longo prazo. Porém, sem bons resultados, a pareceria acabou no ano seguinte. Em 2012, a equipe passou a utilizar motores Renault, mas o desempenho continuou bem abaixo do esperado. Nesse mesmo ano, Pastor Maldonado garantiu a última vitória da Williams até hoje, no Grande Prêmio da Espanha. Toto Wolff foi nomeado diretor executivo e sua esposa Susie foi contratada como piloto de testes. A Williams tinha a oportunidade de ter oficialmente a primeira mulher na Fórmula 1 desde Desiré Wilson, que correu em 1980. No entanto, entraves internos impediram a realização desse fato, bem como a de mudanças necessárias no departamento de engenharia. Com isso, a Williams oscilou entre o sexto e o nono lugar entre as construtoras entre 2010 e 2013.

 

Vitória de Pastor Maldonado no Grande Prêmio da Espanha de 2012, a última da Williams. (Foto: CarsNB.com) [7]

 

5- Saída de Wolff e terceira crise: Lawrence Stroll salva a equipe

 

Em 2013, vendo-se de mãos atadas, Toto Wolff vendeu suas ações na Williams e se juntou à Mercedes, comprando 30% das ações da escuderia. Claire Williams assumiu a função de chefe de equipe e cargos administrativos. No ano seguinte teve início o domínio da equipe alemã na Fórmula 1 que permanece até os dias de hoje. Em 2014 e 2015, contando com os motores da Mercedes, a Williams voltou para o pódio das construtoras, ficando no terceiro lugar. No entanto, a administração financeira da equipe ainda sofria problemas. Correndo risco de fechar após a temporada de 2016, a qual terminou no quinto lugar, a escuderia precisava de mais investimentos. Entre os pilotos, Felipe Massa anunciou sua aposentadoria no final daquele ano, enquanto Valtteri Bottas permaneceu com o time.

Ainda em 2016, o empresário do setor vestuário Lawrence Stroll, pai do campeão da Fórmula 3 Europeia daquele ano, Lance Stroll, anunciou que investiria na Williams. Lance assumiu a vaga de Massa. Porém, com a aposentadoria de Nico Rosberg, Wolff chamou Bottas, seu apadrinhado, para substituí-lo na Mercedes. Para realizar a transferência, a filha de Frank Williams exigiu a volta de Paddy Lowe à equipe, que assumiu o departamento de engenharia. Segundo relatos de Massa, Claire o chamou por telefone no Natal para voltar ao time no lugar do finlandês.

 

Lance Stroll e seu pai Lawrence, o terceiro salvador da Williams. (Foto: F1Sport.it) [8]

 

Em 2017, a Williams teve um começo mediano. Massa conseguia pontuações razoáveis e Stroll enfrentava dificuldades, com falhas mecânicas na primeira corrida e acidentes causados respectivamente por Sergio Pérez e Carlos Sainz Jr nas seguintes. A mídia passou a atacar o canadense, culpando-o pelos problemas da equipe. Antes mesmo do início da temporada, durante os testes em Barcelona, Claire chegou a culpar as batidas de Stroll pelo cancelamento de um dos testes da equipe, o que incitou torcedores furiosos a atacar o jovem nas redes sociais de maneira covarde e injusta. Lowe sempre o criticava na imprensa. Ao mesmo tempo, a mesma mídia que se encantou com uma mulher na posição de chefe de equipe não teve a mesma reação com a estreia de um piloto indígena na categoria. No entanto, no Grande Prêmio do Azerbaijão, Stroll obteve o único pódio da equipe e o último da Williams até hoje, com um terceiro lugar. Com este resultado, a escuderia passou para o quinto lugar do campeonato, conseguindo uma bonificação maior do que o ano anterior.

 

Pódio de Lance Stroll no Grande Prêmio do Azerbaijão de 2017: o último da Williams. (Foto: Fórmula 1) [9]

 

Infelizmente, a contribuição de Stroll para o time não foi reconhecida devidamente. Em 2018, após a aposentadoria definitiva de Massa, a Williams contratou Sergey Sirotkin para substituí-lo. Mesmo com o ingresso de mais um patrocinador, o banco russo SMP, o departamento de engenharia não soube traduzir o investimento em melhorias no carro. Consequentemente, os dois pilotos tiveram muita dificuldade em conseguir pontuações. Isentando os engenheiros de culpa pelo fraco rendimento dos carros, a mídia voltou a atacar Stroll. Alguns jornalistas ignoraram a ética jornalística (ensinada nas faculdades) e chegaram a usar termos passíveis de processo, como “pilotos de talento questionável”, ignorando os feitos de Stroll no ano anterior e nas competições anteriores à sua estreia na Fórmula 1 e desconsiderando a falta de experiência de Sirotkin. A mídia simplesmente se “esqueceu” que quem faz os carros são os engenheiros, não os pilotos, que o orçamento da equipe provém dos patrocinadores (portanto investidores são sempre bem-vindos) e jornalistas utilizaram a falácia argumentum ad hominem para atacar os pilotos e inocentar Claire Williams e Paddy Lowe (ver a fonte na matéria assinada por Kadu Gouvêa na bibliografia).

 

Paddy Lowe, diretor técnico da Williams de 2017 a 2019. (Foto: Jornal Cruzeiro do Sul) [10]

 

6- Saída de Stroll e quarta crise: as máscaras começam a cair

 

Na segunda metade de 2018, Lawrence Stroll montou um consórcio de investidores e comprou a equipe Force India, cujo dono Vijay Mallya era procurado pelas autoridades indianas por suspeita de corrupção. Mesmo ciente das dificuldades enfrentadas por seu filho com um carro nada competitivo e de sua crucificação na mídia, Lawrence manteve Lance na Williams até o final do ano. O canadense se mudou para a nova equipe, renomeada como Racing Point, no ano seguinte (ver “Entenda o Caso Esteban Ocon”).

Com Stroll fora do time, a Williams perdia seu maior bode expiatório. Os críticos, crentes que o empresário canadense e seu filho eram os culpados pela crise na equipe, acreditavam que as novas contratações levariam a escuderia de volta aos tempos áureos. No entanto, com a saída de Stroll, a Williams teve o pior desempenho de sua história. Robert Kubica foi o único a pontuar, marcando apenas um ponto no Grande Prêmio da Alemanha. George Russell, apadrinhado de Toto Wolff, terminou o ano sem pontos. No entanto, nenhum órgão de imprensa o chamou de “piloto pagante”, mesmo vindo de família rica e não tendo chances de justificar o investimento em seu trabalho, gerando suspeitas de racismo por parte da mídia (ver “O Caso Lance Stroll: Um Indígena na Fórmula 1”).

 

George Russell: branco e europeu, não é criticado pela mídia mesmo não conseguindo pontuar. (Foto: AutoSport) [11]

 

Amargando na lanterna do campeonato com a menor bonificação de sua história, a Williams se encontrou novamente numa grave crise. Logo no início de 2019, vendo que a mídia agora não tinha mais como culpar Stroll e que Russell e Kubica não conseguiam sair dos últimos lugares, Lowe pediu afastamento de suas funções alegando motivos pessoais. O departamento de engenharia continuou falhando em suas funções, sendo o caso mais notável o atraso em meses do volante adaptado de Kubica. Finalmente a pressão caiu sobre Claire. Kubica foi demitido no final do ano e Nicholas Latifi, piloto canadense de ascendência iraniana, foi escolhido como seu substituto. Latifi nem havia estreado e alguns torcedores o acusaram de ser pagante e fizeram ofensas xenofóbicas ao Canadá. Não houve sequer pronunciamento da Williams a respeito disso.

 

Nicholas Latifi: nem estreou e os torcedores raivosos já o culpam pela quarta crise da Williams. (Foto: tomadadetempo.com) [12]

 

Em 2020, em meio à paralisação das atividades das escuderias devido à pandemia de Covid-19, Claire admitiu a possibilidade de venda total da Williams. Toto Wolff adquiriu 5% das ações do time em junho.

 

7- Afinal, de quem é a culpa?

 

Diferente do que alguns jornalistas tentam incutir na cabeça dos torcedores, a culpa pela crise da Williams NÃO é de Lawrence Stroll, muito menos de Lance Stroll, e nem de nenhum outro investidor ou piloto a quem a mídia tenta nomear desonestamente como “pagante”. A culpa é de ninguém a não ser a própria Claire Williams. Por ser filha do fundador da escuderia e gestora após o acidente do mesmo, Claire deveria administrar melhor a parte financeira para assegurar o controle do time em suas mãos. No entanto, os gastos excessivos que não foram traduzidos em resultados nas pistas levaram a escuderia a depender de investimentos externos. Ora, se o problema da Williams era dinheiro, como que a culpa pode ser de quem colocou dinheiro em seu caixa? Toto Wolff e Lawrence Stroll nada fizeram além de AJUDAR o time inglês no momento em que este mais precisava de auxílio. Pilotos e investidores não fazem carros, engenheiros fazem, e o departamento de engenharia comandado por Paddy Lowe teve dinheiro suficiente para desenvolver um bom projeto, mas falhou consideravelmente.

O fato de Lance ser filho de Lawrence não quer dizer absolutamente nada no assunto da crise financeira da Williams. A participação do piloto indígena garantiu à escuderia o quinto lugar do campeonato de construtoras em 2017 graças a seu terceiro lugar no Grande Prêmio do Azerbaijão, justificando o investimento de seu pai na equipe. É óbvio que o desempenho do carro é responsabilidade do engenheiro e o controle financeiro compete aos donos da equipe, mas muitos não enxergam isso e, por ignorância ou falta de caráter, jogam a culpa em Stroll. A insistência da mídia em querer culpá-lo por todos os problemas que acontecem na Fórmula 1 atual, desde questões internas das escuderias até as da categoria como um todo, reflete dois fenômenos que acompanham a história da humanidade e foram responsáveis pelas maiores tragédias.

 

Essa frase de Einstein diz muito sobre o modo como a mídia trata Lance Stroll. (Foto: Pensador) [13]

 

Um deles é o antissemitismo, pois os grupos poderosos sempre tentaram culpar os judeus pelas mazelas do mundo e o fazem até hoje. Como a sociedade atual é mais consciente do problema da discriminação, a mídia apenas acusa Stroll e omite sua origem étnica (o motivo da perseguição) para não correr o risco de ser retaliada pela opinião pública. Alguns torcedores aceitam o discurso por compactuarem com essas ideias, outros são enganados facilmente, refletindo o que foi previsto por Harold Lasswell no século XX: há pessoas que aceitam passivamente tudo o que a mídia diz, sem questionar nada. No século XXI, Ben Shapiro comprovou a existência dessa face da mídia, notando que a mesma ignora os fatos e apresenta a narrativa como bem entender para cumprir sua agenda.

O outro fenômeno é o racismo estrutural. Mesmo com boas condições financeiras, Lance Stroll ainda pertence a grupos minoritários (pois é judeu e indígena), e a mídia tenderá a favorecer os grupos historicamente privilegiados (europeus e brancos). Com isso, comprovando a análise de Shapiro, ela ignora a incompetência administrativa de Claire Williams para jogar a culpa em Stroll, mesmo sem argumentos ou provas. Seu discurso acaba prevalecendo porque muitos torcedores não querem pensar, pois é mais cômodo aceitar o que é dito sem averiguar os fatos. Para alguns, pode parecer absurdo que discussões raciais sejam feitas no contexto da Fórmula 1, principalmente se tratando da falência de uma escuderia. No entanto, é humanamente impossível ignorar a perseguição doentia e injusta que a mídia e alguns torcedores fazem com Lance Stroll e os motivos devem sim ser desmascarados.

 

8- Conclusão

 

O mau gerenciamento financeiro da Williams colocou a equipe em quatro crises ao longo de sua história. Mesmo com bons investimentos e patrocinadores, o departamento de engenharia falhou sucessivamente em atualizar o carro para que os pilotos pudessem lutar por boas posições e colocar a equipe de volta ao topo do campeonato. A mídia preferiu culpar quem estava ajudando em vez dos responsáveis pela ineficiência do carro. O clima interno hostil afasta potenciais investidores, sob o temor de enfrentar entraves nas decisões (e se pertencer a uma minoria étnica, corre o risco de ser crucificado pela imprensa e torcedores e culpado por questões fora de sua responsabilidade). Logo, para a Williams só resta a venda da escuderia ou aprender com o passado e realizar uma mudança radical na sua postura.

 

Problema da Williams: sempre morde a mão que a alimenta. [14]

 

Atualização: No dia 21 de agosto de 2020 foi anunciada a venda total da Williams para o grupo americano Dorilton Capital.

 

9- Bibliografia

 

 

10- Fotos

Obs.: Nenhuma das fotos inseridas neste artigo, exceto a montagem, pertence a mim. Este site possui fins informativos, não comerciais. Abaixo estão indicados os links de onde tirei as fotos. Todos os direitos reservados.