Análise Grande Prêmio da Áustria de 2020 | 2020 Austrian Grand Prix Analysis

 

Ocorrido no dia 05 de julho, o Grande Prêmio da Áustria de 2020 foi a primeira corrida da temporada, já que a pandemia de Covid-19 provocou o cancelamento e adiamento das etapas anteriores. Havia muita expectativa, mas a corrida foi um desastre. Muitos abandonos, poucas ultrapassagens e punições questionáveis. Antes da prova, houve uma manifestação contra o racismo na qual os pilotos se ajoelharam. Dos 20 atletas, seis se recusaram a se ajoelhar: Daniil Kvyat (Alpha Tauri), Carlos Sainz Jr. (McLaren), Kimi Raikkonen (Alfa Romeo), Max Verstappen (Red Bull), Charles Leclerc (Ferrari) e Antonio Giovinazzi (Alfa Romeo). Desses seis, três abandonaram.

Valtteri Bottas (Mercedes) foi o pole position. Com a punição de seu companheiro Lewis Hamilton, Verstappen largou em segundo. Logo após a largada, houve algumas disputas, como entre Verstappen e Lando Norris (McLaren) e entre Sebastian Vettel (Ferrari) e Daniel Ricciardo (Renault). Infelizmente, os acidentes não tardaram a vir. Verstappen foi o primeiro a abandonar quando seu carro desligou subitamente. Quando o holandês abandona, é quase certeza que a corrida vai ser a pior e mais chata possível, porque Max sabe como dar um show na pista (vide a disputa com Leclerc no ano passado). Pouco depois, Ricciardo teve uma falha mecânica e se retirou da prova e o motor de Lance Stroll (Racing Point), que havia largado em nono, o fez abandonar a corrida. Vettel rodou após uma disputa com Sainz, foi para o fundo de grid e lá permaneceu.

Kevin Magnussen (Haas) rodou e foi parar na caixa de brita. Com isso, o safety car foi acionado. Sergio Pérez (Racing Point) e Alexander Albon (Red Bull) disputavam o terceiro lugar. Anteriormente, o mexicano enfrentou dificuldades para superar Norris. Com a relargada, Romain Grosjean (Haas) e George Russell (Williams) deixaram a corrida.

Na frente do grid, após uma disputa com Pérez, Albon tentou ultrapassar Hamilton, mas foi tocado pelo inglês e saiu da pista. Hamilton, que planejava uma manifestação antirracista no pódio, levou uma punição de 5 segundos. Pérez foi igualmente punido por ter ultrapassado a velocidade máxima permitida no pit lane. Enquanto isso, Leclerc sofria para ultrapassar Norris. Após a ultrapassagem do monegasco, Sainz tentou superar o companheiro, mas não conseguiu. No fim da prova, Raikkonen passou pela zebra e perdeu uma roda do carro. Kvyat quebrou a suspensão e também abandonou.

Valtteri Bottas foi o grande vencedor. Lewis Hamilton cruzou a linha de chegada em segundo, porém com a punição, Charles Leclerc herdou o segundo lugar e Lando Norris ficou em terceiro. Sinceramente, nenhuma das colunistas do site tinha vontade de analisar a prova, pois corrida monótona e com muitas quebras não são de nosso agrado (principalmente quando pilotos pelos quais temos grande carinho abandonam logo no começo). No entanto, reconhecemos o bom trabalho dos atletas e tiramos algumas conclusões. A primeira é que a Ferrari teve um começo desastroso, com seus pilotos enfrentando dificuldades em ultrapassar equipes consideradas “resto”, como a McLaren. Segunda, Racing Point e McLaren surgem como potenciais ameaças à Red Bull pelo posto de “equipe de ponta”. Terceira, a Mercedes começou com domínio em uma corrida fora do comum, mas talvez esse ano não tenha tanto sossego como nas temporadas anteriores.

A bruxa está solta em Spielberg. (Charge feita pela nossa nova colunista, Adriana Perantoni).

Notas

 

Corrida: 0-6

 

Pilotos

  1. Valtteri Bottas: 9
  2. Charles Leclerc: 7
  3. Lando Norris: 9
  4. Lewis Hamilton: 8,5
  5. Carlos Sainz Jr.: 7
  6. Sergio Pérez: 8,5
  7. Pierre Gasly: 7
  8. Esteban Ocon: 7
  9. Antonio Giovinazzi: 7
  10. Sebastian Vettel: 0
  11. Nicholas Latifi: 6

Abandonaram:

  1. Daniil Kvyat: 0
  2. Alexander Albon: 7,5
  3. Kimi Raikkonen: 0
  4. George Russell: 0
  5. Romain Grosjean: 0
  6. Kevin Magnussen: 0
  7. Lance Stroll: 10
  8. Daniel Ricciardo: 10
  9. Max Verstappen: 10

 (Observação: Esclarecendo as últimas notas, daremos 10 como nota de consolação a todos os pilotos que tiveram de abandonar a prova no começo por falhas no carro, seja no motor, na parte elétrica, no câmbio, nos freios, ou em qualquer outra parte).

Piloto do Dia (escolhido pelo público): Alexander Albon

Melhor piloto: Valtteri Bottas

Pior piloto: Sebastian Vettel

The Fall of Williams: From Height To Ruins

Amid the Covid-19 pandemic that caused the cancellation and postponement of many races of 2020 season, two announcements alarmed the sports media. One of them was the dismissal of Sebastian Vettel from Ferrari. The other is related to the severe financial crisis that affects Williams. Champion in the past, the British team led by Claire Williams underwent many bad management periods that culminated in a potential bankruptcy. Amid so much speculation, we will unravel the reasons that brought Williams to the current situation.

 

1- Origins: from Lady Virginia’s love to the first crisis

 

Williams’s origins come from two loves: the one of Virginia Berry for Frank Williams and his for cars. Came from a humble family, Frank joined a group of wealthy friends who loved races. To earn some money, he worked buying and selling car parts. With this, he founded Frank Williams Racing Cars in 1966 and entered the automobile market, selling cars to drivers from diverse countries, manly Italians. In the following year, he met Virginia, a wealthy but married woman. Both started a relationship and she got divorced from her husband to be with Frank. After participating in some Formula Three rounds, being known by his dangerous and risky way of drive, Frank turned Frank Williams Racing Cars in a Formula One team, having Piers Courage as the main driver.

 

Piers Courage, Frank Williams’ trusted driver. (Photo: nobresdogrid.com.br) [1]

 

However, in 1970, Courage died in a tragic accident at the Dutch Grand Prix. His death got Frank Williams very sad. In the following years, being renamed as Williams FW by 1973, the team’s performance fell drastically, being criticized by the press. Its cars were made with second-hand materials due to the team’s low budget. Virginia, with whom Frank officially married in 1974, made a lot of sacrifices to keep the team, including selling her apartment. However, as Williams family as the team experienced misery days. With poor structure, the cars did not reach good results, then Formula One paid a low amount of money to the team. Consequently, there were not many resources to invest in cars’ improvement. Deep in debt, Frank had no choices unless to accept the offer of oil magnate Walter Wolf and sell 60% of the team in 1976. At the end of that year, Wolf removed Frank from administration and bought his part, renaming the team as Walter Wolf Racing.

 

Walter Wolf: the first investor to resolve a Williams’ crisis. (Photo: reporter.si) [2]

 

2- Restart: Patrick Head and the new Williams

 

In 1977, Frank Williams signed with Belgian brewery Belle Vue, sponsor of driver Patrick Nève, and founded with Patrick Head the Williams Grand Prix Engineering Limited. Engineer, Head was one of the responsible for the technological advance that allowed Williams’ rebirth. The teams’ first year was not very encouraging, ending the season without points. However, better times were coming.

In the following year, Alan Jones got Williams’ first podium, with a third-place at United States Grand Prix. Five round later, at Great Britain, his teammate Clay Regazzoni guaranteed the first victory of the team’s history. Jones was victorious in Germany, Austria, Netherlands, and Canada and Regazzoni got podiums in Italy and Canada, ending both races in third place. Scoring 75 points, Williams became runner-up in the constructors’ championship, staying 38 behind first-place Ferrari.

 

Alan Jones: Williams’ first champion. (Photo: Motorsport) [3]

 

The ’80s marked Williams’ domain in Formula One. Having Alan Jones and Carlos Reutemann in 1980, the team won for the first time as the drivers’ championship ad the constructors one. Jones was champion and Reutemann was third-place. In the following year, the team was again constructors champion, with its drivers scoring together 95 points (49 from Reutemann, runner-up, and 46 from Jones, third-place). In 1982, Keke Rosberg replaced Jones e became champion with 44 points. Getting six podiums, Rosberg was known as “one-victory champion”, as the only race he won that year was the Swiss Grand Prix, but his constancy in scoring guaranteed the title. Williams was fourth place in constructors’ championship, repeating the placement the following year when Jacques Laffite replaced Reutemann.

Ending sixth in 1984 and third 1985, Williams returned to win constructors championship in 1986, having Nigel Mansell and Nelson Piquet (two-time champion with Brabham in 1981 and 1983) as its drivers. Mansell ended the season as runner-up and Piquet was third-place. The following year, the Brazilian was champion and British was the runner-up. Williams conquered its fourth constructors’ championship. The team ended the decade with a seventh-place in 1988 and a second-place in 1989.

 

Nigel Mansell and Nelson Piquet: highlights in Williams’ golden age. (Photo: Esportes em Ação) [4]

 

3- Frank’s accident and the rise of Claire

 

On March 8th, 1986, Frank Williams suffered a severe car accident in France, becoming a quadriplegic. However, he kept active as the team’s director. The team repeated success in the ’90s, winning constructors championship in 1992, 1993, 1994, 1996, and 1997, and drivers championship in 1992 (with Nigel Mansell), 1993 (with Alain Prost), 1996 (with Damon Hill), and 1997 (with Jacques Villeneuve). In 1994, the team suffered a big loss: Ayrton Senna died in an accident at San Marino Grand Prix.

Father of Jonathan, Claire, and Jaime, Frank did not trust his children to rule the team, but his daughter always had an interest in the family business. Joining the communication department in 2002, Claire took the sector’s highest post eight years later. In 2012, Frank abdicated the function of team principal and Claire took office the following year, remaining until nowadays. She is also responsible for departments of marketing, communication, and the commercial business of Williams. Her brother Jonathan also works in the team. Ele played management roles until the rise of Claire.

 

Claire Williams: funders’ daughter and current team’s CEO. (Photo: Pinterest) [5]

 

4- The second crisis: Toto Wolff saves the team

 

At the beginning of the 2000s, Williams kept itself in a good position among the constructors, ending third-place in 2000 and 2001, and second-place in 2002 and 2003. After 2004, the team’s performance was going down, varying between fourth and eight-place until 2009. During this period, at least one driver left Williams by year. Among better-known names of the team in that decade stand out Juan Pablo Montoya, Mark Webber, and Nico Rosberg.

It was clear there was something wrong with the team. The agreements with engine suppliers Cosworth (2006) and Toyota (2007-2009) had not to yield good results. Earning less than in glory times, Williams had not enough resources to good upgrades in carr. However, in 2009, entrepreneur Toto Wolff bought some of the team’s shares and started to integrate its board of directors. It was the perfect opportunity to get out of the crisis.

 

Toto Wolff: Williams’ second savior. (Photo: EsporteNET) [6]

 

In 2010, deluded Toyota, Williams returned to use Cosworth engines, signing a long-term agreement. However, without good results, the  partnership ended the following year. In 2012, the team started to use Renault engines, but performance kept well below the expected. In that same year, Pastor Maldonado guaranteed the last Williams’ victory until nowadays, at Spanish Grand Prix. Toto Wolff was named executive director, and his wife Susie was hired as a test driver. Williams had the opportunity of having officially the first woman in Formula One since Desiré Wilson, who drove in 1980. However, internal barriers impeded the realization of this fact, as well as necessary changes in the engineering department. With this, Williams varied between sixth and ninth-place among the constructors between 2010 and 2013.

 

Pastor Maldonado’s win at 2012 Spanish Grand Prix, the last of Williams. (Photo: CarsNB.com) [7]

 

5- Wolff’s exit and third crisis: Lawrence Stroll saves the team

 

In 2013, seeing himself with tied hands, Toto Wolff sold his shares in Williams and joined Mercedes, buying 30% of the team’s shares. Claire Williams took office as team principal and management positions. In the following year began the German team’s domain in Formula One that remains until nowadays. In 2014 and 2015, counting with Mercedes engines, Williams got back to the constructors’ podium, ending third-place. However, the team’s financial administration still had problems. Risking to close after the 2016 season, which ended fifth-place, the team needed more investments. Among its drivers, Felipe Massa announced his retirement at the end of that year, Valtteri Bottas remained in the team.

Still, in 2016, garment entrepreneur Lawrence Stroll, father of that year European Formula Three champion Lance Stroll, announced he would invest in Williams. Lance replaced Massa. However, with Nico Rosberg’s retirement, Wolff called Bottas, his patronized, to replace him at Mercedes. To complete the transference, Frank Williams’ daughter required Paddy Lowe back to the team, and he took the engineering department. According to Massa’s reports, Claire phoned him at Christman to go back to the team to replace the Finnish driver.

 

Lance Stroll and his father Lawrence, Williams’s third savior. (Photo: F1Sport.it) [8]

 

In 2017, Williams had a medium start. Massa got reasonable scores and Stroll faced difficulties, with mechanical failures in the first race and accidents caused respectively by Sergio Pérez and Carlos Sainz Jr in the following ones. The media started to attack the Canadian driver, blaming him for the team’s problems. Even before the season starts, during tests in Barcelona, Claire dared to blame Stroll’s crashes for the cancelation of one of the teams’ tests, which incited furious supporters to attack the young driver at social networks in a coward, unfair way. Lowe always criticized him in the press. At the same time, the same media that was delighted with a woman as a team principal did not have the same reaction with the debut of an Amerindian driver at the category. However, at Azerbaijan Grand Prix, Stroll had the only podium of the team and Williams’ last until nowadays, with a third-place. With this result, the team jumped to the fifth-place of the championship, earning a better bonus than the previous year.

 

Lance Stroll’s podium at the 2017 Azerbaijan Grand Prix: Williams’s last one. (Photo: Formula 1) [9]

 

Unfortunately, Stroll’s contribution to the team was not properly recognized. In 2018, after Massa’s definitive retirement, Williams hired Sergey Sirotkin to replace him. Even with the entry of one more sponsor, Russian bank SMP, the engineering department did not know how to convert the investment in upgrades in the car. Consequently, both drivers had much difficulty in scoring. Exonerating the engineers of any guilt for the bad performance of the cars, media returned to attack Stroll. Some journalists ignored journalistic ethics (taught at college) and dared to use liable-to-prosecute-terms as “questionable talent drivers”, ignoring Stroll’s achievements in the previous year and championships precedent to his debut in Formula One, and disregarding Sirotkin’s lack of experience. Media simply “forgot” that who makes the cars are the engineers, not the drivers, the team’s budget comes from sponsors (so investors are always welcome), and journalists used the argumentum ad hominem fallacy to attack the drivers and acquit Claire Williams and Paddy Lowe (see 11th item of bibliography).

 

Paddy Lowe, Williams’ technical director from 2017 to 2019. (Photo: Jornal Cruzeiro do Sul) [10]

 

6- Stroll’s exit and fourth crisis: masks start to fall

 

In mid-2018, Lawrence Stroll set up a consortium of investors and bought Force India team, whose owner Vijay Mallya was wanted by Indian authorities for alleged corruption. Even aware of the difficulties faced by his son with a nothing competitive car and of his crucifixion by media, Lawrence kept Lance in Williams until the end of the year. The Canadian driver moved to the new team, renamed Racing Point, the following year (see Understand the Esteban Ocon case).

With Stroll out of the team, Williams lost its biggest scapegoat. The critics, believing the Canadian entrepreneur and his son were to blame for the team’s crisis, trusted that the new hirings would bring the team back to its golden age. However, with Stroll’s exit, Williams had the worst performance ever. Robert Kubica was the only one to score, making one point at German Grand Prix. George Russell, Toto Wolff’s sponsored, finished season without points. However, no media organ called him “pay driver”, even came from a wealthy family and not having chances to justify investment in his work, generating suspects of racism by media (see The Lance Stroll Case: An Amerindian in Formula One).

 

George Russell: European White, he is not criticized by media even being unable to score. (Photo: AutoSport) [11]

 

Enduring in the last position of the championship with the lower bonus of its history, Williams found itself back in a severe crisis. Shortly at the beginning of 2019, seeing media now could not blame Stroll anymore and that Russell and Kubica could not get out of the last places, Lowe asked to exit from his functions claiming personal reasons. The engineering department kept failing at its job, being the most notable case the delay in months of Kubica’s adapted steering wheel. Finally, the pressure fell into Claire. Kubica was fired at the end of the year and Nicholas Latifi, Canadian driver of Iranian descent, was chosen as his substitute. Latifi had not even debut and some fans accused him of being a pay driver and made xenophobic offenses against Canada. There was even no statement of Williams about this.

 

Nicholas Latifi: had not debuted yet and furious fans already blamed him for Williams’ fourth crisis. (Photo: tomadadetempo.com) [12]

 

In 2020, amid the paralyzation of the teams’ activities due to the Covid-19 pandemic, Claire admitted that possibility of the total sale of Williams. Toto Wolff acquired 5% of the team’s shares in June.

 

7- After all, who is to blame?

 

Differently of what some journalists tried to instill at fans’ heads, Williams’ crisis’ fault is NOT Lawrence Stroll’s, even less Lance Stroll’s, and nor of any other investor or driver to whom the media dishonestly name as “pay driver”. No one is to blame except Claire Williams herself. For being the daughter of the team’s founder and its gestor, Claire should manage the financial part better to ensure control in her hands. However, excessive spending that was not converted into results on track let the team depend on extern investments. Now, if William’s problem was money, how can it be possible to blame who put money on its cash? Toto Wolff and Lawrence Stroll did nothing but to HELP the British team at the moment it most needed support. Drivers and investors do not make cars, engineers do, and engineering department led by Paddy Lowe had money enough to develop a good project, but failed considerably.

The fact of Lance being the son of Lawrence means absolutely nothing at the subject of Williams’ financial crisis. The Amerindian driver’s participation guaranteed to the team the fifth-place at the constructors’ championship in 2017 due to his third-place at Azerbaijan Grand Prix, justifying his father’s investment on the team. It is obvious that the car’s performance is the engineer’s responsibility and financial control if for the team owners, but many people do not see it and, by ignorance of lack of character, blame Stroll. The media’s reluctance in blaming him by all the problems that happen in current Formula One, since internal issues of the teams until the ones of the category as a whole, reflects two phenomena that follow the history of mankind and were responsible for the biggest tragedies.

 

 

This Einstein quote says a lot about the way the media treats Lance Stroll. (Photo: GoodReads) [13]

 

One of them is antisemitism, as powerful groups always tried to blame Jews for the world’s misfortunes and do until now. As current society is more conscious of the problem of discrimination, media just accuses Stroll and omits his ethnic origins (the reason for the persecution) to not taking risk of being retaliated by public opinion. Some fans accept the speech because they go along with these ideas, others are easily fooled, reflecting what was previewed by Theodor Adorno in the 20th century: some people accept passively everything the media says, without questioning anything. In the 21st century, Ben Shapiro proved the existence of this face of media, noting that it ignores the facts and shows the narrative as it wished to fulfill its agenda.

The other phenomenon is structural racism. Even with good financial conditions, Lance Stroll still belongs to minority groups (as he is Jewish and Amerindian), and media will tend to favor historically privileged groups (Europeans and Whites). With this, proving Shapiro’s analysis, it ignores Claire William’s management incompetence to blame Stroll, even without arguments and proofs. Its speech ends prevailing because many fans do not want to think, as it is more comfortable to accept what is said without checking the facts. For some people, it can seem absurd that racial questions are made in Formula One’s context, mainly in the case of a team’s bankruptcy. However, it is humanly impossible to ignore the unhealthy, unfair persecution the media and some fans do with Lance Stroll e the reasons must indeed be unmasked.

 

8- Conclusion

 

Williams’ bad financial management put the team in four crises throughout its history. Even with good investments and sponsorship, the engineering department failed successively to upgrade the car for the drivers could fight for good positions and put the team back to the top of the championship. The media preferred to blame who was helping instead of the responsible ones for the car’s inefficiency. The hostile internal atmosphere keeps the team from potential investors, under the fear of facing barriers on decisions (and if they belong to an ethnic minority, they take the risk of being crucified by the press and fans and blamed by issues out of their responsibility). Then, for Williams, there is just the sale of the team or learn with its pasts and make a radical change in its attitude.

 

Williams’ problem: always bites the hand that feeds it. [14]

 

9- Bibliography

 

 

10- Photos

Note: None of the photos used in this article, except the montage, belongs to me. This site has informative intentions, not commercial. The links where I took the photos are indicated below. All copyrights reserved.

 

A Queda da Williams: Do Auge à Ruina

Em meio à pandemia de Covid-19 que provocou o cancelamento e adiamento de várias corridas de 2020, dois anúncios alarmaram a mídia esportiva. Um deles foi a demissão de Sebastian Vettel da Ferrari. O outro se refere à grave crise financeira que assola a Williams. Outrora campeã, a escuderia inglesa comandada por Claire Williams passou por vários períodos de má administração que culminaram numa potencial falência. Em meio a tantas especulações, desvendaremos os motivos que levaram a Williams à situação atual.

 

1- Origens: do amor de Lady Virginia à primeira crise

 

As origens da Williams provêm de dois amores: o de Virginia Berry por Frank Williams e o dele por carros. Vindo de família pobre, Frank se juntou a um grupo de amigos ricos que amavam corridas. Para conseguir dinheiro, ele trabalhava na compra e venda de peças. Com isso, fundou a Frank Williams Racing Cars em 1966 e ingressou no mercado automobilístico, vendendo carros a pilotos de diversos países da Europa, principalmente para italianos. No ano seguinte, conheceu Virginia, uma moça rica e casada. Os dois começaram um relacionamento e ela se divorciou de seu marido para ficar com Frank. Depois de atuar em algumas rodadas da Fórmula 3, ficando conhecido por seu jeito perigoso e arriscado de direção, Frank transformou a Frank Williams Racing Cars em um time de Fórmula 1, tendo Piers Courage como seu piloto principal.

 

Piers Courage, piloto de confiança de Frank Williams. (Foto: nobresdogrid.com.br) [1]

 

Porém, em 1970, Courage morreu em um trágico acidente no Grande Prêmio da Holanda. Seu falecimento deixou Frank Williams muito triste. Nos anos seguintes, sendo nomeada como Williams FW a partir de 1973, o desempenho da escuderia caiu drasticamente, sendo alvo de críticas por parte da imprensa. Seus carros eram feitos de materiais de segunda mão devido ao baixo orçamento do time. Virginia, com quem Frank se casou oficialmente em 1974, fez muitos sacrifícios para manter a equipe, inclusive vendendo seu próprio apartamento. Porém, tanto a família Williams quanto a escuderia viviam dias de penúria. Com estruturas precárias, os carros não atingiam bons resultados, logo a Fórmula 1 pagava uma quantia baixa de dinheiro à equipe. Consequentemente, não havia muitos recursos a serem investidos na melhora dos carros. Atolado em dívidas, Frank não teve outra escolha a não ser aceitar a oferta do magnata do setor petrolífero Walter Wolf e vender 60% de sua escuderia em 1976. No final daquele ano, Wolf removeu Frank da administração e comprou sua parte, renomeando a escuderia como Walter Wolf Racing.

 

Walter Wolf: primeiro investidor a solucionar uma crise da Williams. (Foto: reporter.si) [2]

 

2- Recomeço: Patrick Head e a nova Williams

 

Em 1977, Frank Williams fez um acordo com a cervejaria belga Belle Vue, patrocinadora do piloto Patrick Nève, e fundou junto com Patrick Head a Williams Grand Prix Engineering Limited. Engenheiro, Head foi um dos responsáveis pelo avanço tecnológico que possibilitou o renascimento da Williams. O primeiro ano do novo time não foi muito animador, terminando a temporada sem pontos. No entanto, tempos melhores estavam por vir.

No ano seguinte, Alan Jones conquistou o primeiro pódio da Williams, com um terceiro lugar no Grande Prêmio dos Estados Unidos. Cinco rodadas depois, na Grã-Bretanha, seu companheiro de equipe, Clay Regazzoni, garantiu a primeira vitória da história da escuderia. Jones foi vitorioso na Alemanha, Áustria, Holanda e Canadá e Regazzoni conseguiu pódios na Itália e Canadá, chegando em terceiro lugar em ambas as corridas. Somando 75 pontos, a Williams se tornou a vice-campeã do campeonato de construtoras, ficando a 38 pontos da primeira colocada Ferrari.

 

Alan Jones: primeiro campeão pela Williams. (Foto: Motorsport) [3]

 

Os anos 80 marcaram o domínio da Williams na Fórmula 1. Tendo Alan Jones e Carlos Reutemann em 1980, a escuderia venceu pela primeira vez tanto o campeonato de pilotos quanto o de construtoras. Jones foi o campeão e Reutemann foi o terceiro colocado. No ano seguinte, a equipe foi novamente campeã de construtoras, com seus pilotos marcando juntos 95 pontos (49 de Reutemann, vice-campeão, e 46 de Jones, terceiro colocado). Em 1982, Keke Rosberg substituiu Jones e foi campeão com 44 pontos. Obtendo seis pódios, Rosberg ficou conhecido como “campeão de uma só vitória”, pois a única corrida que venceu naquele ano foi o Grande Prêmio da Suíça, mas sua constância em pontuar garantiu o título. A Williams foi a quarta no campeonato de construtoras, repetindo a posição no ano seguinte, quando Jacques Laffite substituiu Reutemann.

Ficando em sexto lugar em 1984 e em terceiro em 1985, a Williams voltou a ganhar o campeonato de construtoras em 1986, tendo como pilotos Nigel Mansell e Nelson Piquet (bicampeão com a Brabham em 1981 e 1983). Mansell terminou a temporada como vice-campeão e Piquet foi o terceiro colocado. No ano seguinte, o brasileiro foi o campeão e o inglês foi vice. A Williams conquistava seu quarto campeonato de construtoras. O time terminou a década com um sétimo lugar em 1988 e um segundo lugar em 1989.

 

Nigel Mansell e Nelson Piquet: destaques nos anos de ouro da Williams. (Foto: Esportes em Ação) [4]

 

3- Acidente de Frank e a ascensão de Claire

 

No dia 8 de março de 1986, Frank Williams sofreu um grave acidente de carro na França, ficando tetraplégico. Porém, continuou ativo como diretor da equipe. A escuderia repetiu o sucesso na década de 90, vencendo o campeonato de construtoras em 1992, 1993, 1994, 1996 e 1997, e o de pilotos em 1992 (com Nigel Mansell), 1993 (com Alain Prost), 1996 (com Damon Hill) e 1997 (com Jacques Villeneuve). Em 1994, o time sofreu uma grande perda: Ayrton Senna morreu em um acidente no Grande Prêmio de San Marino.

Pai de Jonathan, Claire e Jaime, Frank não confiava em seus filhos para comandar a escuderia, porém sua filha sempre teve interesse pelos negócios da família. Ingressando em 2002 no departamento de comunicação da escuderia, ela assumiu o posto mais alto do setor oito anos depois. Em 2012, Frank abdicou da função de chefe de equipe e Claire assumiu o cargo no ano seguinte, permanecendo até os dias de hoje. Ela também é responsável pelos departamentos de marketing, de comunicação e pelos negócios comerciais da Williams. Seu irmão Jonathan também trabalha na escuderia. Ele desempenhava funções administrativas até a ascensão de Claire.

 

Claire Williams: filha do fundador e atual CEO da escuderia. (Foto: Pinterest) [5]

 

4- A segunda crise: Toto Wolff salva a equipe

 

No início da década de 2000, a Williams permaneceu em uma boa posição entre as construtoras, ficando em terceiro lugar em 2000 e 2001 e em segundo em 2002 e 2003. A partir de 2004, o desempenho da equipe foi caindo, oscilando entre o quarto e o oitavo lugar até 2009. Durante esse período, pelo menos um piloto saía da Williams por ano. Entre os nomes mais conhecidos do time nessa década se destacam Juan Pablo Montoya, Mark Webber e Nico Rosberg.

Era nítido que havia algo de errado na escuderia. Os acordos com as provedoras de motor Cosworth (2006) e Toyota (2007-2009) não haviam rendido bons resultados. Ganhando menos do que nos anos de glória, a Williams não tinha recursos suficientes para boas atualizações no carro. Porém, em 2009, o empresário Toto Wolff comprou uma parte das ações do time e passou a integrar seu corpo de diretores. Era a oportunidade perfeita para sair da crise.

 

Toto Wolff: segundo salvador da Williams. (Foto: EsporteNET) [6]

 

Em 2010, desiludida com a Toyota, a Williams voltou a usar os motores Cosworth, firmando um acordo de longo prazo. Porém, sem bons resultados, a pareceria acabou no ano seguinte. Em 2012, a equipe passou a utilizar motores Renault, mas o desempenho continuou bem abaixo do esperado. Nesse mesmo ano, Pastor Maldonado garantiu a última vitória da Williams até hoje, no Grande Prêmio da Espanha. Toto Wolff foi nomeado diretor executivo e sua esposa Susie foi contratada como piloto de testes. A Williams tinha a oportunidade de ter oficialmente a primeira mulher na Fórmula 1 desde Desiré Wilson, que correu em 1980. No entanto, entraves internos impediram a realização desse fato, bem como a de mudanças necessárias no departamento de engenharia. Com isso, a Williams oscilou entre o sexto e o nono lugar entre as construtoras entre 2010 e 2013.

 

Vitória de Pastor Maldonado no Grande Prêmio da Espanha de 2012, a última da Williams. (Foto: CarsNB.com) [7]

 

5- Saída de Wolff e terceira crise: Lawrence Stroll salva a equipe

 

Em 2013, vendo-se de mãos atadas, Toto Wolff vendeu suas ações na Williams e se juntou à Mercedes, comprando 30% das ações da escuderia. Claire Williams assumiu a função de chefe de equipe e cargos administrativos. No ano seguinte teve início o domínio da equipe alemã na Fórmula 1 que permanece até os dias de hoje. Em 2014 e 2015, contando com os motores da Mercedes, a Williams voltou para o pódio das construtoras, ficando no terceiro lugar. No entanto, a administração financeira da equipe ainda sofria problemas. Correndo risco de fechar após a temporada de 2016, a qual terminou no quinto lugar, a escuderia precisava de mais investimentos. Entre os pilotos, Felipe Massa anunciou sua aposentadoria no final daquele ano, enquanto Valtteri Bottas permaneceu com o time.

Ainda em 2016, o empresário do setor vestuário Lawrence Stroll, pai do campeão da Fórmula 3 Europeia daquele ano, Lance Stroll, anunciou que investiria na Williams. Lance assumiu a vaga de Massa. Porém, com a aposentadoria de Nico Rosberg, Wolff chamou Bottas, seu apadrinhado, para substituí-lo na Mercedes. Para realizar a transferência, a filha de Frank Williams exigiu a volta de Paddy Lowe à equipe, que assumiu o departamento de engenharia. Segundo relatos de Massa, Claire o chamou por telefone no Natal para voltar ao time no lugar do finlandês.

 

Lance Stroll e seu pai Lawrence, o terceiro salvador da Williams. (Foto: F1Sport.it) [8]

 

Em 2017, a Williams teve um começo mediano. Massa conseguia pontuações razoáveis e Stroll enfrentava dificuldades, com falhas mecânicas na primeira corrida e acidentes causados respectivamente por Sergio Pérez e Carlos Sainz Jr nas seguintes. A mídia passou a atacar o canadense, culpando-o pelos problemas da equipe. Antes mesmo do início da temporada, durante os testes em Barcelona, Claire chegou a culpar as batidas de Stroll pelo cancelamento de um dos testes da equipe, o que incitou torcedores furiosos a atacar o jovem nas redes sociais de maneira covarde e injusta. Lowe sempre o criticava na imprensa. Ao mesmo tempo, a mesma mídia que se encantou com uma mulher na posição de chefe de equipe não teve a mesma reação com a estreia de um piloto indígena na categoria. No entanto, no Grande Prêmio do Azerbaijão, Stroll obteve o único pódio da equipe e o último da Williams até hoje, com um terceiro lugar. Com este resultado, a escuderia passou para o quinto lugar do campeonato, conseguindo uma bonificação maior do que o ano anterior.

 

Pódio de Lance Stroll no Grande Prêmio do Azerbaijão de 2017: o último da Williams. (Foto: Fórmula 1) [9]

 

Infelizmente, a contribuição de Stroll para o time não foi reconhecida devidamente. Em 2018, após a aposentadoria definitiva de Massa, a Williams contratou Sergey Sirotkin para substituí-lo. Mesmo com o ingresso de mais um patrocinador, o banco russo SMP, o departamento de engenharia não soube traduzir o investimento em melhorias no carro. Consequentemente, os dois pilotos tiveram muita dificuldade em conseguir pontuações. Isentando os engenheiros de culpa pelo fraco rendimento dos carros, a mídia voltou a atacar Stroll. Alguns jornalistas ignoraram a ética jornalística (ensinada nas faculdades) e chegaram a usar termos passíveis de processo, como “pilotos de talento questionável”, ignorando os feitos de Stroll no ano anterior e nas competições anteriores à sua estreia na Fórmula 1 e desconsiderando a falta de experiência de Sirotkin. A mídia simplesmente se “esqueceu” que quem faz os carros são os engenheiros, não os pilotos, que o orçamento da equipe provém dos patrocinadores (portanto investidores são sempre bem-vindos) e jornalistas utilizaram a falácia argumentum ad hominem para atacar os pilotos e inocentar Claire Williams e Paddy Lowe (ver 11º item da bibliografia).

 

Paddy Lowe, diretor técnico da Williams de 2017 a 2019. (Foto: Jornal Cruzeiro do Sul) [10]

 

6- Saída de Stroll e quarta crise: as máscaras começam a cair

 

Na segunda metade de 2018, Lawrence Stroll montou um consórcio de investidores e comprou a equipe Force India, cujo dono Vijay Mallya era procurado pelas autoridades indianas por suspeita de corrupção. Mesmo ciente das dificuldades enfrentadas por seu filho com um carro nada competitivo e de sua crucificação na mídia, Lawrence manteve Lance na Williams até o final do ano. O canadense se mudou para a nova equipe, renomeada como Racing Point, no ano seguinte (ver Entenda o caso Esteban Ocon).

Com Stroll fora do time, a Williams perdia seu maior bode expiatório. Os críticos, crentes que o empresário canadense e seu filho eram os culpados pela crise na equipe, acreditavam que as novas contratações levariam a escuderia de volta aos tempos áureos. No entanto, com a saída de Stroll, a Williams teve o pior desempenho de sua história. Robert Kubica foi o único a pontuar, marcando apenas um ponto no Grande Prêmio da Alemanha. George Russell, apadrinhado de Toto Wolff, terminou o ano sem pontos. No entanto, nenhum órgão de imprensa o chamou de “piloto pagante”, mesmo vindo de família rica e não tendo chances de justificar o investimento em seu trabalho, gerando suspeitas de racismo por parte da mídia (ver O Caso Lance Stroll: Um Indígena na Fórmula 1).

 

George Russell: branco e europeu, não é criticado pela mídia mesmo não conseguindo pontuar. (Foto: AutoSport) [11]

 

Amargando na lanterna do campeonato com a menor bonificação de sua história, a Williams se encontrou novamente numa grave crise. Logo no início de 2019, vendo que a mídia agora não tinha mais como culpar Stroll e que Russell e Kubica não conseguiam sair dos últimos lugares, Lowe pediu afastamento de suas funções alegando motivos pessoais. O departamento de engenharia continuou falhando em suas funções, sendo o caso mais notável o atraso em meses do volante adaptado de Kubica. Finalmente a pressão caiu sobre Claire. Kubica foi demitido no final do ano e Nicholas Latifi, piloto canadense de ascendência iraniana, foi escolhido como seu substituto. Latifi nem havia estreado e alguns torcedores o acusaram de ser pagante e fizeram ofensas xenofóbicas ao Canadá. Não houve sequer pronunciamento da Williams a respeito disso.

 

Nicholas Latifi: nem estreou e os torcedores raivosos já o culpam pela quarta crise da Williams. (Foto: tomadadetempo.com) [12]

 

Em 2020, em meio à paralisação das atividades das escuderias devido à pandemia de Covid-19, Claire admitiu a possibilidade de venda total da Williams. Toto Wolff adquiriu 5% das ações do time em junho.

 

7- Afinal, de quem é a culpa?

 

Diferente do que alguns jornalistas tentam incutir na cabeça dos torcedores, a culpa pela crise da Williams NÃO é de Lawrence Stroll, muito menos de Lance Stroll, e nem de nenhum outro investidor ou piloto a quem a mídia tenta nomear desonestamente como “pagante”. A culpa é de ninguém a não ser a própria Claire Williams. Por ser filha do fundador da escuderia e gestora após o acidente do mesmo, Claire deveria administrar melhor a parte financeira para assegurar o controle do time em suas mãos. No entanto, os gastos excessivos que não foram traduzidos em resultados nas pistas levaram a escuderia a depender de investimentos externos. Ora, se o problema da Williams era dinheiro, como que a culpa pode ser de quem colocou dinheiro em seu caixa? Toto Wolff e Lawrence Stroll nada fizeram além de AJUDAR o time inglês no momento em que este mais precisava de auxílio. Pilotos e investidores não fazem carros, engenheiros fazem, e o departamento de engenharia comandado por Paddy Lowe teve dinheiro suficiente para desenvolver um bom projeto, mas falhou consideravelmente.

O fato de Lance ser filho de Lawrence não quer dizer absolutamente nada no assunto da crise financeira da Williams. A participação do piloto indígena garantiu à escuderia o quinto lugar do campeonato de construtoras em 2017 graças a seu terceiro lugar no Grande Prêmio do Azerbaijão, justificando o investimento de seu pai na equipe. É óbvio que o desempenho do carro é responsabilidade do engenheiro e o controle financeiro compete aos donos da equipe, mas muitos não enxergam isso e, por ignorância ou falta de caráter, jogam a culpa em Stroll. A relutância da mídia em querer culpá-lo por todos os problemas que acontecem na Fórmula 1 atual, desde questões internas das escuderias até as da categoria como um todo, reflete dois fenômenos que acompanham a história da humanidade e foram responsáveis pelas maiores tragédias.

 

Essa frase de Einstein diz muito sobre o modo como a mídia trata Lance Stroll. (Foto: Pensador) [13]

 

Um deles é o antissemitismo, pois os grupos poderosos sempre tentaram culpar os judeus pelas mazelas do mundo e o fazem até hoje. Como a sociedade atual é mais consciente do problema da discriminação, a mídia apenas acusa Stroll e omite sua origem étnica (o motivo da perseguição) para não correr o risco de ser retaliada pela opinião pública. Alguns torcedores aceitam o discurso por compactuarem com essas ideias, outros são enganados facilmente, refletindo o que foi previsto por Theodor Adorno no século XX: há pessoas que aceitam passivamente tudo o que a mídia diz, sem questionar nada. No século XXI, Ben Shapiro comprovou a existência dessa face da mídia, notando que a mesma ignora os fatos e apresenta a narrativa como bem entender para cumprir sua agenda.

O outro fenômeno é o racismo estrutural. Mesmo com boas condições financeiras, Lance Stroll ainda pertence a grupos minoritários (pois é judeu e indígena), e a mídia tenderá a favorecer os grupos historicamente privilegiados (europeus e brancos). Com isso, comprovando a análise de Shapiro, ela ignora a incompetência administrativa de Claire Williams para jogar a culpa em Stroll, mesmo sem argumentos ou provas. Seu discurso acaba prevalecendo porque muitos torcedores não querem pensar, pois é mais cômodo aceitar o que é dito sem averiguar os fatos. Para alguns, pode parecer absurdo que discussões raciais sejam feitas no contexto da Fórmula 1, principalmente se tratando da falência de uma escuderia. No entanto, é humanamente impossível ignorar a perseguição doentia e injusta que a mídia e alguns torcedores fazem com Lance Stroll e os motivos devem sim ser desmascarados.

 

8- Conclusão

 

O mau gerenciamento financeiro da Williams colocou a equipe em quatro crises ao longo de sua história. Mesmo com bons investimentos e patrocinadores, o departamento de engenharia falhou sucessivamente em atualizar o carro para que os pilotos pudessem lutar por boas posições e colocar a equipe de volta ao topo do campeonato. A mídia preferiu culpar quem estava ajudando em vez dos responsáveis pela ineficiência do carro. O clima interno hostil afasta potenciais investidores, sob o temor de enfrentar entraves nas decisões (e se pertencer a uma minoria étnica, corre o risco de ser crucificado pela imprensa e torcedores e culpado por questões fora de sua responsabilidade). Logo, para a Williams só resta a venda da escuderia ou aprender com o passado e realizar uma mudança radical na sua postura.

 

Problema da Williams: sempre morde a mão que a alimenta. [14]

 

9- Bibliografia

 

 

10- Fotos

Obs.: Nenhuma das fotos inseridas neste artigo, exceto a montagem, pertence a mim. Este site possui fins informativos, não comerciais. Abaixo estão indicados os links de onde tirei as fotos. Todos os direitos reservados.

 

The Dismissal of Sebastian Vettel: Justice or Injustice?

On May 12th, 2020, Scuderia Ferrari announced that German driver Sebastian Vettel’s contract would not be renewed. Vettel’s performance in recent years has been spotlighted by two main characteristics: his disputes for the title in 2017 and 2018, and his constant accidents. In 2019, the German ended behind his teammate, Monegasque Charles Leclerc, on final results, with Leclerc being on his second year of career and first with the Maranello-based team.

During the 2018 season, some fans considered that a retirement of the German driver would be more indicated to him. Others used Vettel’s glorious past as a four-time-champion to justify his permanence in Formula One. So, after all, was Ferrari’s decision fair or unfair? To answer this question, let’s make a retrospect of Sebastian Vettel’s career and rate if his performance was worthy of Ferrari’s investments.

 

1- The beginning: a young talent enters Formula One

 

Sebastian Vettel debuted in Formula One at 2007 United States Grand Prix for Sauber, replacing Polish driver Robert Kubica, who had suffered a serious accident on the previous round, in Canada. Vettel finished eighth, the last place of the scoring zone at the time, scoring one point. In the same year, he was hired by Toro Rosso to continue the season from Hungarian Grand Prix. His second and last scoring was a fourth-place at the Chinese Grand Prix. He finished the championship at 14th place, with six points.

As of 2008, Vettel’s star started to shine more. Scoring in nine races, the German had a triumphant victory at Italian Grand Prix, being the first time a Toro Rosso driver won a race. At this same round, he broke two records: “youngest Grand Prix pole position winner” and “youngest driver to score a double” (pole position and race win). He finished 2008 in eighth place, with 35 points.

 

Sebastian Vettel’s first victory, at the 2008 Italian Grand Prix. (Photo: MAXF1.net) [1]

 

2- Joining Red Bull: the apex and the fall

 

In 2009, Vettel was hired by Red Bull Racing team. He broke more two records: youngest driver to score a hat-trick” (pole position, race win and fastest lap), and “youngest World Drivers’ Championship runner-up”. With four wins, eight podiums, and four more scores, he got 84 points, 11 lesser than champion Jenson Button, of Brawn. His results were so impressive that he turned into Red Bull’s bet to dispute the title.

Racing alongside Australian driver Mark Webber, his teammate since his first year with the Austrian team, Sebastian Vettel became champion for four consecutive years. In 2010, with five wins, 10 podiums and five more scores, he got 256 points and guaranteed the first title of a Red Bull driver. In 2011, he conquered 392 points, an outcome of 11 wins, 17 podiums, and one more score. The following year, he had 281 points, five wins, 10 podiums, and seven more scores. His last title was conquered in 2013, with 13 wins, 16 podiums, and two more scores. Vettel’s four titles meant two things for Red Bull: the engineering department has succeeded in their turbo engine development and the team had one of the most talented drivers in the history of the sport.

 

Sebastian Vettel’s win at the 2013 German Grand Prix. (Photo: Motor Authority) [2]

 

In his four titles’ years, Vettel broke nine records he keeps until nowadays. In 2010 he broke the one of “youngest Formula One World Drivers’ champion”, at the age of 23. In 2011, he broke the ones of “most podium finishes in a season” (17 at all), “most pole positions in a season” (15 at all), “most laps led in a season” (739 at all), “most wins from pole position in a season” (totalizing nine) and “youngest driver to score a grand slam” (pole position, win, fastest lap and led every lap). In 2013, he broke the records of “most consecutive wins” (nine at all), “most consecutive grand slams” (two at all), and “most wins in a season” (totalizing 13). Vettel also got three more records, “youngest driver to led at least one lap”, “youngest driver to score a podium” and “youngest Grand Prix winner”, but these were surpassed some years later by Max Verstappen. With these achievements, Vettel was considered the biggest winner of the Turbo Era in Formula One.

 

With Red Bull, Sebastian Vettel won four championships and got nine records he keeps until nowadays. (Photo: Sports Mole) [3]

 

But in 2014, the situation changed drastically. With Mark Webber’s exit, the team chose also Australian driver Daniel Ricciardo to replace him as Vettel’s teammate. If before the German’s mastery was clear, he passed to be left behind by the team in favor of the new teammate. Vettel’s car in 2014 had little power to reach previous years’ results. By contrast, Ricciardo’s car enjoyed perfect conditions, allowed him to even get his first win, at Canadian Grand Prix. Getting only four podiums and 12 more scores, Vettel finished the year in fifth place of championship, with 167 points. Ricciardo finished third, with 238 points. In the same year Red Bull decided to prefer a new driver, the team lost leadership in Formula One, and Lewis Hamilton’s title (the second of his career) started Mercedes mastery, which remains until nowadays.

 

Red Bull’s preference for Daniel Ricciardo not only harmed Sebastian Vettel’s 2014 season, as it allowed Mercedes to be the new dominant team. (Photo: Marca) [4]

 

3- Going to Ferrari: a good deal?

 

Seeing Vettel’s deception with Red Bull, Ferrari made him a proposal to join the Italian team replacing Spanish driver Fernando Alonso. The Maranello-based team was since 2007 without winning the drivers championship and since 2008 without winning the constructors championship. Unhappy with Alonso’s failure, Ferrari’s officers bet on the young four-time-champion to bring back the team’s times of glory.

Vettel’s contract with Red Bull would end at the end of 2015, but Ferrari paid his severance to have him in its team. Racing alongside Finnish driver Kimi Räikkönen, the least champion with the Italian team, the German came back to drivers’ top-3. Conquering three wins, 13 podiums, and more four scores, he finished the year at third place in the ranking, with 278 points, 44 lesser than runner-up Nico Rosberg and 103 lesser than champion Lewis Hamilton (both of Mercedes). Though without getting another title, his position in 2015 was a relief to Vettel, as he was in a more competitive car, being the team’s priority, and was closer to compete for the champion trophy.

 

With Ferrari, Sebastian Vettel retrieved chances to fight for the title. (Photo: O Globo) [5]

 

But in 2016, destiny brought another big rival: Max Verstappen. The Dutch driver had debuted by Toro Rosso in 2015 and the following year was promoted to Red Bull replacing Russian driver Daniil Kvyat (fired because of his weak performance and his constant accidents, even harming Vettel, as at Russian Grand Prix). Verstappen has the same characteristics as the German driver: he was young, fearless, audacious, brave, and had no fear of taking risks. Responsible for breaking three records that belonged to Vettel, the Dutch driver held intense disputes with Ferrari’s driver. The most emblematic were the disputes for the Mexican Grand Prix podium and for the Brazilian Grand Prix fifth place (which Verstappen ended third). The young driver nearly surpassed Vettel in the championship, ending only eight points behind the German, who finished the year at fourth place in the ranking, with 212 points.

In 2017, Vettel was highlighted again, starting the championship with a win at Australian Grand Prix. The dispute for the title with Hamilton kept balanced for 13 races, with the German having a certain advantage. However, at Singapore Grand Prix, Ferrari’s craving for victory ended harming its main driver. Starting from pole position, alongside Max Verstappen, Vettel and Räikkönen squeezed the Dutch driver, which caused a triple crash. The three drivers had to retire from the race and victory ended with Hamilton. With the British driver leadership, Vettel needed to win Mexican Grand Prix and cross his fingers to Hamilton finishing at least ninth to became champion. However, one more dispute with Verstappen frustrated the German’s plans. The Dutch driver took him the leadership and both had a touch. While Verstappen kept it normally, Vettel ended shocking against Hamilton and both went to the last places. Ferrari’s driver finished the round in fourth place, while the English driver crossed the finish line in ninth place, guaranteeing that year’s title. Winning for the last time at Brazilian Grand Prix, Vettel ended 2017 as runner-up, with 317 points an outcome of five wins, 12 podiums, and five more scores.

 

Accident at the 2017 Singapore Grand Prix involving Sebastian Vettel, Kimi Räikkönen, and Max Verstappen. (Photo: Busy.org) [6]

 

The year 2018 was similar to the previous one. Vettel started the championship with two consecutive wins (in Australia and Bahrein). However, as of the Chinese Grand Prix, in which he had a touch with Verstappen that dragged him to the eighth place, his luck started to change. In that year, Vettel involved himself in a series of accidents that cost him precious points to dispute the title. At French Grand Prix, he collided with Finnish Valtteri Bottas, while at German Grand Prix, though the team facilitated his job, ordering to teammate Räikkönen to give him the lead, he crashed into the wall and retired from the race. At the Japanese Grand Prix, he risked his luck in a fight against Verstappen that made him leave the track momentarily, ending the race in sixth place. At all, Vettel had five wins, 12 podiums, and eight more scores, consolidating himself as runner-up once more, with 320 points.

In 2019, Kimi Räikkönen was replaced by  Charles Leclerc. Although many journalists and supporters speculated that the new driver would bring a hazard to Vettel, old experts in Ferrari knew that the team would prioritize the German and would make the Monegasque his squire (as they did to Rubens Barrichello and Felipe Massa in the past). At the first race of the year, in Australia, thought Leclerc’s car having a better output, Ferrari did not allow him to overtake Vettel (the same happened two rounds later, in China). For this reason, Leclerc was nicknamed “Cinderella”. However, Vettel did not justify his team’s predilection for him in 2019: he got only one win, Singapore, that even lent him the controversial accusation of being helped by Ferrari (that changes his tires before Leclerc’s), besides eight podiums and seven more scores. The main mark of Vettel in 2019 was his accidents, notably the crash with Hamilton at Canadian Grand Prix, the purposeful collision with Verstappen at British Grand Prix, with Lance Stroll at Italian Grand Prix, and with Leclerc at Brazilian Grand Prix. In the second and third cases, Vettel only stayed in the last positions, including receiving penalties, while in the other he caused a ferrarist double-retirement that alarmed the team. Finishing the year in fifth place, with 240 points, Vettel ended one position and 24 points behind his teammate.

 

4- From hero to zero: what was Sebastian Vettel’s mistake?

 

Conquering a title in Formula One is not an easy job. The specialists are practically unanimous in saying that the key to the success in motorsport is the sum of the driver’s talent with the car’s good performance. There is no point in having a potent car if the driver has no stamina to bring it to the title (Valtteri Bottas is an example), as well as there is no point in the driver being talented if the car’s performance does not match (Max Verstappen is an example). Vettel’s achievements (records, wins, and titles) prove his talent. Ferrari and Red Bull are considered top teams (though recently the Austrian team is quite different from it was in at the time the German was its main driver). So how to explain such a fall in such a short time?

The answer is simple: self-control. This is an important ingredient in the recipe for a champion. A big example of how it works is the 2017 Malaysian Grand Prix. Lewis Hamilton disputed the title with Vettel and had started from pole position. However, a full of range Max Verstappen fought for the win. Hamilton preferred to not showing too much resistance, as he preferred to guarantee a second-place, keep a constant series of scoring, and steady the title than disputing the win and risk an accident, giving chances to his rival to surpass him. Vettel does not think the same way. The German is indeed impulsive and risks until the last second, causing unnecessary accidents and losing significant points. When this dispute happens with another impulsive driver, like Verstappen, the damage is even bigger. Who knows the 2017 championship would have ended differently if Vettel and Räikkönen had not framed that squeeze for Verstappen to try to scare him?

 

Sebastian Vettel’s crash at the 2018 German Grand Prix. Silly mistakes cost him the chance of winning three more titles. (Photo: Goodwood) [7]

 

A strategy is also important to win a game. Formula One is a collective sport that depends on the interaction between the driver and his team (this one divided into its many departments and staff, as engineers, mechanics, strategists, among others). Audacity and courage are indeed relevant factors to a successful career, but even in extreme situations, as a dispute for positions, it is necessary to think very well before acting. A good strategy would be reuniting the team before the races to discuss how to proceed in hypothetical situations and put in practice what was discussed before.

The main mistake of Sebastian Vettel was letting his emotions to take control of his reason. Accidents like those of the 2019 British and Brazilian Grand Prix were clearly an outcome of the driver’s rage for being overtaken by his rivals (respectively Verstappen and Leclerc). Vettel should follow the suit of Hamilton’s prudence if he wants to win titles again.

 

5- Conclusion

 

Ferrari realized that it is not worthy to spend its investments in a driver who, though talented, always getting into trouble. It is likely that Charles Leclerc became the new bet of the team, that will hire another driver to be his squire (sources speculate about the name of Carlos Sainz Jr.). Sebastian Vettel , in turn, has two possible ways: or retirement, or a weaker team (though Toto Wolff had already shown some interest in putting him in Mercedes, it is not known if Vettel would accept to be Lewis Hamilton’s teammate). The four-time-champion waiver was an outcome of his impulsivity, that harmed him more than helped him. However, it would be unfair to ignore Vettel’s achievements, as he left his legacy in Formula One as a bold and fearless driver who translated his courage in four titles. The most important lesson that he leaves for the new talents in the sport is that it worths thinking before acting more than risking everything, as you can lose the last chance to shine.

 

Sources

 

 

Photos

Note: None of the photos used in this article belongs to me. This site has informative intentions, not commercial. The links where I took the photos are indicated below. All copyrights reserved.

A Demissão de Sebastian Vettel: Justiça ou Injustiça?

No dia 12 de maio de 2020, a Scuderia Ferrari anunciou que o contrato do piloto alemão Sebastian Vettel não seria renovado. O desempenho de Vettel nos últimos anos se destacou por duas principais características: suas disputas pelo título em 2017 e 2018 e seus acidentes constantes. Em 2019, o alemão ficou atrás de seu companheiro, o monegasco Charles Leclerc, nos resultados finais, sendo que Leclerc estava em seu segundo ano de carreira e primeiro com a equipe de Maranello.

Durante a temporada de 2018, alguns torcedores chegaram a cogitar que uma aposentadoria do alemão seria mais indicado para ele. Outros usavam o passado glorioso de Vettel como tetracampeão para justificar sua permanência na Fórmula 1. Então, afinal, a decisão da Ferrari foi justa ou injusta? Para responder a essa dúvida, vamos fazer um retrospecto da carreira de Sebastian Vettel e avaliar se seu desempenho era digno dos investimentos da Ferrari.

 

1- O começo: um jovem talento ingressa na Fórmula 1

 

Sebastian Vettel estreou na Fórmula 1 no Grande Prêmio dos Estados Unidos de 2007 pela Sauber, substituindo o polonês Robert Kubica, que havia sofrido um grave acidente na etapa anterior, no Canadá. Vettel chegou em oitavo lugar, o último da zona de pontuação da época, marcando um ponto. No mesmo ano, foi contratado pela Toro Rosso para continuar a temporada a partir do Grande Prêmio da Hungria. Sua segunda e última pontuação em 2007 foi um quarto lugar no Grande Prêmio da China. Terminou o campeonato no 14º lugar, com seis pontos.

A partir de 2008 a estrela de Vettel começou a brilhar mais. Pontuando em nove corridas, o alemão teve uma vitória triunfante no Grande Prêmio da Itália, sendo a primeira vez que um piloto da Toro Rosso vencia uma corrida. Nessa mesma etapa, quebrou dois recordes: “mais jovem piloto a obter uma pole position” e “mais jovem piloto a vencer largando da pole position”. Terminou 2008 no oitavo lugar do campeonato, com 35 pontos.

 

Primeira vitória de Sebastian Vettel, no Grande Prêmio da Itália de 2008. (Foto: MAXF1.net) [1]

 

2- Juntando-se à Red Bull: o ápice e a queda

 

Em 2009, Vettel foi contratado pela equipe Red Bull Racing. Quebrou mais dois recordes: “mais jovem piloto a fazer um hat-trick” (pole position, vitória e volta mais rápida) e “mais jovem vice-campeão”. Com quatro vitórias, oito pódios e mais quatro pontuações, fez 84 pontos, 11 a menos que o campeão Jenson Button, da Brawn. Seus resultados foram tão impressionantes que ele se tornou a aposta da Red Bull para a disputa pelo título.

Correndo ao lado do australiano Mark Webber, seu companheiro desde seu primeiro ano na equipe austríaca, Sebastian Vettel se consagrou campeão por quatro anos consecutivos. Em 2010, com cinco vitórias, 10 pódios e mais cinco pontuações, marcou 256 pontos e garantiu o primeiro título de um piloto da Red Bull. Em 2011, conquistou 392 pontos, resultantes de 11 vitórias, 17 pódios e mais uma pontuação. No ano seguinte, teve 281 pontos, cinco vitórias, 10 pódios e mais sete pontuações. Seu último título foi conquistado em 2013, com 13 vitórias, 16 pódios e mais duas pontuações. O tetracampeonato de Vettel significou duas coisas para a Red Bull: o departamento de engenharia acertou no desenvolvimento de seu motor turbo e a equipe tinha em mãos um dos pilotos mais talentosos da história do esporte.

 

Vitória de Sebastian Vettel no Grande Prêmio da Alemanha de 2013. (Foto: Motor Authority) [2]

 

Nos anos de seu tetracampeonato, Vettel quebrou nove recordes que mantém até hoje. Em 2010 quebrou o de “mais jovem campeão”, aos 23 anos. Em 2011, quebrou os de “mais chegadas ao pódio em uma temporada” (17 no total), “mais pole positions em uma temporada” (15 no total), “mais voltas lideradas em uma temporada” (739 no total), “mais vitórias partindo da pole position em uma temporada” (nove ao todo) e de “mais jovem piloto a fazer um grand slam” (pole position, vitória, volta mais rápida e liderança em todas as voltas). Em 2013, quebrou os recordes de “mais vitórias consecutivas” (nove no total), “mais grand slams consecutivos” (totalizando dois), e “mais vitórias em uma temporada” (totalizando 13). Vettel ainda conseguiu mais três recordes, “mais jovem a liderar pelo menos uma volta”, “mais jovem a conseguir um pódio” e “mais jovem a vencer um grande prêmio”, mas estes foram superados anos depois por Max Verstappen. Com estes feitos, Vettel foi considerado o maior vencedor da era turbo da Fórmula 1.

 

Com a Red Bull, Sebastian Vettel conseguiu quatro campeonatos e nove recordes mantidos até hoje. (Foto: Sports Mole) [3]

 

Mas em 2014, a situação mudou drasticamente. Com a saída de Mark Webber, a equipe escolheu o também australiano Daniel Ricciardo para substitui-lo como companheiro de Vettel. Se antes o domínio do alemão era certeiro, ele passou a ser preterido pela equipe em favor do novo companheiro. O carro de Vettel em 2014 tinha pouca potência para atingir os resultados dos anos anteriores, provocando quatro abandonos. Em contrapartida, o de Ricciardo desfrutava de perfeitas condições, permitindo inclusive sua primeira vitória, no Grande Prêmio do Canadá. Conseguindo apenas quatro pódios e mais 12 chegadas à zona de pontuação, Vettel terminou o ano no quinto lugar do campeonato, com 167 pontos. Ricciardo ficou em terceiro lugar, com 238 pontos. No mesmo ano que a Red Bull resolveu dar preferência a um novo piloto, a equipe perdeu a liderança na Fórmula 1, e o título de Lewis Hamilton (segundo da carreira) começou o domínio da Mercedes, que dura até hoje.

 

A preferência da Red Bull por Daniel Ricciardo não só prejudicou a temporada de 2014 de Sebastian Vettel, como permitiu que a Mercedes fosse a nova equipe dominante. (Foto: Marca) [4]

 

3- Ida à Ferrari: bom negócio?

 

Vendo a decepção de Vettel com a Red Bull, a Ferrari lhe fez uma proposta para se juntar ao time italiano no lugar do espanhol Fernando Alonso. A escuderia sediada em Maranello estava desde 2007 sem ganhar o campeonato de pilotos e desde 2008 sem ganhar o de construtoras. Descontentes com o fracasso de Alonso, os dirigentes da Ferrari apostavam no jovem tetracampeão para trazer de volta os tempos de glória da equipe.

O contrato de Vettel com a Red Bull terminaria no final de 2015, mas a Ferrari pagou sua rescisão para tê-lo em seu time. Correndo ao lado do finlandês Kimi Räikkönen, último campeão pela escuderia italiana, o alemão voltou ao top-3 dos pilotos. Conquistando três vitórias, 13 pódios e mais quatro pontuações, terminou o ano no terceiro lugar do ranking, com 278 pontos, 44 a menos que o vice-campeão Nico Rosberg e 103 a menos que o campeão Lewis Hamilton (ambos da Mercedes). Embora sem conseguir outro título, a posição em 2015 foi um alívio para Vettel, pois estava em um carro mais competitivo, sendo a prioridade da equipe, e estava mais perto de competir pelo troféu de campeão.

 

Com a Ferrari, Sebastian Vettel recuperou as chances de lutar pelo título. (Foto: O Globo) [5]

 

Mas em 2016, o destino trouxe mais um grande rival: Max Verstappen. O holandês havia estreado pela Toro Rosso em 2015, e no ano seguinte foi promovido para a Red Bull no lugar do russo Daniil Kyvat (demitido pelo fraco desempenho e seus acidentes constantes, inclusive prejudicando Vettel, como no Grande Prêmio da Rússia). Verstappen tinha as mesmas características do piloto alemão: era jovem, destemido, arrojado, corajoso e não tinha medo de correr riscos. Responsável por quebrar três recordes que pertenciam a Vettel, o holandês travou intensas disputas com o piloto da Ferrari. As mais emblemáticas foram as disputas pelo pódio do Grande Prêmio do México e pelo quinto lugar do Grande Prêmio do Brasil (o qual Verstappen terminou em terceiro lugar). O jovem quase superou Vettel no campeonato, ficando a apenas oito pontos do alemão, que terminou o ano no quarto lugar do ranking, com 212 pontos.

Em 2017, Vettel voltou a se destacar, iniciando o campeonato com uma vitória no Grande Prêmio da Austrália. A disputa pelo título com Hamilton se manteve equilibrada por 13 corridas, com o alemão levando uma certa vantagem. Porém, no Grande Prêmio de Singapura, a ânsia da Ferrari por vitória acabou prejudicando seu piloto principal. Largando da pole position, ao lado de Max Verstappen, Vettel e Räikkönen fecharam o holandês o que provocou uma batida tripla. Os três pilotos tiveram que abandonar a prova e a vitória caiu no colo de Hamilton. Com a liderança do britânico, Vettel precisava vencer o Grande Prêmio do México e torcer para que Hamilton chegasse no máximo em nono lugar para se firmar campeão. Porém, mais uma disputa com Verstappen frustra os planos do alemão. O holandês lhe tomou a liderança e os dois tiveram um toque. Enquanto Verstappen continuou normalmente, Vettel acabou se chocando com Hamilton e os dois foram para os últimos lugares. O piloto da Ferrari terminou a prova em quarto lugar, já o inglês cruzou a linha de chegada em nono, garantindo o título daquele ano. Vencendo pela última vez no Grande Prêmio do Brasil, Vettel encerrou 2017 como vice-campeão, com 317 pontos resultantes de cinco vitórias, 12 pódios e mais cinco pontuações.

 

Acidente no Grande Prêmio de Singapura de 2017 envolvendo Sebastian Vettel, Kimi Räikkönen e Max Verstappen. (Foto: Busy.org) [6]

 

O ano de 2018 foi semelhante ao anterior. Vettel começou o campeonato com duas vitórias consecutivas (na Austrália e no Bahrein). Porém, a partir do Grande Prêmio da China, no qual teve um toque com Verstappen que o levou para o oitavo lugar, sua sorte começou a mudar. Naquele ano, Vettel se envolveu em uma série de acidentes que lhe custaram pontos preciosos para disputar o título. No Grande Prêmio da França, colidiu com o finlandês Valtteri Bottas, já no da Alemanha, apesar da equipe facilitar seu trabalho, ordenando ao companheiro Räikkönen que lhe cedesse a liderança, bateu no muro e abandonou a prova. No Grande Prêmio do Japão, arriscou a sorte em uma briga com Verstappen que o fez deixar momentaneamente a pista, terminando a corrida no sexto lugar. Ao todo, Vettel teve cinco vitórias, 12 pódios e mais oito pontuações em 2018, firmando-se vice-campeão mais uma vez, com 320 pontos.

Em 2019, Kimi Räikkönen foi substituído por Charles Leclerc. Apesar de muitos jornalistas e torcedores especularem que o novo piloto traria uma ameaça a Vettel, velhos conhecedores da Ferrari já sabiam que a equipe priorizaria o alemão e fariam do monegasco seu escudeiro (tal como fez com Rubens Barrichello e Felipe Massa no passado). Logo na primeira corrida do ano, na Austrália, apesar do carro de Leclerc ter um rendimento melhor, a Ferrari não permitiu que ele ultrapassasse Vettel (o mesmo ocorreu duas etapas depois, na China). Por essa razão, Leclerc ganhou o apelido de “Cinderela”. No entanto, Vettel não justificou a predileção de sua equipe por ele em 2019: só conseguiu uma vitória, em Singapura, que ainda lhe rendeu a polêmica acusação de ser ajudado pela Ferrari (que trocou seus pneus antes dos de Leclerc), além de oito pódios e mais sete pontuações. A principal marca de Vettel em 2019 foram seus acidentes, notadamente a batida com Hamilton no Grande Prêmio do Canadá, a colisão proposital com Verstappen no Grande Prêmio da Grã-Bretanha, com Lance Stroll no Grande Prêmio da Itália, e com Leclerc no Grande Prêmio do Brasil. No segundo e terceiro casos, Vettel apenas ficou entre as últimas posições, inclusive levando punição, já no último causou um duplo abandono ferrarista que alarmou a equipe. Terminando o ano no quinto lugar, com 240 pontos, Vettel ficou uma posição e 24 pontos atrás do companheiro.

 

4- De herói a zerói: qual foi o erro de Sebastian Vettel?

 

Conquistar um título na Fórmula 1 não é uma tarefa fácil. Os especialistas são praticamente unânimes em dizer que a chave para o sucesso no automobilismo é a soma do talento do piloto com o bom desempenho do carro. De nada adianta um carro potente se o piloto não tem garra para levá-lo ao título (Valtteri Bottas é um exemplo), assim como não adianta o piloto ser talentoso se o desempenho do carro não corresponde (Max Verstappen é um exemplo). As conquistas de Vettel (recordes, vitórias e títulos) provam seu talento. Ferrari e Red Bull são consideradas equipes de ponta (apesar de ultimamente o time austríaco estar bem diferente do que era na época que o alemão era seu piloto principal). Então como explicar tamanha queda em tão pouco tempo?

A resposta é simples: autocontrole. Este é um ingrediente importante na receita de um campeão. Um grande exemplo de como isso funciona é o Grande Prêmio da Malásia de 2017. Lewis Hamilton disputava o título com Vettel e havia largado da pole position. Porém, um Verstappen cheio de fúria lutava pela liderança. Hamilton preferiu não oferecer muita resistência, pois preferia garantir um segundo lugar, manter uma série constante de pontuações e firmar o título do que disputar a vitória e arriscar um acidente, dando chances para seu concorrente superá-lo. Vettel não pensa da mesma maneira. O alemão é deveras impulsivo e arrisca até o último segundo, provocando acidentes desnecessários e perdendo pontos significativos. Quando esta disputa acontece com outro piloto impulsivo, como Verstappen, o estrago é ainda maior. Quem sabe o campeonato de 2017 não teria terminado de outro jeito se Vettel e Räikkönen não tivessem armado aquele fechamento em cima de Verstappen para tentar assustá-lo?

 

Batida de Sebastian Vettel no Grande Prêmio da Alemanha de 2018. Erros bobos lhe custaram a chance de vencer mais três títulos. (Foto: Goodwood) [7]

 

A estratégia também é importante para se vencer um jogo. Fórmula 1 é um esporte coletivo, que depende da interação entre o piloto e sua equipe (esta dividida em seus vários departamentos e funcionários, como engenheiros, mecânicos, estrategistas, entre outros). Arrojo e coragem são sim fatores relevantes para uma carreira bem sucedida, mas até mesmo em situações extremas, como numa disputa de posições, é preciso pensar bem antes de agir. Uma boa estratégia seria reunir a equipe antes das corridas para discutir como proceder em situações hipotéticas e colocar em prática o que foi discutido antes.

O erro principal de Sebastian Vettel foi deixar suas emoções tomarem conta da razão. Acidentes como o dos Grandes Prêmios da Grã-Bretanha e do Brasil de 2019 foram nitidamente resultados da raiva do piloto por ser ultrapassado por seus rivais (respectivamente Verstappen e Leclerc). Vettel deveria seguir o exemplo da prudência de Hamilton se quiser voltar a ganhar títulos.

 

5- Conclusão

 

A Ferrari percebeu que não vale mais a pena gastar seus investimentos em um piloto que, apesar de talentoso, sempre mete os pés pelas mãos. É provável que Charles Leclerc seja a nova aposta do time, que contratará outro piloto para ser seu escudeiro (fontes especulam sobre o nome de Carlos Sainz Jr.). Sebastian Vettel, por sua vez, tem dois caminhos possíveis: ou a aposentadoria, ou uma equipe mais fraca (embora Toto Wolff já tenha mostrado certo interesse por ele na Mercedes, mas não se sabe se Vettel aceitaria ser companheiro de Lewis Hamilton). A dispensa do tetracampeão foi resultado de sua impulsividade, que mais o atrapalhou do que ajudou. No entanto, não seria justo ignorar os feitos de Vettel, que deixou seu legado na Fórmula 1 como um piloto arrojado e destemido, que traduziu sua coragem em quatro títulos. A lição mais importante que ele deixa para os novos talentos no esporte é a de que vale muito mais a pena pensar antes de agir do que arriscar tudo, pois você pode perder a última chance de brilhar.

 

Fontes

 

 

Fotos

Obs.: Nenhuma das fotos inseridas neste artigo pertence a mim. Este site possui fins informativos, não comerciais. Abaixo estão indicados os links de onde tirei as fotos. Todos os direitos reservados.

O Caso Max Verstappen: Muito Piloto Para Pouca Equipe

Max Verstappen é uma das estrelas da Fórmula 1 atual. Detentor de seis recordes oficiais (entre eles o de “mais jovem vencedor de um Grande Prêmio”), destaque em corridas emocionantes e com vários pódios e vitórias em poucos anos de experiência, o piloto holandês surpreendeu os torcedores ao anunciar no dia 7 de janeiro de 2020 que havia renovado seu contrato com a Red Bull Racing até 2023. Enquanto alguns elogiam a decisão, outros criticam a escolha, se indagando o porquê de Verstappen não aceitar propostas de equipes melhores. A análise desse caso você confere a partir de agora.

 

1- A carreira de Max: surge uma estrela

 

Filho mais velho do ex-piloto holandês Jos Verstappen e da kartista belga Sophie Kumpen, Max Verstappen começou a carreira automobilística aos 4 anos de idade, em competições de kart regionais. Aos 17 anos, depois de terminar a Fórmula 3 Europeia de 2014 em terceiro lugar, foi contratado pela Scuderia Toro Rosso para competir na Fórmula 1 no ano seguinte. Em sua estreia, no Grande Prêmio da Austrália, quebrou o recorde de “mais jovem piloto a estrear em uma corrida de Fórmula 1”, que antes pertencia a Jaime Alguersuari. Na corrida seguinte, na Malásia, quebrou o recorde de “mais jovem piloto a pontuar na Fórmula 1”, que anteriormente era de Daniil Kvyat. Verstappen terminou seu ano de estreia pontuando 10 vezes, totalizando 49 pontos em 19 corridas, além de ser premiado pela FIA como “Estreante do Ano” e “Personalidade do Ano” e sua ultrapassagem sobre Felipe Nasr na Bélgica lhe rendeu o prêmio de “Ação do Ano”.

Todas essas conquistas foram essenciais para que em 2016 a Red Bull escolhesse Verstappen para substituir Kvyat, cujos resultados estavam abaixo do esperado. O holandês não decepcionou e conseguiu sua primeira vitória no Grande Prêmio da Espanha, quebrando os recordes de “mais jovem líder, por pelo menos uma volta na Fórmula 1”, “mais jovem piloto a conseguir um pódio na Fórmula 1” e “mais jovem vencedor de um Grande Prêmio”, todos que anteriormente pertenciam a Sebastian Vettel. Na Bélgica, quebrou o recorde de “mais jovem piloto a largar da primeira fila”, que no ano seguinte foi quebrado por Lance Stroll. No Brasil, quebrou o recorde de “mais jovem piloto a fazer a volta mais rápida na Fórmula 1”, que antes pertencia a Nico Rosberg. No final daquele ano, com a aposentadoria de Rosberg, o chefe de equipe da Mercedes, Toto Wolff, estava à procura de um substituto para o alemão. Noticiou-se que ele entrou em contato com Jos Verstappen várias vezes para conversar sobre Max, mas o jovem continuou com a Red Bull. Wolff contratou seu apadrinhado Valtteri Bottas, que corria pela Williams, para assumir o segundo assento da equipe.

 

Vitória de Max no Grande Prêmio da Espanha de 2016.

 

Se 2016 foi um ano maravilhoso, no qual Verstappen pôde expor suas habilidades, 2017 foi decepcionante. Em 20 corridas, teve sete abandonos, mas nenhum por sua culpa. O primeiro foi no Bahrein, onde um problema nos freios o tirou da prova. O segundo foi na Espanha, onde Bottas colidiu com Verstappen e Kimi Raikkonen, tirando ambos da corrida. O terceiro foi no Canadá, onde uma falha elétrica desligou seu carro. O quarto ocorreu no Azerbaijão devido a um problema no óleo. O quinto foi causado por Kvyat, que colidiu com o holandês e com Fernando Alonso na Áustria. O sexto ocorreu na Bélgica, onde seu carro desligou no meio da corrida. No sétimo e último abandono, Verstappen foi esmagado pelos pilotos da Ferrari, Vettel e Raikkonen, e depois foi lançado para fora da pista pela reentrada perigosa do finlandês. Desapontado com a inconsistência de seu carro, contrastando com o bom desempenho do carro de seu companheiro Daniel Ricciardo, Verstappen teve momentos de fúria com sua equipe. Cientes da situação, Toto Wolff e Maurizio Arrivabene, chefe de equipe da Ferrari, entraram em contato com Jos para discutir o futuro do jovem prodígio. Estava nítido que a Red Bull não teve competência para produzir igualmente um carro vencedor para seus dois pilotos e Max estava sendo sacrificado. Wolff não estava satisfeito com a incapacidade de Bottas de competir de igual para igual com Lewis Hamilton (dando uma brecha para a Ferrari renascer como uma concorrente ao título) e Arrivabene buscava alguém para o lugar de Raikkonen, que estava perto de deixar o time. No entanto, Verstappen preferiu dar uma chance à equipe austríaca e assinou um contrato com cláusula de saída. Apesar das dificuldades, conseguiu duas vitórias, sendo uma na Malásia e uma no México.

 

Acidente do Grande Prêmio de Singapura de 2017.

 

Em 2018 a situação se alterou. A Red Bull sabia que Max abriu mão de boas propostas para continuar com os austríacos, e decepcioná-lo significaria sua partida. O carro apresentou mais estabilidade, mas ainda não era potente o bastante para que a Red Bull se firmasse como uma ameaça à hegemonia da Mercedes, conseguindo apenas duas vitórias, na Áustria e no México. No entanto, o carro de Ricciardo apresentou muitas falhas, comprometendo o desempenho do australiano. O anúncio de que a Red Bull usaria os motores da Honda a partir do ano seguinte provocou desconfianças em Ricciardo, que assinou com a Renault para temporada de 2019. Verstappen preferiu não usar a cláusula de saída e continuou na equipe, que prometia um trabalho árduo com a Honda em torno do holandês.

A promessa foi cumprida de uma maneira bem morna, pois mesmo Verstappen sendo promovido ao posto de primeiro piloto, a Mercedes não sentiu nem a ponta das garras da Red Bull. Para piorar, a contratação de Pierre Gasly tornou-se um fracasso, pois o francês era incapaz de enfrentar os pilotos da Ferrari, que não estavam em boa fase no começo do ano, e impediu que a Red Bull conquistasse o vice-campeonato de construtoras. Com Verstappen carregando o time nas costas, o diretor Helmut Marko decidiu substituir Gasly por Alexander Albon, da Toro Rosso, algo similar ao que havia acontecido entre Kvyat e Max em 2016. Apesar de três boas vitórias, na Alemanha, na Áustria e no Brasil, Verstappen enfrentou falta de potência em corridas que poderiam compensar o déficit causado por Gasly, como na Rússia, em que seu carro não conseguiu alcançar o de Charles Leclerc. O término de seu contrato estava previsto para 2020, mas o holandês decidiu renová-lo para 2023.

 

2- Red Bull: gloriosa no passado, decadente no presente

 

A Red Bull Racing surgiu como escuderia de Fórmula 1 em 2004 após a empresa homônima comprar a escuderia Jaguar, cujo um de seus sócios era o tricampeão Jackie Stewart. O auge da equipe ocorreu entre os anos de 2010 e 2013, no qual Sebastian Vettel garantiu o tetracampeonato para a escuderia, derrotando a McLaren de Lewis Hamilton e a Ferrari de Fernando Alonso.

Nesse período, a categoria empregava o turbo em seus carros e a Red Bull foi capaz de montar um chassi que respondesse ao trabalho do motor. Vettel dominou as temporadas sentindo pouco perigo vindo de seus adversários. Hamilton se decepcionava com a McLaren e a Ferrari sentia o amargor de não vencer um campeonato de pilotos desde 2007 e de construtoras desde 2008. Em 2014, com a proibição do turbo, o cenário da Fórmula 1 mudou consideravelmente. O australiano Mark Webber, até então companheiro de Vettel, deu lugar ao conterrâneo Daniel Ricciardo, enquanto o austríaco Christian Horner assumia o papel de chefe de equipe. O carro do tetracampeão passou por uma sequência de quebras que impediram sua pontuação. Apesar de sua primeira vitória na carreira, Ricciardo não conseguiu muitos feitos e a Red Bull viu a ascensão de Hamilton na Mercedes e o domínio da escuderia alemã que dura até os dias de hoje.

Para os que não se lembram da sequência de falhas técnicas no carro de Vettel, fica a impressão de que Ricciardo venceu o companheiro por ter mais talento. Os críticos do alemão utilizam a temporada de 2014 até hoje como justificativa para afirmar que Vettel deveria se aposentar e que seus títulos são mais um produto do motor turbo do que de seu talento. No entanto, o fracasso em 2014 são significa a derrocada de Vettel. Sentindo-se traído e preterido pela equipe, ele assinou com a Ferrari para o ano de 2015, com a escuderia italiana se comprometendo a pagar por sua quebra de contrato com o time austríaco.

 

Daniel Ricciardo e Sebastian Vettel na Red Bull. A saída do alemão foi o começo da decadência da escuderia.

 

Com Vettel na Ferrari, a Red Bull contratou Daniil Kvyat para correr ao lado de Ricciardo. Porém, nenhum dos dois trouxe de volta a glória dos tempos do alemão. Kvyat ganhou a fama de ser um “barbeiro” e seus acidentes lhe custaram a vaga na equipe principal e a confiança dos dirigentes. Ricciardo deu a impressão de ser um “piloto burocrata”, pois não costumava batalhar por posições maiores. Max Verstappen não era apenas um substituto de Kvyat aos olhos da Red Bull, mas sim uma oportunidade de voltar à posição de campeã, já que o holandês apresentava todas as virtudes encontradas em Vettel: determinação, arrojo, coragem, persistência, entre outras.

No entanto, só é possível vencer um campeonato se há um equilíbrio entre o talento do piloto e o do departamento de engenharia. O atleta não pode ter medo de desafios, mas também deve ter prudência para evitar acidentes. O carro precisa corresponder ao desempenho do piloto, logo falhas elétricas, no motor, nos freios, no óleo ou em qualquer outra parte são inadmissíveis. O que parece óbvio para os torcedores parece não ser para a Red Bull. O arrojo de Max é constante, pois é nítido que ele sempre tenta superar seus adversários, não importa a situação. É um piloto que não se contenta com pontos ou pódios, pois busca a vitória. Seu carro, no entanto, é o mais fraco entre as chamadas “equipes de ponta”. A pergunta que fica no ar é: “Como que em sã consciência alguém pode se dizer fã de Max Verstappen e perdoar a Red Bull pelas quebras em 2017 e por proporcionar a ele uma média de apenas duas vitórias por ano?”.

 

3- Fidelidade vs. Conquistas

 

A primeira renovação de contrato de Max Verstappen com a Red Bull em 2017 já havia sido uma grande surpresa. Naquele ano, alguns veículos de imprensa começavam a questionar o talento do holandês, ignorando os verdadeiros responsáveis pelos abandonos. Isso aconteceu porque memória de jornalista esportivo incompetente é igual memória de eleitor: curta. Diferente de Sebastian Vettel, que percebeu as dificuldades da equipe e mudou-se para a Ferrari, Verstappen estava dando mais uma chance ao time que propiciou uma atmosfera artificial de desconfiança em torno de um piloto que não precisa provar mais nada.

Max nunca detalhou os motivos pelos quais escolheu continuar com o time austríaco, limitando-se a dizer que confiava no que a escuderia planejava para ele. O contrato oferecido era bem interessante: o holandês ficaria até 2020 com a Red Bull, mas uma cláusula de saída lhe dava a liberdade de escolher outra equipe caso suas expectativas não fossem atingidas. Em outras palavras, a Red Bull estava ciente que Verstappen havia recusado ótimas chances em outras equipes e se disponibilizaria a arcar com as consequências da escolha do holandês.

 

A instabilidade do carro da Red Bull custou vitórias e pontos para Verstappen. Mesmo assim, ele se recusa a deixar a equipe.

 

Logo, em 2018, acreditava-se que a Red Bull trabalharia duro para produzir um carro à altura do talento de Max para que ele tivesse a chance de competir pelo título com Lewis Hamilton e Sebastian Vettel. Embora seus resultados tenham sido satisfatórios, Verstappen estava um pouco longe do esperado para se tornar um campeão: teve apenas duas vitórias (Áustria e México) e mais nove pódios. Hamilton teve 11 vitórias e Vettel venceu cinco vezes naquele ano. No final de 2018, Verstappen variava as respostas que dava para a imprensa sobre as expectativas para 2019: hora dizia que estavam prontos para lutar pelo campeonato, hora dizia que não tinham chances. Só uma coisa era irredutível: ele não deixaria a Red Bull.

Já em 2019, a temporada foi um pouco melhor, mas também longe do primeiro lugar: Max teve três vitórias e mais seis pódios. Jos Verstappen até ameaçou pedir para o filho sair da Red Bull caso a equipe não lhe desse condições de disputar um título. Com o fim do contrato se aproximando, os fãs da Fórmula 1 ficaram curiosos para saber qual seria o destino do jovem prodígio. Como Verstappen não deu indícios de que estava disposto a sair da equipe, Toto Wolff renovou com Valtteri Bottas. Foi então, que no dia 7 de janeiro de 2020, Verstappen deu um ótimo presente de 35 anos a Lewis Hamilton: renovou com a Red Bull até 2023. Pelo que se observa desde 2017, a fidelidade de Max o prende à sua atual equipe, mas só isso não lhe garante conquistas, pois lhe falta um carro competitivo (que o próprio às vezes admite que a Red Bull não sabe fazer).

 

4- Mitos e Verdades

 

  •   Mito: Daniel Ricciardo saiu da Red Bull em 2019 porque a equipe estava priorizando Verstappen

 

Essa teoria absurda criada pelos haters de Verstappen já foi desmentida várias vezes pelo próprio Ricciardo, mas volta e meia aparece alguém para dizer isso na internet. O fato é que o piloto australiano deixou a Red Bull em 2019 porque estava descontente, mas não foi por causa do companheiro de equipe.

Em 2017, Max começou o ano à frente do companheiro, chegando ao terceiro lugar do campeonato na segunda corrida da temporada, no Grande Prêmio da China. No entanto, a série de abandonos que se iniciou no Grande Prêmio do Bahrein permitiu a Ricciardo superá-lo na pontuação. Isso não significa, porém, que o australiano teve um ano fácil: apesar de sua vitória no Azerbaijão e de mais oito pódios, Daniel acumulou seis abandonos, sendo o pior no México, onde havia conseguido a pole position. No ano seguinte, venceu duas vezes (na China e em Mônaco), mas teve oito abandonos. Aqueles que acusam a Red Bull de fornecer um carro pior para Ricciardo em 2018 para beneficiar Verstappen, deviam no mínimo ser coerentes e admitir que parecia que em 2017 a equipe havia feito o contrário: prejudicou o carro de Verstappen para que Ricciardo o superasse no campeonato.

 

Verstappen e Ricciardo mantiveram a amizade após a saída do australiano.

 

Ainda em 2018 os executivos da Red Bull anunciaram que a partir de 2019 a equipe trocaria os motores da Renault pelos da Honda. A notícia surpreendeu os torcedores, já que a fornecedora japonesa vivia em guerra com a McLaren quando esta usou seus motores na época de Fernando Alonso. O piloto espanhol teve vários abandonos devido a falhas no motor. Ricciardo afirmou que não queria ter o mesmo destino de Alonso, e ciente de que nem a Mercedes nem a Ferrari estavam interessadas em contratá-lo, o australiano trocou a incerteza da Red Bull pela provável estabilidade da Renault. Infelizmente, a equipe francesa teve um desempenho insatisfatório em 2020, mas não era possível adivinhar que isso iria acontecer.

Ricciardo e Verstappen já disseram que sentem falta um do outro e foram vistos em momentos de descontração diversas vezes. Ou seja, se Max fosse o motivo pelo qual Daniel saiu da Red Bull, eles não teriam essa relação saudável após a ida dele para a Renault.

 

  •   Verdade: A Mercedes já vinha mostrando interesse em Verstappen desde 2014

 

Toto Wolff não esconde sua admiração por Max. O chefe de equipe da Mercedes revelou em entrevistas que em 2014, quando Verstappen ainda estava na Fórmula 3, que o time alemão havia tentado contratá-lo para o futuro. No entanto, a Red Bull planejava inseri-lo na Fórmula 1 mais cedo do que o proposto pela Mercedes. Max e seu pai Jos se interessaram mais pela oferta da Red Bull e o jovem estreou pela Toro Rosso em 2015.

Praticamente nenhum piloto na história da Fórmula 1 correu em apenas uma equipe durante toda a carreira (exceto em casos em que o piloto morreu ou foi demitido no ano de estreia). A ideia de Verstappen futuramente deixar a Red Bull para correr pela Mercedes não parece absurda. Mas a análise dessa possibilidade depende da desmistificação de mais uma inverdade que os haters de Verstappen adoram proferir.

 

  •   Mito: Se sair da Red Bull, Verstappen não tem para onde ir

 

Foram muitas as vezes que Toto Wolff chamou Jos Verstappen para conversar. E é lógico que o chefe de equipe da Mercedes não marcaria encontros com o pai de Max para falar sobre o capítulo da novela ou sobre o último jogo de futebol, ainda mais se tratando da pessoa que já teve interesse em contratar o jovem quando ele ainda não estava na Fórmula 1.

Os atuais pilotos da Mercedes são o campeão Lewis Hamilton e o finlandês Valtteri Bottas. Este último apresenta uma peculiaridade: todos os contratos assinados até então tiveram validade de apenas um ano. Se a Mercedes rejeitasse Verstappen da maneira como os haters afirmam, por que ela não contrata Bottas para correr no mínimo uns três anos? A resposta é simples: a equipe alemã sabe que o finlandês não tem condições de enfrentar Hamilton como Rosberg o fez, então usa o piloto como um tampão enquanto Max continua na Red Bull. Alguns questionam se Hamilton permitiria o ingresso do jovem na Mercedes, mas o fato é que o inglês não tem poder decisivo no time. Se tivesse, Rosberg teria sido demitido em 2015.

Outra opção de Max, embora esta seja mais improvável, é a Ferrari. A escuderia italiana atualmente conta com Sebastian Vettel e Charles Leclerc, dois pilotos com os quais Verstappen não se dá bem. O holandês já afirmou que não se importaria em correr ao lado de Leclerc, mas o monegasco não esconde que não gostaria de ser companheiro de equipe dele. Já Vettel é um notório rival de Max, com quem já teve vários conflitos. Esses são os motivos pelos quais é menos provável que Verstappen vá para a Ferrari, apesar da equipe ter demonstrado interesse por ele em 2017.

 

  •   Verdade: A falta de títulos de Verstappen na Fórmula 1 é culpa de sua equipe

 

Os pilotos não são responsáveis pelo desempenho de seus carros. Isso é tarefa do departamento de engenharia, e consequentemente, dos engenheiros. Culpar Verstappen pelas falhas no motor, na parte elétrica ou nos freios é burrice. Apenas em casos de acidentes é que se pode atribuir culpa ao piloto, e mesmo assim os acidentes são analisados para saber se houve falha dele ou não.

Max começou 2017 como um dos favoritos ao título. O campeonato foi perdido por culpa dos abandonos, causados ou por falhas no carro ou por colisões causadas por outros pilotos. Em 2018 e 2019, foram várias as oportunidades de vitórias perdidas porque o rendimento do carro não possibilitava ultrapassar adversários das equipes de ponta. Será que um piloto que aos 19 anos havia quebrado seis recordes e que consegue correr tão bem na chuva (como no Brasil em 2016, na China em 2017 e na Alemanha em 2019), realmente não consegue ser campeão por “falta de talento”? Ou será que o carro da “competente” Red Bull só é capaz de lhe garantir no máximo três vitórias por ano?

 

5- Conclusão

 

Max Verstappen é um dos maiores talentos da Fórmula 1. Suas habilidades foram comprovadas em várias corridas, basta procurar os vídeos. Porém, sua equipe, a Red Bull Racing, ainda não foi capaz de lhe proporcionar um carro competitivo que corresponda à sua determinação. Quem não se lembra do Grande Prêmio do México de 2017, em que a equipe pedia para ele desacelerar para não sobrecarregar o carro?

Verstappen tem muitas chances de ser um campeão tão bem-sucedido quanto Lewis Hamilton. Ele já tem uma das chaves para ter sucesso na Fórmula 1: o talento. Só falta a outra: o carro. Mas, se continuar dando chances a uma equipe que até agora só protelou seu sonho, essa conquista corre o risco de ser adiada até um ponto em que ele se encontraria em situação semelhante à de Ricciardo: já com certa idade e sem esperanças de título.

 

 

 O que você prefere? Vencer onze vezes com a Mercedes ou três vezes com a Red Bull?

 

Fontes:

 

 

Fotos

Obs.: Nenhuma das fotos inseridas neste artigo pertence a mim. Este site possui fins informativos, não comerciais. Abaixo estão indicados os links de onde tirei as fotos. Todos os direitos reservados.

The Max Verstappen Case: A Big Driver For a Little Team

Max Verstappen is one of the stars of Formula 1 today. Holder of six official records (among them the “youngest Grand Prix winner”), highlighted in exciting races and with several podiums and victories in a few years of experience, the Dutch driver surprised fans by announcing on January 7th, 2020 that he had renewed his contract with Red Bull Racing until 2023. While some praise the decision, others criticize the choice, wondering why Verstappen did not accept proposals from better teams. The analysis of this case you can check from now on.

 

1- Max’s career: a star appears

 

The eldest son of Dutch former Formula One driver Jos Verstappen and Belgian former kart driver Sophie Kumpen, Max Verstappen started his auto career at the age of 4, in regional kart competitions. At 17, after finishing the European Formula 3 2014 in third place, he was hired by Scuderia Toro Rosso to compete in Formula 1 the following year. In his debut at the Australian Grand Prix, he broke the record for “youngest driver to debut in a Formula One race”, which previously belonged to Jaime Alguersuari. In the next race in Malaysia, he broke the record for “youngest driver to score in Formula One”, which was previously owned by Daniil Kvyat. Verstappen ended his debut year by scoring 10 times, totaling 49 points in 19 races, in addition to being awarded by the FIA ​​as “Rookie of the Year” and “Personality of the Year” and his overtaking over Felipe Nasr in Belgium earned him the “Action of the Year” award.

All these achievements were essential for Red Bull to choose Verstappen in 2016 to replace Kvyat, whose results were below expectations. The Dutchman did not disappoint and achieved his first victory in the Spanish Grand Prix, breaking the records of “youngest leader, by at least one lap in Formula One”, “youngest driver to achieve a podium in Formula One” and “youngest Grand Prize winner ”, all of which previously belonged to Sebastian Vettel. In Belgium, he broke the record for “youngest driver to start from the front row”, which the following year was broken by Lance Stroll. In Brazil, he broke the record for “youngest driver to make the fastest lap in Formula One”, which previously belonged to Nico Rosberg. At the end of that year, with Rosberg’s retirement, Mercedes team principal Toto Wolff was looking for a replacement for the German. It was reported that he contacted Jos Verstappen several times to talk about Max, but the young man continued with Red Bull. Wolff hired his sponsor Valtteri Bottas, who was racing for Williams, to take the team’s second seat.

 

Max’s victory on 2016 Spanish Grand Prix.

 

If 2016 was a wonderful year, in which Verstappen was able to expose his skills, 2017 was disappointing. In 20 races, he had seven retirements, but none because of him. The first was in Bahrain, where a brake problem took him out of the race. The second was in Spain, where Bottas collided with Verstappen and Kimi Raikkonen, taking both of them out of the race. The third was in Canada, where an electrical failure shut down his car. The fourth occurred in Azerbaijan due to an oil problem. The fifth was caused by Kvyat, who collided with the Dutchman and Fernando Alonso in Austria. The sixth took place in Belgium, where his car shut down in the middle of the race. In the seventh and final retirement, Verstappen was crushed by Ferrari drivers, Vettel and Raikkonen, and then was thrown off the track by the Finn’s dangerous re-entry. Disappointed by the inconsistency of his car, in contrast to the good performance of the car of his teammate Daniel Ricciardo, Verstappen had moments of fury with his team. Aware of the situation, Toto Wolff and Maurizio Arrivabene, Ferrari’s team principal, contacted Jos to discuss the future of the young prodigy. It was clear that Red Bull had no competence to produce a winning car for its two drivers as well and Max was being sacrificed. Wolff was not satisfied with Bottas’ inability to compete on an equal footing with Lewis Hamilton (giving Ferrari a rebirth as a title contender) and Arrivabene was looking for someone to replace Raikkonen, who was close to leaving the team. However, Verstappen preferred to give the Austrian team a chance and signed a contract with an exit clause. Despite the difficulties, he managed two victories, one in Malaysia and one in Mexico.

 

 

2017 Singapore Grand Prix accident.

 

In 2018 the situation changed. Red Bull knew that Max gave up good proposals to continue with the Austrians, and disappointing him would mean his departure. The car showed more stability, but it was not yet powerful enough for Red Bull to establish itself as a threat to Mercedes’ hegemony, achieving only two victories, in Austria and Mexico. However, Ricciardo’s car had many flaws, compromising the Australian’s performance. The announcement that Red Bull would use Honda engines from the following year caused suspicion in Ricciardo, who signed with Renault for the 2019 season. Verstappen preferred not to use the exit clause and remained with the team, which promised hard work with Honda around the Dutchman.

The promise was fulfilled in a very warm way because even though Verstappen was promoted to the position of first driver, Mercedes did not feel the tip of Red Bull’s claws. To make matters worse, the hiring of Pierre Gasly became a failure, as the Frenchman was unable to face the Ferrari drivers, who were not in a good phase at the beginning of the year, and prevented Red Bull from winning the runners-up championship. With Verstappen carrying the team on his back, director Helmut Marko decided to replace Gasly with Alexander Albon, from Toro Rosso, something similar to what happened between Kvyat and Max in 2016. Despite three good victories in Germany, Austria and Brazil Verstappen faced a lack of power in races that could make up for the deficit caused by Gasly, as in Russia, where his car failed to reach Charles Leclerc’s. His contract was due to expire in 2020, but the Dutchman decided to renew it for 2023.

 

2- Red Bull: glorious in the past, decadent in the present

 

Red Bull Racing emerged as a Formula 1 team in 2004 after the eponymous company bought the Jaguar team, whose partner was three-time champion, Jackie Stewart. The peak of the team occurred between the years 2010 and 2013, in which Sebastian Vettel secured the fourth championship for the team, defeating McLaren of Lewis Hamilton and Ferrari of Fernando Alonso.

During this period, the category employed turbo in their cars and Red Bull was able to assemble a chassis that would respond to the engine’s work. Vettel dominated the seasons feeling little danger from his opponents. Hamilton was disappointed with McLaren and Ferrari felt the bitterness of not winning a drivers’ championship since 2007 and a constructors’ championship since 2008. In 2014, with the ban on the turbo, the scenario of Formula 1 changed considerably. Australian Mark Webber, until then Vettel’s companion, gave way to fellow countryman Daniel Ricciardo, while Austrian Christian Horner assumed the role of team leader. The four-time champion’s car went through a sequence of breaks that prevented his score. Despite his first career victory, Ricciardo did not achieve much and Red Bull saw Hamilton’s rise in Mercedes and the dominance of the German team that lasts until today.

For those who do not remember the sequence of technical failures in Vettel’s car, it is the impression that Ricciardo beat his teammate for having more talent. Critics of the German use the 2014 season to this day as a justification for saying that Vettel should retire and that his titles are more a product of the turbo engine than his talent. However, the failure in 2014 does mean Vettel’s downfall. Feeling betrayed and neglected by the team, he signed with Ferrari for 2015, with the Italian team committing to pay for his breach of contract with the Austrian team.

 

Daniel Ricciardo and Sebastian Vettel in Red Bull. The German’s exit was the beginning of the teams downfall.

 

With Vettel at Ferrari, Red Bull hired Daniil Kvyat to race alongside Ricciardo. However, neither brought back the glory of German times. Kvyat gained the reputation of being a “Sunday driver” and his accidents cost him the place on the main team and the confidence of the leaders. Ricciardo gave the impression of being a “bureaucrat driver”, as he did not usually fight for bigger positions. Max Verstappen was not just a substitute for Kvyat in the eyes of Red Bull, but an opportunity to return to the position of champion, since the Dutchman had all the virtues found in Vettel: determination, boldness, courage, persistence, among others.

However, it is only possible to win a championship if there is a balance between the talent of the driver and that of the engineering department. The athlete cannot be afraid of challenges, but must also be prudent to avoid accidents. The car needs to match the driver’s performance, so electrical failures in the engine, brakes, oil or elsewhere are unacceptable. What seems obvious to fans seems not to be for Red Bull. Max’s boldness is constant, as it is clear that he always tries to overcome his opponents, no matter the situation. He is a driver who is not satisfied with points or podiums, as he seeks victory. His car, however, is the weakest among the so-called “top teams”. The question that remains in the air is: “How in good conscience can anyone claim to be a fan of Max Verstappen and forgive Red Bull for the crashes in 2017 and for giving him an average of just two wins a year?”.

 

3- Loyalty vs. Achievements

 

Max Verstappen’s first contract renewal with Red Bull in 2017 had already been a big surprise. In that year, some press outlets began to question the Dutchman’s talent, ignoring the real responsible for the retirements. This happened because the memory of an incompetent sports journalist is the same as the memory of a voter: short. Unlike Sebastian Vettel, who realized the team’s difficulties and moved to Ferrari, Verstappen was giving the team one more chance that provided an artificial atmosphere of distrust around a driver who doesn’t need to prove anything else.

Max never detailed the reasons why he chose to stay with the Austrian team, just saying that he trusted what the team planned for him. The contract offered was very interesting: the Dutchman would stay with Red Bull until 2020, but an exit clause gave him the freedom to choose another team if his expectations were not met. In other words, Red Bull was aware that Verstappen had refused great chances on other teams and would be willing to bear the consequences of the Dutchman’s choice.

 

Red Bull’s car instability costed victories and points to Verstappen. Anyway he refuses to leave the team.

 

Therefore, in 2018, it was believed that Red Bull would work hard to produce a car that matched Max’s talent so that he had a chance to compete for the title with Lewis Hamilton and Sebastian Vettel. Although his results were satisfactory, Verstappen was a little far from expected to become a champion: he had only two victories (Austria and Mexico) and nine more podiums. Hamilton had 11 wins and Vettel won five times that year. At the end of 2018, Verstappen varied the answers he gave to the press about expectations for 2019: sometimes said they were ready to fight for the championship, sometimes said they had no chance. Only one thing was irreducible: he would not leave Red Bull.

In 2019, the season was a little better, but also far from the first place: Max had three wins and six more podiums. Jos Verstappen even threatened to ask his son to leave Red Bull if the team was unable to compete for a title. With the end of the contract approaching, Formula One fans were curious to know what the fate of the young prodigy would be. As Verstappen did not indicate that he was willing to leave the team, Toto Wolff renewed with Valtteri Bottas. It was then, that on January 7, 2020, Verstappen gave Lewis Hamilton a great 35-year gift: he renewed with Red Bull until 2023. From what has been observed since 2017, Max’s loyalty binds him to his current team, but that alone does not guarantee achievements, as he lacks a competitive car (which he sometimes admits that Red Bull does not know how to do).

 

4- Myths and Truths

 

  •   Myth: Daniel Ricciardo left Red Bull in 2019 because the team was prioritizing Verstappen

 

This absurd theory created by Verstappen haters has been contradicted several times by Ricciardo himself, but now and then someone appears to say this on the internet. The fact is that the Australian driver left Red Bull in 2019 because he was unhappy, but it was not because of his teammate.

In 2017, Max started the year ahead of his teammate, reaching third place in the championship in the second race of the season, at the Chinese Grand Prix. However, the series of retirements that started at the Bahrain Grand Prix allowed Ricciardo to surpass him in the scoring. This does not mean, however, that the Australian had an easy year: despite his victory in Azerbaijan and eight more podiums, Daniel accumulated six retirements, the worst being in Mexico, where he had achieved pole position. The following year, he won twice (in China and Monaco), but had eight dropouts. Those who accuse Red Bull of providing Ricciardo with a worse car in 2018 to benefit Verstappen, should at the very least be consistent and admit that it seemed that in 2017 the team had done the opposite: damaged the Verstappen car so that Ricciardo overcame him in the championship.

 

Verstappen and Ricciardo keep their friendship after the Australian’s exit.

 

Still, in 2018, Red Bull executives announced that starting in 2019, the team would switch from Renault to Honda engines. The news surprised fans, as the Japanese supplier was at war with McLaren when it used its engines at the time of Fernando Alonso. The Spanish driver had several dropouts due to engine failures. Ricciardo said he did not want to have the same fate as Alonso, and aware that neither Mercedes nor Ferrari were interested in hiring him, the Australian traded Red Bull’s uncertainty for Renault’s likely stability. Unfortunately, the French team performed poorly in 2020, but it was not possible to guess that this would happen.

Ricciardo and Verstappen have already said that they miss each other and have been seen in moments of relaxation several times. That is, if Max were the reason Daniel left Red Bull, they would not have this healthy relationship after his departure for Renault.

 

  •    Truth: Mercedes had been showing interest in Verstappen since 2014

 

Toto Wolff does not hide his admiration for Max. The Mercedes team chief revealed in interviews that in 2014, when Verstappen was still in Formula Three, that the German team had tried to sign him for the future. However, Red Bull planned to put him in Formula 1 earlier than proposed by Mercedes. Max and his father Jos were more interested in the Red Bull offer and the young man debuted for Toro Rosso in 2015.

Virtually no driver in Formula One history has raced in just one team during his entire career (except in cases where the driver died or was fired in his debut year). The idea of ​​Verstappen leaving Red Bull to race for Mercedes in the future does not seem absurd. But the analysis of this possibility depends on demystifying yet another untruth that Verstappen haters love to utter.

 

  •   Myth: If he leaves Red Bull, Verstappen has nowhere to go

 

Toto Wolff called Jos Verstappen to talk many times. And, logically, the Mercedes team leader would not set up meetings with Max’s father to talk about a chapter of a soap opera or about the last football match, especially when it comes to the person who was already interested in hiring the young man when he was still was not in Formula One.

The current Mercedes drivers are champion Lewis Hamilton and Finn Valtteri Bottas. The latter has a peculiarity: all contracts signed so far have been valid for only one year. If Mercedes rejected Verstappen the way the haters claim, why doesn’t it hire Bottas to run for at least three years? The answer is simple: the German team knows that the Finn is not in a position to face Hamilton like Rosberg did, so he uses the driver as a buffer while Max remains at Red Bull. Some question whether Hamilton would allow the youngster to join Mercedes, but the fact is that the Englishman has no decisive power in the team. If he had, Rosberg would have been fired in 2015.

Another option for Max, although this is more unlikely, is Ferrari. The Italian team currently has Sebastian Vettel and Charles Leclerc, two drivers Verstappen does not get along with. The Dutchman has already stated that he would not mind running alongside Leclerc, but the Monegasque does not hide that he would not like to be his teammate. Vettel is a notorious rival to Max, with whom he has had several conflicts. Those are the reasons why Verstappen is less likely to go to Ferrari, despite the team showing interest in him in 2017.

 

  •    Truth: Verstappen’s lack of titles in Formula One is his team’s fault

 

Drivers are not responsible for the performance of their cars. This is the task of the engineering department, and consequently, of the engineers. Blaming Verstappen for engine, electrical or brake failures is stupid. Only in cases of accidents can the pilot be blamed, and even then accidents are analyzed to find out if he failed or not.

Max started 2017 as one of the title favorites. The championship was lost due to the abandonments, caused either by car failures or collisions caused by other drivers. In 2018 and 2019, there were several opportunities for lost victories because the performance of the car did not make it possible to overcome opponents of the top teams. Could it be that a driver who, at 19 years old, had broken six records and can run so well in the rain (as in Brazil in 2016, China in 2017 and Germany in 2019), really does not manage to be champion for “lack of talent”? Or is the car of the “competent” Red Bull only capable of guaranteeing a maximum of three victories per year?

 

5- Conclusion

 

Max Verstappen is one of the greatest talents in Formula One. His skills have been proven in several races, just look for the videos. However, his team, Red Bull Racing, has not yet been able to provide him with a competitive car that matches his determination. Who doesn’t remember the 2017 Mexican Grand Prix, in which the team asked him to slow down so as not to overload the car?

Verstappen has a good chance of being as successful a champion as Lewis Hamilton. He already has one of the keys to success in Formula One: talent. Only the other is missing: the car. But if he continues to give chances to a team that until now has only delayed his dream, this achievement risks being postponed to a point where he would find himself in a situation similar to that of Ricciardo: already at a certain age and without hopes of a title.

 

 

 What do you prefer? Winning eleven times with Mercedes or three times with Red Bull?

 

6- Sources

 

 

Photos

Note: None of the photos used in this article belongs to me. This site has informative intentions, not commercial. The links where I took the photos are indicated below. All copyrights reserved.

Análise da Temporada de Fórmula 1 de 2019

Olá, meus queridos leitores. Depois de muito tempo, nos encontramos de volta. Hoje relembraremos como foi o desempenho dos pilotos esse ano na Fórmula 1. Para melhor compreensão, eles serão agrupados de acordo com suas respectivas equipes. Sem mais enrolação, vamos à análise:

 

  • Lewis Hamilton

 

 

Hamilton consagrou-se hexacampeão em 2019. Somando 413 pontos (cinco a mais que no ano passado), o inglês manteve uma constância de bons resultados, chegando ao pódio em 17 de 21 corridas e vencendo 11 vezes. No entanto, nem tudo no ano foi perfeito para Hamilton. Suas piores atuações foram na Alemanha, onde escorregou, bateu no muro, cortou caminho para o pit stop e foi penalizado com cinco segundos, e no Brasil, onde bateu em Alexander Albon e foi penalizado com a perda do terceiro lugar (embora tenha subido ao pódio para a celebração, pois os comissários demoraram a analisar o caso).

Essas duas exceções são surpreendentes para Hamilton, que sempre foi lembrado como um piloto prudente, que evita acidentes sempre que possível e, devido a isso, consegue manter uma sequência de bons resultados. No começo do ano, parecia que seu companheiro Valtteri Bottas traria uma ameaça. Porém, Bottas não é Nico Rosberg e não pôde aproveitar todo o potencial do carro da Mercedes para competir pelo título com Hamilton.

Hamilton também, infelizmente, foi alvo de um dos piores casos de racismo na história da Fórmula 1. No Grande Prêmio da Itália, após os comissários decidirem não penalizar Charles Leclerc, da Ferrari, por tê-lo espremido contra o muro (apenas o advertiram com uma bandeira branca e preta), os torcedores da tifosi vaiaram o inglês, segundo colocado na corrida, e imitaram macacos para ele. Hamilton respondeu com elegância, afirmando que os ferraristas não devem manchar seu conhecido entusiasmo com atitudes tão antiéticas. Hamilton foi a terceira vítima de decisões controvérsias dessa corrida, pois além dele, Lance Stroll (da Racing Point), indígena, e Alexander Albon (da Red Bull), asiático, também foram vítimas de decisões injustas que beneficiaram pilotos brancos.

Se por um lado a carreira atlética do inglês vai bem, fora das pistas ele se meteu em polêmicas. Vegano convicto, Hamilton aposta em sua popularidade para fazer ativismo pela causa vegana e realizar um trabalho de conscientização. No entanto, às vezes a emoção supera a razão e isso atrapalha as ações. Hamilton se posicionou sobre os incêndios na Amazônia postando uma foto antiga (cujo autor até já faleceu) e divulgou uma fake news há muito tempo desmentida por especialistas: de que a Amazônia é o “pulmão do mundo”, que produz 20% do oxigênio consumido pelos seres vivos (a verdade é que o oxigênio que respiramos provém dos oceanos; a Amazônia produz apenas 2% do oxigênio atmosférico e, como comunidade clímax, ela produz o oxigênio que ela mesma consome). Ou seja, antes de criar uma animosidade com populações de outros países divulgando informações falsas, Hamilton deveria pesquisar mais sobre o assunto que pretende discutir antes de falar como o especialista que ele não é. Caso contrário, sua popularidade apenas vai prejudicá-lo, pois ficaria mais conhecido como mentiroso do que como um ativista bem-intencionado. Toto Wolff já havia dado esse conselho a ele.

Portanto, a Lewis Hamilton damos os parabéns pelo título merecido e desejamos a ele muito sucesso em sua carreira e projetos. Mas, sempre pensando antes de agir.

 

  • Valtteri Bottas

 

 

Valtteri Bottas foi o vice-campeão de 2019, com 326 pontos (79 a mais que no ano passado). O finlandês teve uma temporada constante, com 15 pódios (entre eles quatro vitórias) em 21 corridas. Igual ao companheiro Lewis Hamilton, suas piores corridas foram na Alemanha e no Brasil. Na primeira, Bottas bateu no muro enquanto perseguia Lance Stroll, da Racing Point, na busca por um pódio. Na segunda, seu motor pifou.

Como a primeira corrida do ano foi vencida por Bottas, muitos achavam que ele seria o principal concorrente de Hamilton ao título de 2019. No entanto, embora o carro da Mercedes lhe rendesse bons resultados, Bottas não é o tipo de piloto que gosta de se arriscar por posições mais altas. Sua melhor corrida foi no Japão, onde passou Sebastian Vettel, da Ferrari, como um ninja, logo após a largada, e conseguiu uma ótima vitória. Porém, sua corrida em Mônaco escancarou o duplo-padrão que os comissários da FIA têm ao julgar os incidentes de prova. Bottas e Max Verstappen, da Red Bull, se enfrentaram nos boxes e o holandês perdeu o pódio ao ser punido com cinco segundos (o que promoveu Vettel ao segundo lugar e Bottas ao terceiro). No entanto, quando Charles Leclerc, da Ferrari, enfrentou Romain Grosjean, da Haas, nos boxes da Alemanha, os comissários simplesmente aplicaram uma multa à Cinderela.

Bottas pareceu mais confiante esse ano do que em 2018. De acordo com o que foi divulgado por Mariana Becker, repórter da Rede Globo, aparentemente esta confiança é resultado de um tratamento psicológico que o finlandês teria feito durante as férias. Também na vida pessoal de Bottas, ocorreu o divórcio de sua esposa Emilia Pikkarainen.

Desejamos boa sorte a Valtteri Bottas para o ano que vem e parabenizamos seu vice-campeonato. Esperamos que ele continue enfrentando suas dificuldades e consiga mais arrojo para ultrapassar seus adversários.

 

  • Max Verstappen

 

 

Max Verstappen foi o terceiro colocado no campeonato, com 278 pontos (29 a mais que no ano passado). Em 21 corridas, ele conseguiu nove pódios e três vitórias (Áustria, Alemanha e Brasil). Sua temporada foi mais constante que a de 2018, e Verstappen praticamente carregou sua equipe, a Red Bull, nas costas, pois seu primeiro companheiro do ano, Pierre Gasly, não era capaz de lutar por pódios e seu segundo companheiro, Alexander Albon, teve pouco tempo para conseguir os pontos necessários para a equipe subir no ranking. Consequentemente, mesmo com os problemas internos da Ferrari que prejudicavam a escuderia italiana, a Red Bull ficou atrás desta no campeonato de construtoras, em terceiro lugar.

Verstappen é o piloto que traz emoção às corridas, pois ele não tem medo de desafios e de se arriscar por posições melhores. Sua conduta não mudou muito em relação ao ano passado, porém teve menos acidentes: os únicos do ano foram com Kimi Raikkonen, da Alpha Romeo, na Bélgica, e com Charles Leclerc, da Ferrari, no Japão (este último incidente por culpa do piloto monegasco). Verstappen, no entanto, fica em desvantagem pela falta de competitividade do carro da Red Bull. Parece que os engenheiros da equipe austríaca são incapazes de produzir algo à altura do talento do jovem holandês. Consequentemente, Max perde oportunidades preciosas de vitória. Lembrando também que o motor Honda algumas vezes o deixou na mão durante as largadas, como na Áustria e na Alemanha, mas a vontade de Verstappen de vencer possibilitou que ele superasse esses contratempos e garantisse belas vitórias.

Muito se falou sobre a rivalidade travada entre Verstappen e Leclerc, principalmente depois do Grande Prêmio da Áustria, vencido por Max após uma bela ultrapassagem sobre o pole position Charles nas últimas voltas. Leclerc até hoje não superou esse trauma e, inclusive, até se recusou a cumprimentar o vencedor na sala dos pilotos (conduta mais mimada e antiesportiva possível). Entre estes dois jovens talentos, é nítido que embora Leclerc tenha um carro melhor, Verstappen tem mais experiência, mais coragem para enfrentar os adversários e mais destreza na direção. Caso o holandês fosse para uma equipe melhor (especula-se que Toto Wolff mais uma vez esteja tentando trazê-lo para a Mercedes), a disputa seria mais interessante.

Ano que vem termina o contrato de Max Verstappen com a Red Bull. Não sabemos se ele ficará nessa equipe, que não está à sua altura, ou se ele irá para a Mercedes. Mas desejamos a ele boa sorte e sabedoria em suas escolhas.

 

  • Alexander Albon

 

 

O estreante Alexander Albon começou o ano na Toro Rosso. Porém, a incompetência de Pierre Gasly fez com que Helmut Marko o trouxesse para a Red Bull, substituindo o francês. Albon marcou 92 pontos e quase conseguiu seu primeiro pódio, no Grande Prêmio do Brasil, mas foi acertado por Lewis Hamilton, da Mercedes, durante a corrida. Terminou o campeonato em oitavo lugar.

Até a sua promoção à Red Bull, Albon havia pontuado em cinco de 12 corridas com a Toro Rosso. Até a corrida na Alemanha, onde seu então companheiro Daniil Kvyat conseguiu um pódio, a disputa entre os dois pilotos estava equilibrada. Em sua primeira corrida com a nova equipe, na Bélgica, teve uma atuação digna de elogios, conquistando um quinto lugar. Outra atuação excelente foi na Rússia, onde largou dos boxes e conseguiu chegar em quinto. É nítido que Albon tem mais coragem e destreza que Gasly e, embora ainda não esteja ao nível de Verstappen, ele é o companheiro de equipe que a Red Bull esperava para o holandês desde a saída de Daniel Ricciardo para a Renault. Esperava-se que Gasly cumpriria o papel, mas este se revelou uma das maiores decepções do ano.

Além do acidente com Hamilton, outro acontecimento foi negativo para Albon. O tailandês foi jogado para fora da pista por Carlos Sainz Jr., piloto espanhol da McLaren, no Grande Prêmio da Itália. Porém, os comissários decidiram punir Albon, mesmo este sendo a vítima. Esta decisão, a segunda entre três controvérsias desta corrida, gerou suspeita de racismo, pois Albon (asiático) e mais dois pilotos de cor, Lance Stroll (da Racing Point, indígena) e Lewis Hamilton (negro), foram prejudicados injustamente por ações que beneficiaram pilotos brancos.

Alexander Albon é, sem dúvida alguma, a maior revelação da Fórmula 1 de 2019. Não é à toa que foi escolhido pela FIA como o Estreante do Ano (ainda que os “fãs” tivessem optado por Lando Norris, da McLaren, cujos resultados medíocres nem se aproximam dos de Albon). Desejamos ao tailandês boa sorte para o ano que vem e que ele continue fazendo excelentes corridas.

 

  • Sebastian Vettel

 

 

Sebastian Vettel terminou o campeonato no quinto lugar, com 240 pontos (80 pontos a menos que no ano passado). Este não foi um ano auspicioso para o alemão, que assistiu a Mercedes aumentando sua vantagem, a Red Bull tornando-se uma forte concorrente com Max Verstappen, e a briga interna na Ferrari entre as políticas tradicionais da escuderia e o novo companheiro de Vettel, Charles Leclerc.

Como explicado anteriormente no The Racing Track, a Ferrari mantém uma política interna de “campeão e escudeiro” que protege o primeiro piloto e obriga o segundo a servir como ajudante para garantir pontuações valiosas para a equipe. Foi assim com Michael Schumacher (“campeão”) e Rubens Barrichello (“escudeiro”), entre Fernando Alonso (“campeão”) e Felipe Massa (“escudeiro”) e entre Vettel (“campeão”) e Kimi Raikkonen (“escudeiro”). No entanto, Leclerc não aceitava essa política, pois mesmo sendo obrigado a ceder suas posições para Vettel na Austrália e na China, o monegasco conseguia mais pole positions e se julgava no direito de ser tratado como o “campeão” da equipe. Mas seus protestos não foram atendidos pela Ferrari, que continuou protegendo Vettel. A indignação do monegasco gerou atrito entre ele e o alemão, resultando algumas vezes em acidentes, como o duplo-abandono ferrarista no Brasil.

Vettel também não perdeu seu estilo arrojado e sua sede por superações. Porém, por ser o tipo de piloto que mais age do que pensa, acabou por causar acidentes que prejudicaram não só ele mesmo como sua equipe. Um grande exemplo é o Grande Prêmio da Grã-Bretanha, quando Vettel, indignado por ter sido ultrapassado por Verstappen, acelerou e bateu na traseira do holandês, tirando ambos da pista temporariamente. Verstappen voltou para a pista e cruzou a linha de chegada em quinto lugar, mas Vettel, além de ser punido com 10 segundos, voltou em último, chegando inclusive atrás das Williams. Outro exemplo foi a batida em Lance Stroll, da Racing Point, na Itália após o alemão ter rodado e saído da pista. Mesmo sendo Stroll a vítima e Vettel admitindo o erro (inclusive pedindo perdão pessoalmente a Stroll), os torcedores italianos lançaram insultos racistas ao canadense por suas origens indígenas e esta corrida também foi marcada por uma das arbitragens mais controversas da história da Fórmula 1, com pilotos de cor recebendo punições indevidas e pilotos brancos sendo beneficiados.

Em 21 corridas, Vettel teve nove pódios e apenas uma vitória, em Singapura. O resultado desta corrida também não foi bem aceito por Leclerc, que acusou a Ferrari de demorar em seu pit stop para beneficiar Vettel. A equipe assumiu depois que realmente visou ajudar o alemão para garantir que ele tivesse ânimo para continuar a temporada. Mas não se pode tirar o mérito de Vettel. Ele não é um tetracampeão à toa. Só está passando por uma fase ruim como acontece com qualquer atleta. E, se até ano passado ele era um forte candidato ao título, não se pode afirmar que ele não tem mais condições de continuar na disputa.

Desejamos a Sebastian Vettel um 2020 com muita sorte e prudência. Ele é um dos pilotos que deixa a Fórmula 1 atual mais interessante.

 

  • Charles Leclerc

 

 

Charles Leclerc terminou 2019 no quarto lugar no campeonato, com 264 pontos (225 pontos a mais que no ano passado). A “Cinderela da Fórmula 1”, como foi apelidado, conseguiu sete poles positions, mais do que qualquer outro piloto do grid. Em 21 corridas, Leclerc teve 10 pódios e duas vitórias (Bélgica e Itália). Mas nem tudo foram flores para ele, pois o monegasco também foi o protagonista de uma das maiores polêmicas do ano na Fórmula 1.

Embora a mídia especulasse que Leclerc seria a próxima aposta da Ferrari para conquistar títulos, era claro que o jovem havia sido contratado como “escudeiro”, “posto” já ocupado por Rubens Barrichello (“escudeiro” de Michael Schumacher), Felipe Massa (“escudeiro” de Fernando Alonso) e Kimi Raikkonen (“escudeiro” de Sebastian Vettel). O motivo? Era óbvio. Por que uma equipe de ponta tão tradicional como a Ferrari iria destronar Vettel (que foi uma ameaça a Lewis Hamilton por dois anos) para dar lugar a um jovem menino cuja única experiência havia sido um ano na Sauber e cujos resultados haviam sido piores que os anos de estreia de pilotos da mesma faixa etária, como Max Verstappen e Lance Stroll? Apenas os cegos pelo fanatismo acreditaram que a escuderia de Maranello faria uma exceção especialmente para Leclerc.

“Cinderela”, porém, não reagiu bem às ordens da “madrasta”, que havia obrigado o piloto a ficar atrás de Vettel na Austrália e na China. Como Leclerc havia feito mais poles positions, e seria burrice mandá-lo parar para esperar Vettel (o que permitiria que outros pilotos o ultrapassassem), o monegasco quis desafiar a política interna tradicional da Ferrari e algumas vezes enfrentou o alemão. Este confronto gerou problemas para a equipe, como no duplo-abandono no Brasil.

Leclerc também provou não lidar bem com situações adversas, como na Áustria, onde perdeu a vitória para Max Verstappen, da Red Bull, nas últimas voltas, e se recusou a cumprimentar o holandês na sala de espera. Apenas o fez pelo Twitter, e muito provavelmente a mensagem foi escrita pela assessora de imprensa. Outro exemplo da atitude mimada de Leclerc foi em Singapura, onde ele acusou a própria equipe de sabotar seu pit stop para entregar a vitória a Vettel, gerando um clima de desconforto na Ferrari. No Japão, após bater em Verstappen, ele ficou com uma peça presa em sua asa dianteira e se recusou a ir para o box retirá-la, colocando em risco a segurança de Lewis Hamilton, da Mercedes, que vinha logo atrás. A peça chegou inclusive a desprender-se do carro e acertar o halo de Hamilton. Na Alemanha, enfrentou Romain Grosjean nos boxes e levou apenas uma multa. Na Itália, espremeu Hamilton contra o muro e levou apenas uma advertência (em uma das arbitragens mais controversas da Fórmula 1). Em Abu Dhabi, seu carro tinha irregularidades no combustível, mas também só recebeu uma multa. Ao que parece, os comissários têm medo de punir a “Cinderela”. Com isso, ele se tornou o segundo piloto mais mimado do grid, atrás de Lando Norris, da McLaren.

Leclerc foi obrigado a lidar com outra perda importante no ano: a de seu amigo Antoine Hubert, que faleceu em um acidente na Fórmula 2, um dia antes do Grande Prêmio da Bélgica, vencido pelo monegasco. Ele passou o resto do ano pilotando com uma mensagem de “descanse em paz” no volante.

Desejamos a Charles Leclerc um 2020 cheio de sabedoria e prudência, além de boa sorte. Ele tem muito talento, só precisa aproveitá-lo mais.

 

  • Sergio Pérez

 

 

Sergio Pérez terminou 2019 no décimo lugar do campeonato, com 52 pontos (10 a menos que no ano passado). Infelizmente, não obteve pódios esse ano, mas lutou constantemente por melhores resultados, que garantiram uma boa posição para a Racing Point no ranking de construtoras.

A temporada de 2019 pode ser resumida em um ano de transição para a Racing Point, pois foi o primeiro ano completo com os novos donos. Pérez conseguiu provar que não é o “monstro” que seu companheiro de 2018, Esteban Ocon, tentou fazer parecer (ver Entenda o Caso Esteban Ocon). Ocon o havia acusado de ser uma pessoa descontrolada, capaz de matar um adversário, mas em 2019, Pérez provou ser uma pessoa prudente e equilibrada, dando as boas-vindas ao novo companheiro, Lance Stroll, e a dupla teve uma temporada de bom relacionamento, tanto dentro quanto fora das pistas. O mexicano pontuou em 11 das 21 corridas do ano, oscilando entre o sexto e o décimo lugar. Seu feito mais marcante foi a ultrapassagem sobre Lando Norris, da McLaren, no Grande Prêmio de Abu Dhabi, levando o inglês às lágrimas e desbancando-o do décimo lugar do campeonato.

A Racing Point não foi capaz de fazer um carro competitivo o suficiente para enfrentar a Red Bull, como era o esperado pela equipe no começo do ano. Consequentemente, a escuderia britânica terminou o ano em sétimo lugar no ranking após o pódio de Pierre Gasly garantir o sexto lugar para a Toro Rosso. Muito do desempenho da Racing Point foi obtido graças a Pérez, devido a um péssimo trabalho do estrategista de seu companheiro e à dificuldade de Stroll de manter suas posições durante as corridas, embora o melhor resultado do canadense no ano (um quarto lugar na Alemanha) tenha sido melhor do que o melhor resultado do mexicano (sexto lugar no Azerbaijão e na Bélgica).

Na vida pessoal, Pérez foi agraciado com o nascimento de sua filha Carlota, sua segunda criança com Carola Martínez. Eles também são pais de Júnior, nascido em 2018.

Sérgio Pérez será uma importante peça para as futuras conquistas da Racing Point. Desejamos a ele boa sorte para o ano que vem.

 

  • Lance Stroll

 

 

Lance Stroll terminou 2019 em 15º lugar no campeonato, com 21 pontos (15 a mais que no ano passado). O canadense suspirou aliviado em uma equipe muito melhor que a Williams, cuja incompetência de seu setor de engenharia (comandado por Paddy Lowe) e de seus administradores (notadamente Claire Williams) prejudicaram sua temporada em 2018. Porém, 2019 provou de quem realmente era a culpa pelos maus resultados da Williams: Lowe e a herdeira de Frank Williams. Stroll começou o ano pontuando e totalizou seis chegadas à zona de pontuação. Mas talvez sua característica mais notável na temporada foram suas excelentes largadas que eram prejudicadas por performances preguiçosas no decorrer das provas.

É claro que Stroll, assim como a Racing Point, passava por um período de transição. O canadense estava em uma equipe com profissionais mais competentes e não havia um clima de tensão e animosidade como havia na Williams. Ele era visto como o salvador da escuderia, e não mais como o bode expiatório que Claire Williams e Paddy Lowe tentaram torná-lo para esconderem suas próprias falhas. A Racing Point, por outro lado, vivia seu primeiro ano completo sob nova gestão. Porém, Stroll desperdiçou muitas oportunidades de pontuação que poderiam ter rendido posições melhores à escuderia no campeonato de construtoras.

Stroll foi aclamado pela Fórmula 1 como o piloto que mais ganhou posições durante as largadas. Todavia, este feito não se traduziu em pontos, pois algumas voltas depois da largada (momento em que o canadense costumava a ganhar de seis a dez posições), o carro não mantinha o desempenho esperado e o piloto era facilmente ultrapassado por seus adversários. Isto, somado à falha de seu estrategista, que o chamava para as trocas de pneus mais tarde do que o devido, prejudicaram a performance do canadense. Foi o caso do Grande Prêmio da França, onde Stroll conquistava o sexto lugar, mas sua troca tardia de pneus o levou para o 13º lugar. Outro momento ruim foi o Grande Prêmio da Itália, onde ele garantia o sétimo lugar quando foi acertado por Sebastian Vettel, da Ferrari. Jogado para fora da pista, Stroll voltou em situação normal, mas Pierre Gasly, da Toro Rosso, em uma manobra para garantir uma punição ao piloto indígena e se beneficiar com isso, saiu temporariamente da pista para parecer que a culpa havia sido de Stroll. Vendo uma oportunidade de se vingar por terem sido obrigados a punir um piloto da Ferrari, os comissários puniram Stroll injustamente, marcando a primeira entre três decisões controversas da arbitragem que levaram à suspeita de racismo. Vettel chegou a se desculpar pessoalmente com Stroll, mas isso não impediu os torcedores fanáticos a atacarem o canadense por suas origens indígenas, provando que, infelizmente, a mentalidade colonialista e racista ainda está viva na Europa.

Mas nem tudo estava perdido para o jovem Stroll. Sua melhor corrida foi na Alemanha, onde chegou a liderar a volta por algum tempo e terminou em quarto lugar (o melhor resultado de sua equipe no ano). A Fórmula 1 também declarou que ele é o segundo adolescente mais bem-sucedido da história da categoria, somente atrás de Max Verstappen. Isso prova que, mesmo os racistas tentando emplacar Lando Norris e George Russell (pilotos brancos europeus com resultados inferiores) como melhores, o único indígena a pilotar na Fórmula 1 ainda mantém seu legado e seu lugar merecido na história (ver O Caso Lance Stroll: Um Indígena na Fórmula 1).

Desejamos a Lance Stroll um ano de 2020 com muita sorte e destreza. Esperamos que ele vença as dificuldades, supere seus limites e continue representando tão bem os indígenas na Fórmula 1.

 

  • Daniel Ricciardo

 

 

Daniel Ricciardo fez seu primeiro ano na Renault. Marcando 54 pontos (170 a menos que no ano passado), o australiano não teve o desempenho que esperava quando decidiu trocar a Red Bull pela escuderia francesa por não confiar no motor Honda. Terminou 2019 no nono lugar.

Ricciardo pontuou em oito de 21 corridas. Suas primeiras etapas resultaram em quebra. O motor Renault traiu sua confiança e o piloto ainda sofreu punições por irregularidades no carro que garantiam mais potência: como a largada do fim do grid em Singapura e a desclassificação no Japão. Com isso, a performance de Ricciardo foi altamente afetada e ele acabou comendo o pão que o diabo amassou.

O australiano pode ser considerado o piloto mais inteligente do grid, pois seus conhecimentos de engenharia estão acima dos de seus concorrentes. No entanto, a ineficiência da Renault desperdiçou o potencial que ele traria para a equipe. Ricciardo também é um dos nomes que mais luta por igualdade no tratamento entre as equipes e pilotos por parte da FIA e isso é uma qualidade muito nobre para o esporte.

Desejamos a Daniel Ricciardo um ano de sorte em 2020 e que ele consiga superar suas dificuldades. Talvez, como o próprio já esperava, não consiga lutar pelas melhores posições, mas que pelo menos ele possa manter uma constância de bons resultados.

 

  • Nico Hülkenberg

 

 

Nico Hülkenberg terminou 2019 no 14º lugar no campeonato, com 37 pontos (32 a menos que no ano passado). O alemão será substituído por Esteban Ocon na Renault em 2020, ficando sem vaga para o ano que vem.

A performance de Hülkenberg não foi das melhores. Pontuando em 10 de 21 corridas, tendo seu melhor resultado um quinto lugar no Grande Prêmio da Itália, sua falta de progresso se deve à ineficiência do motor Renault e à constante queda de desempenho que o piloto vem apresentando ao longo dos anos. O melhor momento de sua carreira foi sua pole position no Grande Prêmio do Brasil de 2010, corrida que ele não foi capaz nem de terminar no pódio. Mesmo assim, como todo mundo vira “lenda” ou quando morre ou quando se aposenta, de repente, os “fãs” de Hülkenberg saíram de sua hibernação de nove anos, e protestaram contra a volta de Ocon para a Fórmula 1, inclusive acusando o hispano-francês, baseado em fatos, de “piloto pagante” (ver mais sobre a polêmica em Entenda o Caso Esteban Ocon).

Desejamos a Nico Hülkenberg boa sorte em 2020 para onde quer que ele vá. Esperamos que seu substituto não traga mais problemas como os que ele trouxe em 2018.

 

  • Carlos Sainz Jr.

 

 

Carlos Sainz Jr. terminou 2019 no sexto lugar do campeonato, com 96 pontos (43 a mais que no ano passado). Sainz foi um dos três únicos pilotos fora de uma equipe de ponta a conseguir um pódio no ano (os outros foram Pierre Gasly e Daniil Kvyat, ambos da Toro Rosso), mas infelizmente não pôde comemorar devidamente porque os comissários demoraram para punir Lewis Hamilton, da Mercedes. Depois de herdar o terceiro lugar da corrida, ele recebeu uma homenagem de sua equipe, a McLaren, com direito a confetes, champanhe e Estrella Galicia (uma das patrocinadoras), mas sem público para assistir. Para piorar, durante a sessão de fotos, a equipe deixou seu companheiro Lando Norris tirar uma foto com a taça como se ele tivesse conquistado o título (parecia que ele tinha dito “Papai, quero a taça”, e o sr. Adam Norris havia pago para a equipe fingir que seu filho havia sido o conquistador do pódio).

Depois de um começo difícil, Sainz pontuou em 12 de 21 corridas, oscilando entre o quinto e o décimo lugar. Em algumas ocasiões, ele chegou a disputar posições com pilotos da Ferrari e da Red Bull logo após a largada, como no Grande Prêmio de Singapura, onde um choque com Alexander Albon, da Red Bull, o obrigou a parar mais cedo nos boxes.

Também com Albon, Sainz protagonizou um episódio lamentável de uma das corridas mais polêmicas da história da Fórmula 1: O Grande Prêmio da Itália de 2019. O espanhol jogou o tailandês para fora da pista e os comissários decidiram punir a vítima. O incidente entre Sainz e Albon foi o tira-teima para a acusação de racismo que pairou sobre a arbitragem da prova, pois além de Albon, que é asiático, outros dois pilotos de cor, Lance Stroll (da Racing Point), indígena, e Lewis Hamilton (da Mercedes), negro, foram prejudicados por decisões injustas que beneficiaram pilotos brancos.

Sainz foi o destaque da McLaren, vencendo seu companheiro de equipe por uma vantagem de 47 pontos. Mesmo assim, por uma questão de marketing, o espanhol não recebe o devido reconhecimento e as mídias digitais insistem em colocar Norris como melhor por ter largado à frente dele mais vezes do que o contrário. Tais marqueteiros e torcedores se esquecem que largada não quer dizer nada. O que conta não é o começo da corrida, e sim o final.

Desejamos a Carlos Sainz Jr. um ano de 2020 com mais sorte e mais conquistas. Seria muito prazeroso vê-lo mais vezes no pódio.

 

  • Lando Norris

 

 

Ah, Lando Norris… o piloto mais mimado e superestimado do grid. O estreante inglês pela McLaren terminou 2019 em 11º lugar com 49 pontos. Filho de um empresário multimilionário (Adam Norris, do setor de investimentos), Lando não obteve resultados impressionantes e, para contornar a fama de “piloto pagante” que começava a se desenvolver na mídia inglesa, apostou em uma vasta campanha de marketing para convencer os torcedores e a própria Fórmula 1 de que ele deveria ser lembrado como um “piloto engraçado” e não como o filho que sairia de um casamento entre Damian Wayne e Veruca Salt.

Norris pontuou em 11 de 21 corridas, oscilando entre o sexto e o oitavo lugar. Apesar de ter largado à frente de seu companheiro Carlos Sainz Jr. mais vezes do que o contrário, o inglês foi derrotado pelo espanhol por 47 pontos. Seu ano de estreia não foi tão marcante como os de Max Verstappen e de Lance Stroll, por exemplo.

Logo, se não podia se destacar pelo seu desempenho, Norris se destacou por sua conduta mimada. No Grande Prêmio da Espanha, jogou o carro em cima de Stroll, da Racing Point, e saiu xingando o canadense. O castigo veio a cavalo, quando seu carro pegou fogo no Grande Prêmio do Canadá. Na França, gritou com a equipe no rádio para que obrigassem Sainz a deixá-lo passar (requerimento que não foi atendido), e mesmo assim foi eleito “Piloto do Dia” por ter chegado em um miserável nono lugar. Em Abu Dhabi, após ser ultrapassado por Sergio Pérez, da Racing Point, esperneou e chorou no rádio, constrangendo a equipe. Ainda assim, os perfis oficiais da Fórmula 1 divulgavam cada peido que ele dava, tentando empurrá-lo goela abaixo dos torcedores mesmo ele não tendo carisma nenhum.

A campanha de marketing em torno de Norris contribuiu para o fortalecimento do racismo na Fórmula 1. É nítido que muitos torcedores e perfis midiáticos (sejam jornalísticos ou humorísticos) não se conformaram que a Fórmula 1 não é mais exclusividade de pilotos brancos europeus e não aceitaram a presença de um indígena na categoria. A solução encontrada foi uma guerra midiática, tentando emplacar a narrativa de que Stroll não merecia seu lugar na Fórmula 1 por ser bilionário (como se os pilotos brancos não tivessem patrocínio bilionário por trás de suas carreiras). Mesmo Stroll tendo conseguido em seu ano de estreia um pódio, uma largada da primeira fila e três recordes, tudo em um carro nada competitivo, e tendo seu melhor resultado em 2019 um quarto lugar na Alemanha, enquanto que um sexto lugar no Bahrein e na Áustria foram o melhor que conseguiu Norris, que até agora não possui pódios, largadas da primeira fila ou recordes, os racistas se negam a chamar o inglês de “piloto pagante” e continuam a desmerecer o canadense. Mas, fatos não ligam para sentimentos. Os fanáticos podem tentar omitir a fortuna de Norris (pois para um racista, um branco rico não é tão surpreendente quanto um indígena rico) e tentar convencer os mal informados de que ele é melhor que Stroll, mas os fatos provam que na verdade é Norris o verdadeiro piloto pagante da Fórmula 1, e Stroll continua sendo o segundo adolescente mais bem-sucedido da Fórmula 1 (para ver uma análise mais completa, veja a reportagem O Caso Lance Stroll: Um Indígena na Fórmula 1).

A verdade é que o apelido de “meme lord” ou “lorde dos memes” dado a Norris nada mais é do que uma tentativa de esconder o desempenho medíocre do piloto e de convencer a todos de que os brancos devem ser tratados como superiores aos indígenas, não importa o quão bem-sucedidos os indígenas sejam. Devido a seu comportamento reprovável, o apelido mais apropriado para Lando Norris é “Veruca Salt”, a menina mimada de “A Fantástica Fábrica de Chocolate”.

Desejamos a Lando Norris boa sorte para o ano que vem e mais maturidade, com menos postagens fúteis no Instagram e mais resultados na pista. Esperamos que a mídia pare de bajulá-lo e trate-o com o mesmo padrão que trataria qualquer outro piloto.

 

  • Daniil Kvyat

 

 

Daniil Kvyat terminou o ano no 13º lugar, com 37 pontos. Foi o ano de retorno do russo à Fórmula 1 após um ano como terceiro piloto da Ferrari. Pontuou em 10 de 21 corridas e conquistou um pódio com o terceiro lugar na Alemanha, sendo um dos únicos três pilotos de fora das equipes de ponta a conseguir o feito (os outros foram seu companheiro Pierre Gasly e Carlos Sainz Jr., da McLaren).

Kvyat foi companheiro de Alexander Albon na primeira metade do ano, mantendo um equilíbrio de forças com relação ao tailandês. Esse equilíbrio se manteve com Gasly como novo companheiro. O lado “barbeiro” de Kvyat se manteve, com alguns acidentes como o do Grande Prêmio de Singapura, que tirou Kimi Raikkonen, da Alpha Romeo, da prova.

Na vida pessoal, Kvyat teve sua primeira filha, Penélope, do relacionamento com Kelly Piquet, filha do tricampeão Nelson Piquet. Seu pódio na Alemanha foi dedicado a ela.

Desejamos a Daniil Kvyat boa sorte para 2020. Esperamos que o próximo ano traga melhores resultados e menos acidentes.

 

  • Pierre Gasly

 

 

Pierre Gasly, a maior decepção do ano, terminou 2019 em sétimo lugar, com 95 pontos (66 a mais que no ano passado). Contratado pela Red Bull para substituir Daniel Ricciardo, que se mudou para a Renault, Gasly era a aposta da equipe austríaca para bons resultados, baseada no ótimo desempenho que ele teve com a Toro Rosso em 2018. No entanto, ele se revelou incapaz de lutar por posições à altura de uma equipe de ponta, não soube aproveitar as brigas internas da Ferrari que lhe trariam vantagens na pista, e fez com que a Red Bull não tivesse pontos o suficiente para vencer a Ferrari no ranking de construtoras. Um dos maiores exemplos de sua incompetência foi no Grande Prêmio da Áustria, onde não conseguiu passar Ricciardo mesmo tendo um carro muito superior. Com seu companheiro Max Verstappen carregando o time nas costas, o francês foi demitido e mandado de volta à Toro Rosso.

Provando que pilota melhor em equipe fraca do que em equipe de ponta, Gasly conseguiu um pódio no Grande Prêmio do Brasil com um segundo lugar. Ele foi o segundo de três pilotos de fora das equipes de ponta a conseguir um pódio (os outros foram seu companheiro Daniil Kvyat – que conseguiu o feito quando o francês estava na Red Bull – e Carlos Sainz Jr., da McLaren). No entanto, ele também protagonizou uma polêmica no Grande Prêmio da Itália: mesmo estando a metros de distância de Lance Stroll, piloto da Racing Point que havia sido atingido pelo ferrarista Sebastian Vettel, Gasly fingiu ter sido obrigado a deixar temporariamente a pista pela volta de Stroll. Os comissários, irritados por terem sido obrigados pelo regulamento a punir um piloto da Ferrari, encontraram uma oportunidade de vingança e puniram Stroll injustamente. Esta foi uma das três decisões controversas da corrida, somada à punição de Alexander Albon, piloto asiático da Red Bull, por ter sido jogado para fora da pista pelo piloto europeu Sainz, e a advertência branda ao ferrarista Charles Leclerc após ter espremido Lewis Hamilton, piloto da Mercedes e único negro no grid, contra o muro. Gasly parece ter algum problema pessoal contra pilotos indígenas (ou, no mínimo, apenas contra Stroll), pois no Grande Prêmio de Abu Dhabi, acusou o canadense de quebrar-lhe a asa dianteira, mesmo tendo sido o francês o autor de uma manobra imprudente numa tentativa de se colocar entre os dois pilotos da Racing Point. Numa tentativa de autopromoção, curtiu uma postagem mentirosa no Instagram do presidente de seu país, Emmanuel Macron, sobre os incêndios na Amazônia, provocando a indignação de torcedores brasileiros pelo suposto apoio de Gasly a uma mentalidade colonialista europeia.

Desejamos a Pierre Gasly um ano de 2020 com sorte e prudência. Esperamos que ele pare de concorrer com Lando Norris, da McLaren, o posto de piloto mais birrento do grid e tente valorizar o investimento que suas equipes fazem nele.

 

  • Kimi Raikkonen

 

 

Kimi Raikkonen terminou seu primeiro ano com a Alpha Romeo (herdeira da Sauber) em 12º lugar, com 43 pontos (208 a menos que no ano passado). Lembrando que Raikkonen já havia corrido antes pela Sauber, porém não se pode considerar Sauber e Alpha Romeo como a mesma equipe.

Com um carro nada competitivo, Raikkonen se esforçou ao máximo para garantir pontos preciosos a sua equipe. Pontuando em nove de 21 corridas, oscilando entre o sétimo e o décimo lugar (porém chegando em quarto no Grande Prêmio do Brasil), o finlandês teve ótimas atuações, como no Grande Prêmio da China, onde largou em 13º e cruzou a linha de chegada em nono após uma linda série de ultrapassagens. Raikkonen também superou seu companheiro de equipe, Antonio Giovinazzi, com 29 pontos de vantagem.

Desejamos a Kimi Raikkonen boa sorte para o ano que vem e esperamos que continue lutando por boas posições. Ele é um dos pilotos mais batalhadores do grid e suas disputas são sempre ótimas de se assistir.

 

  • Antonio Giovinazzi

 

 

Antonio Giovinazzi terminou 2019 no 17º lugar, com 14 pontos. Contratado pela Alpha Romeo para substituir o sueco Marcus Ericsson quando a Sauber mudou de gestão e de nome, o italiano pontuou em quatro de 21 corridas, tendo seu melhor resultado um quarto lugar no Grande Prêmio do Brasil.

O momento mais marcante do ano de Giovinazzi foi quando conseguiu liderar a volta no Grande Prêmio de Singapura (que terminou em décimo lugar). O carro nada competitivo da Alpha Romeo prejudicou seu desempenho, somado à falta de experiência considerável na Fórmula 1. Suas últimas corridas até sua contratação oficial foram os Grandes Prêmios da Austrália e da China de 2017, quando substituiu Pascal Wehrlein, que estava lesionado. Fora da categoria por quase dois anos (lembrando que em 2017 ele participou de apenas duas corridas), Giovinazzi passou por um ano de adaptação ao carro. E embora não tenha tido o mesmo desempenho de seu companheiro Kimi Raikkonen (que o venceu com uma vantagem de 29 pontos), Giovinazzi se manteve relativamente longe de incidentes, exceto pelo abandono na Grã-Bretanha (onde rodou e parou na caixa de brita) e o choque com Robert Kubica, da Williams, em Abu Dhabi.

Desejamos a Antonio Giovinazzi boa sorte para 2020 e que ele consiga se adaptar melhor ao carro. Cremos que ele tem o potencial suficiente para conseguir melhores resultados no futuro.

 

  • Romain Grosjean

 

 

Romain Grosjean terminou o ano em 18º lugar, com 8 pontos (29 a menos que no ano passado). Pontuando em apenas três das 21 corridas do ano, conseguindo um sétimo lugar na Alemanha e um décimo lugar na Espanha e em Mônaco, Grosjean teve um dos desempenhos mais medíocres de 2019 e a renovação de seu contrato gerou descontentamento por parte dos torcedores, pois a Haas estaria investindo em pilotos que há muito tempo deixam a desejar em vez de dar oportunidades a jovens que procuram uma oportunidade (como Pietro Fittipaldi e Sérgio Sette Câmara).

Começando o ano batendo em Lance Stroll, da Racing Point, no treino classificatório do Grande Prêmio da Austrália e logo após a largada do Grande Prêmio do Bahrein, Grosjean se destacou por suas barbeiragens típicas e suas reclamações no rádio. Nem mesmo seu companheiro Kevin Magnussen escapou dos confrontos, como no Grande Prêmio da Grã-Bretanha, onde os dois se chocaram e causaram um duplo-abandono.

Desejamos a Romain Grosjean sorte para o ano que vem e mais prudência em sua direção. Esperamos que ele justifique o investimento da Haas e traga melhores resultados para sua equipe.

 

  • Kevin Magnussen

 

 

Kevin Magnussen terminou 2019 no 16º lugar, com 20 pontos (36 a menos que no ano passado). Os torcedores também não reagiram bem à notícia da renovação de seu contrato com a Haas, pois o desempenho do dinamarquês estava bem longe do esperado.

Pontuando em quatro de 21 corridas, oscilando entre o sexto e o nono lugar, Magnussen teve uma temporada medíocre, marcada por conflitos com seu companheiro Romain Grosjean, como o duplo-abandono no Grande Prêmio da Grã-Bretanha. Sua vantagem em relação ao francês se deve por ter pontuado em uma corrida a mais do que o companheiro. Porém, para um piloto que teve um bom começo de carreira, Magnussen vêm apresentando um declínio em rendimento e, na opinião de muitos torcedores, não justifica o investimento da Haas.

Desejamos a Kevin Magnussen um 2020 com mais sorte e sabedoria. Mesmo que não consiga os mesmos resultados do começo de sua carreira, esperamos que ele possa contornar as dificuldades e superar seus limites.

 

  • Robert Kubica

 

 

A surpresa de 2019, Robert Kubica terminou o ano em 19º lugar com apenas um ponto (o único de sua equipe), obtido no Grande Prêmio da Alemanha após ser promovido para o décimo lugar depois da dupla da Alpha Romeo (Kimi Raikkonen e Antonio Giovinazzi) ser punida com 30 segundos para cada piloto. O polonês regressou à Fórmula 1 depois de anos afastado devido a um acidente em 2011. Pressionada pelo discurso dos empresários de Kubica (entre eles o campeão de 2016, Nico Rosberg), a Williams via na contratação do polonês uma oportunidade de atrair investimentos de empresas polonesas e conseguir mais atenção midiática. A escuderia inglesa, porém, percebeu que Kubica não resolveria os problemas administrativos e financeiros que enfrenta há alguns anos.

Após tentarem convencer a mídia e os torcedores de que seus pilotos eram os culpados pelos problemas da Williams em 2018, Paddy Lowe e Claire Williams apostaram em uma dupla nova para 2019. No entanto, o rendimento do carro piorou e não havia mais bodes expiatórios. Lowe optou por deixar o departamento de engenharia alegando problemas pessoais, e caiu em cima de Claire toda a culpa pelo mal funcionamento da escuderia de seu pai. Antes de contratarem Kubica, deveriam ter pensado que as sequelas do acidente que lesionou o braço esquerdo do piloto demandariam um carro adaptado, o que significaria mais gastos. Uma equipe com problemas financeiros não deveria assumir esse risco, até por que não havia garantias de que Kubica, afastado da categoria por oito anos, traria bons resultados que justificassem tal investimento.

Dois momentos marcaram o ano do polonês: sua temporária condecoração como “Piloto do Dia” do Grande Prêmio da Áustria (que depois se revelou como um erro de sistema, pois o verdadeiro eleito havia sido Max Verstappen, da Red Bull), e seu choque com o holandês nos boxes do Grande Prêmio do Brasil. Felizmente, o incidente não prejudicou a prova como havia ocorrido no ano anterior graças à imprudência de Esteban Ocon, e Kubica foi penalizado com cinco segundos.

Não podendo arcar com os custos do polonês, a equipe o demitiu e contratou o canadense de ascendência iraniana Nicholas Latifi para substituí-lo em 2020. Um fato curioso é que o volante adaptado de Kubica que havia sido encomendado para o começo do ano só chegou na segunda metade da temporada, provando que a Williams ainda sofre com problemas de prazo na entrega tanto de equipamentos quanto de resultados.

Desejamos a Robert Kubica boa sorte para ano que vem, seja lá qual for o seu destino. Foi muito legal ver que, apesar do resultado ter sido fruto de uma punição a adversários, ele conseguiu no mínimo trazer um ponto para sua equipe, coisa que seu companheiro de time, George Russell, não foi capaz de fazer mesmo estando com o corpo perfeitamente saudável. Kubica foi um exemplo de superação esse ano.

 

  • George Russell

 

 

George Russell foi o último colocado no campeonato (em 20º lugar), sendo o único piloto incapaz de pontuar em 2019. Grande parte da culpa por seu fraco desempenho foi a incompetência de sua equipe, a Williams, e a crise financeira e administrativa que a escuderia passa.

Uma curiosidade sobre Russell é que, mesmo sem querer, ele foi uma peça no jogo de uma guerra publicitária racista contra Lance Stroll, da Racing Point. Mesmo Stroll tendo pontuado em seis ocasiões, tendo seu melhor resultado um quarto lugar na Alemanha, e Russell sendo o único do grid a não pontuar sequer uma vez, alguns veículos midiáticos insistem que ele é melhor que o canadense. Este absurdo só tem uma explicação lógica: Russell é branco e europeu, Stroll é caboclo (mestiço de branco com indígena), e ainda há pessoas que desejam que a Fórmula 1 volte a ser dominada exclusivamente por brancos de etnia europeia (sejam estes nascidos na Europa ou descendentes exclusivamente de europeus). Para mais explicações, consultar a reportagem O Caso Lance Stroll: Um Indígena na Fórmula 1.

Apesar deste lamentável fato, Russell não esteve blindado de ataques. Apesar de ter sido derrotado nos resultados finais pelo companheiro Robert Kubica, os torcedores poloneses não admitiram que o inglês tivesse largado à frente de Kubica em todas as corridas. Consequentemente, Russell foi alvo de ataques na internet, muitos de conotações homofóbicas. Isso prova que o esporte deve combater, além do racismo, a homofobia.

Desejamos a George Russell boa sorte para o ano que vem e que ele possa pontuar em várias corridas. Não se pode afirmar sobre o potencial de Russell, já que seu carro o impediu de triunfar, mas é nítido que, se ele espera melhores resultados em sua carreira, deve deixar a Williams.

 

De maneira geral…

 

A temporada de 2019 se diferenciou da de 2018 pela incapacidade da Ferrari de competir com a Mercedes pelo título. A Red Bull provou mais uma vez que detém pilotos excelentes, mas não consegue produzir um carro à altura. A Mercedes se beneficia por seu carro mais potente em relação ao grid, enquanto a Ferrari sai prejudicada pela falta de liderança de Mattia Binotto (substituto do veterano Maurizio Arrivabene) e o conflito interno entre a política tradicional da equipe e seus pilotos, Sebastian Vettel e Charles Leclerc. Corridas como a da Alemanha e do Brasil se destacaram pela emoção e adrenalina, enquanto que outras, como França, mereciam ser retiradas do calendário. O duplo-padrão adotado pelos comissários para julgar incidentes, como em Mônaco e na Itália, mancham a imagem da categoria, e existem pilotos que lutam contra essa política, como Max Verstappen, Sergio Pérez e Daniel Ricciardo. Não se sabe se 2020 trará mais mudanças, mas presenciamos em 2019 o princípio de uma revolução que contrasta com os anos de 2017 e 2018.

The Lance Stroll Case: An Amerindian in Formula One

Canadian driver Lance Stroll is periodically subject to sports news and comments from Formula One fans. Unfortunately, most of the comments are offensive, discharging an abnormal hate load on top of one boy who never hurt anyone (much less his detractors, who do not even know him personally). Several hypotheses are raised about the origin of this hatred: envy for the Stroll family fortune, fanaticism for rival drivers, ignorance about who Lance is, among others. But only one is closer to the truth: racism against indigenous peoples.

“Oh, but his mother is Belgian,” say some of the haters. “Oh, but his skin is lighter,” others say. Such phrases relate to how much current society is unaware of the indigenous peoples of the Americas. In this article, we will prove that this gigantic anger that many netizens (and even members of the press) have about Lance Stroll is nothing more than the desire for the sport to be composed solely of white drivers.

 

1- The first Amerindian driver in Formula One

 

Lance Stroll was born in Montreal on October 29, 1998, the second son of businessman Lawrence Stroll and fashion designer Claire-Anne Callens. Lance is of Russian-Jewish and Inuit (native people of Canada) descent by his father’s side, and from Belgian and English descent by his mother’s side. Lawrence Stroll is the son of a Russian-Jewish immigrant father and a Canadian mother, has reddish skin, straight, thick hair and slightly slanted eyes. Claire-Anne Callens has white skin and blue eyes. The result of miscegenation is noted in the couple’s children: Chloe, the eldest child, has her mother’s eyes, but her father’s face shape; Lance, the youngest child, has his mother’s face shape, but his father’s slightly slanted brown eyes and dark, straight, thick hair. Lance’s skin is lighter than Lawrence’s and redder than Claire’s.

 

The Strolls. From right to left: Claire-Anne (mother), Lance (son), Lawrence (father) and Chloe (daughter). (Photo: Thill Arthur / ATP)  [1]

 

The phenomenon of miscegenation is very common in countries os the Americas due to the history of colonization, slavery, and immigration on the continent. In Canada, Lance’s home country, it was no different. Native peoples had contact with Europeans (white-skinned) and Africans (black-skinned). The children of couples of different skin colors are called mixed-race. In Brazil, for example, mixed-race people are given different names according to their origins. Children of whites with blacks are called “mulatos”, children of natives with blacks are called “cafuzos”, and children of whites with natives (such as Stroll) are called “caboclos” or “mamelucos”.

In genetics, there is a high probability that mixed-race people with white ancestors to have white children when they marry white people. Countries like the United States even banned marriage between people of different colors in the nineteenth century, while the Brazilian government encouraged marriage to whites to “whiten” future generations. However, the fact that a mixed-race has lighter skin than its ancestors does not nullify its origin. Therefore, a “caboclo” still has Amerindian origins even its skin is lighter than “Indian skin”. It has both Amerindian and European origins, and this is the case of Lance Stroll.

 

Physical characteristics of Lance Stroll that prove his Amerindian origin. [2]

 

2- Amerindians according to Europeans

 

Formula One was created in the 1950s. It was not even a decade since the fall of Nazi-fascist regimes in Europe, which were characterized by intense state repression and persecution of minority ethnic groups (mainly Jews) under racial pretenses. Since the nineteenth century, with the formulation of “social Darwinism”, European schools and intellectuals have taught the population that races were organized into a hierarchy, in which the European white race was considered superior to the others and the mixed-races inferior to all “pure races”. Anthropologists such as English Edward Tylor applied this theory to the defense of “social evolutionism”, a thesis that argues for a hierarchy between cultures. Even with efforts by other anthropologists, such as German Jewish Franz Boas, to show that it cannot claim about superiority of cultures or races, European society has firmly embraced the idea that it was at an advantage over other peoples on the planet.

However, this phenomenon has older origins. Since the colonization of the Americas by nations of Europe, various power-holding groups have launched propaganda to support the colonizing process. In Brazil, for example, after the death of Bishop Pedro Fernandes Sardinha (which would have been devoured by anthropophagous Amerindians) in the 16th century, the Catholic Church promoted campaigns that treated Amerindians as animalistic and savage beings to justify catechizing campaigns and Portuguese control in Brazilian territory. The consequences were catastrophic and the tribe accused of killing the bishop, the Caetés, was exterminated in the process.

 

Image of the 1882 Brazilian Anthropological Exhibition, illustrating a Brazilian indigenous and an African slave being exhibited in Europe. Notice how Amerindians and blacks are portrayed in an animalistic way compared to whites. (Photo: National Museum of Rio de Janeiro) [3]

 

In the 1950s the European population still did not understand what the native peoples of the Americas were like. Decades earlier, in 1911, Scottish James Matthew Barrie released his most famous work, “Peter Pan”. In the story, a Native American tribe is portrayed as submissive to the protagonist, and the chief’s daughter, Princess Tiger Lily, is willing to do everything for Peter, even though he does not have for her the same feeling for Wendy Darling, the English girl he has brought to Neverland. In 1953, Walt Disney adapted the work into an animated film in which the natives take a larger role in the song “What Makes the Red Man Red?”. In the scene, the tribe is made up of individuals standing in time, isolated from the rest of the world and wearing the same clothes as their ancestors. The stereotype around Native American people has generated so much controversy for Disney that the studios chose to not include the characters in the sequel film “Return to Neverland” (2002).

 

Native American tribe from the film “Peter Pan” (1953). (Photo: Disney) [4]

 

Since Amerindians lived only on the American continent, there was no interest in Europe in combating prejudice against them, let alone self-criticizing the interaction between whites and Amerindians over the centuries. Even in countries of the Americas, the natives were still marginalized and excluded from society. Only with the organization and struggle of these peoples, especially in the twentieth century, was the issue taken more seriously. On April 19th, 1940, the First Inter-American Indian Congress was held to promote the fight against racism and to pressure American countries to adopt policies to protect and guarantee indigenous rights. That is why in Argentina, Costa Rica and Brazil, on April 19th is celebrated the Indian Day.

Formula One aimed to encourage interest in the auto industry. At the time, consumers in this industry were white men. Women were forbidden to drive in many countries of the world, and black and Amerindian people lived in segregation, rendering them unable to access vehicles. Therefore, the category focused on pleasing the European white male public, its consumer market. This is why for years Formula One was dominated by Europeans and their descendants (Juan Manuel Fangio, Argentine driver who was the second champion of the category, was of Italian descent).

 

3- Revson e Hamilton: breaking the hegemony

 

In 1964, American Peter Revson debuted as the first Jew in the category, breaking years of European white rule in Formula One. It is worth remembering that the Jewish people have been persecuted since antiquity and were the majority group among Holocaust victims (previously it had suffered invasions of its lands by Assyrians, Persians, Greeks and Romans, inquisitions by the Catholic Church, pogroms in the Russian Empire and many other policies of segregation and extermination). Also important to note is that even a quarter of the Jewish population having white skin (Revson’s case), they are not considered white by racial theories (because they originate in the Middle East) and are persecuted by white supremacy groups. Revson drove for 10 years with teams Revson Racing, Reg Parnell, Tyrell, McLaren, and Shadow Racing. He had two wins and eight podiums, scored 14 times and accumulated 61 points throughout his career. He died in a training accident for the 1974 South African Grand Prix.

Forty-three years later, in 2007, the first black Formula One driver, the Englishman Lewis Hamilton, debuted. Son of a white mother and black father born to Caribbean immigrants, Hamilton joined McLaren to race alongside Spanish Fernando Alonso. Early at pre-season trainings, he suffered racial offenses by Alonso’s fans, who called him “monkey”. Some people say the motive for the offenses was not racial but sporting because Alonso’s fans loved the Spanish driver. But if so, wouldn’t it be more logical to call Hamilton a “loser” or to say that Alonso would “finish him off”? Calling him “monkey”, an offense historically associated with black people, proves that Spanish fans’ hatred of Hamilton was, indeed, racism.

Hamilton started the year with a podium, got his first win, and became runner-up in 2007. The following year, he was still champion with McLaren. But even with his brilliant results, the Englishman was still not free from racial persecution. At the 2011 Monaco Grand Prix, the stewards punished Hamilton for a collision with Felipe Massa, a Brazilian driver of Italian descent. He questioned the punishment and accused the stewards of taking a decision based on the drivers’ skin color, as Massa was white and Hamilton black. Instead of investigating the case, those responsible for Formula One filed a censure against the British driver, prohibiting him from accusing the stewards of racism again. The best decision, in this case, would be to show the crash video to both drivers and clarify the reasons for the punishment. By silencing Hamilton, sports administrators left room for the hypothesis of racism to be taken into account.

 

Peter Revson (left) e Lewis Hamilton (right): respectively the first Jewish driver and the first black driver in Formula One. [5]

 

Another case of racism suffered by the British occurred at the 2019 Italian Grand Prix, whose arbitration is still questioned today. Racing for Mercedes, Hamilton had a chance of overtaking Charles Leclerc, a Monegasque driver who represented Ferrari. To block the opponent, Leclerc squeezed him against the wall and an investigation was initiated. However, the stewards decided to just warn Leclerc with a black and white flag. After the Monegasque driver’s victory, Hamilton climbed to second place on the podium and Italian fans booed him hardly. Some even made gestures and sounds imitating monkeys. Hamilton posted a message on his Instagram recommending Italians not to commit this disrespect as it would tarnish the image of a crowd remembered for their joy and enthusiasm. No Formula One’s official has even commented on the case.

Centuries of racist teachings of “white superiority” have left deep marks on European society so that the phenomenon of racism goes unnoticed or viewed as banal to this day. It is clear that movements against racism are stronger in the Americas than in Europe, but even on the American continent, some refuse to see racial discrimination as a problem. In Brazil, for example, while some European immigrants mingled with natives and blacks, others preferred to join other Europeans and raised their children with the same ideas that were reflected in Europe. This phenomenon led some Brazilians to believe that the phenomenon was not serious and to accept discrimination against blacks and Amerindians, including athletes of these ethnic groups. At the 2008 Brazilian Grand Prix, after the result gave Hamilton the title of champion even with Massa’s victory, Brazilian fans booed the English and called him “monkey”, proving that the “Brazilian racial utopia” is just a legend.

 

4- Amerindian and Jewish: the perfect scapegoat

 

Lance Stroll belongs to two historically persecuted and massacred peoples: the Amerindians and the Jews. These two groups were never well regarded by European society. The Amerindians were “cannibals”, “savages”, “animals”, “uncivilized” in the Eurocentric view and as such needed conversion or to be tamed and enslaved. Jews were “deicidal”, “heretics”, “controlled the banks, the media, and politics” according to prevailing ideas and, as such, should be converted or burned for “not accepting the Christian truth and being of an inferior race”. Even with the fall of Nazism, these ideas have not been erased from the European mindset altogether. There are still figures on the world scenario who deny the Holocaust, accuse the Jews of conspiracy and argue that Amerindians should give up their original cultures.

 

Lance Stroll playing American football in childhood. Notice the Inuit characteristics in the boy. (Photo: Instagram) [6]

Many people in both Europe and the Americas still view Amerindians as standing in time, forest dwellers, who live on hunting and fishing. It is therefore strange to many to see that Amerindians can be successful entrepreneurs. Since Formula Three does not get as much attention as Formula One, not all sports fans knew about Lance Stroll’s achievements. All they knew about him was that the driver came from Canada and his father was a billionaire, ignoring that all drivers receive an investment to maintain their careers. Even drivers as Esteban Ocon have someone to bear the cost of their stay in the sport. In pre-season 2017, having no experience with the Formula One car, Stroll crashed several times. While some took advantage of the situation to make jokes, some hastily accused the young man of buying a seat. Well, even if Stroll had paid to enter Formula One, that would not be cause for so much hatred. After all, he had been hired by Williams to replace a retiring driver, Felipe Massa. Massa gave up his retirement after Valtteri Bottas left for Mercedes to replace retired Nico Rosberg. No one bought the seat from anyone. Bottas and Stroll were simply taking the seats of retired drivers. Why so much hatred on Stroll, which until then was no rival to anyone?

The answer to that question is simple: fans wanted to see another European at Williams. It bothers many people to have to put up with a black driver in Formula One, now an Amerindian driver was coming to the sport, in the seat that fans say should be occupied by a white driver of European ethnicity. This is why Lawrence Stroll’s fortune causes such hatred to netizens: even though he is married to a European woman, even though his companies are creating jobs and supporting families, even though his money has been obtained legally, without involvement in any scandal, he was still an “uncivilized savage cannibal inferior to the Europeans”. Just imagine how outraged these netizens must have been to see for the first time a driver from the American continent be an EUROPEAN Formula 3 champion.

 

Lance Stroll was the first Amerindian to win European Formula Three championship. Racists wanted to see an European as champion. (Photo: Prema Powerteam) [7]

 

Motivated by racial hatred for Stroll, racists threw acid criticism of the Canadian driver’s presence in Formula One as if he were to blame for all the ills in the world. Lance felt in the skin what his people had suffered for centuries. Those who hate the Strolls for their fortune are the same ones who do not even give alms to a needy beggar, and purposely ignore the fact that there are equally rich drivers whose results are not close to Lance’s. Why? Because a white rich does not generate the same strangeness and discomfort as an Amerindian rich. Because an Amerindian-Jewish man is blamed for all the misfortunes of the world as if a single Canadian driver were responsible for world hunger and misery while the equally wealthy whites had no part in it.

After all, who was the last rookie driver to get a podium in a car of a weaker team? Who was the last rookie to start from the front row in a far from competitive car? Who was the last driver to break three records in his debut year? All these deeds are purposely erased from fans and journalists’ memories to inoculate fans with the idea that Lance is only in sport because his father is a billionaire. Why? Because racist on internet and media cannot stand to see that an Amerindian driver has accomplished feats that many whites were unable to obtain, and that eight white drivers, including Fernando Alonso (the same idol of the racists who called Hamilton “monkey”), went after an Amerindian in his debut year. To do so, they omit not only his deeds, but they also omit Lance’s ethnicity from the discussions. They use the excuse that Stroll’s mother is white to say that he is “no longer an Indian”. Nobody stop being Indian. It is like stopping being old.

 

5- White pay drivers are not pay drivers, only the Amerindians

 

The fact is that the 21st century is not the same as the twentieth. Even with the persistence of racism, combat movements are stronger today than in the last century. Western society is more aware of the importance of respect and that no ethnicity or culture is superior or inferior to another. Therefore, even the most convinced racists try to mask their racism to avoid being condemned by public opinion.

The excuse racists found to criticize the presence of an Amerindian in Formula One without realizing the racial motives was to underscore his father’s fortune. And as Nazi propaganda minister Joseph Goebbels said, “a lie told many times becomes a truth”. Thus, there are journalists and netizens so numb with prejudice and the idea that Stroll does not deserve the seat that they refuse to even read the driver’s story before judging him, convinced that the Amerindians should be ignored, treated with contempt. Just as it was centuries ago, when European settlers massacred tribes, enslaved natives, and forced them to give up their original cultures.

But racists end up missing their plan by committing a fatal slip: unaware of the ethnicity they deem inferior. Many netizens in his defense claim not to know that Lance Stroll is Amerindian, and others even firmly deny his ethnicity. The same excuse was given when the same racists claimed not to know that Stroll is Jewish. The reasons: Stroll does not wear a kippah, the Jewish “little hat” (and even if he did, it would be hidden under his helmet), does not wear a peyot (the hair curls on his temples) and has no “big nose”. The first step in identifying a racist is to note that he generalizes all members of a group as if they were all equal. In this case, because Lance is not a Hasidic Orthodox Jew, “there’s no way of knowing that he is Jewish”. The internet makes research work much easier, but racists find themselves so superior that they do not see the need to research those they consider inferior.

 

 

The Jewish people are made up of diverse ethnicities. It is wrong to think that all Jews are equal. In the image above you can see four Jewish ethnic groups: Ashkenazi, Sephardi, Ethiopian Jews (also called Beta Israel), and Mizrahi.  [8]

 

Even more absurd is the excuse of not knowing that Stroll is Amerindian. The reasons: he does not use an Indian headdress, does not hunt and fish with a spear, does not live in the woods or an Indian reservation, and his skin is lighter than “Indian” skin. This reveals much of today’s society’s ignorance of indigenous peoples. In the first place, there is not just one Amerindian ethnicity. Grouping all the native tribes and nations of the Americas as a people was only an instrument of the colonizers to convince the European monarchs that the Amerindians would be easily defeated and tamed. There are Amerindians of various skin tones. In Canada, the Métis, for example, are lighter than the Inuits, and that does not make them “less Indians” than the others. Among the American tribes, Quileutes are different from the Navajos, which are different from the Cherokees, which are different from Ottawas, which are different from Potawatomis, which are different from Powhatans, and so on. In Brazil, the Tupiniquins differ from the Guaranis, which differ from the Yanomamis, which differ from the Jês, among others. True, most Amerindians have dark, straight, thick hair, reddish skin, slightly drawn eyes, and few body hairs, but not all are like that. Ironically, Stroll has many of these characteristics, but because he does not live in isolation from contemporary society, his detractors omit him from being Amerindian.

 

There are thousands of Amerindian ethnic groups on the American continent. Each tribe has particularities such as culture, religion, dress, language and customs. In the picture above you can see four Amerindian ethnic groups: the Inuits (Canada), the Navajos (USA), the Seris (Mexico), and the Yanomamis (Brazil). [9]

 

As you can see, former Bolivian President Evo Morales has the same kind of hair and eyes as Lance Stroll. Morales is of Aymara ethnicity and Stroll is mixed-race of Inuit ethnicity with European ethnicity. Both have indigenous origins. [10]

 

The problem with racism with Amerindians is that it goes unnoticed by the population because there is not much media attention about it as there is for prejudice against other ethnicities. The Amerindians struggle for respect is silenced by media contempt, and some say they have never heard of an Amerindian. When you hear the word “racism”, it is rarely associated with Amerindians, and they only appear on the news when the government or some farmer or prospector invades the lands of a reserve and clashes with the village members.

And the hard evidence that the haters’ hatred for Stroll has nothing to do with money but skin color is their idolatry for the English driver Lando Norris. Lando is the son of magnate Adam Norris, a millionaire owner of Horatio Investments and has a US$ 270 million personal fortune.

Unlike Stroll, who debuted on an uncompetitive team, Norris made his debut in McLaren in a year of chassis upgrades that gave the team a good performance to compete for the top five places. Differently from Stroll, who finished his debut year just three points behind his experient teammate (even surpassing him in the standings at times), Norris ended the year with 47 points less than teammate Carlos Sainz Jr., who had four years of experience. Sainz also got the team’s only podium of the year with a third-place finish at the 2019 Brazilian Grand Prix.

If we compare the results, there is no doubt that Lance Stroll is better than Lando Norris. In his debut year, Lance got a podium, started from the front row and broke three records: youngest rookie to have a podium, youngest driver to start from the front row, and youngest podium (lower age average from drivers at the podium). His achievements secured his team’s fifth place in the constructors’ championship. Lando in his debut year did not achieve any podium and did not break any record, his best result being a sixth place in Bahrain and Austria, the same year that Lance had his best result a fourth place in Germany. To mask his mediocrity as an athlete, Norris launched a marketing campaign for fans and Formula One itself to remind him as a funny driver rather than a pay driver who is only in sport because his father is a millionaire businessman. In this campaign, several memes are made, fake profiles are used to spread them, and anything Norris does is already accompanied by a flurry of people laughing and considering him the best driver on the grid, even though he is doing nothing impressive. Also, Petrobras’ sponsorship of McLaren ensured that Brazilian narrators and commentators praised Norris as if he were the reincarnation of Ayrton Senna himself.

So if Lando Norris is also a millionaire and has much lower results, why is Lance Stroll called the “pay driver”? Indeed, even in the year of Norris’ “glory”, Stroll’s best result was better than Norris’ and the Englishman still does not have the Canadian achievements. And yet netizens and the media idolize Norris and stone Stroll. This proves that it is not money that matters, it is the color of the person who has the money.

 

 

Logic of racist: If you are Amerindian, you are pay driver; if you are white, you may be the most mediocre driver that we will praise you. [11]

 

Another case of racism was when the media tried to blame Lance Stroll for Esteban Ocon’s departure from Formula One (see “Understand the Esteban Ocon Case”) after the Canadian’s father bought the team, saved 405 jobs and kept Ocon until the end of his career. contract (you see, even with this detail, racists go into the absurdity of accusing Lawrence of buying teams for Lance). They omit that Ocon was already leaving when his sponsor Toto Wolff promised him a seat at Mercedes, Renault or McLaren, but all the other teams refused. In other words, is it Stroll or Wolff, who lied to his sponsored, to blame? And why they not blame Daniel Ricciardo, Lando Norris, Carlos Sainz Jr. or George Russell for Ocon’s departure? Because all of these men are white.

And speaking of George Russell, he proved that the media only criticizes minorities while evades whites from guilty. In 2018, with Williams’ poor performance due to its engineering department headed by Paddy Lowe, the media blamed Lance Stroll for not bringing enough points to the team. Stroll finished that year second to last, beating Romain Grosjean and teammate Sergey Sirotkin. When George Russell and Robert Kubica came to the English team to replace Stroll and Sirotkin, Williams’ car performance worsened and the team scored just one point, scored by Kubica. At no point was Russell’s hiring criticized, even though he was unable to make a meager point for his team. The media preferred to bet on Russell as an excellent driver, victim of an incompetent team, title they would give Stroll if he were not Amerindian.

 

6- You aleady knew he is Amerindian, you just do not want to admit it

 

When announced as a 2017 Williams driver, Lance Stroll was in evidence. There was an interest from the media and netizens to get to know him better. One thing that was readily noted was the resemblance between Lance and American actor Taylor Lautner, famous for playing Native American werewolf Jacob Black in the “Twilight” saga. Interestingly, even though Lautner was the son of an Amerindian mother, there were still people who doubted his ethnicity because his father was of pure European descent. If Lautner had not been Amerindian, he would not have been called to play an Amerindian character, right? And if Stroll was not an Amerindian, it would not make sense comparing him to an Amerindian actor. Why not compare Stroll to Will Smith or Leonardo DiCaprio? Because he does not have the same ethnicity as these two, but as Taylor Lautner.

 

Photo that compares Lance Stroll to Taylor Lautner. (Photo: Blig Groo) [12]

 

Humorous site F1 Fanatic calling Stroll the “cover of Twilight werewolf” (“cover do lobisomem do crepúsculo). For those who do not know, Jacob Black, the werewolf in the Twilight saga, is a native of the Quileute tribe. (Photo: F1 Fanatic) [13]

 

7- What do we learn from this?

 

  • That Lance Stroll is not taking anyone’s seat. He was hired to replace a retiring driver.
  • That Lance Stroll has more achievements than many European white drivers, and this bothers a lot of people.
  • That despite being the son of a Belgian mother and grandson of a Russian immigrant, Lance Stroll has Inuit ancestors, indigenous people to Canada, and he has still Amerindian origins because he is mixed-race.
  • That there is not just one Amerindian appearance. There are thousands of indigenous tribes in America, each with its ethnicity and culture.
  • No matter how good the driver is, he will always be a victim of racism if he belongs to an ethnic minority (ex: Lewis Hamilton).
  • That no driver gets to Formula One without financial support (including Brazilians). The problem with Strolls’ fortune, which earned honestly and fairly, is pure anger of people who think Amerindians cannot succeed.
  • That all Lance Stroll haters are either racists who cannot stand to see Amerindians in the sport (especially beating whites) or are idiots who repeat the racist fallacy because they are unable to think with their heads and swallow everything the media and the internet says.

 

Knowing this, the next time you see or hear a netizen or television host (narrator or commentator) calling Lance Stroll a “pay driver” or “rich boy” or accusing him of steal someone’s seat, know you are facing a case of racism. Report, confront, tell the truth to this person. Do not let racism thrive. If we want a society where everyone is equal, do not ignore prejudice with the others. Unmask the racist. Make it to shut up. Amerindians are human beings like all other ethnicities and origins, and as such deserve our respect and support.

 

Addendum (March 11th, 2020): On March 11th, 2020, The Racing Track’s page on Instagram was a target of a racist comment from a profile called official_alexalbon, which stated that “Jews deserve ‘Aushwitz’ not f1 seats”. This is a clear proof of what was demonstrated in this article: who is against the presence of Lance Stroll in Formula One is against the presence of Amerindian and Jewish drivers in the sport, using the Canadian family’s fortune as an excuse for the disproportionate hatred of a person they do not even know. Bearing in mind that supporting European white drivers, or even not being a fan of Lance Stroll does not make the supporter a racist (at no time did the article imply this), but using a double standard to judge the drivers, ignoring the achievements of Stroll and demoting them in relation to equally wealthy white drivers whose results in the sport were inferior is an act of racism. Below is the photo of the comment:

 

To those who doubted racism against Lance Stroll was real, there is the proof.

 

8- Bibliography

 

 

Photos

Note: None of the photos used in this article belongs to me. This site has informative intentions, not commercial. The links where I took the photos are indicated below. All copyrights reserved.

O Caso Lance Stroll: Um Indígena na Fórmula 1

O piloto canadense Lance Stroll volta e meia é assunto dos jornais esportivos e comentários dos fãs da Fórmula 1. Infelizmente, grande parte dos comentários é ofensiva, descarregando uma carga de ódio anormal em cima de um rapaz que nunca fez mal para ninguém (muito menos para seus detratores, que sequer o conhecem pessoalmente). Várias hipóteses são levantadas sobre a origem desse ódio: inveja pela fortuna da família Stroll, fanatismo por pilotos rivais, ignorância acerca de quem Lance é, entre outras. Mas apenas uma está mais próxima da verdade: racismo contra os povos indígenas.

“Ah, mas a mãe dele é belga”, dizem alguns dos haters. “Ah, mas a pele dele é mais clara”, dizem outros. Tais frases relatam o quanto que a sociedade atual desconhece acerca dos povos indígenas da América. Neste artigo, vamos provar que esta raiva gigantesca que muitos internautas (e até membros da imprensa) têm de Lance Stroll nada mais é do que o desejo de que o esporte seja composto unicamente por pilotos brancos.

1- O primeiro piloto indígena da Fórmula 1

Lance Stroll nasceu em Montreal no dia 29 de outubro de 1998, segundo filho do empresário Lawrence Stroll e da estilista Claire-Anne Callens. Lance é descendente de judeus russos e indígenas inuítes (povo nativo do Canadá) por parte de pai, e de belgas e ingleses por parte de mãe. Lawrence Stroll é filho de um imigrante judeu russo e de uma canadense, possui a pele avermelhada, cabelos lisos e grossos e olhos levemente puxados. Claire-Anne Callens tem pele branca e olhos azuis. O resultado da miscigenação é notado nos filhos do casal: Chloe, a filha mais velha, tem os olhos da mãe, mas o formato de rosto do pai; Lance, o filho mais novo, tem o formato de rosto da mãe, mas os olhos castanhos levemente puxados e os cabelos escuros, lisos e grossos do pai. A pele de Lance é mais clara que a de Lawrence e mais avermelhada que a de Claire.

 

Os Strolls. Da direita para a esquerda: Claire-Anne (mãe), Lance (filho), Lawrence (pai) e Chloe (filha). (Foto: Thill Arthur/ATP) [1]

O fenômeno da miscigenação é muito comum nos países americanos devido ao histórico de colonização, escravidão e imigração no continente. No Canadá, país natal de Lance, não foi diferente. Os povos nativos tiveram contato com os europeus (de pele branca) e os africanos (de pele negra). Os filhos de casais de cores de pele diferente são chamados mestiços. No Brasil, por exemplo, os mestiços ganham nomes diferentes de acordo com suas origens. Os filhos de brancos com negros são chamados de “mulatos”, os filhos de índios com negros são chamados de “cafuzos”, e os filhos de brancos com índios (como é o caso de Stroll), são chamados de “caboclos” ou “mamelucos”.

Na genética existe grande probabilidade de pessoas mestiças com ancestrais brancos terem filhos brancos quando se casam com brancos. Países como os Estados Unidos chegaram a proibir o casamento entre pessoas de cores diferentes no século XIX, enquanto que o governo brasileiro incentivava o casamento com brancos para “branquear” as futuras gerações. No entanto, o fato do mestiço ter a pele mais clara que seus ancestrais não anula sua origem. Logo, um “caboclo” não deixa de ter origens indígenas por sua pele ser mais clara que a dos “índios”. Ele possui tanto origem indígena quanto europeia, e este é o caso de Lance Stroll.

 

Características físicas de Lance Stroll que comprovam sua origem indígena. [2]

2- Os indígenas de acordo com os europeus

A Fórmula 1 foi criada na década de 1950. Não haviam se passado nem uma década da queda dos regimes nazifascistas na Europa, que se caracterizavam pela intensa repressão do Estado e perseguição de grupos étnicos minoritários (principalmente os judeus) sob pretextos raciais. Desde o século XIX, com a formulação do “darwinismo social”, as escolas e intelectuais europeus ensinavam à população de que as raças se organizavam em uma hierarquia, na qual a raça branca europeia era considerada superior às demais e os mestiços inferiores a todas as “raças puras”. Antropólogos como inglês Edward Tylor aplicaram essa teoria para a defesa do “evolucionismo social”, tese que defende uma hierarquia entre as culturas. Mesmo com esforços de outros antropólogos, como o alemão judeu Franz Boas, em mostrar que não se pode afirmar em superioridade de culturas ou raças, a sociedade europeia abraçou com firmeza a ideia de que estava em vantagem em relação aos demais povos do planeta.

Porém, esse fenômeno tem origens mais antigas. Desde a colonização da América por nações da Europa, diversos grupos detentores do poder lançavam propagandas para obter apoio ao processo colonizador. No Brasil, por exemplo, após a morte do bispo Pedro Fernandes Sardinha (que teria sido devorado por indígenas antropófagos) no século XVI, a Igreja Católica promoveu campanhas que tratavam os indígenas como seres animalescos e selvagens para justificar as campanhas catequizadoras e o controle português em território brasileiro. As consequências foram catastróficas e a tribo acusada de matar o bispo, os Caetés, foi exterminada no processo.

 

Imagem da Exposição Antropológica Brasileira de 1882, ilustrando um indígena brasileiro e um escravo africano sendo exibidos na Europa. Note como os indígenas e os negros são retratados de maneira animalesca comparado aos brancos. (Foto: Museu Nacional do Rio de Janeiro) [3]

Na década de 50 a população europeia ainda não entendia como eram os povos nativos da América. Décadas antes, em 1911, o escocês James Matthew Barrie lançou sua obra mais famosa: “Peter Pan”. Na história, uma tribo indígena é retratada como pessoas submissas ao protagonista e a filha do chefe, a princesa Tigrinha, se dispõe a fazer tudo por Peter, mesmo ele não tendo por ela o mesmo sentimento que tem por Wendy Darling, menina inglesa que ele leva para a Terra do Nunca. Em 1953, Walt Disney adaptou a obra em um filme de animação no qual os indígenas assumem um papel maior na música “Por Que Ele Diz ‘Au’?” (“What Makes the Red Man Red?” no original em inglês). Na cena, a tribo é composta de indivíduos parados no tempo, isolados do resto do mundo e que usam as mesmas vestes de seus antepassados. O estereótipo em torno dos indígenas gerou tanta polêmica para a Disney que os estúdios optaram por não incluir os personagens na sequela do filme: “De Volta à Terra do Nunca”, de 2002 (título original “Return to Neverland”).

 

Tribo indígena do filme “Peter Pan” (1953). (Foto: Disney) [4]

Como os indígenas viviam apenas no continente americano, não havia nenhum interesse na Europa em combater o preconceito contra eles, muito menos em fazer uma autocrítica sobre a interação entre brancos e indígenas ao longo dos séculos. Mesmo nos países americanos, os nativos ainda eram marginalizados e excluídos da sociedade. Somente com a organização e luta desses povos, principalmente no século XX, é que a questão foi levada mais a sério. No dia 19 de abril de 1940 foi realizado o Congresso Indigenista Interamericano, visando promover o combate ao racismo e pressionar os países americanos a adotar políticas de proteção e garantia dos direitos indígenas. É por isso que na Argentina, na Costa Rica e no Brasil, no dia 19 de abril é comemorado o Dia do Índio.

A Fórmula 1 visava incentivar o interesse à indústria automobilística. À época, os consumidores desse setor eram homens brancos. Mulheres eram proibidas de dirigir em muitos países do mundo, e negros e indígenas viviam em segregação, impossibilitando-os de ter acesso a veículos. Logo, o esporte se concentrava em agradar ao público masculino, branco e europeu, seu mercado consumidor. É devido a isso que por anos a Fórmula 1 foi dominada por europeus e seus descendentes (Juan Manuel Fangio, piloto argentino que foi o segundo campeão da categoria, era descendente de italianos).

3- Revson e Hamilton: quebrando a hegemonia

Em 1964, o norte-americano Peter Revson estreou como o primeiro judeu na categoria, quebrando anos de domínio branco europeu na Fórmula 1. Vale lembrar que o povo judeu sofre perseguições desde a Antiguidade e foi o grupo majoritário entre as vítimas do Holocausto (antes havia sofrido invasões de suas terras por assírios, persas, gregos e romanos, inquisições por parte da Igreja Católica, pogroms no Império Russo e muitas outras políticas de segregação e extermínio). Também importante ressaltar que mesmo um quarto da população judaica tendo pele branca (caso de Revson), eles não são considerados brancos pelas teorias raciais (por terem origem no Oriente Médio) e são perseguidos pelos grupos de supremacia branca. Revson correu por 10 anos com as equipes Revson Racing, Reg Parnell, Tyrell, McLaren e Shadow Racing. Teve duas vitórias e oito pódios, pontuou 14 vezes e acumulou 61 pontos em toda a carreira. Faleceu em um acidente nos treinos para o Grande Prêmio da África do Sul de 1974.

Quarenta e três anos depois, em 2007, estreou o primeiro piloto negro da Fórmula 1, o inglês Lewis Hamilton. Filho de mãe branca e pai negro nascido de imigrantes caribenhos, Hamilton juntou-se à McLaren para correr ao lado do espanhol Fernando Alonso. Logo nos treinos preparatórios, ele sofreu ofensas raciais pelos torcedores de Alonso, que o chamavam de “macaco”. Alguns dizem que o motivo das ofensas não era racial, e sim esportivo, pois os torcedores de Alonso amavam o piloto espanhol. Porém, se assim fosse, não seria mais lógico chamar Hamilton de “perdedor” ou dizer que Alonso iria “acabar com ele”? Chamá-lo de “macaco”, ofensa historicamente associada aos negros, prova que o ódio dos torcedores espanhóis contra Hamilton era sim, racismo.

Hamilton começou o ano com um pódio, teve sua primeira vitória, e se tornou vice-campeão de 2007. No ano seguinte, foi campeão ainda com a McLaren. Porém, mesmo com seus resultados brilhantes, o inglês ainda não estava livre da perseguição racial. No Grande Prêmio de Mônaco de 2011, os comissários puniram Hamilton por um choque com Felipe Massa, piloto brasileiro de ascendência italiana. Ele questionou a punição e acusou os comissários de tomar uma decisão com base na cor de pele dos pilotos, pois Massa era branco e Hamilton negro. Em vez de apurarem o caso, os responsáveis pela Fórmula 1 moveram uma censura ao piloto inglês, proibindo-o de acusar novamente os comissários de racismo. A melhor decisão nesse caso seria a de mostrar os vídeos da colisão para ambos os pilotos e esclarecer os motivos da punição. Ao silenciarem Hamilton, os administradores do esporte deixaram margem para que a hipótese de racismo fosse levada em conta.

Peter Revson (à esquerda) e Lewis Hamilton (à direita): respectivamente o primeiro piloto judeu e o primeiro piloto negro na Fórmula 1. [5]

Outro caso de racismo sofrido pelo britânico ocorreu no Grande Prêmio da Itália de 2019, cuja arbitragem é questionada até hoje. Correndo pela Mercedes, Hamilton tinha chances de ultrapassar Charles Leclerc, piloto monegasco que representava a Ferrari. Para bloquear o adversário, Leclerc o espremeu contra o muro e uma investigação foi iniciada. No entanto, os comissários decidiram apenas advertir Leclerc com uma bandeira preta e branca. Após a vitória do monegasco, Hamilton subiu ao segundo lugar do pódio e os torcedores italianos o vaiaram fortemente. Alguns inclusive fizeram gestos e sons imitando macacos. Hamilton postou uma mensagem em seu Instagram recomendando aos italianos não cometer esse desrespeito, pois mancharia a imagem de uma torcida lembrada por sua alegria e entusiasmo. Nenhuma autoridade da Fórmula 1 sequer chegou a comentar o caso.

Séculos de ensinamentos racistas de “superioridade branca” deixaram marcas profundas na sociedade europeia de modo que o fenômeno do racismo passe despercebido ou seja encarado como algo banal até os dias de hoje. É nítido que os movimentos contra o racismo são mais fortes na América do que na Europa, mas mesmo no continente americano existem aqueles que se negam a enxergar a discriminação racial como um problema. No Brasil, por exemplo, enquanto alguns imigrantes europeus se misturaram com indígenas e negros, outros preferiram se unir a outros europeus e criaram seus filhos com as mesmas ideias que eram repercutidas na Europa. Tal fenômeno levou alguns brasileiros a acreditar que o fenômeno não era algo sério e a aceitar a discriminação contra negros e índios, incluindo atletas dessas etnias. No Grande Prêmio do Brasil de 2008, após o resultado dar o título de campeão a Hamilton mesmo com a vitória de Massa, torcedores brasileiros vaiaram o inglês e o chamaram de “macaco”, provando que a “utopia racial brasileira” não passa de uma lenda.

4- Indígena e judeu: o bode expiatório perfeito

Lance Stroll pertence a dois povos historicamente perseguidos e massacrados: os ameríndios e os judeus. Esses dois grupos nunca foram bem-vistos pela sociedade europeia. Os indígenas eram “canibais”, “selvagens”, “animalescos”, “incivilizados” na visão eurocêntrica e, como tais, precisavam de conversão ou serem domados e escravizados. Os judeus eram “deicidas”, “hereges”, “controlavam os bancos, a mídia e a política” segundo as ideias vigentes e, como tais, deveriam ser convertidos ou queimados por “não aceitarem a verdade cristã e serem de uma raça inferior”. Mesmo com a queda do nazismo, essas ideias não foram apagadas da mentalidade europeia por completo. Ainda existem figuras no cenário mundial que negam o Holocausto, acusam os judeus de conspiração e defendem que os indígenas devem abrir mão de suas culturas originais.

 

Lance Stroll jogando futebol americano na infância. Repare nas características inuítes no menino. (Foto: Instagram) [6]

Muitas pessoas, tanto na Europa quanto na América, ainda veem os indígenas como parados no tempo, habitantes de florestas, que vivem da caça e pesca. Logo, causa estranheza para muitos ver que os indígenas podem ser empresários bem-sucedidos. Como a Fórmula 3 não recebe tanta atenção como a Fórmula 1, não eram todos os fãs do esporte que sabiam das conquistas de Lance Stroll. Tudo o que sabiam dele era que o piloto vinha do Canadá e seu pai era bilionário, ignorando que todos os pilotos recebem um investimento para manter suas carreiras. Até mesmo pilotos como Esteban Ocon possuem quem arque com os custos de suas estadias no esporte. Na pré-temporada de 2017, por não ter experiência com o carro de Fórmula 1, Stroll acabou batendo várias vezes. Enquanto uns aproveitavam a situação para fazer piadas, alguns precipitadamente acusaram o jovem de compra de vaga. Oras, mesmo que Stroll realmente tivesse pago para entrar na Fórmula 1, isso não seria motivo para tanto ódio. Afinal, ele havia sido contratado pela Williams para substituir um piloto que estava se aposentando, Felipe Massa. Massa desistiu da aposentadoria após a ida de Valtteri Bottas para a Mercedes para substituir o aposentado Nico Rosberg. Ninguém comprou a vaga de ninguém. Bottas e Stroll estavam simplesmente ocupando as vagas de pilotos que se aposentaram. Por que então tanto ódio a Stroll, que até então não era rival de ninguém?

A resposta para essa pergunta é simples: os fãs queriam ver outro europeu na Williams. Incomoda para muitos ter que aturar um piloto negro na Fórmula 1, agora um piloto indígena estava chegando ao esporte, na vaga que segundo os torcedores deveria ser ocupada por um piloto branco de etnia europeia. Este é o motivo pelo qual a fortuna de Lawrence Stroll causa tanto ódio nos internautas: mesmo ele sendo casado com uma europeia, mesmo suas empresas gerando empregos e sustentando famílias, mesmo seu dinheiro tendo sido obtido de maneira totalmente legal, sem envolvimento em nenhum escândalo, ele ainda era um “selvagem canibal incivilizado inferior aos europeus”. Imaginem o quanto que estes internautas devem ter se indignado ao ver pela primeira vez um piloto do continente americano ser campeão da Fórmula 3 EUROPEIA.

 

Lance Stroll foi o primeiro indígena a vencer a Fórmula 3 Europeia. Os racistas queriam ver um europeu como campeão. (Foto: Prema Powerteam) [7]

Motivados pelo ódio racial a Stroll, os racistas lançaram críticas ácidas à presença do canadense na Fórmula 1 como se ele fosse o culpado de todas as mazelas do mundo. Lance sentia na pele o que seu povo sofreu por séculos. Aqueles que odeiam os Strolls por sua fortuna são os mesmos que não dão nem uma esmola a um mendigo necessitado, e ignoram de propósito o fato de haver pilotos igualmente ricos cujos resultados não se aproximam dos de Lance. Por quê? Porque um branco rico não gera a mesma estranheza e desconforto do que um indígena rico. Porque um indígena judeu é visto como o culpado de todos os infortúnios do mundo, como se um simples piloto do canadense fosse o responsável pela fome e a miséria mundiais enquanto que os brancos, igualmente riquíssimos, não tivessem nenhuma participação nisso.

Afinal, qual foi o último piloto estreante que conseguiu um pódio em um carro de uma equipe mais fraca? Qual foi o último estreante que largou da primeira fila em um carro longe de ser competitivo? Qual foi o último piloto a quebrar três recordes em seu ano de estreia? Todos esses feitos são apagados propositalmente da memória dos torcedores e jornalistas para inocular nos fãs a ideia de que Lance só está no esporte porque seu pai é bilionário. Por quê? Porque os racistas da internet e da mídia não suportam ver que um piloto indígena conseguiu feitos que muitos brancos não foram capazes de obter, e que oito pilotos brancos, incluindo Fernando Alonso (o mesmo ídolo dos racistas que chamaram Hamilton de “macaco”), ficaram atrás de um indígena em seu ano de estreia. Para isso, omitem não só seus feitos, como também omitem a etnia de Lance das discussões. Usam a desculpa de que a mãe de Stroll é branca para dizer que ele “não é mais índio”. Ninguém deixa de ser índio. É como deixar de ser velho.

5- Pilotos pagantes brancos não são pagantes, só os índios

O fato é que o século XXI não é igual ao XX. Mesmo com a persistência do racismo, os movimentos de combate são mais fortes hoje em dia do que no século passado. A sociedade ocidental está mais consciente da importância do respeito e de que nenhuma etnia ou cultura é superior ou inferior a outra. Logo, até mesmo os racistas mais convictos procuram mascarar seu racismo para evitar serem condenados pela opinião pública.

A desculpa que os racistas encontraram para criticar a presença de um indígena na Fórmula 1 sem que se perceba os motivos raciais foi ressaltar a fortuna de seu pai. E como dizia o ministro da propaganda nazista Joseph Goebbels, “uma mentira contada várias vezes torna-se uma verdade”. Com isso, há jornalistas e internautas tão entorpecidos com o preconceito e a ideia de que Stroll não merece a vaga que se recusam até a ler a história do piloto antes de julgá-lo, convencido de que os indígenas devem ser ignorados, tratados com desprezo, do mesmo modo que foi séculos atrás, quando os colonizadores europeus massacraram tribos, escravizaram nativos e os obrigaram a abrir mão de suas culturas originais.

Mas os racistas acabam deixando escapar seu plano ao cometerem um deslize fatal: desconhecerem a etnia que eles julgam inferior. Muitos internautas em sua defesa afirmam não saber que Lance Stroll é indígena, e outros até negam com firmeza a etnia dele. A mesma desculpa era dada quando os mesmos racistas afirmavam não saber que Stroll é judeu. Os motivos: Stroll não usa kipá, o “chapeuzinho” judaico (e mesmo se usasse, ele ficaria escondido debaixo do capacete), não usa peyot (os cachinhos de cabelo nas têmporas) e não tem “nariz grande”. O primeiro passo para se identificar um racista é notar que ele generaliza todos os membros de um grupo como se todos fossem iguais. No caso, por Lance não ser um judeu ortodoxo hassídico, “não teria como saber que ele é judeu”. A internet facilita muito o trabalho de pesquisa, mas os racistas se julgam tão superiores que não veem a necessidade de pesquisar sobre aqueles que eles consideram inferiores.

O povo judeu é composto de diversas etnias. É errado pensar que todos os judeus são iguais. Na imagem acima é possível ver quatro etnias judaicas: os asquenazim, os sefaradim, os judeus etíopes (também chamados de Beta Israel) e os mizrahim. [8]

Mais absurda ainda é a desculpa de não saber que Stroll é indígena. Os motivos: ele não anda de cocar na cabeça, não caça e pesca com lança, não mora na floresta ou em reserva indígena, e sua pele é mais clara do que a pele “de índio”. Isso revela muito da ignorância da sociedade atual sobre os povos indígenas. Para começar, não existe apenas uma etnia indígena. Agrupar todos as tribos e nações nativas da América como um povo só foi um instrumento dos colonizadores para convencer os monarcas europeus de que os indígenas seriam facilmente derrotados e domados. Existem indígenas de diversas tonalidades de pele. No Canadá, os Métis, por exemplo, são mais claros que os Inuítes, e isso não os torna “menos índios” que os outros. Entre as tribos americanas, os Quileutes são diferentes dos Navajos, que são diferentes dos Cherokees, que são diferentes dos Ottawa, que são diferentes dos Potawatomi, que são diferentes dos Powhatans, e por aí vai. No Brasil, os Tupiniquins se diferem dos Guaranis, que se diferem dos Yanomamis, que se diferem dos Jês, entre outros. É verdade que a maioria dos indígenas possuem cabelos escuros, lisos e grossos, pele avermelhada, olhos levemente puxados e poucos pelos no corpo, mas nem todos são assim. Ironicamente, Stroll apresenta muitas dessas características, mas por não viver isolado da sociedade contemporânea, seus detratores omitem que ele seja indígena.

 

Existem milhares de etnias indígenas no continente americano. Cada tribo possui particularidades, como cultura, religião, vestimenta, língua e costumes. Na foto acima é possível ver quatro etnias indígenas: os Inuítes (Canadá), os Navajos (EUA), os Seris (México) e os Yanomamis (Brasil). [9]

Como podem ver, o ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, possui o mesmo tipo de cabelo e de olhos de Lance Stroll. Morales é da etnia aimará e Stroll é mestiço da etnia inuíte com a etnia europeia. Ambos possuem origens indígenas. [10]

O problema do racismo com os indígenas é que ele passa despercebido pela população por não haver muita atenção midiática acerca disso como há para o preconceito contra outras etnias. A luta dos indígenas pelo respeito é silenciada pelo desprezo midiático, e há quem afirme que nunca ouviu falar em índio. Quando se ouve a palavra “racismo”, ela quase nunca é associada aos indígenas, e estes somente aparecem nos noticiários quando o governo ou algum fazendeiro ou garimpeiro invade as terras de uma reserva e entra em confronto com os membros da aldeia.

E a prova concreta de que a birra que os haters tem com Stroll não tem nada a ver com dinheiro e sim com cor de pele é a idolatria que os mesmos tem pelo piloto inglês Lando Norris. Lando é filho do magnata Adam Norris, um milionário dono da companhia Horatio Investments e detentor de uma fortuna pessoal de US$270 milhões.

Ao contrário de Stroll, que estreou em uma equipe pouco competitiva, Norris estreou pela McLaren em um ano de atualizações no chassi que renderam à equipe um bom desempenho para competir pelos primeiros cinco lugares do ranking. Diferente de Stroll, que terminou seu ano de estreia a apenas três pontos de seu experiente companheiro (chegando até a ultrapassá-lo no ranking em alguns momentos do campeonato), Norris terminou o ano com 47 pontos a menos que o companheiro Carlos Sainz Jr., que possuia quatro anos de experiência. Sainz ainda conquistou o único pódio da equipe no ano, com um terceiro lugar no Grande Prêmio do Brasil de 2019.

Se formos comparar os resultados, não há dúvidas de que Lance Stroll é melhor que Lando Norris. Em seu ano de estreia, Lance teve um pódio, largou da primeira fila e quebrou três recordes: mais jovem estreante a ter pódio, mais jovem piloto a largar da primeira fila, e pódio mais jovem (menor média de idades dos pilotos no pódio). Seus feitos garantiram o quinto lugar de sua equipe no campeonato de construtoras. Lando em seu ano de estreia não conseguiu nenhum pódio e não quebrou nenhum recorde, tendo seu melhor resultado um sexto lugar no Bahrein e na Áustria, no mesmo ano em que Lance teve seu melhor resultado um quarto lugar na Alemanha. Para mascarar sua mediocridade enquanto atleta, Norris lançou uma campanha de marketing para que os fãs e a própria Fórmula 1 o lembrassem como um piloto engraçado em vez de um piloto pagante que só está no esporte porque seu pai é um empresário milionário. Nessa campanha, são feitos vários memes, usam-se perfis falsos para divulgá-los e qualquer coisinha que Norris faça já é acompanhada de uma enxurrada de pessoas rindo e o considerando o melhor piloto do grid, mesmo ele não fazendo nada de impressionante. Somado a isso está o patrocínio da Petrobras à McLaren, garantindo que os narradores e comentaristas brasileiros elogiassem Norris como se ele fosse a própria reencarnação de Ayrton Senna.

Então, se Lando Norris também é milionário e tem resultados muito inferiores, por que é Lance Stroll que é chamado de “piloto pagante”? Realmente, até no ano de “glória” de Norris, o melhor resultado de Stroll foi melhor que o de Norris e o inglês ainda não tem os feitos do canadense. E mesmo assim os internautas e a mídia idolatram Norris e apedrejam Stroll. Isso prova que não é o dinheiro que importa, é a cor da pessoa que tem o dinheiro.

 

Lógica dos racistas: se você for indígena, você é pagante; se você for branco, pode ser o piloto mais medíocre possível que vamos te louvar. [11]

Outro caso de racismo foi quando a mídia tentou culpar Lance Stroll pela saída de Esteban Ocon da Fórmula 1 (ver “Entenda o Caso Esteban Ocon”) após o pai do canadense comprar a equipe, salvar 405 empregos e manter Ocon até o fim de seu contrato (pois é, mesmo com esse detalhe, os racistas chegam ao absurdo de acusar Lawrence de comprar equipe para Lance). Omitem que Ocon já estava de saída quando seu padrinho Toto Wolff o prometeu uma vaga na Mercedes, na Renault ou na McLaren, mas todas as outras equipes recusaram. Ou seja, a culpa é de Stroll ou de Wolff, que mentiu para o apadrinhado? E por que não culpam Daniel Ricciardo, Lando Norris, Carlos Sainz Jr. ou George Russell pela saída de Ocon? Porque todos estes são brancos.

E falando em George Russell, ele provou que a mídia só critica as minorias enquanto exime os brancos de culpa. Em 2018, com o fraco desempenho da Williams, por culpa de seu departamento de engenharia comandado por Paddy Lowe, a mídia culpou Lance Stroll por não trazer pontos suficientes para o time. Stroll terminou aquele ano em antepenúltimo lugar, vencendo Romain Grosjean e o companheiro Sergey Sirotkin. Quando George Russell e Robert Kubica vieram para o time inglês substituir Stroll e Sirotkin, o desempenho do carro da Williams piorou e a equipe fez apenas um ponto, marcado por Kubica. Em nenhum momento criticou-se a contratação de Russell, mesmo ele não sendo capaz de fazer um mísero ponto para seu time. A mídia preferiu apostar em Russell como um piloto excelente, vítima de uma equipe incompetente, título este que dariam a Stroll se ele não fosse indígena.

6- Você já sabia que ele é índio, só não quer admitir

Ao ser anunciado como piloto da Williams para 2017, Lance Stroll ficou em evidência. Houve um interesse por parte da mídia e dos internautas de conhecê-lo melhor. Uma coisa prontamente notada foi a semelhança entre Lance e o ator americano Taylor Lautner, famoso por interpretar o lobisomem indígena Jacob Black na saga “Crepúsculo”. O curioso é que mesmo Lautner sendo filho de uma indígena, ainda haviam pessoas que duvidavam de sua etnia por seu pai ser descendente puramente de europeus. Se Lautner não fosse indígena, não teria sido chamado para interpretar um personagem indígena, certo? E se Stroll não fosse indígena, não faria sentido ele ser comparado com um ator indígena. Por que não compararam Stroll a Will Smith ou a Leonardo DiCaprio? Porque ele não tem a mesma etnia desses dois, e sim de Taylor Lautner.

Foto que compara Lance Stroll a Taylor Lautner. (Foto: Blig Groo) [12]

Site humorístico F1 Fanático chamando Stroll de “cover do lobisomem do crepúsculo”. Para quem não sabe, Jacob Black, o lobisomem na saga Crepúsculo, é um indígena da tribo Quileute. (Foto: F1 Fanático) [13]

7- O que aprendemos com isso?

  • Que Lance Stroll não está ocupando a vaga de ninguém. Ele foi contratado para substituir um piloto que havia se aposentado.
  • Que Lance Stroll possui mais conquistas que muitos pilotos brancos europeus, e isso incomoda muita gente.
  • Que mesmo sendo filho de mãe belga e neto de imigrante russo, Lance Stroll possui ancestrais inuítes, povo indígena nativo do Canadá, e não deixa de ter origens indígenas por ser mestiço.
  • Que não existe apenas uma aparência indígena. Há milhares de tribos indígenas na América, cada uma com sua etnia e cultura.
  • Que não importa o quão bom seja o piloto, ele sempre será vítima de racismo se pertencer a uma minoria étnica (ex.: Lewis Hamilton).
  • Que nenhum piloto chega à Fórmula 1 sem um suporte financeiro (incluindo os brasileiros). A implicância com a fortuna dos Strolls, obtida de maneira honesta e justa, é pura indignação de pessoas que acham que os indígenas não podem ser bem-sucedidos.
  • Que todos os haters de Lance Stroll, ou são racistas que não suportam ver indígenas no esporte (ainda mais vencendo brancos), ou são idiotas que repetem a falácia racista porque são incapazes de pensar com a própria cabeça e engolem tudo o que a mídia e a internet diz.

Sabendo disso, da próxima vez que ver ou ouvir um internauta ou apresentador de televisão (narrador ou comentarista) chamando Lance Stroll de “piloto pagante” (“pay driver”) ou de “garoto rico” (“rich boy”), ou acusando-o de roubar a vaga de alguém, saiba que está diante de um caso de racismo. Denuncie, confronte, diga a verdade para essa pessoa. Não deixe o racismo prosperar. Se queremos uma sociedade onde todos são iguais, não ignore o preconceito com o outro. Desmascare o racista. Obrigue-o a silenciar-se. Os indígenas são seres humanos como todas as outras etnias e origens, e como tais, merecem o nosso respeito e apoio.

 

Adendo (11/04/2020): No dia 11 de março de 2020, a página do The Racing Track no Instagram foi alvo de um comentário racista de um perfil chamado official_alexalbon, que afirmou que “Judeus merecem ‘Aushwitz’ não assentos na Fórmula 1”. Esta é a prova cabal do que foi demonstrado nesse artigo: quem é contra a presença de Lance Stroll na Fórmula 1 é contra a presença de pilotos indígenas e judeus no esporte, usando a fortuna da família do canadense como desculpa para o ódio desproporcional a uma pessoa que eles sequer conhecem. Lembrando que torcer para pilotos brancos e europeus, ou até mesmo não ser fã de Lance Stroll não torna o torcedor um racista (em momento algum a matéria deu a entender isso), mas usar padrão duplo para julgar os pilotos, ignorando os feitos de Stroll e rebaixando-os em relação a pilotos brancos igualmente ricos cujos resultados no esporte foram inferiores é sim um ato de racismo. Fica abaixo a foto do comentário:

 

Para quem duvidava que o racismo contra Lance Stroll fosse real, eis a prova.

 

8- Bibliografia

Fotos

Obs.: Nenhuma das fotos inseridas neste artigo pertence a mim. Este site possui fins informativos, não comerciais. Abaixo estão indicados os links de onde tirei as fotos. Todos os direitos reservados.