Racing Point: A Poorly Managed Image

The case of Racing Point’s image management between 2018 and 2020 should be studied by the faculties of Public Relations as much as those of Journalism in Brazil analyzes the Base School case. The reason is the same: it is an example of what an excellent professional should not do.

Successive errors and negligence made the team and its drivers (mainly Lance Stroll) the target of constant attacks and misinformation by the press. There was likely a conflict between the solutions to the image problems and the interests of the team. This article analyzes Racing Point’s failures to deal with successive image crises before its transformation into Aston Martin.

(The author of the article has a degree in Broadcasting from Faculdade Cásper Líbero and took courses in Press Office and Crisis Management by the same institution and Senac. Her teachers were Neuza Serra and Aurora Seles.)

 

1- The beginning of Racing Point and the first crisis: the Esteban Ocon Case

 

In 2018, Indian businessman Vijay Mallya faced legal problems in his home country’s justice system, which accused him of fraud and money laundering. His team in Formula One, Force India, declared bankruptcy in July of that year due to successive debts. Amid various speculations about the team’s future (among them that the Mexican businessman Carlos Slim, one of Sergio Pérez’s sponsors, would buy it), Canadian Lawrence Stroll, Lance’s father, joined an entrepreneur group to set up a consortium and buy Force India. Consequently, the team ran the rest of the 2018 season as Racing Point Force India.

 

Vijay Mallya: Force India’s owner from 2007 to 2018. (Photo: Getty Images) [1]

 

Lance Stroll, until then, drove for Williams, a team marked by severe administrative problems. Team principal Claire Williams and chief engineer Paddy Lowe blamed the drivers for the team’s poor performance. However, this problem lay in the low structure of the car assembled by the engineering department. The press adopted Claire and Lowe’s narrative and attacked Stroll and his teammate Sergey Sirotkin.

Since one of the new owners of Force India was the father of a driver, they speculated that either Sergio Pérez or Esteban Ocon would leave to make way for him. Pérez brought in more sponsorships and got higher scores, making him the most likely to stay on the team. On the other hand, Esteban Ocon was a personal friend of Lance Stroll, although the emotional component is not definitive in business decisions. However, they highly omitted that Ocon was already quoted to leave Force India. His then patron Toto Wolff, Mercedes’s team principal, would have offered him a seat on his team if he hadn’t made it difficult for Lewis Hamilton in a possible dispute for positions at the 2018 Monaco Grand Prix.

 

Toto Wolff failed to give Esteban Ocon a seat in 2019, but the driver choose to let the media blame Lance Stroll. (Photo: EsporteNET) [2]

 

According to the American podcaster and communication theorist Ben Shapiro, the facts become irrelevant to the media when it creates a narrative to follow its agenda. In the analysis of the German sociologist and communication theorist Theodor Adorno (1903-1969), the media has a purely market view of its target audience. Reconciling the two theses, we see that it was not enjoyable for the press to divulge the truth: Esteban Ocon was leaving. It would be more in line with its plan and financial interests to create controversies to sell headlines, even if this would damage Lance Stroll’s reputation.

The Canadian driver’s press officers never learned how to manage his image crisis generated by the media persecution. Many journalists refused to acknowledge their achievements in Formula One, which the category considers ‘historic.’ The strategy adopted was to ignore malicious comments from the press and fans. Although this is an excellent plan to maintain emotional control, “silence is never the best answer,” Professor Neuza Serra said. Stroll’s advisers’ duty was to clarify that he never fit into the ‘pay driver’ profile. One proof is that the Canadian fulfilled all the FIA prerequisites for entering Formula One, like the 40 points in the Superlicence (these are earned and cannot be bought). The other is that he achieved a podium and two records in his debut year by a team that is not very competitive.

 

Lance Stroll’s podium at the 2017 Azerbaijan Grand Prix: the last Williams had. (Foto: FORMULA1) [3]

 

Esteban Ocon took advantage of the controversy to disregard the case. He knew that was Toto Wolff’s fault for his probable exit from Formula One, as he failed to get him a seat on another team (the others viewed the relations between Ocon and Mercedes with suspicion). However, Ocon preferred to let the media blame Force India’s purchase by Lawrence Stroll and his partners. Only after months did the driver speak out against the attacks on Lance Stroll, even though he was not sincere about those responsible for his delicate situation. Maintaining the controversy despite the announcement was an excellent self-promotion strategy for Ocon.

 

Esteban Ocon clarifying the controversy, pero no mucho. (Photo: Instagram) [4]

 

2- The second crisis: the departure of Sergio Pérez and the entry of Sebastian Vettel

 

During 2019, Lance Stroll took longer to adapt to the new car, and consequently, his scores were below those of Sergio Pérez. Soon, some press sectors continued to doubt its capacity, as did Brazilian commentator Reginaldo Leme during the broadcast of the French Grand Prix by Rede Globo. Despite this, it had some impressive results, like fourth place in Germany.

In 2020 Racing Point started the season as a candidate for ‘top team,’ as its cars and drivers had an excellent performance. However, the team was accused of copying Mercedes’ brake systems and gaining advantages. Although FIA ordered Racing Point to pay a fine and lose 15 championship points after an investigation, the drivers managed to bring it back to the top. At the time, Lawrence Stroll commented on the case, stressing that he does not usually appear in the press but intends to clarify the situation, proving his team’s integrity.

 

Renault took the leadership of the movement against Racing Point, though its past is not exactly the most ethical in Formula One. [5]

 

They soon forgot this case due to a second image crisis. Again, the media found an opportunity to tarnish Lance Stroll’s reputation by accusing him of influencing Racing Point’s decisions for being the son of one of the owners. Fired from Ferrari due to a series of wrong choices that costed points for the team, Sebastian Vettel was out of options for the 2021 grid.. He decided to buy shares in Aston Martin, the company that would own Racing Point the following year, and soon secured his place. The problem was in the disclosure of events: Racing Point, sometimes denied, then confirmed the arrival of Vettel, and there was also inconsistency in the narratives about whether they warned Sergio Pérez or not.

The fact is that Racing Point never mentioned in its releases that Sebastian Vettel was more than a driver but a shareholder. And even big names in the media reporting the fact (like Adam Cooper and Sergio Quintanilha), the press reinvested in insinuating that Sergio Pérez was dismissed because firing Lance Stroll was out of the question. The natural thing for a press relations team would be to clarify two main points in this case: that Stroll is a driver with an excellent start to his career, and because he is young, he can be a good investment in the long run, and that Vettel bought his seat. Instead, both the team’s and Stroll’s advisors preferred to omit what would be crucial to ending the crisis.

 

3- The passivity of Lance Stroll (and his press office)

 

Given the facts listed, it is essential to note that Lance Stroll’s stance in the face of the successive crises through which his image goes is, at least, curious. As stated earlier, the driver and his press office prefer to ignore the insults because they know they are unfounded but end up wasting a good opportunity to reveal the truth to the press and improve his image. Ignoring the crisis is not going to make it go away; it just increases it.

The proof that Lance Stroll does not have privileges at Racing Point (as many in the media suggest) is that there is no complaint from him or his family on the constant fails of his strategists who persistently fail to plan for the races. It happens mainly at pit stops, as in the Turkish Grand Prix, where Stroll started from pole position and ended in ninth place. And his staff could use a handy resource to silence these rumors permanently.

 

Though the strategists are constantly failing, neither Lance Stroll nor his family complains about it. This is just one from the many proofs that Lance is not receiving privileges in the team. [6]

 

As evidenced in “Formula One in Brazil: An analysis of the television broadcasting in the country,” those who criticize the wealth of Lance Stroll, an indigenous and Jewish driver, and do not do the same with white drivers with fewer achievements, are racist. The same goes for those who criticized Lawrence Stroll’s investments in Force India and did not do the same with Sebastian Vettel’s investments in Aston Martin. In its marketing view, the press pretends to be a supporter of the fight against social inequalities, and – as stated by Ben Shapiro – it invests in the class struggle discourse to engage its target audience. But it is very suspicious that the convict in this narrative is precisely a Jewish-Amerindian driver, a member of ethnic minorities, and involved in social causes.

By this logic, what would apparently be a narrative case of promoting a class struggle (between the driver “lucky to be rich” and the fans “without the same luck”) turns out to be a reactionary discourse that reinforces a system of oppression of minorities, because it denies the athlete of historically persecuted ethnic groups (Jews and Amerindians) the right to fortune while allowing those belonging to the dominant group (white Europeans).

(Translated from Portuguese to English from “Formula One in Brazil: An analysis of the television broadcasting in the country”, p. 120-121)

 

Therefore, it is strange that Lance Stroll’s advisers do not point out the racist character in the media attacks on the driver. If it did, the press would be forced to report, and journalists, fearing that they would be labeled as ‘racist’ by public opinion, would change the discourse. Also suspicious is that Stroll still considers Esteban Ocon his friend, even when he used the Canadian driver’s image crisis to promote himself instead of helping him.

 

As Robin would say, “Holy Naivety, Batman!” [7]

 

Also, Sebastian Vettel’s entry into Aston Martin caused a suspicious attitude in Lawrence Stroll himself, whose position is inconsistent with reality and puts his own son’s reputation in check. The businessman blamed Vettel’s dismissal from Ferrari before the beginning of the 2020 season for the German’s poor performance that year. He ignores the fact that this ‘bad phase’ had already occurred in recent years due to Vettel’s “individual mistakes,” leading him to be fired, as reported by journalist and former driver Martin Brundle). He also blamed the Ferrari car for the driver’s misfortune, ignoring that Vettel’s situation is quite different from that of Lance Stroll and Sergey Sirotkin at Williams in 2018 (both drivers had difficulties on the track due to the car). Charles Leclerc’s performance in 2020, far above Vettel’s, proves that, although it has an impact, the Ferrari car was not the main factor for the German’s underperforming performance. Finally, in trusting that Vettel will benefit the team for having been a four-time champion with Red Bull between 2010 and 2013, the businessman resorts to the fallacy argumentum ad antiquitatem (appeal to tradition or the past), presenting the future as a continuity of the past distant, ignoring the changes that occur in the present. However, Mercedes also did not have a four-time champion in 2014, when their team was composed of Lewis Hamilton and Nico Rosberg, and won all championships from that year. Lawrence Stroll himself does not mention Vettel’s purchase of shares, as if he also wanted to hide this fact so that the German is not remembered as a ‘seat buyer’ (using his past to help with the disclosure strategy). Consequently, as for lack of science (or, maybe, even with his consent), he allows the media to continue distorting his son Lance’s image to satisfy the team’s marketing goals.

 

4- Conclusion

 

Racing Point’s press office has consistently failed to protect its drivers, especially Lance Stroll, from the media’s unreasonable and sensationalist attacks. And even if it means that Stroll does not have privileges on his team, the press prefers to ignore the facts to obtain financial advantages through controversies.

Sometimes, companies end up allowing specific image crises to hide their real interests. In the case of Racing Point, it is evident that Sebastian Vettel did not want to be remembered as ‘the driver who had to buy his seat because, despite his glorious past, his present was a disaster.’ Therefore, the team omitted information that would be essential to save Lance Stroll’s reputation. Consequently, it is clear that if there is a privileged person at Racing Point (now Aston Martin), that someone is Vettel. The passivity of the Canadian driver and his press office is a clear example of how not to face an image crisis caused by the media.

 

They are doing a great job in engineering. They only need to improve in press office. [8]

 

5- Bibliography

To better understand the sources, the bibliography was divided into sections according to the information presented in the article.

 

1- The creation of Racing Point

 

2- The Esteban Ocon Case

 

3- The Williams Case

3.1 Claire Williams and Paddy Lowe blaiming the drivers for the team’s problems (from 2017 to 2018)

3.2 The real causes for the problems

 

4- Reginaldo Leme’s comment

 

5- Lance Stroll’s deeds in Formula One

 

6- Philanthropic actions and social causes defended by Lance Stroll

 

7- The brakes’ scandall

 

8- “Individual mistakes” led Sebastian Vettel to be fired from Ferrari (Martin Brundle’s testimony)

 

9- Sebastian Vettel buys shares from Aston Martin

 

10- Discrepancy of narratives about Sergio Pérez’s situation

 

11- Lawrence Stroll’s fallacious testimony in favor of Sebastian Vettel

 

12- The impact of the car on the drivers’ performance

 

12- Theoretical basis

 

6- Photos

Note: None of the photos used in this article, except the montages, belongs to me. This site has informative intentions, not commercial. The links where I took the photos are indicated below. All copyrights reserved.

 

Racing Point: Uma Imagem Mal Gerida

O caso da gestão de imagem da Racing Point entre 2018 e 2020 deveria ser estudado pelas faculdades de Relações Públicas tanto quanto o caso da Escola Base é abordado nas de Jornalismo. O motivo é o mesmo: trata-se de um exemplo do que um bom profissional definitivamente não deve fazer.

Sucessivos erros e negligências tornaram a equipe e seus pilotos (principalmente Lance Stroll) alvos de constantes ataques e desinformações por parte da imprensa. É provável que houvesse um conflito entre as soluções para os problemas de imagem e os interesses da escuderia. Esta matéria tem por objetivo analisar as falhas da Racing Point em lidar com as sucessivas crises de imagem antes de sua transformação em Aston Martin.

 

(A autora da matéria é formada em Rádio, TV e Internet pela Faculdade Cásper Líbero, e fez cursos de Assessoria de Imprensa e Gerenciamento de Crise pela mesma instituição e pelo Senac. Suas professoras foram Neuza Serra e Aurora Seles.)

 

1- O início da Racing Point e a primeira crise: o Caso Esteban Ocon

 

Em 2018, o empresário indiano Vijay Mallya enfrentou problemas judiciais na justiça de seu país natal, que o acusava de fraude e lavagem de dinheiro. Somado a isso, sua escuderia na Fórmula 1, a Force India, decretou falência em julho daquele ano devido ao acúmulo de dívidas. Em meio às várias especulações sobre o futuro do time (entre elas a de que seria comprado pelo empresário mexicano Carlos Slim, um dos patrocinadores de Sergio Pérez), o canadense Lawrence Stroll, pai de Lance, se juntou a um grupo de empresários para montar um consórcio e comprar a Force India. Consequentemente, a escuderia correu o resto da temporada de 2018 sob o nome de Racing Point Force India.

 

Vijay Mallya: dono da Force India de 2007 a 2018. (Foto: Getty Images) [1]

 

Lance Stroll até então corria pela Williams, uma equipe marcada por sérios problemas administrativos. A chefe de equipe, Claire Williams, e o engenheiro-chefe, Paddy Lowe, buscavam transferir a culpa do mau desempenho do time aos pilotos, embora o motivo deste problema estivesse na estrutura precária do carro montado pelo departamento de engenharia. A imprensa adotou a narrativa de Claire e Lowe e passou a atacar Stroll e seu companheiro de equipe Sergey Sirotkin.

Devido ao fato de um dos novos donos da Force India ser pai de um piloto, especulou-se que ou Sergio Pérez ou Esteban Ocon sairia para dar lugar a ele. Pérez trazia mais patrocínios e conseguia pontuações mais altas, tornando-o a escolha mais provável para continuar na equipe. Por outro lado, Ocon era amigo pessoal de Lance Stroll, embora o componente emocional não seja definitivo em decisões de negócios. No entanto, o que pouco se falou foi que Ocon já era cotado para deixar a Force India, pois seu então padrinho Toto Wolff, chefe de equipe da Mercedes, teria lhe oferecido uma vaga em seu time se não dificultasse para Lewis Hamilton em uma possível disputa por posições no Grande Prêmio de Mônaco de 2018.

 

Toto Wolff falhou em arranjar um assento a Esteban Ocon 2019, mas o piloto preferiu deixar a mídia culpar Lance Stroll. (Photo: EsporteNET) [2]

 

Segundo o radialista e teórico da comunicação americano Ben Shapiro, os fatos tornam-se irrelevantes para a mídia quando esta cria uma narrativa para seguir sua agenda. Na análise do sociólogo e teórico da comunicação alemão Theodor Adorno (1903-1969), a mídia tem uma visão puramente mercadológica de seu público-alvo. Conciliando as duas teses, vemos que não era interessante para a imprensa divulgar a verdade (de que Esteban Ocon estava de partida), pois atenderia mais à sua agenda e a seus interesses financeiros criar polêmicas para vender manchetes, mesmo que isso prejudicasse a reputação de Lance Stroll.

A equipe de assessoria de imprensa do canadense nunca conseguiu administrar bem a crise de imagem gerada pela perseguição midiática. Muitos jornalistas se recusavam a reconhecer seus feitos na Fórmula 1, que a própria categoria considera “históricos”. A estratégia adotada era de simplesmente ignorar comentários maldosos da imprensa e dos torcedores. Embora isso seja um bom plano para manter o controle emocional, “o silêncio nunca é a melhor resposta”, como dizia a professora Neuza Serra. Era dever dos assessores de Stroll deixar bem claro que o mesmo nunca se enquadrou no perfil de “piloto pagante”, pois cumpriu todos os pré-requisitos da FIA para o ingresso na Fórmula 1 (como os 40 pontos na Superlicença, que são obtidos, nunca comprados) e conseguiu um pódio e dois recordes em seu ano de estreia, por uma equipe pouco competitiva.

 

Pódio de Lance Stroll no Grande Prêmio do Azerbaijão: o último da Williams. (Foto: FORMULA1) [3]

 

Esteban Ocon se aproveitou da polêmica para se omitir sobre o caso. Mesmo sabendo que a culpa de sua provável saída da Fórmula 1 era da falha de Toto Wolff em lhe arrumar um assento em outra equipe (já que as outras escuderias viam com desconfiança as relações entre Ocon e Mercedes), ele preferiu deixar a mídia culpar a compra da Force India por Lawrence Stroll e seus sócios. Só depois de meses que o piloto se pronunciou contra os ataques a Lance Stroll, mesmo não sendo sincero sobre os responsáveis por sua situação delicada. Manter a polêmica apesar do pronunciamento foi uma ótima estratégia de autopromoção para Ocon.

 

Esteban Ocon esclarecendo a polêmica, pero no mucho. (Foto: Instagram) [4]

 

2- A segunda crise: a saída de Sergio Pérez e o ingresso de Sebastian Vettel

 

Durante o ano de 2019, Lance Stroll levou mais tempo para se adaptar ao novo carro, e consequentemente suas pontuações estavam abaixo das de Sergio Pérez. Logo, alguns setores da imprensa continuavam a duvidar de sua capacidade, como foi o caso do comentarista Reginaldo Leme durante a transmissão do Grande Prêmio da França pela Rede Globo. Apesar disso, teve alguns resultados impressionantes, como o quarto lugar na Alemanha.

Em 2020 a Racing Point começou a temporada como uma candidata a “equipe de ponta”, com um ótimo desempenho dos carros e pilotos. Entretanto, o time foi acusado de copiar os sistemas de freios da Mercedes e, com isso, ganhar vantagens. Apesar da equipe ter sido condenada a pagar uma multa e perder 15 pontos no campeonato depois de uma investigação, os pilotos conseguiram trazê-la de volta ao topo. Na época, Lawrence Stroll se pronunciou sobre o caso, ressaltando que não costuma aparecer na imprensa, mas que pretende esclarecer a situação, provando a integridade de sua escuderia.

 

 

A Renault liderou o movimento contra a Racing Point, embora seu passado não seja exatamente o mais ético na Fórmula 1. [5]

 

O caso logo foi esquecido com uma segunda crise de imagem: novamente, a mídia encontrou uma oportunidade de manchar a reputação de Lance Stroll em acusá-lo de ter influência sobre as decisões da Racing Point por ser filho de um dos donos. Após ser demitido da Ferrari, devido a uma série de decisões erradas que custaram pontos à equipe, Sebastian Vettel estava sem opções para o grid de 2021. Decidiu comprar ações da Aston Martin, empresa que seria a dona da Racing Point no ano seguinte, e logo garantiu sua vaga. O problema estava na divulgação dos acontecimentos: a Racing Point ora negava, ora confirmava a vinda de Vettel, e também havia inconstância nas narrativas sobre se Sergio Pérez havia sido avisado ou não.

O fato é que a Racing Point jamais abordou em seus releases que Sebastian Vettel era mais do que um piloto, mas sim um acionista. E mesmo grandes nomes da mídia noticiando o fato (como Sergio Quintanilha e Adam Cooper), a imprensa investiu novamente em insinuar que Sergio Pérez foi dispensado porque demitir Lance Stroll estava fora de cogitação. O natural de uma equipe de assessoria de imprensa seria justamente esclarecer dois pontos primordiais neste caso: o de que Stroll é um piloto com um bom começo de carreira, e por ser jovem pode ser um bom investimento a longo prazo, e que Vettel comprou seu assento. Em vez disso, tanto a assessoria da equipe quanto a de Stroll preferiram omitir o que seria crucial para encerrar a crise.

 

3- A passividade de Lance Stroll (e de sua assessoria de imprensa)

 

Diante dos fatos elencados, também não se deve ignorar que a postura de Lance Stroll diante das sucessivas crises pelas quais passa sua imagem é no mínimo curiosa. Como dito anteriormente, o piloto e sua assessoria de imprensa preferem ignorar os insultos porque sabem que estes não possuem fundamento, mas acabam desperdiçando uma boa oportunidade de revelar a verdade à imprensa e melhorar sua imagem. Ignorar a crise não vai fazê-la sumir, só a faz aumentar.

A prova de que Lance Stroll não possui privilégios na Racing Point (como muitos da mídia insinuam) é que seus estrategistas falham constantemente nos planos para as corridas (principalmente nos pit stops, como no Grande Prêmio da Turquia, de onde Stroll largou da pole position e acabou em nono lugar), e não há nenhuma queixa do piloto ou de sua família quanto a isto. E sua assessoria poderia usar um recurso muito útil para silenciar por definitivo esses boatos.

 

Embora os estrategistas estejam falhando constantemente, nem Lance Stroll nem sua família reclamam disso. Esta é apenas uma das muitas provas de que Lance não está recebendo privilégios na equipe. [6]

 

Como comprovado em “A Fórmula 1 no Brasil: Uma análise sobre a transmissão televisiva no país”, aqueles que criticam a fortuna de Lance Stroll, um piloto indígena e judeu, e não fazem o mesmo com pilotos brancos com menos feitos, são racistas. O mesmo vale para aqueles que criticaram os investimentos de Lawrence Stroll na Force India e não fizeram o mesmo com os de Sebastian Vettel na Aston Martin. A imprensa, em sua visão mercadológica, se passa por apoiadora da luta contra as desigualdades sociais, e como afirmado por Ben Shapiro, investe no discurso da luta de classes para engajar seu público-alvo. Mas é muito suspeito que o condenado nessa narrativa seja justamente um piloto indígena e judeu, membro de minorias étnicas e engajado em causas sociais.

Por esta lógica, o que aparentemente seria um caso de narrativa de promover uma luta de classes (entre o piloto “sortudo por ser rico” e os torcedores “sem a mesma sorte”) acaba por se revelar um discurso reacionário que reforça um sistema de opressão de minorias, pois nega o direito de fortuna ao atleta de etnias historicamente perseguidas (judeus e indígenas) ao mesmo tempo que permite ao que pertence ao grupo dominante (europeus brancos).

(“A Fórmula 1 no Brasil: Uma análise sobre a transmissão televisiva no país”, p. 120-121)

 

Portanto, é estranho que a assessoria de Lance Stroll não aponte o caráter racista nos ataques da mídia ao piloto. Se assim fizesse, a imprensa seria obrigada a noticiar, e os jornalistas, temendo serem taxados como “racistas” pela opinião pública, mudariam o discurso. Também suspeito é o fato de Stroll ainda considerar Esteban Ocon seu amigo, mesmo quando este usou uma crise da imagem do canadense para se autopromover em vez de ajudá-lo.

 

Como diria o Robin, “Santa Ingenuidade, Batman!” [7]

 

Além disso, o ingresso de Sebastian Vettel na Aston Martin provocou uma atitude suspeita no próprio Lawrence Stroll, cujo posicionamento não condiz com a realidade e coloca em xeque a reputação do próprio filho. O empresário culpou a demissão de Vettel da Ferrari antes do início da temporada de 2020 pelo mau desempenho do alemão naquele ano (ignorando que essa “má fase” já ocorria nos últimos anos devido a “erros individuais” de Vettel, levando-o a ser demitido, como relatou o jornalista e ex-piloto Martin Brundle). Também responsabilizou o carro da Ferrari pelo infortúnio do piloto, ignorando que, diferente do que houve com seu filho e Sergey Sirotkin na Williams em 2018 (no qual ambos os pilotos tinham dificuldades nas pistas devido ao carro), o desempenho de Charles Leclerc em 2020 muito acima do de Vettel prova que, embora tenha um impacto, o carro da Ferrari não foi o fator principal pelo rendimento abaixo do esperado do alemão. Por fim, ao confiar que Vettel trará benefícios à equipe por ter sido tetracampeão com a Red Bull entre 2010 e 2013, o empresário recorre à falácia argumentum ad antiquitatem (apelo à tradição ou ao passado), apresentando o futuro como uma continuidade de um passado distante, ignorando as mudanças que ocorrem no presente. Ora, a Mercedes também não tinha um tetracampeão em 2014, quando sua equipe era composta por Lewis Hamilton e Nico Rosberg, e venceu todos os campeonatos a partir daquele ano. O próprio Lawrence Stroll não menciona a compra de ações de Vettel, como se quisesse também esconder esse fato para que o alemão não seja lembrado como “comprador de vaga” (recorrendo a seu passado para ajudar na estratégia de divulgação). Consequentemente, por falta de ciência (ou, talvez, até por seu próprio consentimento), permite que a mídia continue distorcendo a imagem de seu filho Lance para satisfazer os objetivos mercadológicos da equipe.

 

4- Conclusão

 

A assessoria de imprensa da Racing Point falhou constantemente em proteger seus pilotos, principalmente Lance Stroll, de ataques descabidos e sensacionalistas por parte da mídia. E mesmo que isso signifique que Stroll não possui privilégios em sua equipe, a imprensa prefere ignorar os fatos para obter vantagens financeiras através de polêmicas.

Às vezes, as empresas acabam por permitir certas crises de imagem para esconder seus reais interesses. No caso da Racing Point, era óbvio que Sebastian Vettel não queria ser lembrado como “o piloto que precisou comprar sua vaga porque, apesar de seu passado glorioso, seu presente estava um desastre”. Logo, a equipe omitiu uma informação que seria essencial para salvar a reputação de Lance Stroll. Percebe-se, portanto, que se há um privilegiado na Racing Point (atual Aston Martin), esse alguém é Vettel. A passividade do piloto canadense e de sua assessoria de imprensa é um exemplo claro de como não encarar uma crise de imagem causada pela mídia.

 

Estão fazendo um ótimo trabalho na engenharia. Só falta melhorar na assessoria de imprensa. [8]

 

5- Bibliografia

Para melhor compreensão das fontes, a bibliografia foi dividida em seções de acordo com as informações apresentadas na matéria.

 

1- Criação da Racing Point

 

2- Caso Esteban Ocon

 

3- Caso Williams

3.1 Claire Williams e Paddy Lowe responsabilizando os pilotos pelos problemas da escuderia (de 2017 a 2018)

3.2 Reais causas dos problemas

 

4- Comentário de Reginaldo Leme

 

5- Feitos de Lance Stroll na Fórmula 1

 

6- Ações filantrópicas e causas sociais defendidas por Lance Stroll

 

7- Escândalo dos freios

 

8- “Erros individuais” levaram Sebastian Vettel a ser demitido pela Ferrari (depoimento de Martin Brundle)

 

9- Sebastian Vettel compra ações da Aston Martin

 

10- Discrepância de narrativas sobre a situação de Sergio Pérez

 

11- Depoimento falacioso de Lawrence Stroll em favor de Sebastian Vettel

 

12- Impacto do carro no desempenho dos pilotos

 

12- Embasamento teórico

 

6- Fotos

Obs.: Nenhuma das fotos inseridas neste artigo, exceto as montagens, pertence a mim. Este site possui fins informativos, não comerciais. Abaixo estão indicados os links de onde tirei as fotos. Todos os direitos reservados.

 

Formula One: The Business Sport

Virtually all Formula One fans love the sport for its competition. A proof of this is the television audience rates in the 2010s: in Brazil, at least, the number of viewers was falling year after year during the Turbo Era, which marked the dominance of Sebastian Vettel, while it began to increase at record levels when it started a certain balance between Mercedes, Ferrari, and Red Bull. However, fans get so emotional from the cars’ disputes that they forget about a definitive factor in Formula One: money.

I decided to do this article because of an unpleasant episode that happened to a friend of mine. In a Whatsapp group, she talked to a professor and, to reinforce her point of view, included a weblink to an article on the Motorsport website signed by Adam Cooper, which reported on the investments of Sebastian Vettel in Aston Martin. Behold, a man appears and then laughs at her comment, finding it absurd that someone says that a four-time champion buys a place in a team, even if the facts show just that. My friend responded well, arguing that Vettel was not indeed acting as a four-time champion (look at his accidents and results, which in no way resemble his champion days). But the man kept making fun of (and still questioned the journalistic quality of Cooper, an experienced and respected journalist in the area), ignoring a simple question: Why would anyone invest in a team in which they could not participate?

This story proved that the mentioned guy does not know Formula One well, but many fans also do not realize the sport’s financial character. It is no wonder that many journalists try to sell sensationalist headlines based on creating controversies about money instead of informing fans about the role of money in Formula One. As we propose to inform and raise awareness, here is the true face of world motorsport’s top category.

 

1- Expensive sport, investors rule

 

Anyone who accesses the Formula One website notes that there is a part reserved for partners, in other words, the sponsors. As Paulo Mourão well defined in his book The Economics of Motorsports: The Case of Formula One (2017), the costs of running each race are around millions of euros, as there are high material and human demands. Everything costs money in Formula One: the structures of the track and the paddock, the cars’ engineering, the physical preparation of the drivers, transport, the salary of the employees, among other components of the category. Many sectors benefit from this process (hospitality, fuel, tourism, etc.). As you may know, money does not grow on trees, so resources are needed to make all of this possible. Therefore, the sponsoring companies invest in the category for this purpose (other than Formula One revenues, such as selling tickets and consumables, taxes, transmission agreements, contribution rates for teams and organizers).

 

Bernie Ecclestone (the former owner of Formula One) and Chase Carey (the current CEO of Fórmula One). [1]

 

As well explained in the article Understand the Esteban Ocon Case (2019), the high costs of Formula One make it difficult for drivers who do not have significant financial support to cover the team’s expenses. Unfortunately, the sports media fails to teach the public that this is an intrinsic characteristic of the category. However, the following logic can explain it: the press vehicles are usually sponsored and avoid demolishing investments in general. Sensationalism ends up being a profitable business, as it holds more people’s attention and helps disseminate the materials. In other words: it is easier to label drivers and teams than to show that everything in Formula One is related to money.

 

2- The case of Sebastian Vettel

 

It is not uncommon to see drivers expanding their area of expertise. We had the cases of Jack Brabham, Jackie Stewart, and Emerson Fittipaldi as team owners; Niki Lauda was a shareholder and adviser to Mercedes, Alain Prost became an ambassador for Renault, among others. More recently, we had Lawrence Stroll, father of Lance, as a majority partner at Racing Point, and Nico Rosberg as the manager of Robert Kubica (although he quit the role months later). But the case of Sebastian Vettel has peculiarities that are fundamental to understanding the situation.

 

Fired from Ferrari, Vettel invested in Aston Martin. The event did not generate much controversy (if it were with other driver…) [2]

 

To start, except for Jack Brabham, all the drivers mentioned above (Fittipaldi, Prost, Roberg, and Stewart) entered the business world when they were no longer on the tracks. Sebastian Vettel is a member of the current grid and found himself on the edge of a precipice when Ferrari fired him. After all, as explained in the article The Dismissal of Sebastian Vettel, they were losing money and credibility with the German driver’s constant accidents. It is important to remember that the teams receive payments for their results, which are better when their drivers have consistent performances. It was useless to have won four titles with Red Bull in the early 2010s; nowadays, he was wasting good chances to score points with Ferrari. But Vettel did not give up and was willing to do anything to continue in Formula One, so he looked for an opportunity to invest in a team: he would make money as a driver and shareholder.

However, it could not be any team but one with great potential and real chances of triumph. Nobody wondered why Vettel did not buy Williams shares as Toto Wolff did? Or Haas? To realize why he got so interested in Racing Point, look at its growth in 2020. And unlike Wolff, who was thinking about marketing gains, Vettel wants to clean up his image and bring a glorious new chapter to his athletic career.

 

3- Conclusion

 

Even if the fans do not realize it, sport is a business. That is not the only case of Formula One (Brazilians will remember Neymar’s transfer from Santos to Barcelona, known as Neymargate). Sometimes the press does not instruct the fans properly because as much are people lay on the subject, it increases the chances of believing in sensationalist headlines and feeding a certain fanaticism through controversies. Therefore, many fans still do not realize that business is a much more significant component of Formula One than the competition itself.

 

The case of Neymar is one more proof of the inherent relation between money and sports. [3]

 

So, if you think that Sebastian Vettel does not need to buy seats because he was victorious in the past (even though this is, indeed, the current situation) or that Nico Rosberg managed Robert Kubica for charity, know that you are analyzing the case in a shallow way. And there is no point in laughing or trying to disqualify the other based on sex or age. Both sides must inform themselves to have a reasonable debate.


Bibliography

About Brazilian television audience rates

About the article itself

 

Note: Some sources consulted for this articles are present in the thesis “A Fórmula 1 no Brasil: Uma análise sobre a transmissão televisiva no país” (2020), that will be published by Faculdade Cásper Líbero (I gave sources for the author during the elaboration of the thesis and she gave me resources for my publication). I am clarifying his point so that there will be no accusations of plagiarism.

 

Photos

Note: None of the photos used in this article belongs to me. This site has informative intentions, not commercial. The weblinks where I took the photos are indicated below. All copyrights reserved.

Fórmula 1: O Esporte dos Negócios

Praticamente todos os fãs de Fórmula 1 gostam do esporte por sua competição. Uma prova disso são os índices de audiência televisiva na década de 2010: no Brasil, pelo menos, o número de espectadores estava caindo ano após ano durante a “Era Turbo”, que marcou o domínio de Sebastian Vettel, enquanto que começou a aumentar em níveis recorde quando começou um certo equilíbrio entre Mercedes, Ferrari e Red Bull. No entanto, os fãs se emocionam tanto com as disputas entre os carros que se esquecem de um fator definitivo na Fórmula 1: o dinheiro.

Resolvi fazer este artigo por causa de um episódio desagradável que aconteceu com uma amiga minha. Em uma conversa em um grupo de Whatsapp, ela estava conversando com um professor e, para reforçar seu ponto de vista, incluiu um link de uma matéria do site Motorsport assinada por Adam Cooper, que relatava sobre os investimentos de Sebastian Vettel na Aston Martin. Eis que um sujeito aparece e simplesmente ri do comentário dela, achando um absurdo que alguém diga que um “tetracampeão” compre uma vaga em uma equipe, mesmo que os fatos mostrem exatamente isso. Minha amiga soube responder bem, argumentando que Vettel não estava exatamente agindo como um “tetracampeão” (basta ver seus acidentes e resultados, que em nada se assemelham a seus tempos de campeão). Mas o homem continuou debochando (e ainda questionou a qualidade jornalística de Cooper, um jornalista experiente e conceituado no meio), ignorando uma simples questão: Por que alguém investiria em uma equipe da qual não pudesse participar?

Essa história provou que o sujeito em questão não conhece bem a Fórmula 1, mas sei que muitos fãs também não percebem o caráter financeiro do esporte. Não é à toa que muitos jornalistas tentam vender manchetes sensacionalistas com base em criar polêmicas sobre o dinheiro em vez de informar os torcedores sobre o papel deste na Fórmula 1. Como nossa proposta é informar e conscientizar, aqui está a verdadeira face dos negócios da “categoria máxima do automobilismo mundial”.

 

1- Esporte caro, investidores mandam

 

Quem acessa o site da Fórmula 1 nota que há uma parte reservada aos “partners” (ou seja, aos “parceiros”), que nada mais são do que os patrocinadores. Como bem definiu Paulo Mourão em seu livro “The Economics of Motorsports: The Case of Formula One” (2017), os custos da realização de cada corrida giram em torno de milhões de euros, pois há uma grande demanda material e humana. Tudo custa dinheiro na Fórmula 1: as estruturas da pista e do paddock, a engenharia dos carros, a preparação física dos pilotos, o transporte, o salário dos funcionários, entre outros componentes da categoria. Isso sem falar nos inúmeros setores beneficiados nesse processo (hotelaria, combustíveis, turismo, etc.). Como devem saber, “dinheiro não nasce em árvore”, é preciso uma fonte de recursos para viabilizar tudo isso. Logo, são as empresas patrocinadoras que investem na categoria para tal propósito (fora outras receitas da Fórmula 1, como a venda de ingressos e artigos de consumo, impostos, acordos de transmissão, taxas de contribuição das escuderias e organizadores).

 

Bernie Ecclestone (antigo dono da Fórmula 1) e Chase Carey (atual CEO da Fórmula 1). [1]

 

Como bem explicado na matéria “Entenda o Caso Esteban Ocon” (2019), os altos custos da Fórmula 1 dificultam o ingresso de pilotos que não tenham um suporte financeiro significativo para arcar com as despesas da equipe. Infelizmente, a mídia esportiva falha em ensinar ao público que esta é uma característica intrínseca da categoria, embora isso possa ser explicado pela seguinte lógica: normalmente os veículos de imprensa são patrocinados e por isso evitam falar mal de investimentos de maneira geral, e o sensacionalismo acaba sendo um negócio rentável, pois prende mais atenção das pessoas e ajuda a disseminar as matérias. Em outras palavras: é mais fácil rotular pilotos e equipes do que mostrar que tudo na Fórmula 1 está relacionado ao dinheiro.

 

2- O caso de Sebastian Vettel

 

Não é raro ver pilotos expandindo sua área de atuação. Tivemos os casos de Jack Brabham, Jackie Stewart e Emerson Fittipaldi como donos de escuderias, Niki Lauda foi acionista e conselheiro da Mercedes, Alain Prost se tornou embaixador da Renault, entre outros. Mais recentemente, tivemos Lawrence Stroll, pai de Lance, como sócio majoritário da Racing Point, e Nico Rosberg como empresário de Robert Kubica (embora tenha se desligado da função meses depois). Mas o caso de Sebastian Vettel tem peculiaridades que são fundamentais para entender a situação.

 

Demitido da Ferrari, Vettel investiu na Aston Martin. O fato não gerou tanta polêmica (se fosse com outro piloto…) [2]

 

Para começar, com exceção de Jack Brabham, todos os pilotos citados anteriormente (Fittipaldi, Prost, Roberg e Stewart) entraram no mundo dos negócios quando já não estavam mais nas pistas. Sebastian Vettel é um membro do grid atual e se viu na beira de um precipício quando foi demitido da Ferrari, afinal, como explicado na matéria “A Demissão de Sebastian Vettel: Justiça ou Injustiça?”, a equipe estava perdendo dinheiro e credibilidade com os constantes acidentes do alemão. Lembrando que as escuderias recebem um pagamento por seus resultados, que são melhores quando os pilotos têm performance consistente. De nada adiantava ele ter vencido quatro títulos com a Red Bull no começo dos anos 2010 se nos tempos atuais com a Ferrari estava desperdiçando boas oportunidades de pontuação. Mas Vettel não se deu por vencido e estava disposto a tudo para continuar na Fórmula 1, para isso buscou uma oportunidade de investir em uma equipe: ele ganharia dinheiro como piloto e acionista.

Mas não poderia ser qualquer time, teria que ser um com grande potencial e chances reais de triunfo. Ninguém se indagou o porquê de Vettel não ter comprado ações da Williams como fez Toto Wolff? Ou da Haas? Basta ver a evolução da Racing Point em 2020 e todo o projeto em torno do crescimento da escuderia para entender porque o alemão se interessou tanto pela “Mercedes Rosa”. E diferente de Wolff, que estava pensando nos ganhos mercadológicos, Vettel deseja limpar sua imagem e trazer um novo capítulo glorioso à sua carreira atlética.

 

3- Conclusão

 

Mesmo que os fãs não percebam, o esporte é um negócio, e este não é o caso único da Fórmula 1 (os brasileiros vão lembrar bem da transferência do Neymar do Santos para o Barcelona, conhecida como “Neymargate”). Às vezes a imprensa não instrui corretamente os torcedores, pois quanto mais leiga acerca do tema for a pessoa, maiores as chances de a mesma acreditar em manchetes sensacionalistas e de alimentar um fanatismo através de polêmicas. Logo, muitos torcedores ainda não percebem que os negócios são uma parte constituinte muito mais significativa da Fórmula 1 do que a competição em si.

 

O caso de Neymar é mais uma prova da relação intrínseca entre o dinheiro e o esporte. [3]

 

Agora, se você pensa que Sebastian Vettel não precisa comprar vagas porque foi vitorioso no passado (mesmo sendo exatamente esta a situação), e que Nico Rosberg empresariou Robert Kubica por caridade, saiba que está analisando o caso de maneira rasa. E não adianta rir ou tentar desqualificar o outro baseado em sexo ou idade. Para fazer um debate razoável, é preciso que ambos os lados estejam devidamente informados.


Bibliografia

Sobre a audiência

Sobre a matéria em si

Nota: Algumas das fontes consultadas para este artigo estão presentes no TCC “A Fórmula 1 no Brasil: Uma análise sobre a transmissão televisiva no país” (2020), que ainda será publicado pela Faculdade Cásper Líbero (cedi fontes para a autora na elaboração do trabalho e ela me cedeu fontes para minha publicação). Estou esclarecendo esse ponto para que não haja acusações de plágio.

 

Fotos

Obs.: Nenhuma das fotos inseridas neste artigo pertence a mim. Este site possui fins informativos, não comerciais. Abaixo estão indicados os links de onde tirei as fotos. Todos os direitos reservados.

The Dismissal of Sebastian Vettel: Justice or Injustice?

On May 12th, 2020, Scuderia Ferrari announced that it would not renew German driver Sebastian Vettel’s contract. The decision shocked the press and supporters, as two main characteristics have spotlighted Vettel’s performance in recent years: his disputes for the title in 2017 and 2018 and his constant accidents. In 2019, the German ended behind his teammate, Monegasque Charles Leclerc, on final results, with Leclerc being on the second year of his career and first with the Maranello-based team.

During the 2018 season, some fans considered that retiring would be more indicated to the German driver. Others used Vettel’s glorious past as a four-time champion to justify his permanence in Formula One. So, after all, was Ferrari’s decision fair or unfair? To answer this question, let’s make a retrospect of Sebastian Vettel’s career and rate if his performance was worthy of Ferrari’s investments.

 

1- The beginning: a young talent enters Formula One

 

Sebastian Vettel debuted in Formula One at the 2007 United States Grand Prix for Sauber, replacing Polish driver Robert Kubica, who had suffered a severe accident on the previous round in Canada. Vettel finished eighth, the last place of the scoring zone at the time, scoring one point. In the same year, he was hired by Toro Rosso to continue the season from Hungarian Grand Prix. His second and last scoring was a fourth-place at the Chinese Grand Prix. He finished the championship at 14th place, with six points.

As of 2008, Vettel’s star started to shine more. Scoring in nine races, the German had a triumphant victory at the Italian Grand Prix, being the first time a Toro Rosso driver won a race. At this same round, he broke two records: “youngest Grand Prix pole position winner” and “youngest driver to score a double” (pole position and race win). He finished 2008 in eighth place, with 35 points.

 

Sebastian Vettel’s first victory, at the 2008 Italian Grand Prix. (Photo: MAXF1.net) [1]

 

2- Joining Red Bull: the apex and the fall

 

In 2009, Vettel was hired by Red Bull Racing team. He broke two more records: “youngest driver to score a hat-trick” (pole position, race win, and fastest lap) and “youngest World Drivers’ Championship runner-up.” With four wins, eight podiums, and four more scores, he got 84 points, 11 lesser than champion Jenson Button (from Brawn). His results were so impressive that he turned into Red Bull’s bet to dispute the title.

Racing alongside Australian driver Mark Webber, his teammate since his first year with the Austrian team, Sebastian Vettel became champion for four consecutive years. In 2010, with five wins, ten podiums, and five more scores, he got 256 points and guaranteed the first title of a Red Bull driver. In 2011, Vettel conquered 392 points, 11 wins, 17 podiums, and one more score. The following year, he had 281 points, five wins, ten podiums, and scored on seven more occasions. His last title was conquered in 2013, with 13 wins, 16 podiums, and he scored in two more races. Vettel’s four titles meant two things for Red Bull: the engineering department has succeeded in their turbo engine development, and the team had one of the most talented drivers in the sport’s history.

 

Sebastian Vettel’s win at the 2013 German Grand Prix. (Photo: Motor Authority) [2]

 

In his four titles’ years, Vettel broke nine records he keeps until nowadays. In 2010 he became the “youngest Formula One World Drivers’ champion,” at the age of 23. In 2011, he broke the ones of “most podium finishes in a season” (17 at all), “most pole positions in a season” (15 at all), “most laps led in a season” (739 at all), “most wins from pole position in a season” (totalizing nine) and “youngest driver to score a grand slam” (pole position, win, fastest lap and led every lap). In 2013, he broke the records of “most consecutive wins” (nine at all), “most consecutive grand slams” (two at all), and “most wins in a season” (totalizing 13). Vettel also got three more records, “youngest driver to led at least one lap,” “youngest driver to score a podium,” and “youngest Grand Prix winner,” but these were surpassed some years later by Max Verstappen. With these achievements, Vettel was considered the biggest winner of the Turbo Era in Formula One.

 

With Red Bull, Sebastian Vettel won four championships and got nine records he keeps until nowadays. (Photo: Sports Mole) [3]

 

But in 2014, the situation changed drastically. ith Mark Webber’s exit, the team chose his fellow countryman Daniel Ricciardo to replace him as Vettel’s teammate. If before it, Vettel’s mastery was evident, he passed to be left behind by the team in favor of the new teammate. His car in 2014 had little power to reach previous years’ results. By contrast, Ricciardo’s car enjoyed perfect conditions, allowing him to get his first win at Canadian Grand Prix. Getting only four podiums and 12 more scores, Vettel finished the year in fifth place of the championship, with 167 points. Ricciardo finished third, with 238 points. In the same year that Red Bull decided to prefer a new driver, the team lost leadership in Formula One. Lewis Hamilton’s title (the second of his career) started Mercedes mastery, which persists nowadays.

 

Red Bull’s preference for Daniel Ricciardo not only harmed Sebastian Vettel’s 2014 season, as it allowed Mercedes to be the new dominant team. (Photo: Marca) [4]

 

3- Going to Ferrari: a good deal?

 

Seeing Vettel’s deception with Red Bull, Ferrari made him a proposal to join the Italian team replacing Spanish driver Fernando Alonso. The Maranello-based team could not win the drivers championship since 2007 and the constructors’ one since 2008. Unhappy with Alonso’s failure, Ferrari’s officers bet on the young four-time champion to bring back the team’s times of glory.

Vettel’s contract with Red Bull would end at the end of 2015, but Ferrari paid his severance to have him in its team. Racing alongside Finnish driver Kimi Räikkönen, the last champion with the Italian team, the German returned to the drivers’ top-3. Conquering three wins, 13 podiums, and scoring in four more races, he finished the year at third place in the ranking, with 278 points, 44 lesser than runner-up Nico Rosberg and 103 lesser than champion Lewis Hamilton (both of Mercedes). Though without getting another title, his position in 2015 relieved Vettel. He was in a more competitive car, being the team’s priority, and was closer to compete for the champion trophy.

 

With Ferrari, Sebastian Vettel retrieved chances to fight for the title. (Photo: O Globo) [5]

 

But in 2016, destiny brought another big rival: Max Verstappen. The Dutch driver had debuted by Toro Rosso in 2015. The following year was promoted to Red Bull replacing Russian driver Daniil Kvyat (fired because of his weak performance and his constant accidents, even harming Vettel at the Russian Grand Prix). Verstappen has the same characteristics as the German driver: he was young, fearless, audacious, brave, and had no fear of taking risks. Responsible for breaking three records that belonged to Vettel, the Dutch driver held intense disputes with Ferrari’s driver. The most emblematic ones were for the Mexican Grand Prix podium and the Brazilian Grand Prix fifth place (Verstappen ended third). The young driver nearly surpassed Vettel in the championship, ending only eight points behind the German, who finished the year at fourth place in the ranking, with 212 points.

In 2017, Vettel was highlighted again, starting the championship with a win at Australian Grand Prix. The dispute for the title with Hamilton kept balanced for 13 races, with the German having some advantage. However, at Singapore Grand Prix, Ferrari’s craving for victory ended harming its primary driver. Starting from pole position, alongside Max Verstappen, Vettel and Räikkönen squeezed the Dutch driver, which caused a triple crash. The three drivers had to retire from the race, and the victory ended with Hamilton. With the British driver leadership, Vettel needed to win Mexican Grand Prix and cross his fingers to Hamilton to finish at least ninth to become champion. However, one more dispute with Verstappen frustrated the German’s plans. The Dutch driver took him the leadership, and both had a touch. While Verstappen kept it normally, Vettel ended shocking against Hamilton, and both went to the last places. Ferrari’s driver finished the round in fourth place, while the English driver crossed the finish line in ninth place, guaranteeing that year’s title. Winning for the last time at Brazilian Grand Prix, Vettel ended 2017 as runner-up, with 317 points an outcome of five wins, 12 podiums, and five more scores.

 

Accident at the 2017 Singapore Grand Prix involving Sebastian Vettel, Kimi Räikkönen, and Max Verstappen. (Photo: Busy.org) [6]

 

The year 2018 was similar to the previous one. Vettel started the championship with two consecutive wins (in Australia and Bahrein). However, as of the Chinese Grand Prix, in which he had a touch with Verstappen that dragged him to the eighth place, his luck started to change. In that year, Vettel involved himself in a series of accidents that cost him precious points to dispute the title. At the French Grand Prix, he collided with Finnish Valtteri Bottas. Later, the team broke it down at the German Grand Prix, ordering teammate Räikkönen to give him the lead), but Vettel crashed into the wall and retired. At the Japanese Grand Prix, he risked his luck in a fight against Verstappen that made him leave the track momentarily, ending the race in sixth place. At the end of 2018, Vettel had five wins, 12 podiums, and eight more scores, consolidating himself as runner-up once more, with 320 points.

In 2019, Kimi Räikkönen was replaced by Charles Leclerc. Although many journalists and supporters speculated that the new driver would bring a hazard to Vettel, old experts in Ferrari knew that the team would prioritize the German and would make the Monegasque his squire (as they did to Rubens Barrichello and Felipe Massa in the past). It was what happened at the year’s first race, in Australia. Though Leclerc’s car had a better output, Ferrari did not allow him to overtake Vettel (the same happened two rounds later, in China). For this reason, Leclerc was nicknamed “Cinderella.” However, Vettel did not justify his team’s preference for him in 2019: he got only one win, Singapore, that even lent him the controversial accusation of being helped by Ferrari (that changes his tires before Leclerc’s), besides eight podiums and seven more scores. The primary mark of Vettel in 2019 was his accidents, notably the crash with Hamilton at Canadian Grand Prix, the purposeful collision with Verstappen at British Grand Prix, with Lance Stroll at Italian Grand Prix, and with Leclerc at Brazilian Grand Prix. In the second and third cases, Vettel only stayed in the last positions, including receiving penalties, while in the other, he caused a ferrarist double-retirement that alarmed the team. Finishing the year in fifth place, with 240 points, Vettel ended one position and 24 points behind his teammate.

 

4- From hero to zero: what was Sebastian Vettel’s mistake?

 

Conquering a title in Formula One is not an easy job. The specialists are practically unanimous in saying that the key to success in motorsport is the sum of the driver’s talent with the car’s good performance. There is no point in having a potent car if the driver has no stamina to bring it to the title (Valtteri Bottas is an example). Also, there is no point in the driver being talented if the car’s performance does not match (Max Verstappen is an example). Vettel’s achievements (records, wins, and titles) prove his talent. Ferrari and Red Bull are considered top teams (though recently, the Austrian team is quite different from when the German was its main driver). So how to explain such a fall in such a short time?

The answer is simple: self-control. That is an essential ingredient in the recipe for a champion. A significant example of how it works is the 2017 Malaysian Grand Prix. Lewis Hamilton disputed the title with Vettel and had started from pole position. However, a full-of-range Max Verstappen fought for the win. Hamilton preferred not showing too much resistance. He chose to guarantee a second-place, keep an ongoing series of scoring, and steady the title than disputing the win and risk an accident, giving chances to his rival to surpass him. Vettel does not think the same way. The German is very impulsive and hazards until the last second, causing unnecessary accidents and losing significant points. When this dispute happens with another impulsive driver, like Verstappen, the damage is even more powerful. Who knows, the 2017 championship would have ended differently if Vettel and Räikkönen had not framed that squeeze for Verstappen to try to scare him?

 

Sebastian Vettel’s crash at the 2018 German Grand Prix. Silly mistakes cost him the chance of winning three more titles. (Photo: Goodwood) [7]

 

A strategy is also vital to win a game. Formula One is a collective sport that depends on the interaction between the driver and his team (this one is divided into its many departments and staff, as engineers, mechanics, strategists, among others). Audacity and courage are indeed relevant factors to a successful career, but even in extreme situations, as a dispute for positions, it is necessary to think very well before acting. Reuniting the team before the races to discuss how to proceed in hypothetical situations and practice what was discussed before would be a good strategy.

The main mistake of Sebastian Vettel was letting his emotions take control of his reason. Accidents like those of the 2019 British Grand Prix and the 2019 Brazilian Grand Prix resulted from the driver’s rage for being overtaken by his rivals (Verstappen and Leclerc). Vettel should follow the suit of Hamilton’s prudence if he wants to win titles again.

 

5- Conclusion

 

Ferrari realized that it is not worth spending its investments in a driver who, though talented, always gets into trouble. Charles Leclerc likely became the team’s new bet, which will hire another driver to be his squire (sources speculate about the name of Carlos Sainz Jr.). Sebastian Vettel, in turn, has two possible ways: retirement or a weaker team. Though Toto Wolff had already shown some interest in putting him in Mercedes, it is unknown if Vettel would accept race alongside Lewis Hamilton. The four-time champion waiver was an outcome of his impulsivity that harmed him more than helped him. However, it would be unfair to ignore Vettel’s achievements, as he left his legacy in Formula One as a bold and fearless driver who translated his courage into four titles. The most important lesson that he gives for the new talents in the sport is that it worths thinking before acting more than risking everything, as you can lose the last chance to shine.

 

Sources

 

 

Photos

Note: None of the photos used in this article belongs to me. This site has informative intentions, not commercial. The links where I took the photos are indicated below. All copyrights reserved.

A Demissão de Sebastian Vettel: Justiça ou Injustiça?

No dia 12 de maio de 2020, a Scuderia Ferrari anunciou que o contrato do piloto alemão Sebastian Vettel não seria renovado. O desempenho de Vettel nos últimos anos se destacou por duas principais características: suas disputas pelo título em 2017 e 2018 e seus acidentes constantes. Em 2019, o alemão ficou atrás de seu companheiro, o monegasco Charles Leclerc, nos resultados finais, sendo que Leclerc estava em seu segundo ano de carreira e primeiro com a equipe de Maranello.

Durante a temporada de 2018, alguns torcedores chegaram a cogitar que uma aposentadoria do alemão seria mais indicado para ele. Outros usavam o passado glorioso de Vettel como tetracampeão para justificar sua permanência na Fórmula 1. Então, afinal, a decisão da Ferrari foi justa ou injusta? Para responder a essa dúvida, vamos fazer um retrospecto da carreira de Sebastian Vettel e avaliar se seu desempenho era digno dos investimentos da Ferrari.

 

1- O começo: um jovem talento ingressa na Fórmula 1

 

Sebastian Vettel estreou na Fórmula 1 no Grande Prêmio dos Estados Unidos de 2007 pela Sauber, substituindo o polonês Robert Kubica, que havia sofrido um grave acidente na etapa anterior, no Canadá. Vettel chegou em oitavo lugar, o último da zona de pontuação da época, marcando um ponto. No mesmo ano, foi contratado pela Toro Rosso para continuar a temporada a partir do Grande Prêmio da Hungria. Sua segunda e última pontuação em 2007 foi um quarto lugar no Grande Prêmio da China. Terminou o campeonato no 14º lugar, com seis pontos.

A partir de 2008 a estrela de Vettel começou a brilhar mais. Pontuando em nove corridas, o alemão teve uma vitória triunfante no Grande Prêmio da Itália, sendo a primeira vez que um piloto da Toro Rosso vencia uma corrida. Nessa mesma etapa, quebrou dois recordes: “mais jovem piloto a obter uma pole position” e “mais jovem piloto a vencer largando da pole position”. Terminou 2008 no oitavo lugar do campeonato, com 35 pontos.

 

Primeira vitória de Sebastian Vettel, no Grande Prêmio da Itália de 2008. (Foto: MAXF1.net) [1]

 

2- Juntando-se à Red Bull: o ápice e a queda

 

Em 2009, Vettel foi contratado pela equipe Red Bull Racing. Quebrou mais dois recordes: “mais jovem piloto a fazer um hat-trick” (pole position, vitória e volta mais rápida) e “mais jovem vice-campeão”. Com quatro vitórias, oito pódios e mais quatro pontuações, fez 84 pontos, 11 a menos que o campeão Jenson Button, da Brawn. Seus resultados foram tão impressionantes que ele se tornou a aposta da Red Bull para a disputa pelo título.

Correndo ao lado do australiano Mark Webber, seu companheiro desde seu primeiro ano na equipe austríaca, Sebastian Vettel se consagrou campeão por quatro anos consecutivos. Em 2010, com cinco vitórias, 10 pódios e mais cinco pontuações, marcou 256 pontos e garantiu o primeiro título de um piloto da Red Bull. Em 2011, conquistou 392 pontos, resultantes de 11 vitórias, 17 pódios e mais uma pontuação. No ano seguinte, teve 281 pontos, cinco vitórias, 10 pódios e mais sete pontuações. Seu último título foi conquistado em 2013, com 13 vitórias, 16 pódios e mais duas pontuações. O tetracampeonato de Vettel significou duas coisas para a Red Bull: o departamento de engenharia acertou no desenvolvimento de seu motor turbo e a equipe tinha em mãos um dos pilotos mais talentosos da história do esporte.

 

Vitória de Sebastian Vettel no Grande Prêmio da Alemanha de 2013. (Foto: Motor Authority) [2]

 

Nos anos de seu tetracampeonato, Vettel quebrou nove recordes que mantém até hoje. Em 2010 quebrou o de “mais jovem campeão”, aos 23 anos. Em 2011, quebrou os de “mais chegadas ao pódio em uma temporada” (17 no total), “mais pole positions em uma temporada” (15 no total), “mais voltas lideradas em uma temporada” (739 no total), “mais vitórias partindo da pole position em uma temporada” (nove ao todo) e de “mais jovem piloto a fazer um grand slam” (pole position, vitória, volta mais rápida e liderança em todas as voltas). Em 2013, quebrou os recordes de “mais vitórias consecutivas” (nove no total), “mais grand slams consecutivos” (totalizando dois), e “mais vitórias em uma temporada” (totalizando 13). Vettel ainda conseguiu mais três recordes, “mais jovem a liderar pelo menos uma volta”, “mais jovem a conseguir um pódio” e “mais jovem a vencer um grande prêmio”, mas estes foram superados anos depois por Max Verstappen. Com estes feitos, Vettel foi considerado o maior vencedor da era turbo da Fórmula 1.

 

Com a Red Bull, Sebastian Vettel conseguiu quatro campeonatos e nove recordes mantidos até hoje. (Foto: Sports Mole) [3]

 

Mas em 2014, a situação mudou drasticamente. Com a saída de Mark Webber, a equipe escolheu o também australiano Daniel Ricciardo para substitui-lo como companheiro de Vettel. Se antes o domínio do alemão era certeiro, ele passou a ser preterido pela equipe em favor do novo companheiro. O carro de Vettel em 2014 tinha pouca potência para atingir os resultados dos anos anteriores, provocando quatro abandonos. Em contrapartida, o de Ricciardo desfrutava de perfeitas condições, permitindo inclusive sua primeira vitória, no Grande Prêmio do Canadá. Conseguindo apenas quatro pódios e mais 12 chegadas à zona de pontuação, Vettel terminou o ano no quinto lugar do campeonato, com 167 pontos. Ricciardo ficou em terceiro lugar, com 238 pontos. No mesmo ano que a Red Bull resolveu dar preferência a um novo piloto, a equipe perdeu a liderança na Fórmula 1, e o título de Lewis Hamilton (segundo da carreira) começou o domínio da Mercedes, que dura até hoje.

 

A preferência da Red Bull por Daniel Ricciardo não só prejudicou a temporada de 2014 de Sebastian Vettel, como permitiu que a Mercedes fosse a nova equipe dominante. (Foto: Marca) [4]

 

3- Ida à Ferrari: bom negócio?

 

Vendo a decepção de Vettel com a Red Bull, a Ferrari lhe fez uma proposta para se juntar ao time italiano no lugar do espanhol Fernando Alonso. A escuderia sediada em Maranello estava desde 2007 sem ganhar o campeonato de pilotos e desde 2008 sem ganhar o de construtoras. Descontentes com o fracasso de Alonso, os dirigentes da Ferrari apostavam no jovem tetracampeão para trazer de volta os tempos de glória da equipe.

O contrato de Vettel com a Red Bull terminaria no final de 2015, mas a Ferrari pagou sua rescisão para tê-lo em seu time. Correndo ao lado do finlandês Kimi Räikkönen, último campeão pela escuderia italiana, o alemão voltou ao top-3 dos pilotos. Conquistando três vitórias, 13 pódios e mais quatro pontuações, terminou o ano no terceiro lugar do ranking, com 278 pontos, 44 a menos que o vice-campeão Nico Rosberg e 103 a menos que o campeão Lewis Hamilton (ambos da Mercedes). Embora sem conseguir outro título, a posição em 2015 foi um alívio para Vettel, pois estava em um carro mais competitivo, sendo a prioridade da equipe, e estava mais perto de competir pelo troféu de campeão.

 

Com a Ferrari, Sebastian Vettel recuperou as chances de lutar pelo título. (Foto: O Globo) [5]

 

Mas em 2016, o destino trouxe mais um grande rival: Max Verstappen. O holandês havia estreado pela Toro Rosso em 2015, e no ano seguinte foi promovido para a Red Bull no lugar do russo Daniil Kyvat (demitido pelo fraco desempenho e seus acidentes constantes, inclusive prejudicando Vettel, como no Grande Prêmio da Rússia). Verstappen tinha as mesmas características do piloto alemão: era jovem, destemido, arrojado, corajoso e não tinha medo de correr riscos. Responsável por quebrar três recordes que pertenciam a Vettel, o holandês travou intensas disputas com o piloto da Ferrari. As mais emblemáticas foram as disputas pelo pódio do Grande Prêmio do México e pelo quinto lugar do Grande Prêmio do Brasil (o qual Verstappen terminou em terceiro lugar). O jovem quase superou Vettel no campeonato, ficando a apenas oito pontos do alemão, que terminou o ano no quarto lugar do ranking, com 212 pontos.

Em 2017, Vettel voltou a se destacar, iniciando o campeonato com uma vitória no Grande Prêmio da Austrália. A disputa pelo título com Hamilton se manteve equilibrada por 13 corridas, com o alemão levando uma certa vantagem. Porém, no Grande Prêmio de Singapura, a ânsia da Ferrari por vitória acabou prejudicando seu piloto principal. Largando da pole position, ao lado de Max Verstappen, Vettel e Räikkönen fecharam o holandês o que provocou uma batida tripla. Os três pilotos tiveram que abandonar a prova e a vitória caiu no colo de Hamilton. Com a liderança do britânico, Vettel precisava vencer o Grande Prêmio do México e torcer para que Hamilton chegasse no máximo em nono lugar para se firmar campeão. Porém, mais uma disputa com Verstappen frustra os planos do alemão. O holandês lhe tomou a liderança e os dois tiveram um toque. Enquanto Verstappen continuou normalmente, Vettel acabou se chocando com Hamilton e os dois foram para os últimos lugares. O piloto da Ferrari terminou a prova em quarto lugar, já o inglês cruzou a linha de chegada em nono, garantindo o título daquele ano. Vencendo pela última vez no Grande Prêmio do Brasil, Vettel encerrou 2017 como vice-campeão, com 317 pontos resultantes de cinco vitórias, 12 pódios e mais cinco pontuações.

 

Acidente no Grande Prêmio de Singapura de 2017 envolvendo Sebastian Vettel, Kimi Räikkönen e Max Verstappen. (Foto: Busy.org) [6]

 

O ano de 2018 foi semelhante ao anterior. Vettel começou o campeonato com duas vitórias consecutivas (na Austrália e no Bahrein). Porém, a partir do Grande Prêmio da China, no qual teve um toque com Verstappen que o levou para o oitavo lugar, sua sorte começou a mudar. Naquele ano, Vettel se envolveu em uma série de acidentes que lhe custaram pontos preciosos para disputar o título. No Grande Prêmio da França, colidiu com o finlandês Valtteri Bottas, já no da Alemanha, apesar da equipe facilitar seu trabalho, ordenando ao companheiro Räikkönen que lhe cedesse a liderança, bateu no muro e abandonou a prova. No Grande Prêmio do Japão, arriscou a sorte em uma briga com Verstappen que o fez deixar momentaneamente a pista, terminando a corrida no sexto lugar. Ao todo, Vettel teve cinco vitórias, 12 pódios e mais oito pontuações em 2018, firmando-se vice-campeão mais uma vez, com 320 pontos.

Em 2019, Kimi Räikkönen foi substituído por Charles Leclerc. Apesar de muitos jornalistas e torcedores especularem que o novo piloto traria uma ameaça a Vettel, velhos conhecedores da Ferrari já sabiam que a equipe priorizaria o alemão e fariam do monegasco seu escudeiro (tal como fez com Rubens Barrichello e Felipe Massa no passado). Logo na primeira corrida do ano, na Austrália, apesar do carro de Leclerc ter um rendimento melhor, a Ferrari não permitiu que ele ultrapassasse Vettel (o mesmo ocorreu duas etapas depois, na China). Por essa razão, Leclerc ganhou o apelido de “Cinderela”. No entanto, Vettel não justificou a predileção de sua equipe por ele em 2019: só conseguiu uma vitória, em Singapura, que ainda lhe rendeu a polêmica acusação de ser ajudado pela Ferrari (que trocou seus pneus antes dos de Leclerc), além de oito pódios e mais sete pontuações. A principal marca de Vettel em 2019 foram seus acidentes, notadamente a batida com Hamilton no Grande Prêmio do Canadá, a colisão proposital com Verstappen no Grande Prêmio da Grã-Bretanha, com Lance Stroll no Grande Prêmio da Itália, e com Leclerc no Grande Prêmio do Brasil. No segundo e terceiro casos, Vettel apenas ficou entre as últimas posições, inclusive levando punição, já no último causou um duplo abandono ferrarista que alarmou a equipe. Terminando o ano no quinto lugar, com 240 pontos, Vettel ficou uma posição e 24 pontos atrás do companheiro.

 

4- De herói a zerói: qual foi o erro de Sebastian Vettel?

 

Conquistar um título na Fórmula 1 não é uma tarefa fácil. Os especialistas são praticamente unânimes em dizer que a chave para o sucesso no automobilismo é a soma do talento do piloto com o bom desempenho do carro. De nada adianta um carro potente se o piloto não tem garra para levá-lo ao título (Valtteri Bottas é um exemplo), assim como não adianta o piloto ser talentoso se o desempenho do carro não corresponde (Max Verstappen é um exemplo). As conquistas de Vettel (recordes, vitórias e títulos) provam seu talento. Ferrari e Red Bull são consideradas equipes de ponta (apesar de ultimamente o time austríaco estar bem diferente do que era na época que o alemão era seu piloto principal). Então como explicar tamanha queda em tão pouco tempo?

A resposta é simples: autocontrole. Este é um ingrediente importante na receita de um campeão. Um grande exemplo de como isso funciona é o Grande Prêmio da Malásia de 2017. Lewis Hamilton disputava o título com Vettel e havia largado da pole position. Porém, um Verstappen cheio de fúria lutava pela liderança. Hamilton preferiu não oferecer muita resistência, pois preferia garantir um segundo lugar, manter uma série constante de pontuações e firmar o título do que disputar a vitória e arriscar um acidente, dando chances para seu concorrente superá-lo. Vettel não pensa da mesma maneira. O alemão é deveras impulsivo e arrisca até o último segundo, provocando acidentes desnecessários e perdendo pontos significativos. Quando esta disputa acontece com outro piloto impulsivo, como Verstappen, o estrago é ainda maior. Quem sabe o campeonato de 2017 não teria terminado de outro jeito se Vettel e Räikkönen não tivessem armado aquele fechamento em cima de Verstappen para tentar assustá-lo?

 

Batida de Sebastian Vettel no Grande Prêmio da Alemanha de 2018. Erros bobos lhe custaram a chance de vencer mais três títulos. (Foto: Goodwood) [7]

 

A estratégia também é importante para se vencer um jogo. Fórmula 1 é um esporte coletivo, que depende da interação entre o piloto e sua equipe (esta dividida em seus vários departamentos e funcionários, como engenheiros, mecânicos, estrategistas, entre outros). Arrojo e coragem são sim fatores relevantes para uma carreira bem sucedida, mas até mesmo em situações extremas, como numa disputa de posições, é preciso pensar bem antes de agir. Uma boa estratégia seria reunir a equipe antes das corridas para discutir como proceder em situações hipotéticas e colocar em prática o que foi discutido antes.

O erro principal de Sebastian Vettel foi deixar suas emoções tomarem conta da razão. Acidentes como o dos Grandes Prêmios da Grã-Bretanha e do Brasil de 2019 foram nitidamente resultados da raiva do piloto por ser ultrapassado por seus rivais (respectivamente Verstappen e Leclerc). Vettel deveria seguir o exemplo da prudência de Hamilton se quiser voltar a ganhar títulos.

 

5- Conclusão

 

A Ferrari percebeu que não vale mais a pena gastar seus investimentos em um piloto que, apesar de talentoso, sempre mete os pés pelas mãos. É provável que Charles Leclerc seja a nova aposta do time, que contratará outro piloto para ser seu escudeiro (fontes especulam sobre o nome de Carlos Sainz Jr.). Sebastian Vettel, por sua vez, tem dois caminhos possíveis: ou a aposentadoria, ou uma equipe mais fraca (embora Toto Wolff já tenha mostrado certo interesse por ele na Mercedes, mas não se sabe se Vettel aceitaria ser companheiro de Lewis Hamilton). A dispensa do tetracampeão foi resultado de sua impulsividade, que mais o atrapalhou do que ajudou. No entanto, não seria justo ignorar os feitos de Vettel, que deixou seu legado na Fórmula 1 como um piloto arrojado e destemido, que traduziu sua coragem em quatro títulos. A lição mais importante que ele deixa para os novos talentos no esporte é a de que vale muito mais a pena pensar antes de agir do que arriscar tudo, pois você pode perder a última chance de brilhar.

 

Adendo (10/01/2021): O argumento principal apresentado nesta matéria (de que a Ferrari demitiu Sebastian Vettel porque seus “erros individuais” prejudicaram o desempenho da equipe) é defendido por Martin Brundle. Pode conferir na matéria assinada por Federico Faturos no site Motorsport clicando aqui.

 

Fontes

 

 

Fotos

Obs.: Nenhuma das fotos inseridas neste artigo pertence a mim. Este site possui fins informativos, não comerciais. Abaixo estão indicados os links de onde tirei as fotos. Todos os direitos reservados.

O Caso Max Verstappen: Muito Piloto Para Pouca Equipe

Max Verstappen é uma das estrelas da Fórmula 1 atual. Detentor de seis recordes oficiais (entre eles o de “mais jovem vencedor de um Grande Prêmio”), destaque em corridas emocionantes e com vários pódios e vitórias em poucos anos de experiência, o piloto holandês surpreendeu os torcedores ao anunciar no dia 7 de janeiro de 2020 que havia renovado seu contrato com a Red Bull Racing até 2023. Enquanto alguns elogiam a decisão, outros criticam a escolha, se indagando o porquê de Verstappen não aceitar propostas de equipes melhores. A análise desse caso você confere a partir de agora.

 

1- A carreira de Max: surge uma estrela

 

Filho mais velho do ex-piloto holandês Jos Verstappen e da kartista belga Sophie Kumpen, Max Verstappen começou a carreira automobilística aos 4 anos de idade, em competições de kart regionais. Aos 17 anos, depois de terminar a Fórmula 3 Europeia de 2014 em terceiro lugar, foi contratado pela Scuderia Toro Rosso para competir na Fórmula 1 no ano seguinte. Em sua estreia, no Grande Prêmio da Austrália, quebrou o recorde de “mais jovem piloto a estrear em uma corrida de Fórmula 1”, que antes pertencia a Jaime Alguersuari. Na corrida seguinte, na Malásia, quebrou o recorde de “mais jovem piloto a pontuar na Fórmula 1”, que anteriormente era de Daniil Kvyat. Verstappen terminou seu ano de estreia pontuando 10 vezes, totalizando 49 pontos em 19 corridas, além de ser premiado pela FIA como “Estreante do Ano” e “Personalidade do Ano” e sua ultrapassagem sobre Felipe Nasr na Bélgica lhe rendeu o prêmio de “Ação do Ano”.

Todas essas conquistas foram essenciais para que em 2016 a Red Bull escolhesse Verstappen para substituir Kvyat, cujos resultados estavam abaixo do esperado. O holandês não decepcionou e conseguiu sua primeira vitória no Grande Prêmio da Espanha, quebrando os recordes de “mais jovem líder, por pelo menos uma volta na Fórmula 1”, “mais jovem piloto a conseguir um pódio na Fórmula 1” e “mais jovem vencedor de um Grande Prêmio”, todos que anteriormente pertenciam a Sebastian Vettel. Na Bélgica, quebrou o recorde de “mais jovem piloto a largar da primeira fila”, que no ano seguinte foi quebrado por Lance Stroll. No Brasil, quebrou o recorde de “mais jovem piloto a fazer a volta mais rápida na Fórmula 1”, que antes pertencia a Nico Rosberg. No final daquele ano, com a aposentadoria de Rosberg, o chefe de equipe da Mercedes, Toto Wolff, estava à procura de um substituto para o alemão. Noticiou-se que ele entrou em contato com Jos Verstappen várias vezes para conversar sobre Max, mas o jovem continuou com a Red Bull. Wolff contratou seu apadrinhado Valtteri Bottas, que corria pela Williams, para assumir o segundo assento da equipe.

 

Vitória de Max no Grande Prêmio da Espanha de 2016.

 

Se 2016 foi um ano maravilhoso, no qual Verstappen pôde expor suas habilidades, 2017 foi decepcionante. Em 20 corridas, teve sete abandonos, mas nenhum por sua culpa. O primeiro foi no Bahrein, onde um problema nos freios o tirou da prova. O segundo foi na Espanha, onde Bottas colidiu com Verstappen e Kimi Raikkonen, tirando ambos da corrida. O terceiro foi no Canadá, onde uma falha elétrica desligou seu carro. O quarto ocorreu no Azerbaijão devido a um problema no óleo. O quinto foi causado por Kvyat, que colidiu com o holandês e com Fernando Alonso na Áustria. O sexto ocorreu na Bélgica, onde seu carro desligou no meio da corrida. No sétimo e último abandono, Verstappen foi esmagado pelos pilotos da Ferrari, Vettel e Raikkonen, e depois foi lançado para fora da pista pela reentrada perigosa do finlandês. Desapontado com a inconsistência de seu carro, contrastando com o bom desempenho do carro de seu companheiro Daniel Ricciardo, Verstappen teve momentos de fúria com sua equipe. Cientes da situação, Toto Wolff e Maurizio Arrivabene, chefe de equipe da Ferrari, entraram em contato com Jos para discutir o futuro do jovem prodígio. Estava nítido que a Red Bull não teve competência para produzir igualmente um carro vencedor para seus dois pilotos e Max estava sendo sacrificado. Wolff não estava satisfeito com a incapacidade de Bottas de competir de igual para igual com Lewis Hamilton (dando uma brecha para a Ferrari renascer como uma concorrente ao título) e Arrivabene buscava alguém para o lugar de Raikkonen, que estava perto de deixar o time. No entanto, Verstappen preferiu dar uma chance à equipe austríaca e assinou um contrato com cláusula de saída. Apesar das dificuldades, conseguiu duas vitórias, sendo uma na Malásia e uma no México.

 

Acidente do Grande Prêmio de Singapura de 2017.

 

Em 2018 a situação se alterou. A Red Bull sabia que Max abriu mão de boas propostas para continuar com os austríacos, e decepcioná-lo significaria sua partida. O carro apresentou mais estabilidade, mas ainda não era potente o bastante para que a Red Bull se firmasse como uma ameaça à hegemonia da Mercedes, conseguindo apenas duas vitórias, na Áustria e no México. No entanto, o carro de Ricciardo apresentou muitas falhas, comprometendo o desempenho do australiano. O anúncio de que a Red Bull usaria os motores da Honda a partir do ano seguinte provocou desconfianças em Ricciardo, que assinou com a Renault para temporada de 2019. Verstappen preferiu não usar a cláusula de saída e continuou na equipe, que prometia um trabalho árduo com a Honda em torno do holandês.

A promessa foi cumprida de uma maneira bem morna, pois mesmo Verstappen sendo promovido ao posto de primeiro piloto, a Mercedes não sentiu nem a ponta das garras da Red Bull. Para piorar, a contratação de Pierre Gasly tornou-se um fracasso, pois o francês era incapaz de enfrentar os pilotos da Ferrari, que não estavam em boa fase no começo do ano, e impediu que a Red Bull conquistasse o vice-campeonato de construtoras. Com Verstappen carregando o time nas costas, o diretor Helmut Marko decidiu substituir Gasly por Alexander Albon, da Toro Rosso, algo similar ao que havia acontecido entre Kvyat e Max em 2016. Apesar de três boas vitórias, na Alemanha, na Áustria e no Brasil, Verstappen enfrentou falta de potência em corridas que poderiam compensar o déficit causado por Gasly, como na Rússia, em que seu carro não conseguiu alcançar o de Charles Leclerc. O término de seu contrato estava previsto para 2020, mas o holandês decidiu renová-lo para 2023.

 

2- Red Bull: gloriosa no passado, decadente no presente

 

A Red Bull Racing surgiu como escuderia de Fórmula 1 em 2004 após a empresa homônima comprar a escuderia Jaguar, cujo um de seus sócios era o tricampeão Jackie Stewart. O auge da equipe ocorreu entre os anos de 2010 e 2013, no qual Sebastian Vettel garantiu o tetracampeonato para a escuderia, derrotando a McLaren de Lewis Hamilton e a Ferrari de Fernando Alonso.

Nesse período, a categoria empregava o turbo em seus carros e a Red Bull foi capaz de montar um chassi que respondesse ao trabalho do motor. Vettel dominou as temporadas sentindo pouco perigo vindo de seus adversários. Hamilton se decepcionava com a McLaren e a Ferrari sentia o amargor de não vencer um campeonato de pilotos desde 2007 e de construtoras desde 2008. Em 2014, com a proibição do turbo, o cenário da Fórmula 1 mudou consideravelmente. O australiano Mark Webber, até então companheiro de Vettel, deu lugar ao conterrâneo Daniel Ricciardo, enquanto o austríaco Christian Horner assumia o papel de chefe de equipe. O carro do tetracampeão passou por uma sequência de quebras que impediram sua pontuação. Apesar de sua primeira vitória na carreira, Ricciardo não conseguiu muitos feitos e a Red Bull viu a ascensão de Hamilton na Mercedes e o domínio da escuderia alemã que dura até os dias de hoje.

Para os que não se lembram da sequência de falhas técnicas no carro de Vettel, fica a impressão de que Ricciardo venceu o companheiro por ter mais talento. Os críticos do alemão utilizam a temporada de 2014 até hoje como justificativa para afirmar que Vettel deveria se aposentar e que seus títulos são mais um produto do motor turbo do que de seu talento. No entanto, o fracasso em 2014 são significa a derrocada de Vettel. Sentindo-se traído e preterido pela equipe, ele assinou com a Ferrari para o ano de 2015, com a escuderia italiana se comprometendo a pagar por sua quebra de contrato com o time austríaco.

 

Daniel Ricciardo e Sebastian Vettel na Red Bull. A saída do alemão foi o começo da decadência da escuderia.

 

Com Vettel na Ferrari, a Red Bull contratou Daniil Kvyat para correr ao lado de Ricciardo. Porém, nenhum dos dois trouxe de volta a glória dos tempos do alemão. Kvyat ganhou a fama de ser um “barbeiro” e seus acidentes lhe custaram a vaga na equipe principal e a confiança dos dirigentes. Ricciardo deu a impressão de ser um “piloto burocrata”, pois não costumava batalhar por posições maiores. Max Verstappen não era apenas um substituto de Kvyat aos olhos da Red Bull, mas sim uma oportunidade de voltar à posição de campeã, já que o holandês apresentava todas as virtudes encontradas em Vettel: determinação, arrojo, coragem, persistência, entre outras.

No entanto, só é possível vencer um campeonato se há um equilíbrio entre o talento do piloto e o do departamento de engenharia. O atleta não pode ter medo de desafios, mas também deve ter prudência para evitar acidentes. O carro precisa corresponder ao desempenho do piloto, logo falhas elétricas, no motor, nos freios, no óleo ou em qualquer outra parte são inadmissíveis. O que parece óbvio para os torcedores parece não ser para a Red Bull. O arrojo de Max é constante, pois é nítido que ele sempre tenta superar seus adversários, não importa a situação. É um piloto que não se contenta com pontos ou pódios, pois busca a vitória. Seu carro, no entanto, é o mais fraco entre as chamadas “equipes de ponta”. A pergunta que fica no ar é: “Como que em sã consciência alguém pode se dizer fã de Max Verstappen e perdoar a Red Bull pelas quebras em 2017 e por proporcionar a ele uma média de apenas duas vitórias por ano?”.

 

3- Fidelidade vs. Conquistas

 

A primeira renovação de contrato de Max Verstappen com a Red Bull em 2017 já havia sido uma grande surpresa. Naquele ano, alguns veículos de imprensa começavam a questionar o talento do holandês, ignorando os verdadeiros responsáveis pelos abandonos. Isso aconteceu porque memória de jornalista esportivo incompetente é igual memória de eleitor: curta. Diferente de Sebastian Vettel, que percebeu as dificuldades da equipe e mudou-se para a Ferrari, Verstappen estava dando mais uma chance ao time que propiciou uma atmosfera artificial de desconfiança em torno de um piloto que não precisa provar mais nada.

Max nunca detalhou os motivos pelos quais escolheu continuar com o time austríaco, limitando-se a dizer que confiava no que a escuderia planejava para ele. O contrato oferecido era bem interessante: o holandês ficaria até 2020 com a Red Bull, mas uma cláusula de saída lhe dava a liberdade de escolher outra equipe caso suas expectativas não fossem atingidas. Em outras palavras, a Red Bull estava ciente que Verstappen havia recusado ótimas chances em outras equipes e se disponibilizaria a arcar com as consequências da escolha do holandês.

 

A instabilidade do carro da Red Bull custou vitórias e pontos para Verstappen. Mesmo assim, ele se recusa a deixar a equipe.

 

Logo, em 2018, acreditava-se que a Red Bull trabalharia duro para produzir um carro à altura do talento de Max para que ele tivesse a chance de competir pelo título com Lewis Hamilton e Sebastian Vettel. Embora seus resultados tenham sido satisfatórios, Verstappen estava um pouco longe do esperado para se tornar um campeão: teve apenas duas vitórias (Áustria e México) e mais nove pódios. Hamilton teve 11 vitórias e Vettel venceu cinco vezes naquele ano. No final de 2018, Verstappen variava as respostas que dava para a imprensa sobre as expectativas para 2019: hora dizia que estavam prontos para lutar pelo campeonato, hora dizia que não tinham chances. Só uma coisa era irredutível: ele não deixaria a Red Bull.

Já em 2019, a temporada foi um pouco melhor, mas também longe do primeiro lugar: Max teve três vitórias e mais seis pódios. Jos Verstappen até ameaçou pedir para o filho sair da Red Bull caso a equipe não lhe desse condições de disputar um título. Com o fim do contrato se aproximando, os fãs da Fórmula 1 ficaram curiosos para saber qual seria o destino do jovem prodígio. Como Verstappen não deu indícios de que estava disposto a sair da equipe, Toto Wolff renovou com Valtteri Bottas. Foi então, que no dia 7 de janeiro de 2020, Verstappen deu um ótimo presente de 35 anos a Lewis Hamilton: renovou com a Red Bull até 2023. Pelo que se observa desde 2017, a fidelidade de Max o prende à sua atual equipe, mas só isso não lhe garante conquistas, pois lhe falta um carro competitivo (que o próprio às vezes admite que a Red Bull não sabe fazer).

 

4- Mitos e Verdades

 

  •   Mito: Daniel Ricciardo saiu da Red Bull em 2019 porque a equipe estava priorizando Verstappen

 

Essa teoria absurda criada pelos haters de Verstappen já foi desmentida várias vezes pelo próprio Ricciardo, mas volta e meia aparece alguém para dizer isso na internet. O fato é que o piloto australiano deixou a Red Bull em 2019 porque estava descontente, mas não foi por causa do companheiro de equipe.

Em 2017, Max começou o ano à frente do companheiro, chegando ao terceiro lugar do campeonato na segunda corrida da temporada, no Grande Prêmio da China. No entanto, a série de abandonos que se iniciou no Grande Prêmio do Bahrein permitiu a Ricciardo superá-lo na pontuação. Isso não significa, porém, que o australiano teve um ano fácil: apesar de sua vitória no Azerbaijão e de mais oito pódios, Daniel acumulou seis abandonos, sendo o pior no México, onde havia conseguido a pole position. No ano seguinte, venceu duas vezes (na China e em Mônaco), mas teve oito abandonos. Aqueles que acusam a Red Bull de fornecer um carro pior para Ricciardo em 2018 para beneficiar Verstappen, deviam no mínimo ser coerentes e admitir que parecia que em 2017 a equipe havia feito o contrário: prejudicou o carro de Verstappen para que Ricciardo o superasse no campeonato.

 

Verstappen e Ricciardo mantiveram a amizade após a saída do australiano.

 

Ainda em 2018 os executivos da Red Bull anunciaram que a partir de 2019 a equipe trocaria os motores da Renault pelos da Honda. A notícia surpreendeu os torcedores, já que a fornecedora japonesa vivia em guerra com a McLaren quando esta usou seus motores na época de Fernando Alonso. O piloto espanhol teve vários abandonos devido a falhas no motor. Ricciardo afirmou que não queria ter o mesmo destino de Alonso, e ciente de que nem a Mercedes nem a Ferrari estavam interessadas em contratá-lo, o australiano trocou a incerteza da Red Bull pela provável estabilidade da Renault. Infelizmente, a equipe francesa teve um desempenho insatisfatório em 2019, mas não era possível adivinhar que isso iria acontecer.

Ricciardo e Verstappen já disseram que sentem falta um do outro e foram vistos em momentos de descontração diversas vezes. Ou seja, se Max fosse o motivo pelo qual Daniel saiu da Red Bull, eles não teriam essa relação saudável após a ida dele para a Renault.

 

  •   Verdade: A Mercedes já vinha mostrando interesse em Verstappen desde 2014

 

Toto Wolff não esconde sua admiração por Max. O chefe de equipe da Mercedes revelou em entrevistas que em 2014, quando Verstappen ainda estava na Fórmula 3, que o time alemão havia tentado contratá-lo para o futuro. No entanto, a Red Bull planejava inseri-lo na Fórmula 1 mais cedo do que o proposto pela Mercedes. Max e seu pai Jos se interessaram mais pela oferta da Red Bull e o jovem estreou pela Toro Rosso em 2015.

Praticamente nenhum piloto na história da Fórmula 1 correu em apenas uma equipe durante toda a carreira (exceto em casos em que o piloto morreu ou foi demitido no ano de estreia). A ideia de Verstappen futuramente deixar a Red Bull para correr pela Mercedes não parece absurda. Mas a análise dessa possibilidade depende da desmistificação de mais uma inverdade que os haters de Verstappen adoram proferir.

 

  •   Mito: Se sair da Red Bull, Verstappen não tem para onde ir

 

Foram muitas as vezes que Toto Wolff chamou Jos Verstappen para conversar. E é lógico que o chefe de equipe da Mercedes não marcaria encontros com o pai de Max para falar sobre o capítulo da novela ou sobre o último jogo de futebol, ainda mais se tratando da pessoa que já teve interesse em contratar o jovem quando ele ainda não estava na Fórmula 1.

Os atuais pilotos da Mercedes são o campeão Lewis Hamilton e o finlandês Valtteri Bottas. Este último apresenta uma peculiaridade: todos os contratos assinados até então tiveram validade de apenas um ano. Se a Mercedes rejeita Verstappen da maneira como os haters afirmam, por que ela não contrata Bottas para correr no mínimo uns três anos? A resposta é simples: a equipe alemã sabe que o finlandês não tem condições de enfrentar Hamilton como Rosberg o fez, então usa o piloto como um tampão enquanto Max continua na Red Bull. Alguns questionam se Hamilton permitiria o ingresso do jovem na Mercedes, mas o fato é que o inglês não tem poder decisivo no time. Se tivesse, Rosberg teria sido demitido em 2015.

Outra opção de Max, embora esta seja mais improvável, é a Ferrari. A escuderia italiana atualmente conta com Sebastian Vettel e Charles Leclerc, dois pilotos com os quais Verstappen não se dá bem. O holandês já afirmou que não se importaria em correr ao lado de Leclerc, mas o monegasco não esconde que não gostaria de ser companheiro de equipe dele. Já Vettel é um notório rival de Max, com quem já teve vários conflitos. Esses são os motivos pelos quais é menos provável que Verstappen vá para a Ferrari, apesar da equipe ter demonstrado interesse por ele em 2017.

 

  •   Verdade: A falta de títulos de Verstappen na Fórmula 1 é culpa de sua equipe

 

Os pilotos não são responsáveis pelo desempenho de seus carros. Isso é tarefa do departamento de engenharia, e consequentemente, dos engenheiros. Culpar Verstappen pelas falhas no motor, na parte elétrica ou nos freios é burrice. Apenas em casos de acidentes é que se pode atribuir culpa ao piloto, e mesmo assim os acidentes são analisados para saber se houve falha dele ou não.

Max começou 2017 como um dos favoritos ao título. O campeonato foi perdido por culpa dos abandonos, causados ou por falhas no carro ou por colisões causadas por outros pilotos. Em 2018 e 2019, foram várias as oportunidades de vitórias perdidas porque o rendimento do carro não possibilitava ultrapassar adversários das equipes de ponta. Será que um piloto que aos 19 anos havia quebrado seis recordes e que consegue correr tão bem na chuva (como no Brasil em 2016, na China em 2017 e na Alemanha em 2019), realmente não consegue ser campeão por “falta de talento”? Ou será que o carro da “competente” Red Bull só é capaz de lhe garantir no máximo três vitórias por ano?

 

5- Conclusão

 

Max Verstappen é um dos maiores talentos da Fórmula 1. Suas habilidades foram comprovadas em várias corridas, basta procurar os vídeos. Porém, sua equipe, a Red Bull Racing, ainda não foi capaz de lhe proporcionar um carro competitivo que corresponda à sua determinação. Quem não se lembra do Grande Prêmio do México de 2017, em que a equipe pedia para ele desacelerar para não sobrecarregar o carro?

Verstappen tem muitas chances de ser um campeão tão bem-sucedido quanto Lewis Hamilton. Ele já tem uma das chaves para ter sucesso na Fórmula 1: o talento. Só falta a outra: o carro. Mas, se continuar dando chances a uma equipe que até agora só protelou seu sonho, essa conquista corre o risco de ser adiada até um ponto em que ele se encontraria em situação semelhante à de Ricciardo: já com certa idade e sem esperanças de título.

 

 

 O que você prefere? Vencer onze vezes com a Mercedes ou três vezes com a Red Bull?

 

Adendo (10/01/2021): O argumento principal apresentado nesta matéria (de que Max Verstappen não consegue competir pelo título porque seu carro não permite) é defendido por Martin Brundle. Pode conferir na matéria assinada por Federico Faturos para o site Motorsport clicando aqui.

 

Fontes:

 

 

Fotos

Obs.: Nenhuma das fotos inseridas neste artigo pertence a mim. Este site possui fins informativos, não comerciais. Abaixo estão indicados os links de onde tirei as fotos. Todos os direitos reservados.

The Max Verstappen Case: A Big Driver For a Little Team

Max Verstappen is one of the stars of Formula One today. He holds six official records (among them the “youngest Grand Prix winner”), is highlighted in exciting races, and has several podiums and victories in a few years of experience. However, the Dutch driver surprised fans by announcing on January 7th, 2020, that he had renewed his contract with Red Bull Racing until 2023. While some praise the decision, others criticize the choice, wondering why Verstappen did not accept proposals from better teams. Here’s the analysis of this case.

 

1- Max’s career: a star appears

 

The eldest son of Dutch former Formula One driver Jos Verstappen and Belgian former kart driver Sophie Kumpen, Max Verstappen started his auto career at 4, in regional kart competitions. At 17, after finishing the European Formula 3 2014 in third place, he was hired by Scuderia Toro Rosso to compete in Formula One the following year. In his debut at the Australian Grand Prix, he broke the record for “youngest driver to debut in a Formula One race,” which previously belonged to Jaime Alguersuari. In the next race in Malaysia, he broke the record for “youngest driver to score in Formula One,” which was previously owned by Daniil Kvyat. Verstappen ended his debut year by scoring ten times, totaling 49 points in 19 races, in addition to being awarded by the FIA ​​as “Rookie of the Year” and “Personality of the Year” and his overtaking over Felipe Nasr in Belgium earned him the “Action of the Year” award.

These achievements were essential for Red Bull to choose Verstappen in 2016 to replace Kvyat, whose results were below expectations. The Dutchman did not disappoint and achieved his first victory in the Spanish Grand Prix, breaking the records of “youngest leader, by at least one lap in Formula One”, “youngest driver to achieve a podium in Formula One” and “youngest Grand Prize winner.” They all previously belonged to Sebastian Vettel. In Belgium, he broke the record for “youngest driver to start from the front row”, which Lance Stroll surpassed the following year. In Brazil, he broke the record for “youngest driver to make the fastest lap in Formula One,” which previously belonged to Nico Rosberg. At the end of that year, with Rosberg’s retirement, Mercedes team principal Toto Wolff was looking for a replacement for the German. The media reported that he contacted Jos Verstappen several times to talk about Max, but the young man continued with Red Bull. Wolff hired his sponsor Valtteri Bottas, who was racing for Williams, to take the second seat.

 

Max’s victory on the 2016 Spanish Grand Prix.

 

If 2016 was a fantastic year, as Verstappen was able to expose his skills, 2017 was disappointing. In 20 races, he had seven retirements, but none because of him. The first was in Bahrain, where a brake problem took him out of the race; the second was in Spain, where Bottas collided with Verstappen and Kimi Raikkonen, taking both of them out of the race; the third was in Canada, where an electrical failure shut down his car. The fourth occurred in Azerbaijan due to an oil problem. The fifth was caused by Kvyat, who collided with the Dutchman and Fernando Alonso in Austria. The sixth took place in Belgium, where his car shut down in the middle of the race. In Singapore, the seventh and final retirement, Verstappen was crushed by Ferrari drivers, Vettel and Raikkonen, and then was thrown off the track by the former’s dangerous re-entry. Disappointed by the inconsistency of his car, in contrast to the better performance of the car of his teammate Daniel Ricciardo, Verstappen had moments of fury with his team. Aware of the situation, Toto Wolff and Maurizio Arrivabene, Ferrari’s team principal, contacted Jos to discuss the future of the young prodigy. It was clear that Red Bull had no competence to produce a winning car for its two drivers as well, and Max was being sacrificed. Wolff was not satisfied with Bottas’ inability to compete on an equal footing with Lewis Hamilton (giving Ferrari a rebirth as a title contender). Arrivabene was looking for someone to replace Raikkonen, who was close to leaving the team. However, Verstappen preferred to give the Austrian team a chance and signed a contract with an exit clause. Despite the difficulties, he managed two victories, one in Malaysia and one in Mexico.

 

 

2017 Singapore Grand Prix accident.

 

In 2018 the situation changed. Red Bull knew that Max gave up good proposals to continue with the Austrians, and disappointing him would mean his departure. The car showed more stability, but it was not yet powerful enough for Red Bull to establish itself as a threat to Mercedes’ domination, achieving only two victories – in Austria and Mexico. However, Ricciardo’s car had many flaws, compromising the Australian’s performance. The announcement that Red Bull would use Honda engines from the following year caused suspicion in Ricciardo, who signed with Renault for the 2019 season. Verstappen preferred not to use the exit clause and remained with the team, which promised hard work with Honda around the Dutchman.

Red Bull fulfilled the promise in a lukewarm way because even though Verstappen was promoted to the position of the first driver, Mercedes did not feel the tip of the rival’s claws. To make matters worse, the hiring of Pierre Gasly became a failure, as the Frenchman was unable to face the Ferrari drivers, who were not in a good phase at the beginning of the year, and prevented Red Bull from winning the runners-up championship. With Verstappen carrying the team on his back, director Helmut Marko decided to replace Gasly with Alexander Albon, from (Toro Rosso), similar to what happened between Kvyat and Max in 2016. Despite three good victories in Germany, Austria, and Brazil, Verstappen faced a lack of power in races that could make up for the deficit caused by Gasly, as in Russia, where his car failed to reach Charles Leclerc’s. His contract was due to expire in 2020, but the Dutchman decided to renew it for 2023.

 

2- Red Bull: glorious in the past, decadent in the present

 

Red Bull Racing emerged as a Formula One team in 2004 after the eponymous company bought the Jaguar team, whose partner was the three-time champion, Jackie Stewart. The team’s peak occurred between 2010 and 2013, in which Sebastian Vettel secured the fourth championship for the team, defeating McLaren of Lewis Hamilton and Ferrari of Fernando Alonso.

During this period, the category employed turbo in their cars, and Red Bull assembled a chassis that would respond to the engine’s work. Vettel dominated the seasons, feeling little danger from his opponents. Hamilton was disappointed with McLaren, and Ferrari felt the bitterness of not winning a drivers’ championship since 2007 and a constructors’ championship since 2008. In 2014, with the ban on the turbo, the scenario of Formula One changed considerably. Australian Mark Webber, until then Vettel’s companion, gave way to fellow countryman Daniel Ricciardo, while Austrian Christian Horner assumed the role of team leader. The four-time champion’s car went through a sequence of breaks that prevented his score. Despite his first career victory, Ricciardo did not achieve much, and Red Bull saw Hamilton’s rise in Mercedes and the dominance of the German team that lasts until today.

For those who do not remember the sequence of technical failures in Vettel’s car, it is the impression that Ricciardo beat his teammate for having more talent. Critics of the German use the 2014 season onward to defend that Vettel should retire and that his titles are more a product of the turbo engine than his talent. However, the failure in 2014 does mean Vettel’s downfall. Feeling betrayed and neglected by the team, he signed with Ferrari for 2015, with the Italian team committing to pay for his breach of contract with the Austrian team.

 

Daniel Ricciardo and Sebastian Vettel in Red Bull. The German’s exit was the beginning of the teams downfall.

 

With Vettel at Ferrari, Red Bull hired Daniil Kvyat to race alongside Ricciardo. However, neither brought back the glory of German times. Kvyat gained the reputation of being a “Sunday driver,” and his accidents cost him the seat on the leading team and the leaders’ confidence. Ricciardo gave the impression of being a “bureaucrat driver,” as he did not usually fight for higher positions. Max Verstappen was not just a substitute for Kvyat in the eyes of Red Bull, but an opportunity to return to be the champion since the Dutchman had all the virtues found in Vettel: determination, boldness, courage, persistence, among others.

However, winning championships is only possible if there is a balance between driver’s talent and the engineering department’s work. The athlete cannot be afraid of challenges but must also be prudent to avoid accidents. The car needs to match the driver’s performance, so electrical failures in the engine, brakes, oil, or elsewhere are unacceptable. What seems evident to fans seems not to be for Red Bull. Max’s boldness is constant, as it is clear that he always tries to overcome his opponents, no matter the situation. He is a driver who is not satisfied with points or podiums, as he seeks victory. His car, however, is the weakest among the so-called “top teams.” The question that remains in the air is: “How in good conscience can anyone claim to be a fan of Max Verstappen and forgive Red Bull for the crashes in 2017 and for giving him an average of just two wins a year?”.

 

3- Loyalty vs. Achievements

 

Max Verstappen’s first contract renewal with Red Bull in 2017 had already been a big surprise. In that year, some press outlets began to question the Dutchman’s talent, ignoring the real responsible for the retirements. That happened because the memory of an incompetent sports journalist is the same as the memory of a voter: short. Unlike Sebastian Vettel, who realized the team’s difficulties and moved to Ferrari, Verstappen gave the team one more chance that provided an artificial atmosphere of distrust around a driver who doesn’t need to prove anything else.

Max never detailed why he chose to stay with the Austrian team, limiting to say that he trusted what the team planned for him. The contract offered was very interesting: the Dutchman would remain with Red Bull until 2020, but an exit clause gave him the freedom to choose another team if they couldn’t fulfill his expectations. In other words, Red Bull was aware that Verstappen had refused great chances on other teams and would be willing to bear the consequences of the Dutchman’s choice.

 

Red Bull’s car instability costed victories and points to Verstappen. Anyway he refuses to leave the team.

 

Soon, in 2018, some people believed that Red Bull would work hard to produce a car that matched Max’s talent so that he had a chance to compete for the title with Lewis Hamilton and Sebastian Vettel. Although his results were satisfactory, Verstappen was a little far from expected to become a champion: he had only two victories (Austria and Mexico) and nine more podiums. Hamilton had 11 wins, and Vettel won five times that year. At the end of 2018, Verstappen varied the answers he gave to the press about expectations for 2019: sometimes said they were ready to fight for the championship, sometimes said they had no chance. Only one thing was irreducible: he would not leave Red Bull.

In 2019, the season was a little better but still far from the top: Max had three wins and six more podiums. Jos Verstappen even threatened to ask his son to leave Red Bull if the team could not to compete for a title. Formula One fans were curious to know the young prodigy’s fate with the end of his contract approaching. Since Verstappen did not indicate he was willing to leave the team, Toto Wolff renewed with Valtteri Bottas. It was then that on January 7, 2020, Verstappen gave Lewis Hamilton a great 35-year gift: he renewed with Red Bull until 2023. From what has been observed since 2017, Max’s loyalty binds him to his current team, but that alone does not guarantee achievements, as he lacks a competitive car (which he sometimes admits that Red Bull does not know how to do).

 

4- Myths and Truths

 

  •   Myth: Daniel Ricciardo left Red Bull in 2019 because the team was prioritizing Verstappen

 

Ricciardo himself contradicted his absurd theory created by Verstappen haters several times, but now and then, someone appears to say this on the internet. The fact is that the Australian driver left Red Bull in 2019 because he was unhappy, but it was not because of his teammate.

In 2017, Max started the year ahead of his teammate, reaching third place in the championship after the second race, the Chinese Grand Prix. However, the series of retirements that started at the Bahrain Grand Prix allowed Ricciardo to surpass him in the scoring. However, it does not mean that the Australian had an easy year: despite his victory in Azerbaijan and eight more podiums, Daniel accumulated six retirements, the worst being in Mexico, where he had achieved pole position. The following year, he won twice (in China and Monaco) but had eight dropouts. Those who accuse Red Bull of providing Ricciardo with a worse car in 2018 to benefit Verstappen should at the very least be consistent and admit that it seemed that in 2017 the team had done the opposite: damaged the Verstappen car so that Ricciardo overcame him in the championship.

 

Verstappen and Ricciardo keep their friendship after the Australian’s exit.

 

Still, in 2018, Red Bull executives announced that starting in 2019, the team would switch from Renault to Honda engines. The news surprised fans, as the Japanese supplier was at war with McLaren when it used its engines at the time of Fernando Alonso. The Spanish driver had several dropouts due to engine failures. Ricciardo said he did not want to have the same fate as Alonso. Being aware that neither Mercedes nor Ferrari were interested in hiring him, the Australian traded Red Bull’s uncertainty for Renault’s likely stability. Unfortunately, the French team performed poorly in 2019, but it was impossible to guess that this would happen.

Ricciardo and Verstappen have already said they miss each other and have been seen in moments of relaxation several times. So, if Max were the reason Daniel left Red Bull, they would not have this healthy relationship after his departure for Renault.

 

  •    Truth: Mercedes had been showing interest in Verstappen since 2014

 

Toto Wolff does not hide his admiration for Max. In interviews, the Mercedes team principal revealed that in 2014, when Verstappen was still in Formula Three, the German team had tried to sign him for the future. However, Red Bull planned to put him in Formula One earlier than proposed by Mercedes. Max and his father Jos were more interested in the Red Bull offer, and the young man debuted for Toro Rosso in 2015.

Virtually no driver in Formula One history has raced in just one team during his entire career (except in cases where the driver died or was fired in his debut year). The idea of ​​Verstappen leaving Red Bull to race for Mercedes in the future does not seem absurd. But the analysis of this possibility depends on demystifying yet another untruth that Verstappen haters love to utter.

 

  •   Myth: If he leaves Red Bull, Verstappen has nowhere to go

 

Toto Wolff called Jos Verstappen to talk many times. Logically, he would not meet Max’s father to talk about a soap opera chapter or the last football game. Especially when it comes to the person who was already interested in hiring the young man when he was still was not in Formula One.

The current Mercedes drivers are champion Lewis Hamilton and Finn Valtteri Bottas. The latter has a peculiarity: all contracts signed so far have been valid for only one year. If Mercedes rejects Verstappen as the haters claim, why doesn’t it hire Bottas to run for at least three years? The answer is simple: the German team knows that the Finn cannot face Hamilton as Rosberg did, so he uses the driver as a buffer while Max remains at Red Bull. Some question whether Hamilton would allow the youngster to join Mercedes, but the fact is that the Englishman has no decisive power in the team. If he had, Rosberg would have been fired in 2015.

Another option for Max, although this is more unlikely, is Ferrari. The Italian team currently has Sebastian Vettel and Charles Leclerc, two drivers Verstappen does not get along. The Dutchman has already stated that he would not mind running alongside Leclerc, but the Monegasque does not hide that he would not like to be his teammate. Vettel is a notorious rival to Max, with whom he has had several conflicts. Those are the reasons why Verstappen is less likely to go to Ferrari, despite the team showing interest in him in 2017.

 

  •    Truth: Verstappen’s lack of titles in Formula One is his team’s fault

 

Drivers are not responsible for the performance of their cars. That is the task of the engineering department, and consequently, of the engineers. Blaming Verstappen for engine, electrical, or brake failures is stupid. Only in cases of accidents can the driver be blamed, and even then, accidents are analyzed to determine whether it was his fault.

Max started 2017 as one of the title favorites. He lost the championship due to the retirements caused by car failures or collisions caused by other drivers. In 2018 and 2019, there were several opportunities for lost victories because the car’s performance did not make it possible to overcome opponents of the top teams. Could it be that a driver who had broken six records at 19 years old and can run so well in the rain (as in Brazil in 2016, China in 2017, and Germany in 2019) indeed does not manage to be champion for “lack of talent”? Or is the “competent” Red Bull’s car only capable of guaranteeing a maximum of three victories per year?

 

5- Conclusion

 

Max Verstappen is one of the most extraordinary talents in Formula One. His skills have been proven in several races; just look for the videos. However, his team, Red Bull Racing, has not yet provided him with a competitive car that matches his determination. Who doesn’t remember the 2017 Mexican Grand Prix, in which the team asked him to slow down and not overload the car?

Verstappen has a good chance of being as successful a champion as Lewis Hamilton. He already has one of the keys to success in Formula One: talent. Only the other is missing: the car. If he continues to give chances to a team that keeps delaying his dream, it risks being postponed for many years. Then, he reaches a point where he would find himself in a situation similar to Ricciardo: already at a certain age and without hopes of a title.

 

 

 What do you prefer? Winning eleven times with Mercedes or three times with Red Bull?

 

6- Sources

 

 

Photos

Note: None of the photos used in this article belongs to me. This site has informative intentions, not commercial. The links where I took the photos are indicated below. All copyrights reserved.

Análise Grande Prêmio de Singapura de 2019 | 2019 Singapore Grand Prix Analysis

Ocorrido no dia 22 de setembro, o Grande Prêmio de Singapura de 2019 teve um resultado inédito. Pela primeira vez na história, o Circuito de Marina Bay presenciava uma dobradinha (vencedor e segundo lugar da mesma equipe). Incrivelmente, os acidentes aconteceram no final da prova em vez do começo como é o costume.

Charles Leclerc (Ferrari) largou da pole position ao lado de Lewis Hamilton (Mercedes). Seu companheiro Sebastian Vettel e Max Verstappen (Red Bull) largaram da segunda fila. Embora Hamilton tenha prometido ser agressivo na largada, Leclerc conseguiu uma boa vantagem. Enquanto isso, no fim do grid, Daniel Ricciardo (Renault) largava em último após ser punido por conta de uma gambiarra no motor. Ainda no começo, semelhante a uma vingança, Alexander Albon (Red Bull) chocou-se contra Carlos Sainz Jr. (McLaren) e o espanhol foi obrigado a trocar os pneus mais cedo, indo para o fundo do grid.

As maiores brigas estavam no fim do grid. Ricciardo fazia uma boa prova de recuperação enquanto Lance Stroll (Racing Point) também conseguia boas ultrapassagens, como a em cima de Daniil Kvyat (Toro Rosso). Na frente do grid, Valtteri Bottas (Mercedes) se aproximava de Verstappen, porém não conseguia a ultrapassagem, e o mesmo acontecia entre Verstappen e Vettel e entre Hamilton e Leclerc.

A Ferrari adotou uma estratégia de troca de pneus que pudesse conter o avanço da Mercedes e garantir a vitória. Vettel trocou os pneus antes e Leclerc voltou atrás do alemão após a troca. Com a parada de Hamilton, Vettel, que havia ultrapassado todos os carros à frente que não haviam trocado os pneus ainda, assumiu a liderança. Leclerc reclamou de ter ficado atrás de Vettel até o final da prova.

O primeiro a abandonar a corrida foi George Russell (Williams), que se chocou com Romain Grosjean (Haas). O safety car foi acionado. Algumas voltas depois, sem o safety car, Sergio Pérez (Racing Point) teve problemas no motor e também abandonou, chamando novamente o safety car, que voltou à pista pela terceira e última vez após Kvyat bater em Kimi Raikkonen (Alpha Romeo) e tirar o finlandês da prova.

Sebastian Vettel foi o vencedor, com Charles Leclerc em segundo e Max Verstappen em terceiro. A Ferrari consegue um resultado histórico (primeira dobradinha de Singapura) e Vettel consegue uma vitória pessoal: não ganhava desde o GP da Bélgica de 2018 e nem ele nem seus fãs engolem a punição no GP do Canadá de 2019. Com o resultado, Leclerc e Verstappen estão empatados em terceiro lugar no campeonato, que mesmo com as reviravoltas, não sai tão fácil do colo de Lewis Hamilton.

Entrevista pós-pódio. (Veja a charge do dia também no Instagram: https://www.instagram.com/p/B2t-TRDhLG5/)

Notas

Corrida: 5

Pilotos

  1. Sebastian Vettel: 10
  2. Charles Leclerc: 9
  3. Max Verstappen: 9
  4. Lewis Hamilton: 8
  5. Valtteri Bottas: 7
  6. Alexander Albon: 7
  7. Lando Norris: 7
  8. Pierre Gasly: 0
  9. Nico Hülkenberg: 6
  10. Antonio Giovinazzi: 6
  11. Romain Grosjean: 5
  12. Carlon Sainz Jr.: 4
  13. Lance Stroll: 9
  14. Daniel Ricciardo: 9
  15. Daniil Kvyat: 0
  16. Robert Kubica: 3
  17. Kevin Magnussen: 3

Abandonaram

  1. 18. Kimi Raikkonen
  2. 19. Sergio Pérez
  3. 20. George Russell

Driver of the Day (escolhido pelo público): Sebastian Vettel

Melhor piloto: Sebastian Vettel

Piores pilotos: Pierre Gasly e Daniil Kvyat

Análise GP do Canadá de 2019 | 2019 Canadian GP Analysis

No dia 9 de junho de 2019 houve o Grande Prêmio do Canadá, no Circuito Gilles Villeneuve, em Montreal, Quebec. Depois de uma decisão polêmica dos comissários em Mônaco, que tirou o pódio de Max Verstappen (Red Bull) e o entregou para Valtteri Bottas (Mercedes) e Sebastian Vettel (Ferrari), o alemão passou o holandês em pontos do campeonato. Hoje, Vettel provou do próprio veneno.

Largando na pole ao lado de Lewis Hamilton (Mercedes), que teve um problema de vazamento antes da largada, Vettel não enfrentou dificuldades no começo da prova. Seu companheiro Charles Leclerc largou em terceiro, ao lado de Daniel Ricciardo (Renault), que fez sua melhor colocação no ano. Verstappen enfrentou problemas na classificação e foi prejudicado com a bandeira vermelha causada pela batida de Kevin Magnussen (Haas). Mesmo largando em nono devido a isso, o holandês logo no começo ultrapassou Lando Norris (McLaren) com maestria. O jovem britânico foi o primeiro a abandonar a prova após seu carro pegar fogo. Alexander Albon (Toro Rosso) foi o primeiro a trocar os pneus. Romain Grosjean (Haas) e Antonio Giovinazzi (Alpha Romeo) tiveram um pequeno toque que fez o francês deixar a pista temporariamente.

Mesmo com problemas no carro, Hamilton seguiu firme e acompanhou o ritmo de Vettel. Bottas, por outro lado, tinha a ameaça de Verstappen logo atrás. Enquanto isso, Lance Stroll (Racing Point), piloto da casa, que largou em 17º guiou bem seu carro até o oitavo lugar, ultrapassando pilotos como Carlos Sainz Jr. (McLaren). Quando Bottas fez seu pit stop, teve dificuldades para ultrapassar Ricciardo. Verstappen estava de pneus duros e isso lhe garantiu resistência para chegar a uma boa colocação.

Mais tarde, dois incidentes chamaram a atenção. O primeiro foi entre Grosjean e Sergio Pérez (Racing Point) na curva 1. O francês tentou impedir o mexicano de fazer a ultrapassagem e os dois se tocaram. Pérez ganhou a posição e nada foi investigado. O segundo, mais marcante, foi entre os líderes. Vettel perdeu o controle do carro na curva 4 e parou na grama. Ele voltou para a pista em condições perigosas e forçou Hamilton para fora dos limites da pista. O inglês quase bateu. Por conta disso, os comissários puniram o alemão com 5 segundos. Vettel reclamou da decisão até o final. Perto do fim, Albon abandonou a corrida.

Apesar de Sebasian Vettel ter cruzado a linha de chegada em primeiro, Lewis Hamilton foi o vencedor. Vettel foi o segundo e Charles Leclerc em terceiro. Sebastian agiu da pior forma possível com o resultado. Não levou o carro até o lugar onde os três primeiros são estacionados, não participou da entrevista pré-pódio, fugiu para o paddock da Ferrari e, convencido pela equipe a participar do pódio, ele passou por dentro dos boxes da Mercedes e trocou as placas de 1º e 2º lugar, deixando o carro de Lewis com a placa de 2º e um grande vão onde estaria seu carro com a de 1º.  Na sala dos pilotos, ele ainda reclamou para Hamilton que “não havia para onde ir”. No pódio, ele foi convidado pelo inglês a dividir o lugar de vencedor. A torcida canadense, injustamente, vaiou com fúria o piloto da Mercedes e aplaudiu Leclerc e as atitudes infantis de Vettel. Quando Hamilton reclamou da atitude antiética dos torcedores, Vettel o interrompeu, disse que não concordava com as vaias, mas agradeceu ao apoio dos canadenses (que foram MUITO parciais e injustos). Lembramos que Max Verstappen e outros pilotos sofreram com decisões mais injustas e controversas e nem por isso agiram de maneira infantil. Vettel precisa aprender que a regra é para todos e que um homem de 31 anos não pode agir como uma criança mimada.

Vettel após a corrida

Notas

 

Corrida: 8

 

Pilotos

  1. Lewis Hamilton: 10
  2. Sebastian Vettel: 0
  3. Charles Leclerc: 9
  4. Valtteri Bottas: 7
  5. Max Verstappen: 10
  6. Daniel Ricciardo: 9
  7. Nico Hülkenberg: 7
  8. Pierre Gasly: 7
  9. Lance Stroll: 10 (grande atuação!!!!)
  10. Daniil Kvyat: 8
  11. Carlos Sainz Jr.: 7
  12. Sergio Pérez: 7
  13. Antonio Giovinazzi: 4
  14. Romain Grosjean: 3
  15. Kimi Raikkonen: 3
  16. George Russell: 2
  17. Kevin Magnussen: 2
  18. Robert Kubica: 2

 

Abandonaram

  1. Alexander Albon: 6
  2. Lando Norris: 0

 

Driver of the Day (escolhido pelo público): Sebastian Vettel

Melhores pilotos: Lewis Hamilton, Max Verstappen e Lance Stroll

Pior piloto: Sebastian Vettel (e um recado para os apresentadores do SporTV e pra torcida ferrarista do Canadá: aceitem que dói menos)