The Lance Stroll Case: An Amerindian in Formula One

Canadian driver Lance Stroll is periodically subject to sports news and comments from Formula One fans. Unfortunately, most of the comments are offensive, discharging an abnormal hate load on top of one boy who never hurt anyone (much less his detractors, who do not even know him personally). Several hypotheses are raised about the origin of this hatred: envy for the Stroll family fortune, fanaticism for rival drivers, ignorance about who Lance is, among others. But only one is closer to the truth: racism against indigenous peoples.

“Oh, but his mother is Belgian,” say some of the haters. “Oh, but his skin is lighter,” others say. Such phrases relate to how much current society is unaware of the indigenous peoples of the Americas. In this article, we will prove that this gigantic anger that many netizens (and even members of the press) have about Lance Stroll is nothing more than the desire for the sport to be composed solely of white drivers.

 

1- The first Amerindian driver in Formula One

 

Lance Stroll was born in Montreal on October 29, 1998, the second son of businessman Lawrence Stroll and fashion designer Claire-Anne Callens. Lance is of Russian-Jewish and Inuit (native people of Canada) descent by his father’s side, and from Belgian and English descent by his mother’s side. Lawrence Stroll is the son of a Russian-Jewish immigrant father and a Canadian mother, has reddish skin, straight, thick hair and slightly slanted eyes. Claire-Anne Callens has white skin and blue eyes. The result of miscegenation is noted in the couple’s children: Chloe, the eldest child, has her mother’s eyes, but her father’s face shape; Lance, the youngest child, has his mother’s face shape, but his father’s slightly slanted brown eyes and dark, straight, thick hair. Lance’s skin is lighter than Lawrence’s and redder than Claire’s.

 

The Strolls. From right to left: Claire-Anne (mother), Lance (son), Lawrence (father) and Chloe (daughter). (Photo: Thill Arthur / ATP)  [1]

 

The phenomenon of miscegenation is very common in countries os the Americas due to the history of colonization, slavery, and immigration on the continent. In Canada, Lance’s home country, it was no different. Native peoples had contact with Europeans (white-skinned) and Africans (black-skinned). The children of couples of different skin colors are called mixed-race. In Brazil, for example, mixed-race people are given different names according to their origins. Children of whites with blacks are called “mulatos”, children of natives with blacks are called “cafuzos”, and children of whites with natives (such as Stroll) are called “caboclos” or “mamelucos”.

In genetics, there is a high probability that mixed-race people with white ancestors to have white children when they marry white people. Countries like the United States even banned marriage between people of different colors in the nineteenth century, while the Brazilian government encouraged marriage to whites to “whiten” future generations. However, the fact that a mixed-race has lighter skin than its ancestors does not nullify its origin. Therefore, a “caboclo” still has Amerindian origins even its skin is lighter than “Indian skin”. It has both Amerindian and European origins, and this is the case of Lance Stroll.

 

Physical characteristics of Lance Stroll that prove his Amerindian origin. [2]

 

2- Amerindians according to Europeans

 

Formula One was created in the 1950s. It was not even a decade since the fall of Nazi-fascist regimes in Europe, which were characterized by intense state repression and persecution of minority ethnic groups (mainly Jews) under racial pretenses. Since the nineteenth century, with the formulation of “social Darwinism”, European schools and intellectuals have taught the population that races were organized into a hierarchy, in which the European white race was considered superior to the others and the mixed-races inferior to all “pure races”. Anthropologists such as English Edward Tylor applied this theory to the defense of “social evolutionism”, a thesis that argues for a hierarchy between cultures. Even with efforts by other anthropologists, such as German Jewish Franz Boas, to show that it cannot claim about superiority of cultures or races, European society has firmly embraced the idea that it was at an advantage over other peoples on the planet.

However, this phenomenon has older origins. Since the colonization of the Americas by nations of Europe, various power-holding groups have launched propaganda to support the colonizing process. In Brazil, for example, after the death of Bishop Pedro Fernandes Sardinha (which would have been devoured by anthropophagous Amerindians) in the 16th century, the Catholic Church promoted campaigns that treated Amerindians as animalistic and savage beings to justify catechizing campaigns and Portuguese control in Brazilian territory. The consequences were catastrophic and the tribe accused of killing the bishop, the Caetés, was exterminated in the process.

 

Image of the 1882 Brazilian Anthropological Exhibition, illustrating a Brazilian indigenous and an African slave being exhibited in Europe. Notice how Amerindians and blacks are portrayed in an animalistic way compared to whites. (Photo: National Museum of Rio de Janeiro) [3]

 

In the 1950s the European population still did not understand what the native peoples of the Americas were like. Decades earlier, in 1911, Scottish James Matthew Barrie released his most famous work, “Peter Pan”. In the story, a Native American tribe is portrayed as submissive to the protagonist, and the chief’s daughter, Princess Tiger Lily, is willing to do everything for Peter, even though he does not have for her the same feeling for Wendy Darling, the English girl he has brought to Neverland. In 1953, Walt Disney adapted the work into an animated film in which the natives take a larger role in the song “What Makes the Red Man Red?”. In the scene, the tribe is made up of individuals standing in time, isolated from the rest of the world and wearing the same clothes as their ancestors. The stereotype around Native American people has generated so much controversy for Disney that the studios chose to not include the characters in the sequel film “Return to Neverland” (2002).

 

Native American tribe from the film “Peter Pan” (1953). (Photo: Disney) [4]

 

Since Amerindians lived only on the American continent, there was no interest in Europe in combating prejudice against them, let alone self-criticizing the interaction between whites and Amerindians over the centuries. Even in countries of the Americas, the natives were still marginalized and excluded from society. Only with the organization and struggle of these peoples, especially in the twentieth century, was the issue taken more seriously. On April 19th, 1940, the First Inter-American Indian Congress was held to promote the fight against racism and to pressure American countries to adopt policies to protect and guarantee indigenous rights. That is why in Argentina, Costa Rica and Brazil, on April 19th is celebrated the Indian Day.

Formula One aimed to encourage interest in the auto industry. At the time, consumers in this industry were white men. Women were forbidden to drive in many countries of the world, and black and Amerindian people lived in segregation, rendering them unable to access vehicles. Therefore, the category focused on pleasing the European white male public, its consumer market. This is why for years Formula One was dominated by Europeans and their descendants (Juan Manuel Fangio, Argentine driver who was the second champion of the category, was of Italian descent).

 

3- Revson e Hamilton: breaking the hegemony

 

In 1964, American Peter Revson debuted as the first Jew in the category, breaking years of European white rule in Formula One. It is worth remembering that the Jewish people have been persecuted since antiquity and were the majority group among Holocaust victims (previously it had suffered invasions of its lands by Assyrians, Persians, Greeks and Romans, inquisitions by the Catholic Church, pogroms in the Russian Empire and many other policies of segregation and extermination). Also important to note is that even a quarter of the Jewish population having white skin (Revson’s case), they are not considered white by racial theories (because they originate in the Middle East) and are persecuted by white supremacy groups. Revson drove for 10 years with teams Revson Racing, Reg Parnell, Tyrell, McLaren, and Shadow Racing. He had two wins and eight podiums, scored 14 times and accumulated 61 points throughout his career. He died in a training accident for the 1974 South African Grand Prix.

Forty-three years later, in 2007, the first black Formula One driver, the Englishman Lewis Hamilton, debuted. Son of a white mother and black father born to Caribbean immigrants, Hamilton joined McLaren to race alongside Spanish Fernando Alonso. Early at pre-season trainings, he suffered racial offenses by Alonso’s fans, who called him “monkey”. Some people say the motive for the offenses was not racial but sporting because Alonso’s fans loved the Spanish driver. But if so, wouldn’t it be more logical to call Hamilton a “loser” or to say that Alonso would “finish him off”? Calling him “monkey”, an offense historically associated with black people, proves that Spanish fans’ hatred of Hamilton was, indeed, racism.

Hamilton started the year with a podium, got his first win, and became runner-up in 2007. The following year, he was still champion with McLaren. But even with his brilliant results, the Englishman was still not free from racial persecution. At the 2011 Monaco Grand Prix, the stewards punished Hamilton for a collision with Felipe Massa, a Brazilian driver of Italian descent. He questioned the punishment and accused the stewards of taking a decision based on the drivers’ skin color, as Massa was white and Hamilton black. Instead of investigating the case, those responsible for Formula One filed a censure against the British driver, prohibiting him from accusing the stewards of racism again. The best decision, in this case, would be to show the crash video to both drivers and clarify the reasons for the punishment. By silencing Hamilton, sports administrators left room for the hypothesis of racism to be taken into account.

 

Peter Revson (left) e Lewis Hamilton (right): respectively the first Jewish driver and the first black driver in Formula One. [5]

 

Another case of racism suffered by the British occurred at the 2019 Italian Grand Prix, whose arbitration is still questioned today. Racing for Mercedes, Hamilton had a chance of overtaking Charles Leclerc, a Monegasque driver who represented Ferrari. To block the opponent, Leclerc squeezed him against the wall and an investigation was initiated. However, the stewards decided to just warn Leclerc with a black and white flag. After the Monegasque driver’s victory, Hamilton climbed to second place on the podium and Italian fans booed him hardly. Some even made gestures and sounds imitating monkeys. Hamilton posted a message on his Instagram recommending Italians not to commit this disrespect as it would tarnish the image of a crowd remembered for their joy and enthusiasm. No Formula One’s official has even commented on the case.

Centuries of racist teachings of “white superiority” have left deep marks on European society so that the phenomenon of racism goes unnoticed or viewed as banal to this day. It is clear that movements against racism are stronger in the Americas than in Europe, but even on the American continent, some refuse to see racial discrimination as a problem. In Brazil, for example, while some European immigrants mingled with natives and blacks, others preferred to join other Europeans and raised their children with the same ideas that were reflected in Europe. This phenomenon led some Brazilians to believe that the phenomenon was not serious and to accept discrimination against blacks and Amerindians, including athletes of these ethnic groups. At the 2008 Brazilian Grand Prix, after the result gave Hamilton the title of champion even with Massa’s victory, Brazilian fans booed the English and called him “monkey”, proving that the “Brazilian racial utopia” is just a legend.

 

4- Amerindian and Jewish: the perfect scapegoat

 

Lance Stroll belongs to two historically persecuted and massacred peoples: the Amerindians and the Jews. These two groups were never well regarded by European society. The Amerindians were “cannibals”, “savages”, “animals”, “uncivilized” in the Eurocentric view and as such needed conversion or to be tamed and enslaved. Jews were “deicidal”, “heretics”, “controlled the banks, the media, and politics” according to prevailing ideas and, as such, should be converted or burned for “not accepting the Christian truth and being of an inferior race”. Even with the fall of Nazism, these ideas have not been erased from the European mindset altogether. There are still figures on the world scenario who deny the Holocaust, accuse the Jews of conspiracy and argue that Amerindians should give up their original cultures.

 

Lance Stroll playing American football in childhood. Notice the Inuit characteristics in the boy. (Photo: Instagram) [6]

Many people in both Europe and the Americas still view Amerindians as standing in time, forest dwellers, who live on hunting and fishing. It is therefore strange to many to see that Amerindians can be successful entrepreneurs. Since Formula Three does not get as much attention as Formula One, not all sports fans knew about Lance Stroll’s achievements. All they knew about him was that the driver came from Canada and his father was a billionaire, ignoring that all drivers receive an investment to maintain their careers. Even drivers as Esteban Ocon have someone to bear the cost of their stay in the sport. In pre-season 2017, having no experience with the Formula One car, Stroll crashed several times. While some took advantage of the situation to make jokes, some hastily accused the young man of buying a seat. Well, even if Stroll had paid to enter Formula One, that would not be cause for so much hatred. After all, he had been hired by Williams to replace a retiring driver, Felipe Massa. Massa gave up his retirement after Valtteri Bottas left for Mercedes to replace retired Nico Rosberg. No one bought the seat from anyone. Bottas and Stroll were simply taking the seats of retired drivers. Why so much hatred on Stroll, which until then was no rival to anyone?

The answer to that question is simple: fans wanted to see another European at Williams. It bothers many people to have to put up with a black driver in Formula One, now an Amerindian driver was coming to the sport, in the seat that fans say should be occupied by a white driver of European ethnicity. This is why Lawrence Stroll’s fortune causes such hatred to netizens: even though he is married to a European woman, even though his companies are creating jobs and supporting families, even though his money has been obtained legally, without involvement in any scandal, he was still an “uncivilized savage cannibal inferior to the Europeans”. Just imagine how outraged these netizens must have been to see for the first time a driver from the American continent be an EUROPEAN Formula 3 champion.

 

Lance Stroll was the first Amerindian to win European Formula Three championship. Racists wanted to see an European as champion. (Photo: Prema Powerteam) [7]

 

Motivated by racial hatred for Stroll, racists threw acid criticism of the Canadian driver’s presence in Formula One as if he were to blame for all the ills in the world. Lance felt in the skin what his people had suffered for centuries. Those who hate the Strolls for their fortune are the same ones who do not even give alms to a needy beggar, and purposely ignore the fact that there are equally rich drivers whose results are not close to Lance’s. Why? Because a white rich does not generate the same strangeness and discomfort as an Amerindian rich. Because an Amerindian-Jewish man is blamed for all the misfortunes of the world as if a single Canadian driver were responsible for world hunger and misery while the equally wealthy whites had no part in it.

After all, who was the last rookie driver to get a podium in a car of a weaker team? Who was the last rookie to start from the front row in a far from competitive car? Who was the last driver to break three records in his debut year? All these deeds are purposely erased from fans and journalists’ memories to inoculate fans with the idea that Lance is only in sport because his father is a billionaire. Why? Because racist on internet and media cannot stand to see that an Amerindian driver has accomplished feats that many whites were unable to obtain, and that eight white drivers, including Fernando Alonso (the same idol of the racists who called Hamilton “monkey”), went after an Amerindian in his debut year. To do so, they omit not only his deeds, but they also omit Lance’s ethnicity from the discussions. They use the excuse that Stroll’s mother is white to say that he is “no longer an Indian”. Nobody stop being Indian. It is like stopping being old.

 

5- White pay drivers are not pay drivers, only the Amerindians

 

The fact is that the 21st century is not the same as the twentieth. Even with the persistence of racism, combat movements are stronger today than in the last century. Western society is more aware of the importance of respect and that no ethnicity or culture is superior or inferior to another. Therefore, even the most convinced racists try to mask their racism to avoid being condemned by public opinion.

The excuse racists found to criticize the presence of an Amerindian in Formula One without realizing the racial motives was to underscore his father’s fortune. And as Nazi propaganda minister Joseph Goebbels said, “a lie told many times becomes a truth”. Thus, there are journalists and netizens so numb with prejudice and the idea that Stroll does not deserve the seat that they refuse to even read the driver’s story before judging him, convinced that the Amerindians should be ignored, treated with contempt. Just as it was centuries ago, when European settlers massacred tribes, enslaved natives, and forced them to give up their original cultures.

But racists end up missing their plan by committing a fatal slip: unaware of the ethnicity they deem inferior. Many netizens in his defense claim not to know that Lance Stroll is Amerindian, and others even firmly deny his ethnicity. The same excuse was given when the same racists claimed not to know that Stroll is Jewish. The reasons: Stroll does not wear a kippah, the Jewish “little hat” (and even if he did, it would be hidden under his helmet), does not wear a peyot (the hair curls on his temples) and has no “big nose”. The first step in identifying a racist is to note that he generalizes all members of a group as if they were all equal. In this case, because Lance is not a Hasidic Orthodox Jew, “there’s no way of knowing that he is Jewish”. The internet makes research work much easier, but racists find themselves so superior that they do not see the need to research those they consider inferior.

 

 

The Jewish people are made up of diverse ethnicities. It is wrong to think that all Jews are equal. In the image above you can see four Jewish ethnic groups: Ashkenazi, Sephardi, Ethiopian Jews (also called Beta Israel), and Mizrahi.  [8]

 

Even more absurd is the excuse of not knowing that Stroll is Amerindian. The reasons: he does not use an Indian headdress, does not hunt and fish with a spear, does not live in the woods or an Indian reservation, and his skin is lighter than “Indian” skin. This reveals much of today’s society’s ignorance of indigenous peoples. In the first place, there is not just one Amerindian ethnicity. Grouping all the native tribes and nations of the Americas as a people was only an instrument of the colonizers to convince the European monarchs that the Amerindians would be easily defeated and tamed. There are Amerindians of various skin tones. In Canada, the Métis, for example, are lighter than the Inuits, and that does not make them “less Indians” than the others. Among the American tribes, Quileutes are different from the Navajos, which are different from the Cherokees, which are different from Ottawas, which are different from Potawatomis, which are different from Powhatans, and so on. In Brazil, the Tupiniquins differ from the Guaranis, which differ from the Yanomamis, which differ from the Jês, among others. True, most Amerindians have dark, straight, thick hair, reddish skin, slightly drawn eyes, and few body hairs, but not all are like that. Ironically, Stroll has many of these characteristics, but because he does not live in isolation from contemporary society, his detractors omit him from being Amerindian.

 

There are thousands of Amerindian ethnic groups on the American continent. Each tribe has particularities such as culture, religion, dress, language and customs. In the picture above you can see four Amerindian ethnic groups: the Inuits (Canada), the Navajos (USA), the Seris (Mexico), and the Yanomamis (Brazil). [9]

 

As you can see, former Bolivian President Evo Morales has the same kind of hair and eyes as Lance Stroll. Morales is of Aymara ethnicity and Stroll is mixed-race of Inuit ethnicity with European ethnicity. Both have indigenous origins. [10]

 

The problem with racism with Amerindians is that it goes unnoticed by the population because there is not much media attention about it as there is for prejudice against other ethnicities. The Amerindians struggle for respect is silenced by media contempt, and some say they have never heard of an Amerindian. When you hear the word “racism”, it is rarely associated with Amerindians, and they only appear on the news when the government or some farmer or prospector invades the lands of a reserve and clashes with the village members.

And the hard evidence that the haters’ hatred for Stroll has nothing to do with money but skin color is their idolatry for the English driver Lando Norris. Lando is the son of magnate Adam Norris, a millionaire owner of Horatio Investments and has a US$ 270 million personal fortune.

Unlike Stroll, who debuted on an uncompetitive team, Norris made his debut in McLaren in a year of chassis upgrades that gave the team a good performance to compete for the top five places. Differently from Stroll, who finished his debut year just three points behind his experient teammate (even surpassing him in the standings at times), Norris ended the year with 47 points less than teammate Carlos Sainz Jr., who had four years of experience. Sainz also got the team’s only podium of the year with a third-place finish at the 2019 Brazilian Grand Prix.

If we compare the results, there is no doubt that Lance Stroll is better than Lando Norris. In his debut year, Lance got a podium, started from the front row and broke three records: youngest rookie to have a podium, youngest driver to start from the front row, and youngest podium (lower age average from drivers at the podium). His achievements secured his team’s fifth place in the constructors’ championship. Lando in his debut year did not achieve any podium and did not break any record, his best result being a sixth place in Bahrain and Austria, the same year that Lance had his best result a fourth place in Germany. To mask his mediocrity as an athlete, Norris launched a marketing campaign for fans and Formula One itself to remind him as a funny driver rather than a pay driver who is only in sport because his father is a millionaire businessman. In this campaign, several memes are made, fake profiles are used to spread them, and anything Norris does is already accompanied by a flurry of people laughing and considering him the best driver on the grid, even though he is doing nothing impressive. Also, Petrobras’ sponsorship of McLaren ensured that Brazilian narrators and commentators praised Norris as if he were the reincarnation of Ayrton Senna himself.

So if Lando Norris is also a millionaire and has much lower results, why is Lance Stroll called the “pay driver”? Indeed, even in the year of Norris’ “glory”, Stroll’s best result was better than Norris’ and the Englishman still does not have the Canadian achievements. And yet netizens and the media idolize Norris and stone Stroll. This proves that it is not money that matters, it is the color of the person who has the money.

 

 

Logic of racist: If you are Amerindian, you are pay driver; if you are white, you may be the most mediocre driver that we will praise you. [11]

 

Another case of racism was when the media tried to blame Lance Stroll for Esteban Ocon’s departure from Formula One (see “Understand the Esteban Ocon Case”) after the Canadian’s father bought the team, saved 405 jobs and kept Ocon until the end of his career. contract (you see, even with this detail, racists go into the absurdity of accusing Lawrence of buying teams for Lance). They omit that Ocon was already leaving when his sponsor Toto Wolff promised him a seat at Mercedes, Renault or McLaren, but all the other teams refused. In other words, is it Stroll or Wolff, who lied to his sponsored, to blame? And why they not blame Daniel Ricciardo, Lando Norris, Carlos Sainz Jr. or George Russell for Ocon’s departure? Because all of these men are white.

And speaking of George Russell, he proved that the media only criticizes minorities while evades whites from guilty. In 2018, with Williams’ poor performance due to its engineering department headed by Paddy Lowe, the media blamed Lance Stroll for not bringing enough points to the team. Stroll finished that year second to last, beating Romain Grosjean and teammate Sergey Sirotkin. When George Russell and Robert Kubica came to the English team to replace Stroll and Sirotkin, Williams’ car performance worsened and the team scored just one point, scored by Kubica. At no point was Russell’s hiring criticized, even though he was unable to make a meager point for his team. The media preferred to bet on Russell as an excellent driver, victim of an incompetent team, title they would give Stroll if he were not Amerindian.

 

6- You aleady knew he is Amerindian, you just do not want to admit it

 

When announced as a 2017 Williams driver, Lance Stroll was in evidence. There was an interest from the media and netizens to get to know him better. One thing that was readily noted was the resemblance between Lance and American actor Taylor Lautner, famous for playing Native American werewolf Jacob Black in the “Twilight” saga. Interestingly, even though Lautner was the son of an Amerindian mother, there were still people who doubted his ethnicity because his father was of pure European descent. If Lautner had not been Amerindian, he would not have been called to play an Amerindian character, right? And if Stroll was not an Amerindian, it would not make sense comparing him to an Amerindian actor. Why not compare Stroll to Will Smith or Leonardo DiCaprio? Because he does not have the same ethnicity as these two, but as Taylor Lautner.

 

Photo that compares Lance Stroll to Taylor Lautner. (Photo: Blig Groo) [12]

 

Humorous site F1 Fanatic calling Stroll the “cover of Twilight werewolf” (“cover do lobisomem do crepúsculo). For those who do not know, Jacob Black, the werewolf in the Twilight saga, is a native of the Quileute tribe. (Photo: F1 Fanatic) [13]

 

7- What do we learn from this?

 

  • That Lance Stroll is not taking anyone’s seat. He was hired to replace a retiring driver.
  • That Lance Stroll has more achievements than many European white drivers, and this bothers a lot of people.
  • That despite being the son of a Belgian mother and grandson of a Russian immigrant, Lance Stroll has Inuit ancestors, indigenous people to Canada, and he has still Amerindian origins because he is mixed-race.
  • That there is not just one Amerindian appearance. There are thousands of indigenous tribes in America, each with its ethnicity and culture.
  • No matter how good the driver is, he will always be a victim of racism if he belongs to an ethnic minority (ex: Lewis Hamilton).
  • That no driver gets to Formula One without financial support (including Brazilians). The problem with Strolls’ fortune, which earned honestly and fairly, is pure anger of people who think Amerindians cannot succeed.
  • That all Lance Stroll haters are either racists who cannot stand to see Amerindians in the sport (especially beating whites) or are idiots who repeat the racist fallacy because they are unable to think with their heads and swallow everything the media and the internet says.

 

Knowing this, the next time you see or hear a netizen or television host (narrator or commentator) calling Lance Stroll a “pay driver” or “rich boy” or accusing him of steal someone’s seat, know you are facing a case of racism. Report, confront, tell the truth to this person. Do not let racism thrive. If we want a society where everyone is equal, do not ignore prejudice with the others. Unmask the racist. Make it to shut up. Amerindians are human beings like all other ethnicities and origins, and as such deserve our respect and support.

 

Addendum (March 11th, 2020): On March 11th, 2020, The Racing Track’s page on Instagram was a target of a racist comment from a profile called official_alexalbon, which stated that “Jews deserve ‘Aushwitz’ not f1 seats”. This is a clear proof of what was demonstrated in this article: who is against the presence of Lance Stroll in Formula One is against the presence of Amerindian and Jewish drivers in the sport, using the Canadian family’s fortune as an excuse for the disproportionate hatred of a person they do not even know. Bearing in mind that supporting European white drivers, or even not being a fan of Lance Stroll does not make the supporter a racist (at no time did the article imply this), but using a double standard to judge the drivers, ignoring the achievements of Stroll and demoting them in relation to equally wealthy white drivers whose results in the sport were inferior is an act of racism. Below is the photo of the comment:

 

To those who doubted racism against Lance Stroll was real, there is the proof.

 

8- Bibliography

 

 

Photos

Note: None of the photos used in this article belongs to me. This site has informative intentions, not commercial. The links where I took the photos are indicated below. All copyrights reserved.

O Caso Lance Stroll: Um Indígena na Fórmula 1

O piloto canadense Lance Stroll volta e meia é assunto dos jornais esportivos e comentários dos fãs da Fórmula 1. Infelizmente, grande parte dos comentários é ofensiva, descarregando uma carga de ódio anormal em cima de um rapaz que nunca fez mal para ninguém (muito menos para seus detratores, que sequer o conhecem pessoalmente). Várias hipóteses são levantadas sobre a origem desse ódio: inveja pela fortuna da família Stroll, fanatismo por pilotos rivais, ignorância acerca de quem Lance é, entre outras. Mas apenas uma está mais próxima da verdade: racismo contra os povos indígenas.

“Ah, mas a mãe dele é belga”, dizem alguns dos haters. “Ah, mas a pele dele é mais clara”, dizem outros. Tais frases relatam o quanto que a sociedade atual desconhece acerca dos povos indígenas da América. Neste artigo, vamos provar que esta raiva gigantesca que muitos internautas (e até membros da imprensa) têm de Lance Stroll nada mais é do que o desejo de que o esporte seja composto unicamente por pilotos brancos.

1- O primeiro piloto indígena da Fórmula 1

Lance Stroll nasceu em Montreal no dia 29 de outubro de 1998, segundo filho do empresário Lawrence Stroll e da estilista Claire-Anne Callens. Lance é descendente de judeus russos e indígenas inuítes (povo nativo do Canadá) por parte de pai, e de belgas e ingleses por parte de mãe. Lawrence Stroll é filho de um imigrante judeu russo e de uma canadense, possui a pele avermelhada, cabelos lisos e grossos e olhos levemente puxados. Claire-Anne Callens tem pele branca e olhos azuis. O resultado da miscigenação é notado nos filhos do casal: Chloe, a filha mais velha, tem os olhos da mãe, mas o formato de rosto do pai; Lance, o filho mais novo, tem o formato de rosto da mãe, mas os olhos castanhos levemente puxados e os cabelos escuros, lisos e grossos do pai. A pele de Lance é mais clara que a de Lawrence e mais avermelhada que a de Claire.

 

Os Strolls. Da direita para a esquerda: Claire-Anne (mãe), Lance (filho), Lawrence (pai) e Chloe (filha). (Foto: Thill Arthur/ATP) [1]

O fenômeno da miscigenação é muito comum nos países americanos devido ao histórico de colonização, escravidão e imigração no continente. No Canadá, país natal de Lance, não foi diferente. Os povos nativos tiveram contato com os europeus (de pele branca) e os africanos (de pele negra). Os filhos de casais de cores de pele diferente são chamados mestiços. No Brasil, por exemplo, os mestiços ganham nomes diferentes de acordo com suas origens. Os filhos de brancos com negros são chamados de “mulatos”, os filhos de índios com negros são chamados de “cafuzos”, e os filhos de brancos com índios (como é o caso de Stroll), são chamados de “caboclos” ou “mamelucos”.

Na genética existe grande probabilidade de pessoas mestiças com ancestrais brancos terem filhos brancos quando se casam com brancos. Países como os Estados Unidos chegaram a proibir o casamento entre pessoas de cores diferentes no século XIX, enquanto que o governo brasileiro incentivava o casamento com brancos para “branquear” as futuras gerações. No entanto, o fato do mestiço ter a pele mais clara que seus ancestrais não anula sua origem. Logo, um “caboclo” não deixa de ter origens indígenas por sua pele ser mais clara que a dos “índios”. Ele possui tanto origem indígena quanto europeia, e este é o caso de Lance Stroll.

 

Características físicas de Lance Stroll que comprovam sua origem indígena. [2]

2- Os indígenas de acordo com os europeus

A Fórmula 1 foi criada na década de 1950. Não haviam se passado nem uma década da queda dos regimes nazifascistas na Europa, que se caracterizavam pela intensa repressão do Estado e perseguição de grupos étnicos minoritários (principalmente os judeus) sob pretextos raciais. Desde o século XIX, com a formulação do “darwinismo social”, as escolas e intelectuais europeus ensinavam à população de que as raças se organizavam em uma hierarquia, na qual a raça branca europeia era considerada superior às demais e os mestiços inferiores a todas as “raças puras”. Antropólogos como inglês Edward Tylor aplicaram essa teoria para a defesa do “evolucionismo social”, tese que defende uma hierarquia entre as culturas. Mesmo com esforços de outros antropólogos, como o alemão judeu Franz Boas, em mostrar que não se pode afirmar em superioridade de culturas ou raças, a sociedade europeia abraçou com firmeza a ideia de que estava em vantagem em relação aos demais povos do planeta.

Porém, esse fenômeno tem origens mais antigas. Desde a colonização da América por nações da Europa, diversos grupos detentores do poder lançavam propagandas para obter apoio ao processo colonizador. No Brasil, por exemplo, após a morte do bispo Pedro Fernandes Sardinha (que teria sido devorado por indígenas antropófagos) no século XVI, a Igreja Católica promoveu campanhas que tratavam os indígenas como seres animalescos e selvagens para justificar as campanhas catequizadoras e o controle português em território brasileiro. As consequências foram catastróficas e a tribo acusada de matar o bispo, os Caetés, foi exterminada no processo.

 

Imagem da Exposição Antropológica Brasileira de 1882, ilustrando um indígena brasileiro e um escravo africano sendo exibidos na Europa. Note como os indígenas e os negros são retratados de maneira animalesca comparado aos brancos. (Foto: Museu Nacional do Rio de Janeiro) [3]

Na década de 50 a população europeia ainda não entendia como eram os povos nativos da América. Décadas antes, em 1911, o escocês James Matthew Barrie lançou sua obra mais famosa: “Peter Pan”. Na história, uma tribo indígena é retratada como pessoas submissas ao protagonista e a filha do chefe, a princesa Tigrinha, se dispõe a fazer tudo por Peter, mesmo ele não tendo por ela o mesmo sentimento que tem por Wendy Darling, menina inglesa que ele leva para a Terra do Nunca. Em 1953, Walt Disney adaptou a obra em um filme de animação no qual os indígenas assumem um papel maior na música “Por Que Ele Diz ‘Au’?” (“What Makes the Red Man Red?” no original em inglês). Na cena, a tribo é composta de indivíduos parados no tempo, isolados do resto do mundo e que usam as mesmas vestes de seus antepassados. O estereótipo em torno dos indígenas gerou tanta polêmica para a Disney que os estúdios optaram por não incluir os personagens na sequela do filme: “De Volta à Terra do Nunca”, de 2002 (título original “Return to Neverland”).

 

Tribo indígena do filme “Peter Pan” (1953). (Foto: Disney) [4]

Como os indígenas viviam apenas no continente americano, não havia nenhum interesse na Europa em combater o preconceito contra eles, muito menos em fazer uma autocrítica sobre a interação entre brancos e indígenas ao longo dos séculos. Mesmo nos países americanos, os nativos ainda eram marginalizados e excluídos da sociedade. Somente com a organização e luta desses povos, principalmente no século XX, é que a questão foi levada mais a sério. No dia 19 de abril de 1940 foi realizado o Congresso Indigenista Interamericano, visando promover o combate ao racismo e pressionar os países americanos a adotar políticas de proteção e garantia dos direitos indígenas. É por isso que na Argentina, na Costa Rica e no Brasil, no dia 19 de abril é comemorado o Dia do Índio.

A Fórmula 1 visava incentivar o interesse à indústria automobilística. À época, os consumidores desse setor eram homens brancos. Mulheres eram proibidas de dirigir em muitos países do mundo, e negros e indígenas viviam em segregação, impossibilitando-os de ter acesso a veículos. Logo, o esporte se concentrava em agradar ao público masculino, branco e europeu, seu mercado consumidor. É devido a isso que por anos a Fórmula 1 foi dominada por europeus e seus descendentes (Juan Manuel Fangio, piloto argentino que foi o segundo campeão da categoria, era descendente de italianos).

3- Revson e Hamilton: quebrando a hegemonia

Em 1964, o norte-americano Peter Revson estreou como o primeiro judeu na categoria, quebrando anos de domínio branco europeu na Fórmula 1. Vale lembrar que o povo judeu sofre perseguições desde a Antiguidade e foi o grupo majoritário entre as vítimas do Holocausto (antes havia sofrido invasões de suas terras por assírios, persas, gregos e romanos, inquisições por parte da Igreja Católica, pogroms no Império Russo e muitas outras políticas de segregação e extermínio). Também importante ressaltar que mesmo um quarto da população judaica tendo pele branca (caso de Revson), eles não são considerados brancos pelas teorias raciais (por terem origem no Oriente Médio) e são perseguidos pelos grupos de supremacia branca. Revson correu por 10 anos com as equipes Revson Racing, Reg Parnell, Tyrell, McLaren e Shadow Racing. Teve duas vitórias e oito pódios, pontuou 14 vezes e acumulou 61 pontos em toda a carreira. Faleceu em um acidente nos treinos para o Grande Prêmio da África do Sul de 1974.

Quarenta e três anos depois, em 2007, estreou o primeiro piloto negro da Fórmula 1, o inglês Lewis Hamilton. Filho de mãe branca e pai negro nascido de imigrantes caribenhos, Hamilton juntou-se à McLaren para correr ao lado do espanhol Fernando Alonso. Logo nos treinos preparatórios, ele sofreu ofensas raciais pelos torcedores de Alonso, que o chamavam de “macaco”. Alguns dizem que o motivo das ofensas não era racial, e sim esportivo, pois os torcedores de Alonso amavam o piloto espanhol. Porém, se assim fosse, não seria mais lógico chamar Hamilton de “perdedor” ou dizer que Alonso iria “acabar com ele”? Chamá-lo de “macaco”, ofensa historicamente associada aos negros, prova que o ódio dos torcedores espanhóis contra Hamilton era sim, racismo.

Hamilton começou o ano com um pódio, teve sua primeira vitória, e se tornou vice-campeão de 2007. No ano seguinte, foi campeão ainda com a McLaren. Porém, mesmo com seus resultados brilhantes, o inglês ainda não estava livre da perseguição racial. No Grande Prêmio de Mônaco de 2011, os comissários puniram Hamilton por um choque com Felipe Massa, piloto brasileiro de ascendência italiana. Ele questionou a punição e acusou os comissários de tomar uma decisão com base na cor de pele dos pilotos, pois Massa era branco e Hamilton negro. Em vez de apurarem o caso, os responsáveis pela Fórmula 1 moveram uma censura ao piloto inglês, proibindo-o de acusar novamente os comissários de racismo. A melhor decisão nesse caso seria a de mostrar os vídeos da colisão para ambos os pilotos e esclarecer os motivos da punição. Ao silenciarem Hamilton, os administradores do esporte deixaram margem para que a hipótese de racismo fosse levada em conta.

Peter Revson (à esquerda) e Lewis Hamilton (à direita): respectivamente o primeiro piloto judeu e o primeiro piloto negro na Fórmula 1. [5]

Outro caso de racismo sofrido pelo britânico ocorreu no Grande Prêmio da Itália de 2019, cuja arbitragem é questionada até hoje. Correndo pela Mercedes, Hamilton tinha chances de ultrapassar Charles Leclerc, piloto monegasco que representava a Ferrari. Para bloquear o adversário, Leclerc o espremeu contra o muro e uma investigação foi iniciada. No entanto, os comissários decidiram apenas advertir Leclerc com uma bandeira preta e branca. Após a vitória do monegasco, Hamilton subiu ao segundo lugar do pódio e os torcedores italianos o vaiaram fortemente. Alguns inclusive fizeram gestos e sons imitando macacos. Hamilton postou uma mensagem em seu Instagram recomendando aos italianos não cometer esse desrespeito, pois mancharia a imagem de uma torcida lembrada por sua alegria e entusiasmo. Nenhuma autoridade da Fórmula 1 sequer chegou a comentar o caso.

Séculos de ensinamentos racistas de “superioridade branca” deixaram marcas profundas na sociedade europeia de modo que o fenômeno do racismo passe despercebido ou seja encarado como algo banal até os dias de hoje. É nítido que os movimentos contra o racismo são mais fortes na América do que na Europa, mas mesmo no continente americano existem aqueles que se negam a enxergar a discriminação racial como um problema. No Brasil, por exemplo, enquanto alguns imigrantes europeus se misturaram com indígenas e negros, outros preferiram se unir a outros europeus e criaram seus filhos com as mesmas ideias que eram repercutidas na Europa. Tal fenômeno levou alguns brasileiros a acreditar que o fenômeno não era algo sério e a aceitar a discriminação contra negros e índios, incluindo atletas dessas etnias. No Grande Prêmio do Brasil de 2008, após o resultado dar o título de campeão a Hamilton mesmo com a vitória de Massa, torcedores brasileiros vaiaram o inglês e o chamaram de “macaco”, provando que a “utopia racial brasileira” não passa de uma lenda.

4- Indígena e judeu: o bode expiatório perfeito

Lance Stroll pertence a dois povos historicamente perseguidos e massacrados: os ameríndios e os judeus. Esses dois grupos nunca foram bem-vistos pela sociedade europeia. Os indígenas eram “canibais”, “selvagens”, “animalescos”, “incivilizados” na visão eurocêntrica e, como tais, precisavam de conversão ou serem domados e escravizados. Os judeus eram “deicidas”, “hereges”, “controlavam os bancos, a mídia e a política” segundo as ideias vigentes e, como tais, deveriam ser convertidos ou queimados por “não aceitarem a verdade cristã e serem de uma raça inferior”. Mesmo com a queda do nazismo, essas ideias não foram apagadas da mentalidade europeia por completo. Ainda existem figuras no cenário mundial que negam o Holocausto, acusam os judeus de conspiração e defendem que os indígenas devem abrir mão de suas culturas originais.

 

Lance Stroll jogando futebol americano na infância. Repare nas características inuítes no menino. (Foto: Instagram) [6]

Muitas pessoas, tanto na Europa quanto na América, ainda veem os indígenas como parados no tempo, habitantes de florestas, que vivem da caça e pesca. Logo, causa estranheza para muitos ver que os indígenas podem ser empresários bem-sucedidos. Como a Fórmula 3 não recebe tanta atenção como a Fórmula 1, não eram todos os fãs do esporte que sabiam das conquistas de Lance Stroll. Tudo o que sabiam dele era que o piloto vinha do Canadá e seu pai era bilionário, ignorando que todos os pilotos recebem um investimento para manter suas carreiras. Até mesmo pilotos como Esteban Ocon possuem quem arque com os custos de suas estadias no esporte. Na pré-temporada de 2017, por não ter experiência com o carro de Fórmula 1, Stroll acabou batendo várias vezes. Enquanto uns aproveitavam a situação para fazer piadas, alguns precipitadamente acusaram o jovem de compra de vaga. Oras, mesmo que Stroll realmente tivesse pago para entrar na Fórmula 1, isso não seria motivo para tanto ódio. Afinal, ele havia sido contratado pela Williams para substituir um piloto que estava se aposentando, Felipe Massa. Massa desistiu da aposentadoria após a ida de Valtteri Bottas para a Mercedes para substituir o aposentado Nico Rosberg. Ninguém comprou a vaga de ninguém. Bottas e Stroll estavam simplesmente ocupando as vagas de pilotos que se aposentaram. Por que então tanto ódio a Stroll, que até então não era rival de ninguém?

A resposta para essa pergunta é simples: os fãs queriam ver outro europeu na Williams. Incomoda para muitos ter que aturar um piloto negro na Fórmula 1, agora um piloto indígena estava chegando ao esporte, na vaga que segundo os torcedores deveria ser ocupada por um piloto branco de etnia europeia. Este é o motivo pelo qual a fortuna de Lawrence Stroll causa tanto ódio nos internautas: mesmo ele sendo casado com uma europeia, mesmo suas empresas gerando empregos e sustentando famílias, mesmo seu dinheiro tendo sido obtido de maneira totalmente legal, sem envolvimento em nenhum escândalo, ele ainda era um “selvagem canibal incivilizado inferior aos europeus”. Imaginem o quanto que estes internautas devem ter se indignado ao ver pela primeira vez um piloto do continente americano ser campeão da Fórmula 3 EUROPEIA.

 

Lance Stroll foi o primeiro indígena a vencer a Fórmula 3 Europeia. Os racistas queriam ver um europeu como campeão. (Foto: Prema Powerteam) [7]

Motivados pelo ódio racial a Stroll, os racistas lançaram críticas ácidas à presença do canadense na Fórmula 1 como se ele fosse o culpado de todas as mazelas do mundo. Lance sentia na pele o que seu povo sofreu por séculos. Aqueles que odeiam os Strolls por sua fortuna são os mesmos que não dão nem uma esmola a um mendigo necessitado, e ignoram de propósito o fato de haver pilotos igualmente ricos cujos resultados não se aproximam dos de Lance. Por quê? Porque um branco rico não gera a mesma estranheza e desconforto do que um indígena rico. Porque um indígena judeu é visto como o culpado de todos os infortúnios do mundo, como se um simples piloto do canadense fosse o responsável pela fome e a miséria mundiais enquanto que os brancos, igualmente riquíssimos, não tivessem nenhuma participação nisso.

Afinal, qual foi o último piloto estreante que conseguiu um pódio em um carro de uma equipe mais fraca? Qual foi o último estreante que largou da primeira fila em um carro longe de ser competitivo? Qual foi o último piloto a quebrar três recordes em seu ano de estreia? Todos esses feitos são apagados propositalmente da memória dos torcedores e jornalistas para inocular nos fãs a ideia de que Lance só está no esporte porque seu pai é bilionário. Por quê? Porque os racistas da internet e da mídia não suportam ver que um piloto indígena conseguiu feitos que muitos brancos não foram capazes de obter, e que oito pilotos brancos, incluindo Fernando Alonso (o mesmo ídolo dos racistas que chamaram Hamilton de “macaco”), ficaram atrás de um indígena em seu ano de estreia. Para isso, omitem não só seus feitos, como também omitem a etnia de Lance das discussões. Usam a desculpa de que a mãe de Stroll é branca para dizer que ele “não é mais índio”. Ninguém deixa de ser índio. É como deixar de ser velho.

5- Pilotos pagantes brancos não são pagantes, só os índios

O fato é que o século XXI não é igual ao XX. Mesmo com a persistência do racismo, os movimentos de combate são mais fortes hoje em dia do que no século passado. A sociedade ocidental está mais consciente da importância do respeito e de que nenhuma etnia ou cultura é superior ou inferior a outra. Logo, até mesmo os racistas mais convictos procuram mascarar seu racismo para evitar serem condenados pela opinião pública.

A desculpa que os racistas encontraram para criticar a presença de um indígena na Fórmula 1 sem que se perceba os motivos raciais foi ressaltar a fortuna de seu pai. E como dizia o ministro da propaganda nazista Joseph Goebbels, “uma mentira contada várias vezes torna-se uma verdade”. Com isso, há jornalistas e internautas tão entorpecidos com o preconceito e a ideia de que Stroll não merece a vaga que se recusam até a ler a história do piloto antes de julgá-lo, convencido de que os indígenas devem ser ignorados, tratados com desprezo, do mesmo modo que foi séculos atrás, quando os colonizadores europeus massacraram tribos, escravizaram nativos e os obrigaram a abrir mão de suas culturas originais.

Mas os racistas acabam deixando escapar seu plano ao cometerem um deslize fatal: desconhecerem a etnia que eles julgam inferior. Muitos internautas em sua defesa afirmam não saber que Lance Stroll é indígena, e outros até negam com firmeza a etnia dele. A mesma desculpa era dada quando os mesmos racistas afirmavam não saber que Stroll é judeu. Os motivos: Stroll não usa kipá, o “chapeuzinho” judaico (e mesmo se usasse, ele ficaria escondido debaixo do capacete), não usa peyot (os cachinhos de cabelo nas têmporas) e não tem “nariz grande”. O primeiro passo para se identificar um racista é notar que ele generaliza todos os membros de um grupo como se todos fossem iguais. No caso, por Lance não ser um judeu ortodoxo hassídico, “não teria como saber que ele é judeu”. A internet facilita muito o trabalho de pesquisa, mas os racistas se julgam tão superiores que não veem a necessidade de pesquisar sobre aqueles que eles consideram inferiores.

O povo judeu é composto de diversas etnias. É errado pensar que todos os judeus são iguais. Na imagem acima é possível ver quatro etnias judaicas: os asquenazim, os sefaradim, os judeus etíopes (também chamados de Beta Israel) e os mizrahim. [8]

Mais absurda ainda é a desculpa de não saber que Stroll é indígena. Os motivos: ele não anda de cocar na cabeça, não caça e pesca com lança, não mora na floresta ou em reserva indígena, e sua pele é mais clara do que a pele “de índio”. Isso revela muito da ignorância da sociedade atual sobre os povos indígenas. Para começar, não existe apenas uma etnia indígena. Agrupar todos as tribos e nações nativas da América como um povo só foi um instrumento dos colonizadores para convencer os monarcas europeus de que os indígenas seriam facilmente derrotados e domados. Existem indígenas de diversas tonalidades de pele. No Canadá, os Métis, por exemplo, são mais claros que os Inuítes, e isso não os torna “menos índios” que os outros. Entre as tribos americanas, os Quileutes são diferentes dos Navajos, que são diferentes dos Cherokees, que são diferentes dos Ottawa, que são diferentes dos Potawatomi, que são diferentes dos Powhatans, e por aí vai. No Brasil, os Tupiniquins se diferem dos Guaranis, que se diferem dos Yanomamis, que se diferem dos Jês, entre outros. É verdade que a maioria dos indígenas possuem cabelos escuros, lisos e grossos, pele avermelhada, olhos levemente puxados e poucos pelos no corpo, mas nem todos são assim. Ironicamente, Stroll apresenta muitas dessas características, mas por não viver isolado da sociedade contemporânea, seus detratores omitem que ele seja indígena.

 

Existem milhares de etnias indígenas no continente americano. Cada tribo possui particularidades, como cultura, religião, vestimenta, língua e costumes. Na foto acima é possível ver quatro etnias indígenas: os Inuítes (Canadá), os Navajos (EUA), os Seris (México) e os Yanomamis (Brasil). [9]

Como podem ver, o ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, possui o mesmo tipo de cabelo e de olhos de Lance Stroll. Morales é da etnia aimará e Stroll é mestiço da etnia inuíte com a etnia europeia. Ambos possuem origens indígenas. [10]

O problema do racismo com os indígenas é que ele passa despercebido pela população por não haver muita atenção midiática acerca disso como há para o preconceito contra outras etnias. A luta dos indígenas pelo respeito é silenciada pelo desprezo midiático, e há quem afirme que nunca ouviu falar em índio. Quando se ouve a palavra “racismo”, ela quase nunca é associada aos indígenas, e estes somente aparecem nos noticiários quando o governo ou algum fazendeiro ou garimpeiro invade as terras de uma reserva e entra em confronto com os membros da aldeia.

E a prova concreta de que a birra que os haters tem com Stroll não tem nada a ver com dinheiro e sim com cor de pele é a idolatria que os mesmos tem pelo piloto inglês Lando Norris. Lando é filho do magnata Adam Norris, um milionário dono da companhia Horatio Investments e detentor de uma fortuna pessoal de US$270 milhões.

Ao contrário de Stroll, que estreou em uma equipe pouco competitiva, Norris estreou pela McLaren em um ano de atualizações no chassi que renderam à equipe um bom desempenho para competir pelos primeiros cinco lugares do ranking. Diferente de Stroll, que terminou seu ano de estreia a apenas três pontos de seu experiente companheiro (chegando até a ultrapassá-lo no ranking em alguns momentos do campeonato), Norris terminou o ano com 47 pontos a menos que o companheiro Carlos Sainz Jr., que possuia quatro anos de experiência. Sainz ainda conquistou o único pódio da equipe no ano, com um terceiro lugar no Grande Prêmio do Brasil de 2019.

Se formos comparar os resultados, não há dúvidas de que Lance Stroll é melhor que Lando Norris. Em seu ano de estreia, Lance teve um pódio, largou da primeira fila e quebrou três recordes: mais jovem estreante a ter pódio, mais jovem piloto a largar da primeira fila, e pódio mais jovem (menor média de idades dos pilotos no pódio). Seus feitos garantiram o quinto lugar de sua equipe no campeonato de construtoras. Lando em seu ano de estreia não conseguiu nenhum pódio e não quebrou nenhum recorde, tendo seu melhor resultado um sexto lugar no Bahrein e na Áustria, no mesmo ano em que Lance teve seu melhor resultado um quarto lugar na Alemanha. Para mascarar sua mediocridade enquanto atleta, Norris lançou uma campanha de marketing para que os fãs e a própria Fórmula 1 o lembrassem como um piloto engraçado em vez de um piloto pagante que só está no esporte porque seu pai é um empresário milionário. Nessa campanha, são feitos vários memes, usam-se perfis falsos para divulgá-los e qualquer coisinha que Norris faça já é acompanhada de uma enxurrada de pessoas rindo e o considerando o melhor piloto do grid, mesmo ele não fazendo nada de impressionante. Somado a isso está o patrocínio da Petrobras à McLaren, garantindo que os narradores e comentaristas brasileiros elogiassem Norris como se ele fosse a própria reencarnação de Ayrton Senna.

Então, se Lando Norris também é milionário e tem resultados muito inferiores, por que é Lance Stroll que é chamado de “piloto pagante”? Realmente, até no ano de “glória” de Norris, o melhor resultado de Stroll foi melhor que o de Norris e o inglês ainda não tem os feitos do canadense. E mesmo assim os internautas e a mídia idolatram Norris e apedrejam Stroll. Isso prova que não é o dinheiro que importa, é a cor da pessoa que tem o dinheiro.

 

Lógica dos racistas: se você for indígena, você é pagante; se você for branco, pode ser o piloto mais medíocre possível que vamos te louvar. [11]

Outro caso de racismo foi quando a mídia tentou culpar Lance Stroll pela saída de Esteban Ocon da Fórmula 1 (ver “Entenda o Caso Esteban Ocon”) após o pai do canadense comprar a equipe, salvar 405 empregos e manter Ocon até o fim de seu contrato (pois é, mesmo com esse detalhe, os racistas chegam ao absurdo de acusar Lawrence de comprar equipe para Lance). Omitem que Ocon já estava de saída quando seu padrinho Toto Wolff o prometeu uma vaga na Mercedes, na Renault ou na McLaren, mas todas as outras equipes recusaram. Ou seja, a culpa é de Stroll ou de Wolff, que mentiu para o apadrinhado? E por que não culpam Daniel Ricciardo, Lando Norris, Carlos Sainz Jr. ou George Russell pela saída de Ocon? Porque todos estes são brancos.

E falando em George Russell, ele provou que a mídia só critica as minorias enquanto exime os brancos de culpa. Em 2018, com o fraco desempenho da Williams, por culpa de seu departamento de engenharia comandado por Paddy Lowe, a mídia culpou Lance Stroll por não trazer pontos suficientes para o time. Stroll terminou aquele ano em antepenúltimo lugar, vencendo Romain Grosjean e o companheiro Sergey Sirotkin. Quando George Russell e Robert Kubica vieram para o time inglês substituir Stroll e Sirotkin, o desempenho do carro da Williams piorou e a equipe fez apenas um ponto, marcado por Kubica. Em nenhum momento criticou-se a contratação de Russell, mesmo ele não sendo capaz de fazer um mísero ponto para seu time. A mídia preferiu apostar em Russell como um piloto excelente, vítima de uma equipe incompetente, título este que dariam a Stroll se ele não fosse indígena.

6- Você já sabia que ele é índio, só não quer admitir

Ao ser anunciado como piloto da Williams para 2017, Lance Stroll ficou em evidência. Houve um interesse por parte da mídia e dos internautas de conhecê-lo melhor. Uma coisa prontamente notada foi a semelhança entre Lance e o ator americano Taylor Lautner, famoso por interpretar o lobisomem indígena Jacob Black na saga “Crepúsculo”. O curioso é que mesmo Lautner sendo filho de uma indígena, ainda haviam pessoas que duvidavam de sua etnia por seu pai ser descendente puramente de europeus. Se Lautner não fosse indígena, não teria sido chamado para interpretar um personagem indígena, certo? E se Stroll não fosse indígena, não faria sentido ele ser comparado com um ator indígena. Por que não compararam Stroll a Will Smith ou a Leonardo DiCaprio? Porque ele não tem a mesma etnia desses dois, e sim de Taylor Lautner.

Foto que compara Lance Stroll a Taylor Lautner. (Foto: Blig Groo) [12]

Site humorístico F1 Fanático chamando Stroll de “cover do lobisomem do crepúsculo”. Para quem não sabe, Jacob Black, o lobisomem na saga Crepúsculo, é um indígena da tribo Quileute. (Foto: F1 Fanático) [13]

7- O que aprendemos com isso?

  • Que Lance Stroll não está ocupando a vaga de ninguém. Ele foi contratado para substituir um piloto que havia se aposentado.
  • Que Lance Stroll possui mais conquistas que muitos pilotos brancos europeus, e isso incomoda muita gente.
  • Que mesmo sendo filho de mãe belga e neto de imigrante russo, Lance Stroll possui ancestrais inuítes, povo indígena nativo do Canadá, e não deixa de ter origens indígenas por ser mestiço.
  • Que não existe apenas uma aparência indígena. Há milhares de tribos indígenas na América, cada uma com sua etnia e cultura.
  • Que não importa o quão bom seja o piloto, ele sempre será vítima de racismo se pertencer a uma minoria étnica (ex.: Lewis Hamilton).
  • Que nenhum piloto chega à Fórmula 1 sem um suporte financeiro (incluindo os brasileiros). A implicância com a fortuna dos Strolls, obtida de maneira honesta e justa, é pura indignação de pessoas que acham que os indígenas não podem ser bem-sucedidos.
  • Que todos os haters de Lance Stroll, ou são racistas que não suportam ver indígenas no esporte (ainda mais vencendo brancos), ou são idiotas que repetem a falácia racista porque são incapazes de pensar com a própria cabeça e engolem tudo o que a mídia e a internet diz.

Sabendo disso, da próxima vez que ver ou ouvir um internauta ou apresentador de televisão (narrador ou comentarista) chamando Lance Stroll de “piloto pagante” (“pay driver”) ou de “garoto rico” (“rich boy”), ou acusando-o de roubar a vaga de alguém, saiba que está diante de um caso de racismo. Denuncie, confronte, diga a verdade para essa pessoa. Não deixe o racismo prosperar. Se queremos uma sociedade onde todos são iguais, não ignore o preconceito com o outro. Desmascare o racista. Obrigue-o a silenciar-se. Os indígenas são seres humanos como todas as outras etnias e origens, e como tais, merecem o nosso respeito e apoio.

 

Adendo (11/04/2020): No dia 11 de março de 2020, a página do The Racing Track no Instagram foi alvo de um comentário racista de um perfil chamado official_alexalbon, que afirmou que “Judeus merecem ‘Aushwitz’ não assentos na Fórmula 1”. Esta é a prova cabal do que foi demonstrado nesse artigo: quem é contra a presença de Lance Stroll na Fórmula 1 é contra a presença de pilotos indígenas e judeus no esporte, usando a fortuna da família do canadense como desculpa para o ódio desproporcional a uma pessoa que eles sequer conhecem. Lembrando que torcer para pilotos brancos e europeus, ou até mesmo não ser fã de Lance Stroll não torna o torcedor um racista (em momento algum a matéria deu a entender isso), mas usar padrão duplo para julgar os pilotos, ignorando os feitos de Stroll e rebaixando-os em relação a pilotos brancos igualmente ricos cujos resultados no esporte foram inferiores é sim um ato de racismo. Fica abaixo a foto do comentário:

 

Para quem duvidava que o racismo contra Lance Stroll fosse real, eis a prova.

 

8- Bibliografia

Fotos

Obs.: Nenhuma das fotos inseridas neste artigo pertence a mim. Este site possui fins informativos, não comerciais. Abaixo estão indicados os links de onde tirei as fotos. Todos os direitos reservados.

Understand the Esteban Ocon case

Esteban Ocon, a Hispano-French driver who raced in Formula One between 2016 and 2018, is one of the most talked names when speculation in the driver market begins. After all, the 22-year-old driver, patronized by Toto Wolff, was considered by many supporters as a promise of a future star. However, he got out of the 2019 grid. Why did this happen? Does he still have a chance? His case is complicated, but we will explain everything.

1- Early career

Esteban Ocon is a rare case in Formula One. As this is an expensive sport (pieces, engineers, mechanics, simulators, etc.), drivers are expected to bring sponsorship to help with their team expenses. Therefore, the overwhelming majority of drivers are of a wealthy background. Ocon is one of the rare exceptions. Born to a humble family of Spanish immigrants from Malaga, capital of the province of Andalusia (the poorest in the country), the young driver owes his entire career to Toto Wolff. Ocon even claimed that if it wasn’t for the current Mercedes’ Team Principal, who gave him an opportunity to join motorsport, he would be working in fast-food restaurants to help his family income. The relationship between Wolff and Ocon is the key to understanding the driver’s current situation.

Esteban Ocon and his parents, Laurent and Sabrina

In 2014, Ocon was the champion of European Formula Three, one of the main categories to the entry in Formula One. However, the young driver promoted that year was Max Emilian Verstappen. The young Dutchman, son of former driver Jos Verstappen, debuted at Toro Rosso in 2015, while champion Ocon remained anonymous until mid-2016 when Manor signed him to replace Indonesian Rio Haryanto at the Belgian Grand Prix. Ocon finished his debut year without points in 23rd place. His first point came with the following year’s Australian Grand Prix, which Esteban finished in 10th place.

2- Similar case

Pascal Wehrlein is a German driver who was also patronized by Toto Wolff. Son of a German father and African mother from Mauritius, he made his Formula One debut at Manor in 2016 at the Australian Grand Prix. He became Ocon’s mate after the resignation of Rio Haryanto. At the end of the season, Manor filed for bankruptcy and announced that it would no longer compete in Formula One.

Pascal Wehrlein

To ensure his patronized boys remained, Toto Wolff landed good deals: Wehrlein was sent to Sauber, replacing Brazilian Felipe Nasr, and Ocon to Force India in place of German Nico Hülkenberg. The Rede Globo, a Brazilian company that owns Formula One broadcasting rights in the country, even speculated that Nasr would go to Force India because he outperformed his fellow teammate, Swedish Marcus Ericsson. However, Nasr was left out of the category and Ocon got the seat. Initially, many Brazilian fans were angry at Toto Wolff and Esteban Ocon.

As Sauber’s car had the worst performance of the grid, Wehrlein only scored twice, with seventh place in the Spanish Grand Prix getting six points and tenth place in the Azerbaijan Grand Prix getting one point. His teammate was the only driver that did not score that year. By 2018, Sauber would have to sacrifice one of its drivers to hire Monegasque Charles Leclerc, GP2 champion (another great category to entry in Formula One) and a member of Ferrari Driver Academy. Leclerc is patronized by Nicolas Todt, son of current International Automobile Federation (FIA) president, Jean Todt (Ferrari Team Principal between 1993 and 2007). Sauber at the time was a team subordinate to Ferrari just like Toro Rosso is to Red Bull today. Having to choose between Tetra Pak-sponsored Swede and Toto Wolff-patronized German, the Swiss team opted for Ericsson, and Wehrlein was fired.

Wolff put Wehrlein in the position of Mercedes’ third driver, along with the young Englishman George Russell. Toto promised Pascal that he would fight until the end to secure him a seat in Formula One, but Wehrlein expects this until now. Displeased with the situation, the German joined Ferrari as a third driver, replacing Russian Daniil Kvyat, who was returning to Toro Rosso after being fired from the team.

3- Relationship with other drivers

In the days of the access categories, Ocon befriended Canadian Lance Stroll, whose father, Lawrence Stroll, was the owner of the best European Formula Three and GP2 team, Prema Powerteam. Ocon was champion of the 2014 European Formula Three season with this team. Lance did the same in 2016, breaking the record of “youngest champion” of the category and the first Canadian to win the title. Some critics measured that Verstappen drew more attention than champion Ocon for taking third place with a much lower car (Van Amsterfoot Racing, powered by Volkswagen). It is legitimate noting that Verstappen was the big sensation of 2015. The automotive newspapers only spoke about him, whether by his records, his accidents, or his bold moves that guaranteed him good scores. Max was elected FIA Rookie of the Year in 2015. All of this contributed to overshadowing Ocon’s image for a year and a half.

With Stroll, Ocon had a “Prince and Pauper” kind friendship, as both came from very different backgrounds. Nevertheless, the friendship between them both proved that wealth does not define character. Being rich does not mean being bad or good. Being poor does not mean being good or bad. And later on, let’s see that this really applies.

With Wehrlein, Ocon had no considerable conflict, a situation quite different from that of his Mexican counterpart Sergio Pérez, his Force India teammate. The two met on occasion, especially at the 2017 Belgian Grand Prix, when a touch between them at the Eau Rouge entrance squeezed Esteban against the pit wall. Ocon accused Pérez of “trying to kill him,” infuriating Mexican fans, who offended him on social media. Claiming security reasons, Esteban hired armed security for himself and his parents at that year’s Mexican Grand Prix. Another example of friction between the two was at the Singapore Grand Prix when Pérez beat Ocon out of the race.

The conflict between Pérez and Ocon at the 2017 Belgian Grand Prix. Ocon accused Pérez of trying to kill him

4- Beginning of the crisis: Force India’s bankruptcy

In 2018, Force India owner Vijay Mallya was investigated by the Indian authorities under suspicion of corruption. British courts were already negotiating his deportation to India. With accounts in the red and low reliability, the team started the bankruptcy process. According to Mariana Becker, a journalist for Rede Globo, an American businessman and a Russian were interested in buying it, but no agreement was reached.

Seeing an investment opportunity, Lawrence Stroll set up a consortium of businessmen and bought Force India, with Mallya assuming any pending issues regarding his term of office, including the lawsuit Sergio Pérez filed against the team. Stroll’s son Lance, who had had a good season with Williams in 2017 (getting a podium, a start from the front row and two records), suffered from an uncompetitive car in the English team. It was speculated that when Lawrence bought the team, Lance would transfer to it.

Article from the journal Independent, that mentions the 405 jobs saved by Lawrence Stroll

As explained at the beginning of this article, Formula One needs drivers to bring sponsorship to maintain the sport. Pérez is sponsored by companies such as Telmex and Claro and the state government of Jalisco, Mexico. Ocon, for its part, was sponsored only by Toto Wolff.

5- Attempts to contract with other teams

  • Mercedes: The sponsor upholds Niki Lauda’s wishes.

According to the press, Toto Wolff had adviced Ocon before the 2018 Monaco Grand Prix. He would have said that if it did not make it difficult for Lewis to overtake Hamilton after the pit stop, Esteban would take the second Mercedes seat, as Finnish Valtteri Bottas outperformed Hamilton. This would have occurred well before the purchase of Force India (which was made on drivers’ vacations before the Belgian Grand Prix). Ocon facilitated Englishman overtaking in all races.

That is, months before Force India went bankrupt and was sold, Esteban Ocon was already set to leave the team. However, then-Mercedes adviser, three-time champion Niki Lauda, ​​advised Wolff to give Bottas one more chance. The Team Principal accepted the request and renewed Finn’s contract for another year. In the case Ocon left Force India, which was most likely not to bring the same benefits as Pérez, Wolff would have to work hard to put his pupil into a new team.

  • Renault

In 2018, the French team had Spanish Carlos Sainz Jr. and German Nico Hülkenberg. The first was called in to replace Fernando Alonso at McLaren after the two-time champion announced his retirement. The second had its contract renewed. As a result, Renault had a seat available for 2019. According to press reports, Toto Wolff was negotiating the transfer of Ocon to this team, as the driver was no advantageous neither financially nor in terms of performance, as his results were below those of Pérez.

Nevertheless, nobody could have predicted a turnaround in Red Bull. The announcement that the Austrian team would run with Honda engine in 2019 displeased one of its drivers, Australian Daniel Ricciardo. Fearing to pass through a series of crashes like McLaren in 2016 and Toro Rosso in 2017, Ricciardo opted to leave Red Bull and signed a contract with Renault, filling the team’s second seat. This was the first door that closed to Ocon.

  • McLaren

Dissatisfied with the results of Belgian Stoffel Vandoorne, the English team dismissed the driver and hired Carlos Sainz Jr. to replace Fernando Alonso, who would retire at the end of 2018. Consequently, a seat would be available at McLaren too. Sources say Toto Wolff also contacted the British team to secure a seat for Ocon. However, the team opted for a young English driver who had been in the team development program for years. His name was Lando Norris, the son of an English billionaire businessman. With that, a second door closed for Esteban Ocon.

  • Williams: the Lance Stroll case

If 2017 was a glorious year for the English team, as Lance Stroll’s podium earned it fifth place in the constructors’ championship, 2018 was ruined by the incompetence of its engineers. Lawrence Stroll was one of the team’s main sponsors, along with the SMP bank, which sponsored Russian Sergey Sirotkin. The British engineering team led by Paddy Lowe failed to create a competitive car, with promises of improvements that were always postponed. Embittering in the last positions of the grid, the drivers were unfairly accused by the team’s problems, as they had more spotlight.

Obviously, Lance was unhappy with the team’s incompetence and unfair treatment by the press and fans. It was also clear the dislike of Claire Williams, Team Principal, and daughter of founder Frank Williams, for the Canadian driver, and the clash between Claire and Lawrence created a heavy mood in the squad. Remembering that it was the second time that Claire’s mismanagement had led the team into the hands of an outside investor (Toto Wolff in 2009 and Lawrence Stroll in 2017). Lawrence realized that the investment would not be worth it and found an opportunity on Force India purchase.

Although his father took over as the new owner of the team, Lance did not transfer to it. This is the first argument to rebut the accusation that has fallen on the Canadian: that his father would have bought Force India to give his son a better seat, even if he had to sacrifice his friend. If Lawrence were simply a father trying to please his son, he would have paid for Ocon’s contract termination and put Lance on the team immediately. That’s not what happened. Esteban remained on the team, now named Racing Point Force India, until the end of the year.

Many expected Lance and Esteban to switch teams. In other words, Stroll would go to Force India and Ocon to Williams. With Sirotkin’s underperforming performance and Stroll’s departure, the English team would have two vacancies. Toto Wolff stepped into action, placing his pupil in one of Williams’ seats. His name, GEORGE RUSSELL.

The young Englishman was a member of the Mercedes driver development program and served as the third driver of the German team. A long time ago, he had been waiting for an opportunity in Formula One. Wolff did not explain why he chose to secure a seat for a rookie rather than the sponsored who was running out of chances. He merely claimed that Russell had qualifications for the vacancy.

At the same time, there was speculation about Robert Kubica’s return to the grid. The Polish has been out since 2011 when he suffered a serious accident that left his left arm injured. His manager was none other than the champion of 2016, Nico Rosberg. Kubica’s return was a risky investment: his team would have to spend more money to adapt the car to his shortcomings, and there was no guarantee that he would perform well. Rosberg claimed that Polish companies would be willing to sponsor the pilot and that the country’s fans had been looking forward to Kubica’s return since the retirement of Brazilian Felipe Massa.

  • Toro Rosso: Pupil of Toto Wolff? No way!

Toro Rosso went through an unrivaled chair dance. Dissatisfied with Daniil Kvyat’s successive crashes, the team ran in 2018 with Pierre Gasly and Brendon Hartley. However, the second was also involved in a series of collisions that angered the leaders of the Italian team.

With Hartley fired and Gasly promoted to Red Bull after Daniel Ricciardo left for Renault, there were two seats available. However, two factors hindered Ocon’s chances. The first is the fact that Toro Rosso is a team subordinate to Red Bull, and usually, its drivers are linked to it: they are either young people from the development program or have been demoted from the team. Esteban had no ties to Red Bull. The second factor was Ocon’s connection with Toto Wolff. Team chief Franz Tost even claimed that he did not want drivers linked to Mercedes on the team. Perhaps the team feared an espionage scandal like McLaren’s in 2007 or that Ocon would tell Wolff the secrets of the team, that used Honda engines.

6- Esteban Ocon’s image

  • Stroll is thrown into the fire; Ocon delays to help his friend

Lance Stroll made his Formula One debut in 2017 for Williams at the age of 18 at the Australian Grand Prix. Three successive retirements and accidents at free practices made the press and fans forget about his European Formula Three achievements (like his title and record) and consider him a “pay driver”. This unfair fame accompanied Lance to his third-place finish in the Azerbaijan Grand Prix, where he broke the record for “youngest rookie to score a podium”. Ocon had no podium so far, even with a superior car, and remained so until the end of his career.

With the problems Williams faced in 2018, the reputation of “pay driver” came back to Stroll, mainly because the media blamed the drivers for the poor performance of the car, even though it was the engineers’ responsibility. When his father, Lawrence Stroll, bought Force India in the second half of the year, saving the jobs of 405 workers, fans of Esteban Ocon, full of deadly rage, attacked Lance on his social media with the most terrible offenses possible, some even of racial content. Little was said about the saved jobs, or the advantages Pérez and Stroll would bring to the team, or that Ocon’s lack of sponsorship and results hindered him in the case. Some simply would not admit that a Canadian Jewish driver of Amerindian descent who had a podium, a start from the front row and two records would replace a white European driver with no podiums and no records.

However, the most surprising in this case was Esteban Ocon’s reaction. Force India was bought in August 2018. Ocon only spoke out about the attacks on Lance in September 2018. Within a month, the media and fans had enough time to launch slanderous rumors about the Canadian, while his friend since Formula Three era watched all quietly. Ocon called the attacks “irrational” and launched a story on his Instagram in which he emphasized his friendship with Stroll despite their “different backgrounds”. Why did Ocon take a month to help his friend who was suffering one of the dirtiest defamation campaigns in Formula One history? Why did Ocon point out differences in their “background”, as Stroll suffered racial offenses and attacks for being rich (which 99.9% of pilots are)?

Ocon’s Instagram post defending Stroll a month later
  • Crash into Verstappen at Brazilian Grand Prix; the final gavel

With 99.9% of seats unavailable for Ocon, his chances of staying in Formula One were scarcer. On November 11th, 2018, the Brazilian Grand Prix happened at Interlagos Circuit in São Paulo. Although Lewis Hamilton took pole position, Max Verstappen took the lead and was on his way to victory. Esteban was 16th and coming out of pits when he accelerated and ignored the blue flag, crashing into Verstappen. The two drivers temporarily left the track, allowing Hamilton to overtake. Verstappen came back in second, with damage in the car. Ocon received a 10-seconds of stop-and-go penalty. Hamilton’s victory was credited by this incident.

After the podium ceremony, Verstappen sought Ocon to clarify the situation. With a smirk on his face, Esteban replied that he was “faster” and therefore had the right to be in front even with the blue flag.

Note: Believe me, some people believe in this lame excuse to this day.

Verstappen was enraged at the mockery and set off for physical aggression, successively pushing Ocon until both were separated. Max left the room visibly annoyed, while Esteban continued to laugh and mock the Dutchman. Then he dared to say that “Max didn’t act like a man”. Is disrespecting the blue flag, which obliges the lapped cars to let the front drivers pass, a man thing? Is making fun of the injured person instead of assuming the mistake and apologizing for it a man thing? Is seeing your friend being a victim of defamation and helping him only a month later a man thing? Is accusing the teammate of attempted murder a man thing?

Ocon makes fun of Verstappen after the move that prevented his victory
  • Verdict: guilty of maximum allegiance to Toto Wolff; Sentence: to be without a seat for 2019

Ocon’s reaction to the crash with Max Verstappen spawned two theories to explain it: the first is a possible resentment of Esteban for Max’ promotion to Formula One in 2015, even though he was third in 2014 European Formula Three while Hispano-Frenchman had been the champion; The other is that Ocon was sending a message to Toto Wolff that he would be a great driver for the team, as his actions undeniably secured Lewis Hamilton’s victory.

While this image would benefit him for Wolff, it earned Ocon a bad reputation with the other teams. Esteban came to be seen as a loyal agent to the Mercedes team leader, and his presence in other teams could mean espionage, betrayal, and double loyalty. Ocon gained nothing from the Verstappen accident: he did not score, received a penalty, and had his reputation tarnished. The only beneficiaries of the event were Hamilton for the win and Valtteri Bottas, who was fourth in the championship ahead of Verstappen. Nevertheless, that did not last until the end, as in the last race of the year in Abu Dhabi, Max took third place and took Bottas’ position in the championship, just three points behind third-placed Kimi Raikkonen.

After the Brazilian Grand Prix, Claire Williams announced that the British team had hired Robert Kubica, ending all chances for Esteban to continue in the top motoring category. Wolff had no choice but to place him as Mercedes’ third driver.

7- Myths and truths

  • Myth: Stroll is to blame for Ocon’s departure from Formula 1.

Stroll did not take the seat immediately after his father bought Force India with the help of a business consortium. Even though they could afford a contract termination, the new team owners let Ocon run for the team until the end of his contract. Ocon was also tipped to leave the team before purchase. Pérez brought advantages to the team by being the best performing driver and still having good sponsors, something Esteban did not do. The choice for Pérez was based on offer and demand, a golden rule of the market.

Ocon tried vacancies on other teams, but all had other plans. Renault opted for Daniel Ricciardo. McLaren chose Lando Norris. Mercedes has renewed Valtteri Bottas’s contract. Toro Rosso has hired Alexander Albon and Daniil Kvyat (who had a career podium at the time, one more than Esteban Ocon). Stroll is no more guilty than Ricciardo, Norris, Perez, Bottas, Albon, Kvyat, Russell, and Kubica for Ocon’s exit. Remembering that Stroll has a podium, a start from the front row, and two career records, skills that Ocon does not have. Blaming Stroll for being in Formula 1 while Ocon is out is the same as blaming Ayrton Senna for having more titles than Rubens Barrichello.

  • Truth: Ties with Toto Wolff has reduced Ocon’s opportunities in Formula One

Esteban’s countless compliments to Mercedes’ team chief and the move into Max Verstappen’s at the 2018 Brazilian Grand Prix prove that Ocon is very devoted to Toto Wolff, his patronize on sports. The other teams feared that a double agent would generate an espionage scandal or that their secrets would be leaked to the German team.

Many may think that because Mercedes has one of the best cars on the grid (if not the best) it would not be interested in information about other teams. However, teams always watch the performance of their competitors (see McLaren in 2007) for improvements and strategies.

  • Myth: Ocon was an outstanding driver and his departure was a great injustice.

Ocon was surpassed by all his teammates during his Formula One career. In his debut year in 2016, he trailed Pascal Werhlein in the final results. , although both scored zero because they entered Formula 1 midway through the year. In 2017 and 2018 was surpassed by Sergio Pérez, with 87 points against 100 in the first year and 49 against 62 in the second. This myth was created by journalists who, for personal reasons, focus on defaming Pérez, Stroll, and Verstappen rather than praising Ocon for themselves. The driver data proves this.

In two and a half years of career, Ocon failed to win a podium, a front row start, a pole position, or a record, totaling only 136 points. Comparing to other riders of the same age group: Max Verstappen broke two records in his debut year and four more the following year, the same year he got a victory, five podiums and a start from the front row; Lance Stroll got a podium, two records, and a start from the front row in his debut year; Charles Leclerc did not achieve great results in his debut year, but a year later he has so far achieved two poles and five podiums. Remembering that in his debut year, Ocon was unable to score.

  • Truth: Ocon’s choices earned him a bad name in the paddock

The 2017 Belgian Grand Prix case, where Esteban accused Sergio Pérez of “trying to kill him”, is one of the examples of the narrative war the driver fought in his career. Perez even claimed that Ocon likes to victimize himself and make his rivals look like villains. The theory has foundations.

During his career, Ocon’s choices, whether racing maneuvers or press statements (including their lack/delay), made Pérez look like an “impulsive driver who could even kill his teammate”, Stroll looks like “an evil capitalist who buys seats in Formula One” and Verstappen looks like “an uncontrolled brawler who assaults his opponents”. All these media figures eventually turned against Esteban, who in front of the other teams got the image of “a treacherous and incompetent driver who gets along with no one but Toto Wolff”. With such a reputation, it is difficult to get a seat in Formula 1 because the teams are not trusted.

8- Comparisons between Ocon and Wehrlein

Pascal Wehrlein entered Formula 1 with Manor in 2016. He did not score points due to the poor performance of the car. In 2017 he was promoted to Sauber, where he scored in the Spanish Grand Prix and Azerbaijan Grand Prix. No sponsors who could help the team’s accounts, although it outperformed teammate Marcus Ericsson, was fired from the team to make way for Ferrari protégé Charles Leclerc. In 2018, he was named third Mercedes driver by godfather Toto Wolff, who promised a return to Formula One. As the promise was never fulfilled, he joined Ferrari as the third driver and was never seen on the track again.

Esteban Ocon entered Formula 1 with Manor in 2016. He did not score points due to the poor performance of the car. In 2017 he was promoted to Force India, where he scored 18 times but finished the championship with 13 points less than his teammate Sergio Pérez, who won him in 2018 as well. No sponsors who could help the team’s accounts and underperforming his teammate were fired. In 2019 he was placed as the third driver of Mercedes by godfather Toto Wolff, who promised him a return to Formula 1 (earlier he would have promised Bottas’ seat).

9- Conclusion

Esteban Ocon’s departure from Formula One in 2019 and his uncertainty for the future are the result of the poor choices the Spanish-French driver made during his career. Leaving gratitude to Toto Wolff in his head, Ocon handed his future into the hands of his godfather, who had failed to secure a vacancy for his other sponsor, Pascal Wehrlein. The lousy relationship with Sergio Pérez, the delay in helping longtime friend Lance Stroll as he suffered defamation, and move into Max Verstappen that allowed Lewis Hamilton to win at the 2018 Brazilian Grand Prix earned Esteban a tarnished reputation (double-loyal and victimhood) and distrust of the other teams (who opted to sign Daniel Ricciardo, Lando Norris, Alexander Albon, Daniil Kvyat, George Russell and Robert Kubica). His results were not enough to justify his deserving of the seat at Force Point, Force India’s heiress, and his choices set him apart from the rest of the grid. The image of an “excellent driver wronged by others” is just a media invention of malicious journalists whose interests focus more on defaming Pérez, Stroll, and Verstappen than on extolling Esteban’s great achievements in Formula One, which have so far not materialized. If Ocon has a chance to return to Formula One? Yes, but it will depend on the strategy adopted by Toto Wolff. At the moment, Ocon’s situation is almost identical to Wehrlein’s.

Esteban Ocon and Toto Wolff: Formula One’s most troubled marriage

 

10- Sources

Photos

Note: None of the photos used in this article belongs to me. This site has informative intentions, not commercial. The links where I took the photos are indicated below. All copyrights reserved.

Entenda o caso Esteban Ocon

Esteban Ocon, piloto hispano-francês que correu na Fórmula 1 entre 2016 e 2018, é um dos nomes mais comentados quando começam as especulações no mercado de pilotos. Afinal, o jovem de 22 anos, apadrinhado de Toto Wolff, era tido por muitos como a promessa de uma futura estrela. Porém, ele ficou de fora do grid de 2019. Por que isso aconteceu? Ele ainda tem chances? Seu caso é complicado, mas iremos explicar tudo.

1- Início de carreira

Esteban Ocon é um caso raro na Fórmula 1. Por esta ser um esporte com muitos custos (peças, engenheiros, mecânicos, simuladores, etc.), é esperado que os pilotos tragam patrocínio para ajudar nas despesas de suas equipes. Portanto, os pilotos em sua maioria esmagadora são de origem rica. Ocon é uma das raras exceções. Nascido em uma família humilde de imigrantes espanhóis de Málaga, cidade na província de Andaluzia (a mais pobre do país), o jovem deve toda a sua carreira a Toto Wolff. Ocon chegou a afirmar que se não fosse pelo atual chefe de equipe da Mercedes, que lhe deu uma oportunidade para ingressar no automobilismo, estaria trabalhando em lanchonetes para ajudar a renda familiar. A relação entre Wolff e Ocon é uma peça fundamental para entendermos a situação atual do piloto.

Esteban Ocon e seus pais, Laurent e Sabrina

Em 2014, Ocon foi campeão da Fórmula 3 Europeia, uma das principais categorias de acesso à Fórmula 1. No entanto, o jovem promovido naquele ano foi Max Emilian Verstappen. O jovem holandês, filho do ex-piloto Jos Verstappen, estreou na Toro Rosso em 2015, enquanto que o campeão Ocon permaneceu no anonimato até a metade de 2016, quando a Manor o contratou para substituir o indonésio Rio Haryanto no Grande Prêmio da Bélgica. Ocon terminou seu ano de estreia sem pontos, em 23⁰ lugar. Seu primeiro ponto veio com o Grande Prêmio da Austrália do ano seguinte, o qual Esteban terminou em 10⁰ lugar.

2- Caso semelhante

Pascal Wehrlein é um piloto alemão que também fora apadrinhado por Toto Wolff. Filho de pai alemão e mãe africana das Ilhas Maurício, ele estreou na Fórmula 1 pela Manor em 2016, no Grande Prêmio da Austrália. Tornou-se companheiro de Ocon após a demissão de Rio Haryanto. No final da temporada, a Manor decretou falência e anunciou que não competiria mais na Fórmula 1.

Pascal Wehrlein

Para garantir que seus apadrinhados permanecessem, Toto Wolff conseguiu bons contratos: Wehrlein foi mandado para a Sauber, substituindo o brasileiro Felipe Nasr, e Ocon para a Force India no lugar do alemão Nico Hülkenberg. A Rede Globo, emissora brasileira que detém os direitos de transmissão da Fórmula 1 no país, chegou a especular que Nasr iria para a Force India por ter resultados superiores aos de seu companheiro, o sueco Marcus Ericsson. No entanto, Nasr ficou de fora da categoria e Ocon preencheu a vaga. Inicialmente, muitos fãs brasileiros ficaram com raiva de Toto Wolff e Esteban Ocon.

Como o carro da Sauber tinha o pior rendimento do grid, Wehrlein só chegou a pontuar duas vezes, com o sétimo lugar no Grande Prêmio da Espanha, obtendo seis pontos, e o décimo lugar no Grande Prêmio do Azerbaijão, conseguindo um ponto. Seu companheiro foi o único piloto daquele ano a não pontuar. Para 2018, a Sauber teria de sacrificar um de seus pilotos para contratar o monegasco Charles Leclerc, campeão da GP2 (outra categoria importante de acesso à Fórmula 1) e membro da Academia de Pilotos da Ferrari. Leclerc é apadrinhado de Nicolas Todt, filho do atual presidente da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), Jean Todt (chefe de equipe da Ferrari entre 1993 e 2007). A Sauber na época era uma equipe subordinada à Ferrari tal qual a Toro Rosso é à Red Bull atualmente. Tendo que escolher entre o sueco patrocinado pela Tetra Pak e o alemão com resultados melhores apadrinhado por Toto Wolff, a equipe suíça optou por Ericsson e Wehrlein foi demitido.

Wolff colocou Wehrlein no cargo de terceiro piloto da Mercedes, juntamente com o jovem inglês George Russell. Toto prometia a Pascal que lutaria até o fim para lhe garantir um assento na Fórmula 1, porém Wehrlein espera isso até hoje. Descontente com a situação, o alemão se juntou à Ferrari como terceiro piloto, substituindo o russo Daniil Kvyat, que voltava para a Toro Rosso depois de ter sido demitido da equipe.

3- Relação com outros pilotos

Nos tempos das categorias de acesso, Ocon fez amizade com o canadense Lance Stroll, cujo pai, Lawrence Stroll, era o dono da melhor equipe da Fórmula 3 Europeia e da GP2, a Prema Powerteam. Ocon foi campeão da Fórmula 3 Europeia em 2014 por essa equipe. Lance fez o mesmo em 2016, quebrando o recorde de mais jovem campeão da categoria e primeiro canadense a ganhar o título. Alguns críticos avaliaram que Verstappen chamou mais atenção que o campeão Ocon por ter conseguido o terceiro lugar com um carro bem inferior (Van Amsterfoot Racing, motorizada pela Volkswagen). É válido notar que Verstappen foi a grande sensação de 2015. Os jornais automotivos só falavam do menino Max, seja por seus recordes, seja por seus acidentes ou por suas manobras arrojadas que lhe garantiam boas pontuações. Max foi eleito Estreante do Ano pela FIA em 2015. Tudo isso contribuiu para ofuscar a imagem de Ocon durante um ano e meio.

Com Stroll, Ocon travava uma amizade ao estilo “O Príncipe e o Mendigo”, pois ambos vieram de situações bem diferentes. Mas a amizade entre os dois provou que a riqueza não define caráter. Ser rico não quer dizer ser mau ou bom. Ser pobre não quer dizer ser bom ou mau. E mais para frente, vamos ver que isso realmente se aplica.

Com Wehrlein, Ocon não teve atritos consideráveis, situação bem diferente da que teve com o mexicano Sergio Pérez, seu companheiro na Force India. Os dois se enfrentaram em algumas ocasiões, principalmente no Grande Prêmio da Bélgica de 2017, quando um toque entre os dois na entrada da Eau Rouge espremeu Esteban contra o muro dos boxes. Ocon acusou Pérez de “tentar matá-lo”, enfurecendo os torcedores mexicanos, que passaram a ofendê-lo nas redes sociais. Alegando motivos de segurança, Esteban contratou seguranças armados para si e seus pais no Grande Prêmio do México daquele ano. Outro exemplo de atrito entre os dois foi no Grande Prêmio de Singapura, quando Pérez bateu em Ocon, tirando-o da prova.

Atrito entre Pérez e Ocon no Grande Prêmio da Bélgica de 2017. Ocon acusou Pérez de tentar matá-lo

4- Início da crise: a falência da Force India

Em 2018, o dono da Force India, Vijay Mallya, passou a ser investigado pelas autoridades indianas por suspeita de corrupção. A justiça britânica já negociava sua deportação para a Índia. Com as contas no vermelho e a confiabilidade baixa, a escuderia iniciou o processo de falência. Segundo informações de Mariana Becker, jornalista da Rede Globo, um empresário americano e um russo estavam interessados em comprá-la, mas não se chegou a um acordo.

Vendo uma oportunidade de investimento, Lawrence Stroll montou um consórcio de empresários e comprou a Force India, com Mallya assumindo qualquer pendência relativa ao período de sua gestão, inclusive o processo que Sergio Pérez moveu contra a equipe. O filho de Stroll, Lance, que havia feito uma boa temporada com a Williams em 2017 (conseguindo um pódio, uma largada da primeira fila e dois recordes), sofria com um carro nada competitivo na escuderia inglesa. Especulava-se que quando Lawrence comprasse a equipe, Lance se transferiria para ela.

Matéria do jornal Independent, que menciona os 405 empregos salvos por Lawrence Stroll

Como explicado no começo dessa matéria, a Fórmula 1 precisa que os pilotos tragam patrocínio para manter o esporte. Pérez traz o patrocínio de empresas como Telmex e Claro e do governo do estado de Jalisco, no México. Ocon, por sua vez, era bancado unicamente por Toto Wolff.

5- Tentativas de contrato com outras equipes

  • Mercedes: o padrinho acata a vontade de Niki Lauda

Segundo a imprensa, Toto Wolff havia dado conselhos a Ocon antes do Grande Prêmio de Mônaco de 2018. Ele teria dito que, caso não dificultasse a ultrapassagem de Lewis Hamilton após o pit stop, Esteban assumiria a segunda vaga da Mercedes, já que o finlandês Valtteri Bottas tinha o desempenho bem inferior ao de Hamilton. Isso teria ocorrido bem antes da compra da Force India (que foi efetuada nas férias dos pilotos, antes do Grande Prêmio da Bélgica). Ocon facilitou a ultrapassagem do inglês em todas as corridas.

Ou seja, meses antes da Force India ir à falência e ser vendida, Esteban Ocon já estava cotado a deixar a equipe. Porém, o então conselheiro da Mercedes, o tricampeão Niki Lauda, recomendou a Wolff que desse mais uma chance a Bottas. O chefe de equipe acatou o pedido e renovou o contrato do finlandês por mais um ano. Caso Ocon deixasse a Force India, o que era o mais provável por não trazer os mesmos benefícios que Pérez, Wolff teria de se esforçar para encaixar seu pupilo em uma escuderia nova.

  • Renault

Em 2018, a equipe francesa contava com o espanhol Carlos Sainz Jr. e com o alemão Nico Hülkenberg. O primeiro foi chamado para substituir Fernando Alonso na McLaren depois que o bicampeão anunciou sua aposentadoria. O segundo teve seu contrato renovado. Com isso, a Renault tinha uma vaga disponível para 2019. Segundo a imprensa, Toto Wolff negociava a transferência de Ocon para essa escuderia, pois o piloto não era vantajoso nem financeiramente, nem em termos de desempenho, já que seus resultados estavam abaixo dos de Pérez.

Porém, ninguém contava com uma reviravolta na Red Bull. O anúncio de que a equipe austríaca correria com o motor da Honda em 2019 desagradou um de seus pilotos, o australiano Daniel Ricciardo. Temendo passar por uma série de quebras como houve com a McLaren em 2016 e a Toro Rosso em 2017, Ricciardo optou por deixar a Red Bull e assinou contrato com a Renault, preenchendo a segunda vaga da equipe. Essa era a primeira porta que se fechava para Ocon.

  • McLaren

Insatisfeita com os resultados do belga Stoffel Vandoorne, a escuderia inglesa demitiu o piloto e chamou Carlos Sainz Jr. para substituir Fernando Alonso, que se aposentaria no final de 2018. Consequentemente, uma vaga também estaria disponível na McLaren. Fontes afirmam que Toto Wolff também contatou os britânicos para garantir uma vaga para Ocon. No entanto, a equipe optou por um jovem piloto inglês que estava há anos no programa de treinamento da escuderia. Seu nome era Lando Norris, filho de um empresário inglês bilionário. Com isso, uma segunda porta se fechou para Esteban Ocon.

  • Williams: o caso Lance Stroll

Se 2017 foi um ano glorioso para a equipe inglesa, pois o pódio de Lance Stroll lhe garantiu o quinto lugar no campeonato de construtoras, 2018 foi arruinado pela incompetência de seus engenheiros. Lawrence Stroll era um dos principais financiadores da equipe, juntamente com o banco SPM, que patrocinava o russo Sergey Sirotkin. A equipe de engenharia liderada pelo britânico Paddy Lowe falhava em criar um carro competitivo, com promessas de melhorias que eram sempre adiadas. Amargando nas últimas posições do grid, os pilotos eram acusados injustamente pelos problemas da equipe, por estarem em maior evidência.

Obviamente, Lance estava descontente com a incompetência da equipe e tratamento injusto por parte da imprensa e dos torcedores. Também era nítida a antipatia de Claire Williams, chefe de equipe e filha do fundador Frank Williams, pelo piloto canadense e o embate entre Claire e Lawrence criava um clima pesado na escuderia. Lembrando que era a segunda vez que a má gestão de Claire levava a equipe a ficar nas mãos de um investidor de fora (Toto Wolff em 2009 e Lawrence Stroll em 2017). Lawrence percebeu que o investimento não valeria a pena e encontrou uma oportunidade na compra da Force India.

Embora seu pai tenha assumido como o novo dono da equipe, Lance não se transferiu para a escuderia. Esse é o primeiro argumento que rebate a acusação que caiu sobre o canadense: de que seu pai teria comprado a Force India para que o filho tivesse um assento melhor, mesmo que tivesse que sacrificar seu amigo. Se Lawrence fosse simplesmente um pai tentando agradar o filho, teria pago a rescisão de contrato de Ocon e colocado Lance no time imediatamente. Não foi o que aconteceu. Esteban permaneceu na equipe, agora com o nome de Racing Point Force India, até o final do ano.

Muitos esperavam que Lance e Esteban trocassem de equipe. Em outras palavras, Stroll iria para a Force India e Ocon para a Williams. Com o desempenho de Sirotkin abaixo do esperado e com a partida de Stroll, a escuderia inglesa teria duas vagas disponíveis. Toto Wolff entrou em ação, colocando seu pupilo em uma das vagas da Williams. Seu nome, GEORGE RUSSELL.

O jovem inglês era membro do programa de desenvolvimento de pilotos da Mercedes e atuava como terceiro piloto da equipe alemã. Há muito tempo ele esperava uma oportunidade na Fórmula 1. Wolff não deu explicações sobre porque optou por garantir um assento a um novato em vez do apadrinhado que estava ficando sem chances. Apenas alegou que Russell tinha qualificações para a vaga.

Ao mesmo tempo, especulava-se sobre a volta de Robert Kubica às pistas. O polonês estava afastado desde 2011, quando sofreu um grave acidente que deixou seu braço esquerdo lesionado. Seu empresário era ninguém menos do que o campeão de 2016, Nico Rosberg. O retorno Kubica era um investimento arriscado: sua equipe teria que gastar mais dinheiro para adaptar o carro a suas deficiências e não havia garantia de que seu desempenho seria bom. Rosberg alegava que empresas polonesas estariam dispostas a patrocinar o piloto e que os torcedores do país ansiavam pela volta de Kubica desde a aposentadoria do brasileiro Felipe Massa.

  • Toro Rosso: apadrinhado do Toto Wolff? Nem pensar!

A Toro Rosso passava por uma dança das cadeiras inigualável. Insatisfeita com os sucessivos acidentes de Daniil Kvyat, a equipe correu em 2018 com Pierre Gasly e Brendon Hartley. No entanto, o segundo também se envolveu numa série de colisões que irritaram os dirigentes da equipe italiana.

Com Hartley demitido e Gasly promovido para a Red Bull após a saída de Daniel Ricciardo para a Renault, havia duas vagas disponíveis. No entanto, dois fatores dificultavam as chances de Ocon. O primeiro é o fato da Toro Rosso ser uma equipe subordinada à Red Bull, e normalmente seus pilotos estão ligados a ela: ou são jovens do programa de treinamento ou foram rebaixados da escuderia. Esteban não tinha laços com a Red Bull. O segundo fator era a ligação de Ocon com Toto Wolff. O chefe de equipe, Franz Tost, chegou a afirmar que não queria pilotos ligados à Mercedes na equipe. Talvez a escuderia temesse um escândalo de espionagem como o da McLaren em 2007 ou que Ocon contasse para Wolff os segredos do time, que usava motores Honda.

6- A imagem de Esteban Ocon

  • Stroll é jogado na fogueira; Ocon demora a socorrer o amigo

Lance Stroll estreou pela Fórmula 1 em 2017 pela Williams, aos 18 anos, no Grande Prêmio da Austrália. Três abandonos sucessivos e acidentes nos treinos livres fizeram a imprensa e os torcedores esquecerem de seus feitos na Fórmula 3 Europeia (como seu título e recorde) e o considerarem um “piloto pagante”. Essa fama injusta acompanhou Lance até seu terceiro lugar no Grande Prêmio do Azerbaijão, no qual quebrou o recorde de “mais jovem estreante a ter pódio”. Ocon até então não tinha pódio, mesmo com um carro superior, e assim permaneceu até o fim de sua carreira.

Com os problemas enfrentados pela Williams em 2018, a fama de “piloto pagante” voltou a pairar sobre Stroll, principalmente porque a mídia atribuía aos pilotos a culpa pelo mau rendimento do carro, mesmo isto sendo responsabilidade dos engenheiros. Quando seu pai, Lawrence Stroll, comprou a Force India na segunda metade do ano, salvando o emprego de 405 trabalhadores, os fãs de Esteban Ocon, envolvidos por uma raiva mortal, passaram a atacar Lance em suas redes sociais com as ofensas mais terríveis possíveis, algumas inclusive de teor racial. Pouco se falou dos empregos salvos, ou das vantagens que Pérez e Stroll trariam à equipe, ou que a falta de patrocínio e resultados de Ocon o atrapalhou na questão. Alguns simplesmente não admitiam que um piloto canadense judeu descendente de indígenas que possuía um pódio, uma largada da primeira fila e dois recordes substituísse um piloto branco de origem europeia sem pódios e sem recordes.

Mas o mais surpreendente nesse caso foi a reação de Esteban Ocon. A Force India foi comprada em agosto de 2018. Ocon só se manifestou sobre os ataques a Lance em setembro de 2018. Em um mês, a mídia e os torcedores tiveram tempo suficiente para lançar boatos caluniosos sobre o canadense, enquanto que seu amigo desde a época da Fórmula 3 assistia a tudo calado. Ocon classificou os ataques como “irracionais” e lançou um stories em seu Instagram no qual ressaltava sua amizade com Stroll apesar de suas “origens diferentes”. Por que Ocon demorou um mês para acudir o amigo que sofria uma das mais baixas campanhas de difamação na história da Fórmula 1? Por que Ocon ressaltou diferenças nas “origens” de ambos, sendo que Stroll sofria ofensas raciais e ataques por ser rico (coisa que 99,9% dos pilotos é)?

Postagem no Instagram de Ocon defendendo Stroll um mês depois
  • Batida em Verstappen no Grande Prêmio do Brasil; a martelada final

Com 99,9% das vagas indisponíveis para Ocon, suas chances de permanecer na Fórmula 1 estavam cada vez mais escassas. No dia 11 de novembro de 2018, ocorreu o Grande Prêmio do Brasil, no Autódromo de Interlagos, em São Paulo. Embora Lewis Hamilton tenha obtido a pole position, Max Verstappen conseguiu a liderança da prova e caminhava rumo à vitória. Esteban era o 16º e saía dos boxes quando acelerou e ignorou a bandeira azul, chocando-se contra Verstappen. Os dois pilotos saíram temporariamente da pista, possibilitando a ultrapassagem de Hamilton. Verstappen voltou em segundo lugar, com danos no carro. Ocon foi punido com 10 segundos de stop-and-go. A vitória de Hamilton estava na conta desse incidente.

Depois da cerimônia do pódio, Verstappen procurou Ocon para esclarecer a situação. Com um sorrisinho debochado no rosto, Esteban lhe respondeu que “estava mais rápido” e portanto tinha o direito de estar na frente mesmo com a bandeira azul.

Nota: Acreditem, há quem engula essa desculpa esfarrapada até hoje.

Verstappen ficou irado com o deboche e partiu para a agressão física, empurrando sucessivamente Ocon até que ambos foram separados. Max deixou a sala visivelmente irritado, enquanto que Esteban continuava rindo e caçoando do holandês. Depois, ele teve a coragem de dizer que “Max não agiu como homem”. Desrespeitar a bandeira azul, que obriga os retardatários a deixar os pilotos da frente passar, é coisa de homem? Caçoar da pessoa prejudicada em vez de assumir o erro e pedir desculpas é coisa de homem? Ver o amigo sendo vítima de difamação e ajudá-lo somente um mês depois é coisa de homem? Acusar o companheiro de equipe de tentativa de homicídio é coisa de homem?

Ocon caçoa de Verstappen após manobra que impediu sua vitória
  • Veredito: culpado por fidelidade máxima a Toto Wolff; Sentença: ficar sem vaga para 2019

A reação de Ocon ao choque com Max Verstappen gerou duas teorias para explicá-la: a primeira é um possível ressentimento de Esteban pela promoção de Max à Fórmula 1 em 2015, mesmo este sendo o terceiro colocado na Fórmula 3 Europeia de 2014 enquanto que o hispano-francês havia sido o campeão; a outra é a de que Ocon estaria passando uma mensagem a Toto Wolff de que ele seria um ótimo piloto para a equipe, já que suas ações inegavelmente garantiram a vitória de Lewis Hamilton.

Se por um lado essa imagem lhe traria benefícios com Wolff, ela rendeu a Ocon uma péssima reputação com as outras equipes. Esteban passou a ser visto como um agente leal ao chefe de equipe da Mercedes, e sua presença em outras escuderias poderia significar espionagem, traição e dupla-lealdade. Ocon não ganhou nada com o acidente com Verstappen: não pontuou, recebeu punição e teve a reputação manchada. Os únicos beneficiados com o acontecimento foram Hamilton, pela vitória, e Valtteri Bottas, que permanecia em quarto lugar no campeonato, à frente de Verstappen. Mas isso não se manteve até o final, pois na última corrida do ano, em Abu Dhabi, Max conseguiu um terceiro lugar e tomou a posição de Bottas no campeonato, ficando a apenas três pontos do terceiro colocado, Kimi Raikkonen.

Depois do Grande Prêmio do Brasil, Claire Williams anunciou que a equipe britânica havia contratado Robert Kubica, encerrando todas as chances de Esteban continuar na categoria máxima do automobilismo. Wolff não teve outra alternativa a não ser colocá-lo como terceiro piloto da Mercedes.

7- Mitos e verdades

  • Mito: Stroll é o culpado pela saída de Ocon da Fórmula 1.

Stroll não assumiu a vaga logo após o pai ter comprado a Force India com a ajuda de um consórcio de empresários. Mesmo tendo condições de pagar uma rescisão de contrato, os novos donos da escuderia deixaram Ocon correr pela equipe até o final de seu contrato. Ocon também era cotado para sair da equipe antes da compra. Pérez trazia vantagens para a equipe por ser o piloto com melhor desempenho e ainda trazer bons patrocinadores, coisa que Esteban não fazia. A escolha por Pérez foi baseada em oferta e demanda, uma regra de ouro do mercado.

Ocon tentou vagas em outras equipes, porém todas tiveram outros planos. A Renault optou por Daniel Ricciardo. A McLaren escolheu Lando Norris. A Mercedes renovou o contrato de Valtteri Bottas. A Toro Rosso contratou Alexander Albon e Daniil Kvyat (que tinha na época um pódio na carreira, um a mais que Esteban Ocon). Stroll não é mais culpado que Ricciardo, Norris, Pérez, Bottas, Albon, Kvyat, Russell e Kubica pela saída de Ocon. Lembrando que Stroll tem um pódio, uma largada da primeira fila e dois recordes na carreira, competências que Ocon não tem. Culpar Stroll por estar na Fórmula 1 enquanto que Ocon está fora é a mesma coisa que culpar Ayrton Senna por ter mais títulos que Rubens Barrichello.

  • Verdade: a ligação com Toto Wolff diminuiu as oportunidades de Ocon na Fórmula 1

Os incontáveis elogios de Esteban ao chefe de equipe da Mercedes e a manobra para cima de Max Verstappen no Grande Prêmio do Brasil de 2018 comprovam que Ocon tem muita devoção a Toto Wolff, seu padrinho no esporte. As outras equipes temiam que um agente-duplo gerasse um escândalo de espionagem ou que seus segredos fossem vazados para a escuderia alemã.

Muitos podem pensar que, devido ao fato da Mercedes ter um dos melhores carros do grid (se não o melhor) ela não estaria interessada em informações sobre os outros times. Porém, as equipes sempre observam o desempenho de suas concorrentes (vide McLaren em 2007) em busca de melhorias e estratégias.

  • Mito: Ocon era um piloto de desempenho excelente e sua saída foi uma grande injustiça

Ocon foi superado por todos os seus companheiros de equipe durante sua carreira na Fórmula 1. Em seu ano de estreia, em 2016, ficou atrás de Pascal Werhlein nos resultados finais, embora ambos tivessem pontuação nula, por ter entrado na Fórmula 1 no meio do ano. Em 2017 e 2018 foi superado por Sergio Pérez, com 87 pontos contra 100 no primeiro ano e 49 contra 62 no segundo. Esse mito foi criado por jornalistas que, por motivos pessoais, focam em difamar Pérez, Stroll e Verstappen mais do que em elogiar Ocon por si. Os dados do piloto provam isso.

Em dois anos e meio de carreira, Ocon não conseguiu UM pódio, UMA largada da primeira fila, UMA pole position nem UM recorde, somando apenas 136 pontos. Comparando com outros pilotos da mesma faixa etária: Max Verstappen quebrou dois recordes em seu ano de estreia e mais quatro no ano seguinte, mesmo ano que obteve uma vitória, cinco pódios e uma largada da primeira fila; Lance Stroll conseguiu um pódio, dois recordes e uma largada da primeira fila em seu ano de estreia; Charles Leclerc não obteve grandes resultados em seu ano de estreia, mas um ano depois conseguiu, até o presente momento, duas poles e cinco pódios. Lembrando que em seu ano de estreia, Ocon foi incapaz de pontuar.

  • Verdade: as escolhas de Ocon lhe renderam má fama no paddock

O caso do Grande Prêmio da Bélgica de 2017, no qual Esteban acusou Sergio Pérez de “tentar matá-lo”, é um dos exemplos da guerra de narrativas que o piloto travou em sua carreira. Pérez chegou a afirmar que Ocon gosta de se vitimizar e fazer seus rivais parecerem vilões. A teoria tem embasamentos.

Durante sua carreira, as escolhas de Ocon, sejam elas manobras nas corridas ou declarações à imprensa (incluindo a falta/demora delas), fizeram Pérez parecer um “piloto impulsivo que seria capaz inclusive de matar o colega de equipe”, Stroll parecer “um capitalista malvadão que compra assentos na Fórmula 1” e Verstappen parecer “um brigão descontrolado que agride seus adversários”. Todas essas figuras midiáticas acabaram por se voltar contra Esteban, que perante às demais equipes ficou com a imagem de “um piloto traiçoeiro e incompetente que não se dá bem com ninguém a não ser com Toto Wolff”. Com essa reputação, é difícil arrumar um assento na Fórmula 1 porque não se tem a confiança das escuderias.

8- Comparações entre Ocon e Wehrlein

Pascal Wehrlein entrou na Fórmula 1 com a Manor em 2016. Não obteve pontos devido ao péssimo rendimento do carro. Em 2017 foi promovido para a Sauber, onde pontuou no Grande Prêmio da Espanha e no Grande Prêmio do Azerbaijão. Sem patrocinadores que pudessem ajudar as contas da equipe, embora tenha superado seu companheiro de equipe, Marcus Ericsson, foi demitido da equipe para dar lugar a Charles Leclerc, protegido da Ferrari. Em 2018 foi colocado como terceiro piloto da Mercedes pelo padrinho Toto Wolff, que lhe prometeu um retorno à Fórmula 1. Como a promessa jamais foi cumprida, juntou-se à Ferrari como terceiro piloto e nunca mais foi visto nas pistas.

Esteban Ocon entrou na Fórmula 1 com a Manor em 2016. Não obteve pontos devido ao péssimo rendimento do carro. Em 2017 foi promovido para a Force India, onde pontuou 18 vezes, porém terminou o campeonato com 13 pontos a menos que seu companheiro, Sergio Pérez, que o venceu em 2018 também. Sem patrocinadores que pudessem ajudar as contas da equipe e com um desempenho inferior ao do companheiro, foi demitido. Em 2019 foi colocado como terceiro piloto da Mercedes pelo padrinho Toto Wolff, que lhe prometeu um retorno à Fórmula 1 (antes teria prometido a vaga de Bottas).

9- Conclusão

A saída de Esteban Ocon da Fórmula 1 em 2019 e sua incerteza para o futuro são frutos das péssimas escolhas que o piloto hispano-francês realizou durante a carreira. Deixando a gratidão a Toto Wolff lhe subir à cabeça, Ocon entregou seu futuro nas mãos do padrinho, que havia falhado em conseguir uma vaga para seu outro apadrinhado, Pascal Wehrlein. O péssimo relacionamento com Sergio Pérez, a demora em socorrer o amigo de longa data Lance Stroll enquanto este sofria difamação e a manobra para cima de Max Verstappen que possibilitou a vitória de Lewis Hamilton no Grande Prêmio do Brasil de 2018 renderam a Esteban uma reputação manchada (de vitimista com dupla-lealdade) e desconfiança das outras equipes (que optaram pelas contratações de Daniel Ricciardo, Lando Norris, Alexander Albon, Daniil Kvyat, George Russell e Robert Kubica). Seus resultados não foram suficientes para justificar seu merecimento à vaga na Racing Point, herdeira da Force India, e suas escolhas o afastaram das demais escuderias do grid. A imagem de “piloto excelente injustiçado pelos demais” não passa de uma invenção midiática de jornalistas mal intencionados cujos interesses focam mais em  difamar Pérez, Stroll e Verstappen do que em exaltar os grandes feitos de Esteban na Fórmula 1, que até agora não se materializaram . Se Ocon tem chances de voltar à Fórmula 1? Tem, mas isso dependerá da estratégia adotada por Toto Wolff. No momento, a situação de Ocon está praticamente idêntica à de Wehrlein.

Esteban Ocon e Toto Wolff: o casamento mais problemático da Fórmula 1

 

10- Fontes

Fotos

Obs.: Nenhuma das fotos inseridas neste artigo pertence a mim. Este site possui fins informativos, não comerciais. Abaixo estão indicados os links de onde tirei as fotos. Todos os direitos reservados.

Análise GP da Alemanha de 2019 | 2019 German Grand Prix Analysis

Ocorrido no dia 28 de julho de 2019, o Grande Prêmio da Alemanha começou debaixo de chuva. Nos treinos classificatórios, a Ferrari enfrentou sérios problemas: Sebastian Vettel não participou da sessão devido a um problema no turbo, sendo obrigado a largar em último, enquanto Charles Leclerc teve um imprevisto com o combustível e teve que largar em 10º.

Lewis Hamilton (Mercedes), que sofria de amidalite no sábado, largou da pole position, com Max Verstappen (Red Bull) em segundo. O safety car foi acionado ainda na volta de apresentação, que acabou se prolongando mais do que o esperado (houve, praticamente, seis voltas de apresentação). Na largada, o carro de Verstappen não acelerou em tempo e ele acabou sendo ultrapassado por alguns pilotos (como houve na largada do Grande Prêmio da Áustria desse ano). No entanto, isso não atrapalhou o ótimo desempenho do holandês.

A chuva dificultava o desempenho dos carros. O primeiro a abandonar a prova foi Sergio Pérez (Racing Point), que escorregou, rodou na pista e bateu no muro. O safety car foi acionado. Esta corrida foi marcada por muitos acidentes devido ao piso escorregadio nas voltas. Vettel fazia uma boa recuperação, enquanto Valtteri Bottas (Mercedes), o mais beneficiado pela largada ruim de Verstappen, sentia a ameaça holandesa se aproximando, para delírio dos torcedores de Max que lotaram algumas arquibancadas do circuito de Hockenheim.

Se por um lado Max ia bem, por outro seu companheiro Pierre Gasly lutava contra adversários de equipes como Haas e Renault. Lembrando que o francês também perdeu muitas posições na largada, revelando alguns problemas a serem resolvidos pela Red Bull. Para a sorte de Gasly, Daniel Ricciardo (Renault) enfrentou uma falha no motor semelhante à que ocorria frequentemente em 2017 e 2018 quando o australiano ainda estava na Red Bull. Ele foi o segundo piloto a abandonar a prova. Algum tempo depois, Lando Norris (McLaren) também bateu o carro no muro e deixou a corrida.

Kevin Magnussen (Haas) partiu para uma manobra arriscada e colocou pneus macios de pista seca enquanto o circuito ainda estava com partes molhadas. Muitos pilotos da ponta fizeram o mesmo, menos a Red Bull, que trocou os pneus de Verstappen para médios. Como teve um pequeno escorregão e acabou rodando, Max chegou a se irritar com a escolha, mas depois ela se revelou vantajosa. Leclerc, que havia colocado pneus macios, terminou batendo no muro e parando na brita, abandonando a corrida em lágrimas sob uma chuva de aplausos.

Com o safety car na pista, Verstappen assumiu a liderança, seguido por Nico Hülkenberg (Renault) e Bottas. Porém, com a saída do safety car, o finlandês passou o alemão e Hamilton, que estava em quarto, fez o mesmo. Pouco tempo depois, Hülkenberg teve uma batida semelhante à de Leclerc e deixou a prova. Hamilton acabou escorregando na mesma curva, bateu no muro e quebrou a asa dianteira. Por cortar o caminho para o pit stop (o qual a Mercedes fez da forma mais atrapalhada possível), o inglês foi penalizado com 5 segundos. Vale lembrar que no começo da corrida, Leclerc e Romain Grosjean (Haas) se enfrentaram nos boxes, mas os comissários multaram a Ferrari em vez de punir o monegasco.

Com as paradas nos boxes, Lance Stroll (Racing Point) chegou a liderar a prova, mas Verstappen recuperou a posição. Em seguida, Daniil Kvyat (Toro Rosso) assumiu o segundo lugar. Quando Bottas se aproximou de Stroll para ameaçá-lo, acabou batendo no muro e abandonando a prova também. Sem dúvida, o piloto do dia deveria ser esse muro…

Hamilton foi obrigado a fazer outras trocas de pneu, caindo para último e conseguindo apenas passar a dupla da Williams. Vettel conseguiu alcançar o segundo lugar, mas Verstappen estava muito longe. Na última volta, Gasly bateu perto dos boxes e abandonou.

Max Verstappen foi o grande vencedor da prova, com Sebastian Vettel em segundo, Daniil Kvyat em terceiro e Lance Stroll em quarto. A Mercedes sai humilhada da Alemanha, sem pontos e com um abandono. Verstappen novamente dá provas de seu grande talento, enquanto Stroll prova para seus críticos que ele pode sim lidar com situações adversas. Sem dúvidas, foi uma corrida excelente.

Atualização: Os comissários da FIA decidiram punir a dupla da Alfa Romeo (Kimi Raikkonen e Antonio Giovinazzi) com 30 segundos para cada piloto por irregularidades na embreagem que teriam dado vantagens na largada. Consequentemente, eles perderam as posições de 7º e 8º e terminaram a corrida em 12º e 13º. Com isso, Lewis Hamilton ganhou dois pontos e Robert Kubica (Williams) um ponto.

Alguém deve ter feito a dança da chuva para essa corrida, não é, Lance?

Notas

Corrida: 9

Pilotos

  1. Max Verstappen: 10
  2. Sebastian Vettel: 9
  3. Daniil Kvyat: 8
  4. Lance Stroll: 10
  5. Carlos Sainz Jr.: 8
  6. Alexander Albon: 8
  7. Romain Grosjean: 6
  8. Kevin Magnussen: 6
  9. Lewis Hamilton: 8
  10. Robert Kubica: 5
  11. George Russell: 5
  12. Kimi Raikkonen: 9
  13. Antonio Giovinazzi: 7

Abandonaram

  1. 14.Pierre Gasly: 4
  2. 15. Valtteri Bottas: 7
  3. 16. Nico Hülkenberg: 7
  4. 17. Charles Leclerc: 7
  5. 18. Lando Norris: 6
  6. 19. Daniel Ricciardo: 6
  7. 20. Sergio Pérez: 6

Driver of the Day (escolhido pelo público): Max Verstappen

Melhores pilotos: Max Verstappen e Lance Stroll

Pior piloto: Pierre Gasly

Lance Stroll

Article dedicated to my mother Elizete, a big fan of Lance Stroll, and to all Jewish people | Artigo dedicado à minha mãe Elizete, grande fã de Lance Stroll, e a todos os judeus do mundo

English

Technical file

Full name: Lance Stroll

Birth date: October 29th, 1998

Birthplace: Montreal, Quebec, Canada

Height: 1,82 m (5 ft 11)

Weight: 76 kg (167,55 lbs)

Astrological sign: Scorpio

Religion: Reform Jew

Formula One debut: 2017 Australian Grand Prix (18 years old)

Country: Canada

Português

Ficha técnica

Nome completo: Lance Stroll

Data de nascimento: 29 de outubro de 1998

Local de nascimento: Montreal, Quebec, Canadá

Altura: 1,82 m

Peso: 76 kg

Signo: Escorpião

Religião: Judeu (Reformista)

Estreia na Fórmula 1: Grande Prêmio da Austrália de 2017 (18 anos)

País: Canadá