Análise GP do Bahrein de 2019 | 2019 Bahrain GP Analysis

Ocorrido no dia 31 de março, a 999ª edição da Fórmula 1, o Grande Prêmio do Bahrein de 2019 foi uma caixa de surpresas, um conto de fadas cheio de suspense. Começando pela pole position de Charles Leclerc (Ferrari), que quebrou o recorde de mais jovem piloto a largar da pole position, que antes era de seu companheiro Sebastian Vettel, a corrida tinha tudo para ser um sonho da Ferrari. Mas o relógio bateu meia-noite…

Logo após a largada, Vettel passou Leclerc e a dupla da Mercedes, Lewis Hamilton e Valtteri Bottas, também ameaçou o jovem monegasco. Infelizmente, também na largada, Romain Grosjean (Haas) bateu em Lance Stroll (Racing Point) e deixou sequelas na prova de ambos. O francês foi o primeiro a abandonar, mas só depois de muitas voltas. Como diria Dona Florinda: “Muito bem feito! E da próxima vez, vá jogar o carro em cima da sua avó!”. Stroll trocou a asa dianteira.

Carlos Sainz Jr. (McLaren) começou a ameaçar Max Verstappen (Red Bull), mas seu pneu furou e o piloto foi forçado a parar nos boxes, perdendo muitas posições. Sainz abandonou a corrida a algumas voltas do final. Outros incidentes, como o entre Daniil Kvyat (Toro Rosso) e Antonio Giovinazzi (Sauber) chamaram a atenção, mas não receberam nenhuma penalidade.

Depois de passar Vettel, Leclerc assumiu a liderança e mantinha uma certa distância em relação aos demais. Com a vitória praticamente garantida, ele ficou longe do confronto entre Hamilton e Vettel, que terminou com o alemão rodando na pista e perdendo posições valiosas. Também bateu em George Russell (Williams) e perdeu a asa dianteira. Mas o conto de fadas do monegasco se encerrou quando seu carro começou a apresentar problemas. Hamilton se aproximou cada vez mais do concorrente e o ultrapassou. Pouco tempo depois foi a vez de Bottas passá-lo. Verstappen ia passar Leclerc, mas o duplo abandono das Renaults de Daniel Ricciardo e Nico Hülkenberg fez o safety car entrar na pista e estragar a emoção do final da prova.

Com a vitória de Hamilton, a Mercedes se revela novamente uma grande potência na Fórmula 1 e está pronta para mais um título. Bottas com um segundo lugar também teve uma atuação excelente. A Ferrari sai humilhada do Bahrein, com Vettel chegando em quinto, bem longe do quarto lugar de Verstappen, e Leclerc amargando em terceiro, que por pouco não perdeu mas foi salvo pelo safety car, depois de largar na pole e liderar por muito tempo. A carruagem de Leclerc se transforma em abóbora depois do baile.

Notas

Corrida: 7

Pilotos
1. Lewis Hamilton: 8
2. Valtteri Bottas: 8
3. Charles Leclerc: 7
4. Max Verstappen: 7
5. Sebastian Vettel: 5
6. Lando Norris: 8
7. Kimi Raikkonen: 7
8. Pierre Gasly: 6
9. Alexander Albon: 7
10. Sergio Perez: 8
11. Antonio Giovinazzi: 6
12. Daniil Kvyat: 6
13. Kevin Magnussen: 5
14. Lance Stroll: 7
15. George Russell: 6
16. Robert Kubica: 6

Abandonaram
17. Nico Hülkenberg: 0
18. Daniel Ricciardo: 0
19. Carlos Sainz Jr.: 6
20. Romain Grosjean: 0 (-1)

Melhores pilotos: Sergio Perez e Valtteri Bottas
Pior piloto: Romain Grosjean

Análise GP do Bahrein 2018

O Grande Prêmio do Bahrein de 2018, ocorrido no dia 8 de abril, marcou um grande contraste em relação à prova anterior, na Austrália. O Circuito Internacional do Bahrein propiciou diversas disputas por posições e brigas emocionantes, o que o público anseia por ver em uma corrida. O GP também revelou que equipes como a Red Bull e a Williams estão passando por problemas de engenharia em seus carros. E se elas não querem dar um prato cheio aos haters de plantão que adoram culpar os pilotos pelos erros dos engenheiros, é bom que antes da próxima etapa, na China, estes times eliminem os problemas pela raiz.

Sebastian Vettel largou na pole position, dividindo a primeira fila com Kimi Raikkonen. Porém quem se destacou na largada foram Hamilton, Verstappen e Stroll. O inglês cumpria uma punição, largando em 9º, mas não se intimidou pelas circunstâncias e poucas voltas depois, estava mais próximo do top-5. O holandês largava em 15º devido a um problema no treino classificatório, mas sua bravura o encaminhou para 12º em poucos minutos e ainda travou com Hamilton uma batalha impressionante. O canadense passou Leclerc SEGUNDOS depois da largada e em pouco tempo, pulava do 20º para o 13º. Isso mostra que, garra Stroll com certeza tem.

É importante notar que logo na primeira volta Gasly e Magnussen brigaram feio e o dinamarquês acabou saindo da pista, embora tenha voltado. Gasly, que largara em 6º, não facilitou para ninguém. Seu companheiro Hartley se envolveu em problemas e foi punido com 10 segundos. Perez rodou na pista logo no começo, mas continuou a corrida.

Infelizmente, os momentos de alegria da Red Bull duraram pouco. O painel do carro de Ricciardo simplesmente apagou e encerrou a prova para o australiano. Em seguida, foi a vez de Verstappen abandonar, pois a briga com Hamilton danificou sua roda traseira esquerda. Ele, no entanto, lutou para trazer o carro para os boxes e tentou o máximo que pode (foi até aplaudido no pit stop).

A prova seguia com muitas disputas no meio do grid, com destaque para os carros da McLaren e da Renault. Alonso e Vandoorne davam tudo de si para alcançar uma boa posição, enquanto que Sainz e Hülkenberg oscilavam entre as posições para brigar com pilotos da Force India e Sauber. As Williams tentavam ultrapassagens, mas não tiveram muito sucesso. Seus pilotos tentavam o máximo, mas os carros não correspondiam.

Mercedes e Ferrari fizeram seus pit stops e a liderança da corrida mudou algumas vezes. Hamilton, porém, acabou ficando 17 segundos atrás de Raikkonen e não conseguia tirar a diferença. Bottas tentava chegar mais perto de Vettel, mas a briga entre os dois não ocorreu até as últimas voltas do GP. No pit stop de Raikkonen, houve um incidente infeliz: a luz para liberar o piloto acendeu antes do que deveria e um mecânico acabou com a perna fraturada (rezamos para que ele fique bem). Fumaça saia das rodas do carro do finlandês, que teve de abandonar a prova.

Vettel venceu a corrida, seguido por Bottas. Hamilton chegou em 3º, embora distante do companheiro. Gasly conseguiu um impressionante 4º lugar e foi eleito “driver of the day”, calando aqueles que duvidavam de seu êxito. Há muito tempo não se via a Toro Rosso comemorar tanto. Ainda é cedo para dizer o que será do ano, pois o GP do Bahrein foi apenas a segunda prova da temporada. Equipes que passavam por problemas estão se recuperando, portanto não é hora de perder a esperança: tudo pode acontecer.

 

Notas:

Corrida: 7 (foi melhor que a anterior e teve bons momentos, mas a quebra de carros de ponta, Red Bull e Ferrari, e os problemas de engenharia enfrentados por outras equipes impediram maiores disputas).

Pilotos:

Sebastian Vettel: 9 (se manteve bem, largou na pole e venceu, mas não teve momentos emocionantes até o final da prova, quando se defendeu de Bottas)

Valtteri Bottas: 9 (também se manteve bem, mas somente chamou a atenção no final, disputando a vitória com Vettel)

Lewis Hamilton: 9,5 (embora tenha ficado longe de Bottas, fez uma boa recuperação desde a largada em 9º até o 3º lugar)

Pierre Galsy: 10 (brigou com Magnussen logo no começo, lutou para conseguir mais posições e terminou com um merecido 4º lugar, praticamente um pódio para o driver of the day)

Kevin Magnussen: 8 (a Haas é a grande surpresa até agora; Magnussen travou boas batalhas e trouxe uma boa colocação para seu time)

Nico Hülkenberg: 8 (passou boa parte da corrida disputando posições com Alonso e terminou à frente)

Fernando Alonso: 8 (mostrou que nesse ano, sem os problemas de motor, não dará sossego a seus adversários; teve boas brigas por posições)

Stoffel Vandoorne: 7 (embora não com o mesmo desempenho de Alonso, brigou por posições melhores e conseguiu uma boa colocação)

Marcus Ericsson: 7 (não parece o mesmo Ericsson do ano passado; o sueco conseguiu seus primeiros pontos após um ano inteiro sem pontuar; incrível!!!)

Esteban Ocon: 6 (o modesto 10º lugar não é o bastante para a Force India, que parece sofrer os mesmos problemas da Williams e da Red Bull, mas Ocon deu o melhor de si para fechar a zona de pontuação)

Carlos Sainz Jr.: 5 (seu 11º não era o que a Renault esperava, mas ele tentou ao máximo para chegar a uma posição melhor)

Sergio Perez: 4 (cometeu muitos erros na corrida e ficou abaixo do esperado para uma Force India)

Brendon Hartley: 5 (embora não tenha conseguido uma boa posição e foi punido por um incidente, não se pode negar que ele se esforçou muito)

Charles Leclerc: 3 (foi ultrapassado por Stroll SEGUNDOS após a largada e seu 14º se deve aos problemas de engenharia sofridos pelas Williams e pelo pit stop de Grosjean)

Romain Grosjean: 5 (como Hartley, se esforçou muito, além de ter perdido posições após um pit stop tardio)

Lance Stroll: 6 (ultrapassou Leclerc SEGUNDOS após a largada, demonstrando garra e habilidade, além de ter conseguido ficar em 13º minutos após o início da corrida; se não fosse os problemas na engenharia do carro da Williams, que persistem desde o ano passado, teria ficado no top-10 com certeza).

Sergey Sirotkin: 5,5 (se manteve bem no início, mas foi perdendo muitas posições ao longo da corrida; o carro não o permita ultrapassar)

Kimi Raikkonen: 8 (um erro no pit stop o impediu de continuar a boa corrida que fazia)

Max Verstappen: 9 (Max fazia uma prova impressionante, disposto a compensar o ocorrido no treino classificatório, mas a disputa com Hamilton danificou sua roda; porém, não se pode subestimá-lo, afinal, estamos falando de Max Verstappen)

Daniel Ricciardo: 9 (Ricciardo corria muito bem até o painel de seu carro apagar; mais um exemplo de caso em que o piloto paga pelos erros do engenheiro)

Driver of the Day (votado pelo público): Pierre Gasly

Melhor piloto: Pierre Gasly (Mandou muito bem!!!! Ele merece!!!!)

Pior piloto: Charles Leclerc (Lance is faster than you!)