Análise GP do Canadá de 2018

O Grande Prêmio do Canadá de 2018 ocorreu no dia 9 de junho. O Circuito Gilles Villeneuve (minha pista favorita) contou com uma novidade: a tribuna Lance Stroll, que atraiu muitos fãs do piloto canadense da Williams. As expectativas eram grandes para a prova, e embora não tenha tantas emoções quanto outras corridas, esta conseguiu modificar o quadro do campeonato desse ano.

 

Tribuna Lance Stroll no Circuito Gilles Villeneuve: Jacques pira de inveja!!!!

 

Tribuna lotada pra ver Lance Stroll: agora que o Villeneuve infarta!

 

Valtteri Bottas (Mercedes) largou na segunda posição, dividindo a primeira fila com Sebastian Vettel (Ferrari) 😉 . Logo atrás vinham Max Verstappen (Red Bull) e Lewis Hamilton (Mercedes). Pouco tempo após a largada, Max tentou ultrapassar Valtteri, travando uma boa briga, mas não tomou a posição. Logo depois, Lance Stroll e Brendon Hartley (Toro Rosso) acabaram abandonando a prova devido a um acidente. Lance estava com um pneu furado, que desequilibrou o carro e saiu de traseira. Brendon foi na mesma direção de Lance, buscando ultrapassá-lo, mas acabou envolvido na colisão. O safety car foi acionado.

Verstappen e Hamilton foram para os boxes juntos e o holandês voltou à frente. Kimi Raikkonen (Ferrari), assumia o terceiro lugar, recuperando-se da ultrapassagem feita por Daniel Ricciardo (Red Bull) feita no começo da prova. O australiano parou no pit stop e voltou atrás de Max e à frente de Lewis. Quando Raikkonen fez sua parada, voltou atrás dos três. Enquanto isso, Vettel abria uma grande vantagem para Bottas.

Sergio Perez (Force India) quase abandonou após sair do traçado. Pelo rádio, ele culpou Carlos Sainz Jr. (Renault) e uma investigação foi feita pelos comissários. Não houve penalizações. Fernando Alonso (McLaren) teve um problema no exaustor e abandonou a prova.

Hamilton tentava a todo custo ultrapassar Ricciardo, mas o australiano levou a melhor em todos os momentos. Bottas teve um pit stop ruim e um pequeno travamento de rodas enquanto passava pelo retardatário Sainz. Embora Verstappen tenha diminuído a desvantagem (e conseguia manter Ricciardo a uma boa distância), o finlandês continuou à frente.

Vettel, que até então dava voltas cada vez mais rápidas, venceu a prova, com Bottas em segundo e Verstappen em terceiro. O GP do Canadá desse ano não foi muito emocionante, mas também está longe de ser uma corrida entediante (como foi o GP da Austrália). O alemão assumiu a liderança do campeonato, com um ponto de vantagem para Hamilton. Ou seja, agora a briga pelo título estará mais acirrada.

 

Pódio do GP do Canadá de 2018

 

Notas

Corrida: 8 (foi uma corrida boa: nem péssima, nem ruim)

Pilotos

  1. Sebastian Vettel: 10 (liderou a prova com maestria: ótimas voltas e garantiu uma boa vantagem em relação a Bottas)
  2. Valtteri Bottas: 9 (fez uma boa corrida, e escapou do perigo do furacão Max)
  3. Max Verstappen: 8,5 (depois de um fim de semana excelente, Max só não melhorou a posição porque os pneus estavam com risco de superaquecimento; mesmo assim, um pódio é um excelente resultado e quem torceu contra ele sifu…)
  4. Daniel Ricciardo: 8,5 (ao superar Raikkonen e Hamilton, Daniel garantiu uma boa pontuação; um resultado merecido)
  5. Lewis Hamilton: 6 (não apresentou ameaça a seus adversários)
  6. Kimi Raikkonen: 6 (idem acima)
  7. Nico Hülkenberg: 5 (igual a todas as corridas anteriores)
  8. Carlos Sainz Jr.: 4 (quase se envolveu em barbeiragens)
  9. Esteban Ocon: 8 (superou muitos desafios e alcançou um resultado modesto, porém não medíocre)
  10. Charles Leclerc: 3 (esse site não “premia” pilotos que não fazem quase NADA na corrida inteira e ainda levam elogios dos comentaristas da TV)
  11. Pierre Gasly: 2 (teve chances de alcançar Leclerc e a zona de pontuação, mas desperdiçou e quase foi ultrapassado por Grosjean)
  12. Romain Grosjean: 2 (teve uma performance ruim e ainda tentou culpar Ocon por isso)
  13. Kevin Magnussen: 4 (tentou ao máximo uma boa posição, mas a estratégia de pit stops da Haas não ajudou)
  14. Sergio Perez: 4 (também tentou uma boa posição, mas sua performance diante as curvas o atrapalhou)
  15. Marcus Ericsson: 3 (performance medíocre)
  16. Stoffel Vandoorne: 2 (segundo Stroll, o toque com Vandoorne furou seu pneu e causou o acidente)
  17. Sergey Sirotkin: 0,5 (até agora não mostrou o talento no qual Claire Williams confiou ao contratá-lo)
  18. Fernando Alonso: 6 (tinha dificuldades de passar Leclerc… um episódio lamentável para um bicampeão)
  19. Brendon Hartley: 0 (viu que Lance estava perdendo controle do carro e quis ir na mesma direção; pareceu que quis sofrer o segundo acidente consecutivo)
  20. Lance Stroll: 6 (Lance está comendo o pão que o diabo amassou nessa carroça da Williams, que toda corrida tem chance de concertar e toda corrida passa uma vergonha maior)

 

Driver of the Day (eleito pelo público): Sebastian Vettel

Melhor piloto: Sebastian Vettel

Pior piloto: Brendon Hartley (caçador de acidentes)

Análise GP de Mônaco de 2018

No dia 27 de maio ocorreu o Grande Prêmio de Mônaco de 2018. Antes da corrida começar, os espectadores já ansiavam pela largada para saber o que Max Verstappen (Red Bull) faria, uma vez que largaria em último (pois bateu no TL3 e não pode participar do treino classificatório), mas as provas do jovem prodígio são imprevisíveis. Pessoalmente, faço elogios à narração de Cléber Machado na transmissão da corrida: foram feitos comentários sensatos, dignos de um bom profissional, sem babação de ovo ou ataques a pilotos, como fazem muitos “narradores” por aí. Parabéns ao Cléber! Continue assim! #Clébertitular

Daniel Ricciardo (Red Bull) largou na pole depois de terminar todos os treinos com o melhor tempo. Sebastian Vettel (Ferrari) dividia a primeira fila, seguido por Lewis Hamilton (Mercedes) e Kimi Raikkonen (Ferrari). Foi dada a largada e pouquíssimo tempo depois, Vettel estava atacando Ricciardo, mas não houve nada além de um leve toque de pneus. Enquanto isso, Verstappen ultrapassava os dois carros da Haas e dava início a uma corrida de recuperação. Lance Stroll (Williams) fazia sua única ultrapassagem do dia, em cima de Marcus Ericsson (Sauber) logo depois da curva Louis Chiron.

Max Verstappen ultrapassava cada carro que estava a sua frente com muita prudência. Ele havia largado com o pneu ultramacio, mais duro que o hipermacio usado pelos demais. Isso diminuiu o desgaste e o ajudou a diminuir a diferença para os outros pilotos para em seguida superá-los. Primeiro foi Ericsson, depois Stroll, em seguida Charles Leclerc (Sauber) e Stoffel Vandoorne (McLaren), e assim por diante. Em apenas 27 voltas, Max estava no décimo lugar.

Pela equipe ter mexido no carro antes da largada, depois da volta de apresentação, Sergey Sirotkin (Williams) foi punido com 10 segundos e quase levou uma segunda sanção pelo mecânico ter ficado com a mão no carro enquanto ele cumpria a punição. Lance Stroll teve problemas com os pneus e a asa dianteira e também parou mais cedo. A dupla da Williams parou 3 vezes no pit stop.

Na parte da frente do grid, Hamilton segurava Raikkonen, que era seguido por Valtteri Bottas (Mercedes), enquanto Vettel corria mais rápido que Ricciardo, mas não conseguia superá-lo. Ao longo da corrida, diversos duelos foram travados, principalmente por Verstappen.

Fernando Alonso (McLaren), que até então estava em 8º lugar acabou tendo um problema de câmbio e abandonou a prova. Fazendo seu pit stop tardiamente, Verstappen acabou superado por Carlos Sainz Jr. (Renault) e algumas voltas depois por Nico Hülkenberg (Renault). Mas a dupla da equipe francesa teve muitas dificuldades para lidar com o holandês. Uma ordem de equipe foi dada para que Sainz deixasse Hülkenberg passar. Porém, não só Max conseguiu superar o espanhol (e deixá-lo a uma boa distância), como chegou no alemão, que tentava passar Pierre Gasly (Toro Rosso).

 

Perto do fim, Leclerc acabou batendo em Brendon Hartley (Toro Rosso) pouco depois da saída do túnel. O piloto da Sauber teve o carro praticamente destruído e o da Toro Rosso teve a traseira quebrada. Ambos abandonaram e o safety car vitural foi acionado.

 

Barbeiro do dia: Charles Leclerc

 

 

Ricciardo venceu a prova, com Vettel em segundo e Hamilton em terceiro. Essa corrida em Mônaco foi mágica: num circuito conhecido por ser o mais perigoso e difícil de ultrapassar, cada piloto fez o possível para fornecer um belo espetáculo para o público. Não foi uma daquelas típicas provas de Mônaco, na qual os carros andam em fila indiana e só ultrapassam se o adversário quebra ou para nos boxes. Sem dúvida, essa prova vai ficar na memória de muitos.

 

Notas:

Corrida: 10 (Nem parecia Mônaco, de tanta ultrapassagem que teve. Um espetáculo!)

Pilotos:

Daniel Ricciardo: 9,5 (sem dúvida teve um final de semana perfeito, mas na corrida não teve muitas lutas com os adversários; mesmo assim fez uma prova excelente)

Sebastian Vettel: 9 (não muito diferente das outras que teve)

Lewis Hamilton: 9 (não lutou muito com os demais pilotos para evitar acidentes típicos de Mônaco, mas se manteve muito bem)

Kimi Raikkonen: 8 (semelhante à Hamilton, com a diferença de ser caçado por Bottas por um bom tempo)

Valtteri Bottas: 8 (tentou uma ultrapassagem o máximo que pode, mas conseguiu uma boa colocação)

Esteban Ocon: 7 (conseguiu bons pontos para se superar no campeonato, mas nenhum de seus momentos foi emocionante)

Pierre Gasly: 8 (fez uma ótima prova e garantiu um bom lugar na prova, além de lutar muito para não perder sua colocação)

Nico Hülkenberg: 7 (mesmo com a velha estratégia do “Nico is faster than you”, o alemão não conseguiu despistar Verstappen e só não foi ultrapassado porque a lambança do Leclerc acionou o safety car virtual)

Max Verstappen: 10 (largando lá do fim, superou 10 pilotos em 27 voltas, EM MÔNACO!!!!!! Depois perguntam porque ele é comparado com o Senna)

Carlos Sainz Jr.: 6 (Nico is faster than you: conseguiu um ponto, mas viu Verstappen sumir diante de seus olhos)

Marcus Ericsson: 4 (foi beneficiado com o acidente que o seu companheiro causou)

Sergio Perez: 4 (resultado nada bom para uma Force India)

Kevin Magnussen: 4 (sua performance foi monótona e sem bons resultados)

Stoffel Vandoorne: 4 (idem Magnussen, quase se borrou de medo do Verstappen)

Romain Grosjean: 3 (idem Magnussen, mas com posição pior)

Sergey Sirotkin: 6 (sua equipe mais atrapalhou do que ajudou)

Lance Stroll: 6 (Lance passou por muitas dificuldades, novamente por culpa do carro da Williams)

Charles Leclerc: 0 (tomou o posto de pior do dia do Stroll: jogou o carro em cima de Hartley e ferrou a corrida dos dois; mandou muito mal em casa!)

Brendon Hartley: 3 (não tava lá essas coisas, mas também não merecia levar uma batida na traseira)

Fernando Alonso: 5 (tava pelo menos se mantendo, mas o câmbio não ajudou)

 

Driver of the day (eleito pelo público): Daniel Ricciardo (foi mais pelo fim de semana dele do que pela corrida em si)

Melhor piloto: Max Verstappen (Convenhamos: 10 ultrapassagens, em 27 voltas, em Mônaco, coisa digna de um campeão! Seguiu o exemplo do Senna!)

Pior piloto: Charles Leclerc (foi brincar de Grosjean e se ferrou; e da próxima vez, vá jogar o carro em cima da sua avó!)

 

Análise GP da Espanha 2018

O Grande Prêmio da Espanha de 2018, ocorrido no dia 13 de maio, foi uma daquelas corridas que dividem opiniões. Apesar do Circuito da Catalunha não ser favorável para ultrapassagens, acidentes e estratégias de pit stop permitiram que a cara do grid mudasse várias vezes. Agrada quem gosta de mudanças, mas desagrada aqueles que não curtem muitos abandonos.

A pole foi de Lewis Hamilton (Mercedes), dividindo a primeira fila com o companheiro Valtteri Bottas. Em seguida vinha a dupla da Ferrari e a da Red Bull. Pouco tempo após a largada, Romain Grosjean (Haas) rodou, colocou o carro desgovernado de volta à pista e bateu em Nico Hülkenberg (Renault) e em Pierre Gasly (Toro Rosso), acabando com a prova dos três. O safety car foi acionado, mas mesmo sendo impedido de ultrapassar, Sebastian Vettel (Ferrari) demostrou que estava sedento pela vitória. Com o fim do safety car, ele tomou o segundo lugar de Bottas e começou a caça por Hamilton.

Vettel tentou dar um undercut, trocando os pneus primeiro. Bottas foi o próximo. Hamilton aumentava a vantagem para os adversários. Porém, algo surpreendente aconteceu depois: Kimi Raikkonen (Ferrari), não ser superado por Max Verstappen (Red Bull), foi forçado a abandonar. Após o pit stop de Hamilton, Verstappen liderou a prova e o inglês, com prudência, esperou o holandês parar nos boxes para retomar a liderança.

No meio do grid, as Force Indias de Sergio Perez e Esteban Ocon passavam por muitos problemas. Enquanto Fernando Alonso (McLaren) aumentava a vantagem para o francês, o mexicano sofria para tentar ultrapassar Lance Stroll (Williams) e não ser superado por Stoffel Vandoorne (McLaren), que tinha uma punição de 5 segundos para cumprir por uma conduta irregular após o acidente de Grosjean.

Ocon teve um problema de motor e foi forçado a abandonar. O safety car virtual foi acionado. Durante esse tempo, uma colisão com Stroll quebrou um pedaço da asa dianteira de Verstappen, mas parece que isso não afetou muito o desempenho do jovem da Red Bull. Vettel, que estava atrás dele, tentava a ultrapassagem, mas não conseguia sequer aproximar. Sergey Sirotkin (Williams) rodou, mas não causou maiores danos e continuou a prova. Vandoorne abandonou pouco tempo depois, também por falhas no motor.

A prova terminou com Hamilton vencedor, seguido por Bottas e Verstappen. O GP mostrou que a determinação do piloto pode superar muitos problemas, além de que a pista espanhola não impossibilita tanto as ultrapassagens como a de Mônaco e da Austrália. Já é a terceira corrida seguida que Vettel não consegue um pódio, aumentando a vantagem de Hamilton. O ano de 2018 surpreende cada vez mais.

Notas

Corrida: 10 (muitas emoções devido aos abandonos e ultrapassagens)

Pilotos:

Lewis Hamilton: 10 (se manteve constante e prudente durante toda a prova e conquistou mais uma vitória)

Valtteri Bottas: 9 (mesmo com problemas nos pneus, conseguiu um bom resultado)

Max Verstappen: 10 (mostrou toda a sua capacidade de superação, conquistando um merecido pódio mesmo com a asa quebrada)

Sebastian Vettel: 8 (foi perdendo rendimento ao longo da prova, mas foi prudente ao não disputar o terceiro lugar com Verstappen – lembrem do que aconteceu na China…)

Daniel Ricciardo: 7 (não foi seu melhor dia, mas um quinto lugar está muito bom)

Kevin Magnussen: 9 (excelente resultado para o piloto e a equipe, além de se manter longe de erros)

Carlos Sainz Jr.: 9 (idem acima)

Fernando Alonso: 9 (lutou muito para fazer ultrapassagens, como a em cima de Leclerc, e garantiu uma boa posição)

Sergio Perez: 9 (idem acima, até na ultrapassagem)

Charles Leclerc: 9 (o pit stop o colocou em penúltimo, mas foi superando cada obstáculo até chegar aos pontos)

Lance Stroll: 6 (como sempre:  por culpa do carro, uma boa largada morre na praia)

Brendon Hartley: 5 (superou o terrível acidente no terceiro treino livre, mas não surpreendeu)

Marcus Ericsson: 3 (pelo menos tentou manter a posição, mesmo não conseguindo)

Sergey Sirotkin: 2 (roda a roda, Sergey)

Stoffel Vandoorne: 3 (não surpreendeu e ainda levou uma punição)

Esteban Ocon: 6 (teve muitos problemas no carro, mas tentou dar o melhor de si nessas condições)

Kimi Raikkonen: 6 (uma pena que seu carro o tenha feito abandonar, mas estava quase levando um olé do Verstappen)

Nico Hülkenberg:  (o coitado teve a roda arrancada e não teve nem tempo de fazer nada)

Pierre Gasly:  (idem acima)

Romain Grosjean: 0 (acidente que poderia ter sido evitado se tivesse parado na brita em vez de devolver o carro para a pista em condições perigosas)

Driver of the Day (votado pelo público): Lewis Hamilton

Melhor piloto: Max Verstappen (nem asa quebrada para esse menino!)

Pior piloto: Romain Grosjean (como diria Dona Florinda: “e da próxima vez, vá quebrar os carros da sua avó! ”)

Análise GP do Azerbaijão 2018

Ocorrido no dia 29 de abril, o GP do Azerbaijão de 2018 provou que o Circuito de Baku é uma caixinha de surpresas. As corridas que ele recebe são repletas de acidentes e resultados surpreendentes. Equipes aprenderam com os erros na China e melhoraram seus carros (exemplo da Williams e Sauber). Outras repetiram desastres, como a Red Bull.

Novamente, a pole foi de Sebastian Vettel (Ferrari), largando ao lado de Lewis Hamilton (Mercedes). Logo na primeira volta, acidentes tiraram Esteban Ocon (Force India) e Sergey Sirotkin (Williams) da prova. O safety car foi acionado. Vettel liderava com folga e Hamilton estava a uma boa distância. Kimi Raikkonen (Ferrari) e Fernando Alonso (McLaren) tiveram que parar no pit stop: o primeiro trocou os pneus e a asa dianteira e o segundo, apenas os pneus.

Boas disputas por posição foram travadas. Carlos Sainz Jr. (Renault) conseguiu ultrapassar a dupla da Red Bull, que sofria com problemas na bateria. Seu companheiro, Nico Hülkenberg, que havia sofrido uma punição de 5 lugares no grid por ter trocado o câmbio, não teve a mesma sorte. O alemão teve de abandonar depois de conseguir ultrapassar vários carros.

As paradas no pit stop mudaram o rumo da corrida. Hamilton foi o primeiro da ponta a parar. Vettel parou bem depois, perdendo a liderança para Valtteri Bottas (Mercedes), que mesmo tendo seu pit stop mais tarde, ainda voltou como líder. Os carros da Red Bul travavam ótimas disputas de posição, com Max Verstappen levando a melhor sobre Daniel Ricciardo. Depois que o australiano passou o holandês, foi chamado aos boxes. Max trocou os pneus depois, mas voltou à frente do companheiro. Numa tentativa frustrada de ultrapassagem, Ricciardo bateu na traseira de Verstappen e os dois pilotos saíram da corrida.

Pouco tempo depois, Romain Grosjean (Haas) bateu no muro perto da Curva do Castelo e o safety car foi chamado. O francês ainda atirou uma luva em um funcionário da garagem. Lance Stroll (Williams) diminuía sua diferença para Charles Leclerc (Sauber), que via Sainz cada vez mais longe, mas o canadense não pode ultrapassá-lo. Bottas acabou com o pneu rasgado e foi forçado a abandonar, perdendo a liderança e a chance de vitória.

Hamilton venceu a corrida, com Raikkonen em segundo e Sergio Perez (Force India) em terceiro. Essa etapa foi um alívio para a Mercedes, que conquista sua primeira vitória, e para Lewis, que agora lidera o campeonato com 4 pontos de vantagem sobre Vettel. Baku é simplesmente mágica: tudo pode acontecer nessa pista.

 

Notas

Corrida: 10 (emocionante ao máximo)

Pilotos:

Lewis Hamilton: 9 (foi ajudado pelas quebras e pit stops, mas se manteve consistente durante toda a prova)

Kimi Raikkonen: 8 (tocou em Ocon no começo, mas fez uma boa corrida de recuperação)

Sergio Perez: 9 (idem Lewis Hamilton)

Sebastian Vettel: 8 (foi prejudicado com as quebras e pit stops; teve a chance de passar Perez e conseguir um pódio, mas não conseguiu nada além de um 4º lugar)

Carlos Sainz Jr.: 9 (seu desempenho foi muito bom, mostrou garra para ultrapassar seus adversários)

Charles Leclerc: 3 (só conseguiu o 5º lugar por causa dos acidentes)

Fernando Alonso: 7 (boa corrida de recuperação)

Lance Stroll: 7 (ótimo resultado para a equipe; se o carro tivesse ajudado, teria conseguido mais pontos)

Stoffel Vandoorne: 3 (despercebido na corrida)

Brendon Hartley: 3 (idem acima)

Marcus Ericsson: 2 (travou a roda e quase causou um acidente com Magnussen; recebeu 10 segundos de punição por isso)

Pierre Gasly: 3 (idem Vandoorne e Hartley)

Kevin Magnussen: 2 (se a travada do Ericsson não tivesse sido mostrada, os espetadores nem saberiam que Magnussen estava correndo)

Valtteri Bottas: 10 (um grande azar o tirou da corrida, estava fazendo uma prova limpa e consistente)

Romain Grosjean: 6 (não foi bem e ainda fez um barraco na garagem)

Max Verstappen: 10 (todas as emoções da corrida foram graças a Max; acabou saindo da prova devido à atitude impetuosa de seu companheiro)

Daniel Ricciardo: 1 (tava fazendo uma boa prova, jogou tudo fora ao acertar a traseira de Verstappen com um movimento que claramente poderia ter sido evitado)

Nico Hülkenberg: 5 (tava indo bem, até o abandono)

Esteban Ocon:  (o coitado foi atingido tão rápido que não dá pra opinar)

Sergey Sirotkin:  (idem acima)

 

Driver of the Day (votado pelo público): procurem no site da Fórmula 1

Melhor piloto: Max Verstappen (esse sabe o que é corrida: pegar a posição dos outros, não ceder a sua)

Pior piloto: Daniel Ricciardo (encher a traseira dos outros não dá, com isso ele foi o pior na corrida)

Estressadinho do dia: Romain Grosjean (Vamo quebrar tudo! Vamo! Vamo!)

Análise GP da China 2018

O Grande Prêmio da China de 2018, ocorrido no dia 15 de abril, trouxe a emoção que faltou nas corridas anteriores. Foi a prova que a Ferrari não é invencível e que a Mercedes precisa repensar suas estratégias para brigar pelo título. Recheado de ultrapassagens e com alguns incidentes, o GP foi uma daquelas corridas que não ficará esquecida tão rápido.

Sebastian Vettel conseguiu sua terceira pole do ano, dividindo a primeira fila com Kimi Raikkonen. Em seguida, vinha uma fileira da Mereces (Valtteri Bottas e Lewis Hamilton) e uma da Red Bull (Max Verstappen e Daniel Ricciardo). Mal tinha sido dada a largada, várias ultrapassagens foram feitas, incluindo Verstappen passando do 5º para o 3º lugar.

Até o meio da prova, as maiores brigas aconteciam no meio do grid. Os carros da McLaren e da Renault tinham facilidade para recuperar as posições após os pit stops, enquanto a Williams chamava seus pilotos tarde demais, o que impediu que Stroll mantivesse o 9º lugar. A dupla da Force India tentava colocações melhores, mas o rendimento do carro não correspondia.  Toro Rosso e Sauber permaneciam no fundo do grid.

Bottas conseguiu ultrapassar Raikkonen e tomou a liderança de Vettel. Na 30ª volta, Gasly se chocou com Hartley, deixando pedaços de asa na pista e causando bandeira amarela e safety car. O francês depois foi punido com 10 segundos. Os carros da Red Bull fizeram seus pit stops juntos e sinalizavam briga pela vitória. Ao fim do safety car, Verstappen e Hamilton brigaram pelo 3º lugar e o holandês acabou jogado para fora da pista, perdendo posição para Ricciardo. O ocorrido não foi investigado, mas Max conseguiu superar o inglês mais tarde. Na caça de Vettel, os dois se envolveram em um incidente semelhante ao da dupla da Toro Rosso. O alemão levou a pior e não conseguiu lutar pelo pódio até o fim da corrida.

Ricciardo superou Bottas em uma manobra limpa e perfeita, liderando até o fim. Verstappen recebeu a mesma punição que Gasly, e por isso não lutou pelo pódio apesar de estar bem perto dos finlandeses. A corrida terminou com a vitória de Daniel, seguido por Bottas e Raikkonen. Hartley abandonou faltando 5 voltas pro fim. Nenhum piloto punido cumpriu a penalidade na pista, e acabaram perdendo as posições depois da corrida: Verstappen de 4º foi pra 5º e Gasly de 15º foi pra 18º. O GP da China levou os torcedores ao delírio com sua agitação. São corridas como esta que os fãs esperam para ver quando ligam a televisão.

 

Notas

Corrida: 10 (corrida emocionante e imprevisível)

Pilotos:

Daniel Ricciardo: 10 (superou completamente os problemas dos treinos livres e lutou até o fim para transformar sua largada em 6º em uma vitória espetacular)

Valtteri Bottas: 10 (sua ultrapassagem em cima de Vettel foi perfeita e resistiu aos ataques de Raikkonen)

Kimi Raikkonen: 9 (apesar de ser superado em vários momentos, como por Verstappen, Hamiton e Ricciardo, conseguiu recuperar o pódio e não cometeu muitos erros)

Lewis Hamilton: 8 (seu carro não estava nos melhores dias, houve erro de estratégia no pit stop – segundo ele – e o toque não investigado com Verstappen poderia ter atrapalhado mais)

Max Verstappen: 9 (dou as notas pelo desempenho, e inegavelmente ele mandou muito bem, mas sua agressividade lhe causou mais problemas que qualquer outra coisa)

Nico Hülkenberg: 8 (superou bem a situação pós-pit stop e garantiu uma boa posição)

Fernando Alonso: 8,5 (mais um ótimo trabalho para o ano do piloto espanhol: chegou aos pontos após largar em 13º e ainda ultrapassou Vettel no final)

Sebastian Vettel: 8,5 (parecia que mais uma pole seria convertida em vitória, mas não conseguiu superar seus adversários, a não ser Kimi, que claramente lhe cedeu a posição quando Bottas passou os dois; entretanto, o acidente com Verstappen estragou o resto de sua prova)

Carlos Sainz Jr.: 8 (idem Hülkenberg)

Kevin Magnussen: 6 (começou bem a corrida, mas seu desempenho foi caindo até o fim)

Esteban Ocon: 5 (sua performance foi estável, mas sem chances de melhores resultados)

Sergio Perez: 5 (idem Esteban Ocon)

Stoffel Vandoorne: 5 (idem os dois acima)

Lance Stroll: 7 (sua largada foi incrível, saindo do 18º para o 12º ainda na primeira volta; se não fosse o pit stop lento e tardio da Williams, teria mais chances de permanecer no 9º lugar que conquistou)

Sergey Sirotkin: 5 (situação semelhante a Magnussen, mas sem chances de sair das colocações mais baixas)

Marcus Ericsson: 2 (nem na transmissão ele apareceu)

Romain Grosjean: 2 (sem atuações impressionantes)

Pierre Gasly: 4 (não tava lá essas coisas, mas depois que bateu em Hartley piorou de vez)

Charles Leclerc: 1 (só apareceu quando rodou e parou na brita)

Brendon Hartley: 2 (idem Pierre Gasly, mas o pior sobrou pra ele)

 

Driver of the Day (votado pelo público): Daniel Ricciardo

Melhor piloto: Daniel Ricciardo (Merecido!!!)

Pior piloto: Charles Leclerc (Roda a Roda, Leclerc!)

Estressadinhos do dia: Max Verstappen e Pierre Gasly

 

Análise GP do Bahrein 2018

O Grande Prêmio do Bahrein de 2018, ocorrido no dia 8 de abril, marcou um grande contraste em relação à prova anterior, na Austrália. O Circuito Internacional do Bahrein propiciou diversas disputas por posições e brigas emocionantes, o que o público anseia por ver em uma corrida. O GP também revelou que equipes como a Red Bull e a Williams estão passando por problemas de engenharia em seus carros. E se elas não querem dar um prato cheio aos haters de plantão que adoram culpar os pilotos pelos erros dos engenheiros, é bom que antes da próxima etapa, na China, estes times eliminem os problemas pela raiz.

Sebastian Vettel largou na pole position, dividindo a primeira fila com Kimi Raikkonen. Porém quem se destacou na largada foram Hamilton, Verstappen e Stroll. O inglês cumpria uma punição, largando em 9º, mas não se intimidou pelas circunstâncias e poucas voltas depois, estava mais próximo do top-5. O holandês largava em 15º devido a um problema no treino classificatório, mas sua bravura o encaminhou para 12º em poucos minutos e ainda travou com Hamilton uma batalha impressionante. O canadense passou Leclerc SEGUNDOS depois da largada e em pouco tempo, pulava do 20º para o 13º. Isso mostra que, garra Stroll com certeza tem.

É importante notar que logo na primeira volta Gasly e Magnussen brigaram feio e o dinamarquês acabou saindo da pista, embora tenha voltado. Gasly, que largara em 6º, não facilitou para ninguém. Seu companheiro Hartley se envolveu em problemas e foi punido com 10 segundos. Perez rodou na pista logo no começo, mas continuou a corrida.

Infelizmente, os momentos de alegria da Red Bull duraram pouco. O painel do carro de Ricciardo simplesmente apagou e encerrou a prova para o australiano. Em seguida, foi a vez de Verstappen abandonar, pois a briga com Hamilton danificou sua roda traseira esquerda. Ele, no entanto, lutou para trazer o carro para os boxes e tentou o máximo que pode (foi até aplaudido no pit stop).

A prova seguia com muitas disputas no meio do grid, com destaque para os carros da McLaren e da Renault. Alonso e Vandoorne davam tudo de si para alcançar uma boa posição, enquanto que Sainz e Hülkenberg oscilavam entre as posições para brigar com pilotos da Force India e Sauber. As Williams tentavam ultrapassagens, mas não tiveram muito sucesso. Seus pilotos tentavam o máximo, mas os carros não correspondiam.

Mercedes e Ferrari fizeram seus pit stops e a liderança da corrida mudou algumas vezes. Hamilton, porém, acabou ficando 17 segundos atrás de Raikkonen e não conseguia tirar a diferença. Bottas tentava chegar mais perto de Vettel, mas a briga entre os dois não ocorreu até as últimas voltas do GP. No pit stop de Raikkonen, houve um incidente infeliz: a luz para liberar o piloto acendeu antes do que deveria e um mecânico acabou com a perna fraturada (rezamos para que ele fique bem). Fumaça saia das rodas do carro do finlandês, que teve de abandonar a prova.

Vettel venceu a corrida, seguido por Bottas. Hamilton chegou em 3º, embora distante do companheiro. Gasly conseguiu um impressionante 4º lugar e foi eleito “driver of the day”, calando aqueles que duvidavam de seu êxito. Há muito tempo não se via a Toro Rosso comemorar tanto. Ainda é cedo para dizer o que será do ano, pois o GP do Bahrein foi apenas a segunda prova da temporada. Equipes que passavam por problemas estão se recuperando, portanto não é hora de perder a esperança: tudo pode acontecer.

 

Notas:

Corrida: 7 (foi melhor que a anterior e teve bons momentos, mas a quebra de carros de ponta, Red Bull e Ferrari, e os problemas de engenharia enfrentados por outras equipes impediram maiores disputas).

Pilotos:

Sebastian Vettel: 9 (se manteve bem, largou na pole e venceu, mas não teve momentos emocionantes até o final da prova, quando se defendeu de Bottas)

Valtteri Bottas: 9 (também se manteve bem, mas somente chamou a atenção no final, disputando a vitória com Vettel)

Lewis Hamilton: 9,5 (embora tenha ficado longe de Bottas, fez uma boa recuperação desde a largada em 9º até o 3º lugar)

Pierre Galsy: 10 (brigou com Magnussen logo no começo, lutou para conseguir mais posições e terminou com um merecido 4º lugar, praticamente um pódio para o driver of the day)

Kevin Magnussen: 8 (a Haas é a grande surpresa até agora; Magnussen travou boas batalhas e trouxe uma boa colocação para seu time)

Nico Hülkenberg: 8 (passou boa parte da corrida disputando posições com Alonso e terminou à frente)

Fernando Alonso: 8 (mostrou que nesse ano, sem os problemas de motor, não dará sossego a seus adversários; teve boas brigas por posições)

Stoffel Vandoorne: 7 (embora não com o mesmo desempenho de Alonso, brigou por posições melhores e conseguiu uma boa colocação)

Marcus Ericsson: 7 (não parece o mesmo Ericsson do ano passado; o sueco conseguiu seus primeiros pontos após um ano inteiro sem pontuar; incrível!!!)

Esteban Ocon: 6 (o modesto 10º lugar não é o bastante para a Force India, que parece sofrer os mesmos problemas da Williams e da Red Bull, mas Ocon deu o melhor de si para fechar a zona de pontuação)

Carlos Sainz Jr.: 5 (seu 11º não era o que a Renault esperava, mas ele tentou ao máximo para chegar a uma posição melhor)

Sergio Perez: 4 (cometeu muitos erros na corrida e ficou abaixo do esperado para uma Force India)

Brendon Hartley: 5 (embora não tenha conseguido uma boa posição e foi punido por um incidente, não se pode negar que ele se esforçou muito)

Charles Leclerc: 3 (foi ultrapassado por Stroll SEGUNDOS após a largada e seu 14º se deve aos problemas de engenharia sofridos pelas Williams e pelo pit stop de Grosjean)

Romain Grosjean: 5 (como Hartley, se esforçou muito, além de ter perdido posições após um pit stop tardio)

Lance Stroll: 6 (ultrapassou Leclerc SEGUNDOS após a largada, demonstrando garra e habilidade, além de ter conseguido ficar em 13º minutos após o início da corrida; se não fosse os problemas na engenharia do carro da Williams, que persistem desde o ano passado, teria ficado no top-10 com certeza).

Sergey Sirotkin: 5,5 (se manteve bem no início, mas foi perdendo muitas posições ao longo da corrida; o carro não o permita ultrapassar)

Kimi Raikkonen: 8 (um erro no pit stop o impediu de continuar a boa corrida que fazia)

Max Verstappen: 9 (Max fazia uma prova impressionante, disposto a compensar o ocorrido no treino classificatório, mas a disputa com Hamilton danificou sua roda; porém, não se pode subestimá-lo, afinal, estamos falando de Max Verstappen)

Daniel Ricciardo: 9 (Ricciardo corria muito bem até o painel de seu carro apagar; mais um exemplo de caso em que o piloto paga pelos erros do engenheiro)

Driver of the Day (votado pelo público): Pierre Gasly

Melhor piloto: Pierre Gasly (Mandou muito bem!!!! Ele merece!!!!)

Pior piloto: Charles Leclerc (Lance is faster than you!)

 

Análise GP da Austrália 2018

Hoje, dia 25 de março de 2018, ocorreu a primeira corrida da temporada de Fórmula 1 de 2018, o Grande Prêmio da Austrália. Marcada pela introdução do halo entre outras medidas tomadas pela Liberty Media, que comanda a competição desde 2017, o GP reforçou a opinião de muitos fãs da Fórmula 1: se a Liberty quer chamar mais público para o esporte, deve pensar bem se Austrália e Abu Dhabi são realmente as melhores opções para começar e encerrar o ano.

Largando da pole position, Lewis Hamilton liderou boa parte da corrida e segurou os ataques de Kimi Raikkonen. Sebastian Vettel se manteve constante no 3º lugar. As Red Bull de Max Verstappen e Daniel Ricciardo enfrentavam dificuldade para ultrapassar os carros da Haas, de Kevin Magnussen e Romain Grosjean. Valtteri Bottas, que largou em 15º, tirou toda a força de sua Mercedes para ultrapassar Esteban Ocon e Sergio Perez, protagonizando talvez as únicas ultrapassagens da corrida que não foram feitas graças a um abandono ou parada nos boxes do oponente.

A corrida teve mais frustrações além da falta de duelos consistentes e ultrapassagens. Sergey Sirotkin, da Williams, que teve resultados impressionantes nos treinos livres, foi o primeiro a abandonar devido a uma falha nos freios que, segundo ele, foi causada por uma embalagem plástica que entrou na carroceria. Marcus Ericsson e Pierre Gasly também deixaram a prova. Surpreendentemente, a dupla da Haas que aparecia como a zebra da vez, teve problemas com a roda e abandonaram. Uma pena para o time americano, já que Magnussen e Grosjean, que largaram em 5º e 6º respectivamente, faziam uma boa prova e buscavam colocar a Haas entre as 5 primeiras equipes do grid.

Raikkonen foi o primeiro dos pilotos de ponta a parar, sendo superado por Vettel. Hamilton parou depois, também perdendo posição para o alemão da Ferrari. O safety car virtual foi acionado depois do abandono de Grosjean e o final da corrida parecida definido. Apesar de todos os problemas do carro, incluindo uma rodada na pista, Verstappen se manteve consistente, e tomou a atitude correta ao devolver o 5º lugar para Fernando Alonso, a quem havia ultrapassado durante a bandeira amarela, evitando uma penalidade. Ricciardo pressionava Raikkonen, mas assim como Verstappen, conseguia se aproximar muito, mas não superava o adversário.

O Grande Prêmio da Austrália de 2018 terminou com a vitória de Vettel, vencedor da prova do ano passado. Hamilton foi segundo e Raikkonen completou o pódio. É muito cedo para prever como o ano será para os pilotos. Alguns foram beneficiados com as quebras e problemas dos adversários. Melbourne demonstrou mais uma vez que não é capaz de proporcionar momentos emocionantes. A corrida praticamente não teve ultrapassagens, houve vários abandonos e foram raros os momentos que chamavam a atenção. A plateia não parecida muito emocionada com a corrida e até mesmo a equipe da Ferrari comemorava timidamente a conquista de Vettel.

Notas

Corrida: 5 (monótona, sem ultrapassagens e com muitos problemas)

Pilotos:

Sebastian Vettel: 9 (foi beneficiado pelos pit stops de Raikkonen e Hamilton e pelo safety car, mas se manteve consistente)

Lewis Hamilton: 10 (se manteve bem durante toda a prova, o pit stop impediu sua vitória)

Kimi Raikkonen: 9 (mesmo com um pit stop rápido, não pode alcançar Hamilton e Vettel depois, mas segurou os ataques de Ricciardo)

Daniel Ricciardo: 10 (largou em 8º e teve forças para chegar em 4º e lutar com Raikkonen; na minha opinião o melhor piloto do dia)

Fernando Alonso: 8 (o driver of the day teve uma corrida consistente, mas foi ajudado pelas quebras dos pilotos da Haas e pelos problemas enfrentados por Verstappen)

Max Verstappen: 8 (enfrentou muitos problemas no carro e rodou na pista, mas seguiu com prudência e garantiu pontos para a equipe)

Nico Hülkenberg: 7 (conseguiu um bom resultado, mas não teve grandes feitos)

Valtteri Bottas: 8 (largando do 15º pois bateu no Q3 do treino classificatório, conseguiu um 8º lugar e fez boas ultrapassagens, porém é um resultado modesto para uma Mercedes)

Stoffel Vandoorne: 6 (boa colocação para sua equipe, mas passou despercebido na corrida)

Carlos Sainz Jr.: 6 (idem ao de cima)

Sérgio Perez: 5 (tem um bom carro e um bom motor, mas ficou fora da zona de pontuação)

Esteban Ocon: 5 (idem ao de cima)

Charles Leclerc:  0 (quem???? nem apareceu na transmissão)

Lance Stroll: 6 (o carro não ajudou muito)

Brendon Hartley: 1 (nem com todas as quebras conseguiu uma boa posição)

Romain Grosjean: 8 (se manteve bem na corrida, foi atrapalhado pela roda solta)

Kevin Magnussen: 8 (idem ao de cima)

Pierre Gasly: 6 (o motor atrapalhou, mas pelo menos correu um pouco)

Marcus Ericsson: 2 (teve problemas que o fizeram abandonar, mas sempre esteve lá atrás)

Sergey Sirotkin: 6 (fez um bom trabalho no final de semana, mas largou em 19º e o abandono não foi sua culpa)

Melhor piloto: Daniel Ricciardo (lutou muito!!!!)

Pior piloto: Brendon Hartley (sem palavras)