Análise Grande Prêmio de Abu Dhabi de 2019 | 2019 Abu Dhabi Grand Prix Analysis

Ocorrido no dia 1º de dezembro, o Grande Prêmio de Abu Dhabi de 2019 não trouxe grandes surpresas. Uma corrida sem atrativos, porém com um resultado muito bom, que definiu certas posições no ranking dos pilotos. Lewis Hamilton (Mercedes) largou da pole position ao lado de Max Verstappen (Red Bull). A largada ocorreu seu problemas, mas o carro da Red Bull estava consideravelmente mais lento do que os concorrentes. Consequentemente, Charles Leclerc (Ferrari) conseguiu ultrapassá-lo.

No meio do grid, Pierre Gasly (Toro Rosso) se meteu entre as Racing Point’s de Sergio Pérez e Lance Stroll. Com o toque em Pérez, o barbeiro francês foi obrigado a parar para trocar a asa dianteira, e só pra variar a equipe da Toro Rosso demorou uma eternidade para fazer a troca. Valtteri Bottas (Mercedes) largou em último por ter trocado o motor. Mas isso não afetou o desempenho do finlandês, que ultrapassou seus adversários perfeitamente e poucas voltas depois já estava na zona de pontuação.

Tirando a recuperação de Bottas, não houve tantos momentos impressionantes na corrida. A Ferrari mandou seus dois pilotos para os boxes antes dos demais da frente do grid. A parada de Leclerc foi boa, mas a de Sebastian Vettel demorou um pouco por causa de um problema na troca do pneu traseiro esquerdo. Porém, mesmo com essa troca e a Red Bull sendo obrigada a chamar seus pilotos mais tarde, algo inacreditável estaria por vir. Verstappen reclamava de falta de potência, num claro blefe no rádio, já que ele fazia voltas cada vez mais rápidas e diminuía muito a desvantagem em relação a Leclerc. Chegando próximo ao monegasco, Max deu um créu em Charles que deixou o piloto da Ferrari sem saber o que fazer. Leclerc tentou reagir, mas o holandês bloqueou seu ataque e acelerou para ganhar uma boa distância. Alguns toques ocorreram, como o de Robert Kubica (Williams) e Antonio Giovinazzi (Alpha Romeo), mas parece que os comissários não estavam a fim de punir ninguém. Stroll foi o único a abandonar, depois de ter feito uma prova decepcionante. Seu companheiro Pérez, pelo contrário, fazia de tudo para conseguir o décimo lugar no ranking e ultrapassou cada adversário até chegar em Lando Norris (McLaren). Apesar de muita luta, o mexicano conseguiu superar o inglês, que caiu no choro. Ao mesmo tempo, Bottas se aproximava de Leclerc, mas não suficientemente para ultrapassá-lo. Não havia mais esperanças para o monegasco: Verstappen estava consolidando o terceiro lugar no campeonato e a Cinderela da Fórmula 1 não iria para o baile da FIA.

Lewis Hamilton foi o vencedor, com Max Verstappen em segundo e Charles Leclerc em terceiro. São raras as vezes em que as corridas no Circuito Yas Marina são boas. A exceção foi 2018. A edição de 2019 foi entediante e parada, mas está longe de ser uma das piores corridas do ano, devido aos shows de Bottas e Verstappen que salvaram o dia. Campeão com antecedência, Hamilton está cada vez mais perto de superar Schumacher. Verstappen se firma como uma estrela do esporte, mas vive o dilema entre se manter na Red Bull, ganhando apenas 2 ou 3 corridas no ano, ou ir para uma equipe de ponta como a Mercedes, onde ele venceria no mínimo 11, como Hamilton. Leclerc fez ótimas corridas, mas pagou o preço por ser tão superestimado por seus fãs. Seu relacionamento turbulento com Vettel atrapalhou os planos da Ferrari, que teve uma temporada mais parecida com a de 2016 (uma das piores de sua história, com nenhuma vitória) do que com as de 2017 e 2018, quando disputou o título com a Mercedes. Além disso, dois pilotos se despedem da Fórmula 1 em Abu Dhabi: Robert Kubica, que já estava condenado ao fracasso por estar numa equipe pessimamente gerenciada (Williams) e com condições físicas que limitavam sua atuação (sequelas do acidente em 2011), e Nico Hülkenberg (Renault), que será substituído em 2020 por Esteban Ocon (conhecido pelas más línguas como “o cachorro do Toto Wolff”). Nico não impressionou a Renault, que estava farta de seus resultados medianos. Não sei se Ocon fará melhor, e muito provavelmente Daniel Ricciardo o vencerá como companheiro. A análise da temporada você confere dentro de alguns dias no The Racing Track.  

Com o quarto lugar no ranking, a Cinderela fica de fora do baile de gala da FIA.

    Notas  

Corrida: 5  

Pilotos

  1. Lewis Hamilton: 9
  2. Max Verstappen: 9,5
  3. Charles Leclerc: 8
  4. Valtteri Bottas: 10
  5. Sebastian Vettel: 8
  6. Alexander Albon: 8
  7. Sergio Pérez: 9
  8. Lando Norris: 3
  9. Daniil Kvyat: 5
  10. Carlos Sainz Jr.: 6
  11. Daniel Ricciardo: 6
  12. Nico Hülkenberg: 6
  13. Kimi Raikkonen: 6
  14. Kevin Magnussen: 6
  15. Romain Grosjean: 3
  16. Antonio Giovinazzi: 6
  17. George Russell: 3
  18. Pierre Gasly: 0
  19. Robert Kubica: 1

Abandonou

  1. Lance Stroll

  Driver of the Day (escolhido pelo público): Nico Hülkenberg (houve uma campanha de pessoas que acham que o Driver of the Day deve ser um prêmio de consolação)

Melhor piloto: Valtteri Bottas

Pior piloto: Pierre Gasly

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *