Análise Grande Prêmio da Espanha de 2020 | 2020 Spanish Grand Prix Analysis

Por Rebeca Pinheiro e Adriana Perantoni | By Rebeca Pinheiro and Adriana Perantoni

Ocorrido no dia 16 de agosto, o Grande Prêmio da Espanha de 2020 foi uma corrida emocionante. Realizada no Circuito da Catalunha, a prova teve disputas impressionantes e uma boa amostra do trabalho dos estrategistas, fundamentais para o resultado final.

Lewis Hamilton (Mercedes) largou da pole position ao lado de Valtteri Bottas, seu companheiro de equipe. Max Verstappen (Red Bull) e Sergio Pérez (Racing Point) completaram a segunda fila. Mas a surpresa da largada foi Lance Stroll (Racing Point), que fez uma brilhante ultrapassagem em cima de Pérez e Bottas. O canadense se manteve à frente do finlandês por muito tempo. Verstappen assumiu a segunda posição.

No final da parte do meio do grid, Sebastian Vettel (Ferrari) era ameaçado por Daniil Kvyat (Alpha Tauri) e Kimi Raikkonen (Alfa Romeo) se defendia de Esteban Ocon (Renault). Algumas voltas depois, outro piloto se juntaria a essas brigas. Alexander Albon (Red Bull) não conseguia se aproximar da dupla da Racing Point. Com a troca de pneus, ele foi parar próximo ao fim do grid. O tailandês teve algumas dificuldades para recuperar as posições.

Verstappen teve atritos com a equipe por causa do gerenciamento dos pneus. Em suas duas paradas, o holandês conseguiu superar Bottas, mas permaneceu atrás de Hamilton. Enquanto isso, Charles Leclerc (Ferrari) perseguia Lando Norris (McLaren), mas seu carro simplesmente desligou, parando em cima de uma curva. O monegasco conseguiu religá-lo e levá-lo para os boxes para se retirar da corrida. Seu abandono foi o único da prova. Pouco depois, Albon enfrentou Carlos Sainz Jr. (McLaren) e os dois quase bateram.

Alguns pilotos demoraram mais para fazer a troca de pneus do que outros. Consequentemente, muitas posições mudariam. Mas mesmo aqueles que só haviam feito uma parada também foram superados na pista. Daniel Ricciardo (Renault) e Vettel foram alguns exemplos. Ambos foram ultrapassados por Stroll. Perto do fim, Pérez e Kvyat receberam punições de cinco segundos por não respeitarem a bandeira azul. O mexicano permaneceu na pista, seguindo a melhor estratégia, pois se parasse para uma troca, perderia mais tempo.

Lewis Hamilton foi o vencedor, com Max Verstappen em segundo e Valtteri Bottas em terceiro. As corridas no Circuito da Catalunha tendem a precisar do safety car, mas felizmente ele não foi necessário e os pilotos puderam duelar livremente. Apesar do ponto extra pela volta mais rápida, Bottas se mantém atrás de Verstappen no campeonato de pilotos. A Racing Point faz outra corrida excelente, com Lance Stroll vencendo seus adversários e Sergio Pérez mantendo o ritmo que tinha antes de sua pausa devido à Covid-19. A Ferrari e a McLaren, por outro lado, não tiveram sorte. Aguardaremos qual dessas três equipes terá a melhor posição no campeonato.

Qual o feito de Vettel hoje? Perder para todo mundo? Esse é o Driver of the Day…

Opinião da Rebeca:

A edição deste ano do Grande Prêmio da Espanha foi gratificante, pois houve boas disputas durante a prova que garantiram a emoção da corrida. Lance Stroll foi um dos maiores destaques, conseguindo ultrapassar adversários experientes, como Daniel Ricciardo e Sebastian Vettel (este em uma Ferrari). Isso mostra que tanto ele quanto seu companheiro Sergio Pérez proporcionam resultados formidáveis para a Racing Point, uma das equipes mais invejadas esse ano. Mas não adianta, a Renault pode lançar mil protestos, pode recorrer até o papa, nada vai tirar o talento dos pilotos da Racing Point.

Opinião da Adriana:

Essa temporada começou promissora e agora, todas as corridas são previsíveis. O circuito de Barcelona não é conhecido por proporcionar corridas emocionantes e essa não fugiu do padrão.

Mais uma vez, tivemos algumas disputas entre as equipes intermediárias, mas nada muito emocionante. A largada de Stroll foi sensacional e o baile que ele deu em Bottas nas primeiras voltas mostrou que não basta ter apenas um carro bom, é preciso ser um bom piloto também. 

A rodada de Leclerc mostra que até mesmo com seu primeiro piloto, a Ferrari ainda tem dificuldade em ter um bom ritmo de corrida. A estratégia de Vettel em ficar até o final com seu jogo de pneus lhe rendeu bons pontos, mas o alemão ainda sofre com esse chassi.

Mesmo com a punição de 5 segundos por ignorar a bandeira azul, Pérez é o melhor piloto da corrida para mim. Conseguiu se recuperar da Covid, voltou à pista depois de duas corridas, foi o melhor do resto e conseguiu manter um bom ritmo durante as 55 voltas, somando mais um bom resultado na temporada.

Notas

Corrida: 9 (Rebeca) 7 (Adriana)

Pilotos

  1. Lewis Hamilton: 10 (Rebeca) 9 (Adriana)
  2. Max Verstappen: 10 (Rebeca) 8,5 (Adriana)
  3. Valtteri Bottas: 7 (Rebeca e Adriana)
  4. Lance Stroll: 10 (Rebeca) 8,5 (Adriana)
  5. Sergio Pérez: 9 (Rebeca e Adriana)
  6. Carlos Sainz Jr.: 8 (Rebeca e Adriana)
  7. Sebastian Vettel: 6 (Rebeca) 7 (Adriana)
  8. Alexander Albon: 8 (Rebeca) 7 (Adriana)
  9. Pierre Gasly: 8 (Rebeca e Adriana)
  10. Lando Norris: 6 (Rebeca) 7,5 (Adriana)
  11. Daniel Ricciardo: 6 (Rebeca) 7 (Adriana)
  12. Daniil Kvyat: 6 (Rebeca e Adriana)
  13. Esteban Ocon: 5 (Rebeca) 6 (Adriana)
  14. Kimi Raikkonen: 7 (Rebeca) 7 (Adriana)
  15. Kevin Magnussen: 4 (Rebeca) 6 (Adriana)
  16. Antonio Giovinazzi: 4 (Rebeca) 6 (Adriana)
  17. George Russell: 4 (Rebeca) 5 (Adriana)
  18. Nicholas Latifi: 4 (Rebeca) 5 (Adriana)
  19. Romain Grosjean: 3 (Rebeca) 4 (Adriana)

 

Abandonou:

  1. Charles Leclerc: 8 (Rebeca) 0 (Adriana)

Driver of the Day (escolhido pelo público): Sebastian Vettel

Melhor piloto: Lance Stroll (Rebeca) | Sergio Pérez (Adriana)

Pior piloto: Romain Grosjean (Rebeca e Adriana)

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *