Análise GP de Singapura de 2018

O Grande Prêmio de Singapura de 2018, que aconteceu no dia 16 de setembro, teve como cenário a volta perfeita de Lewis Hamilton (Mercedes), que conquistou a pole position com 1:36.015. Max Verstappen (Red Bull) foi outro destaque, marcando 1:36.334 no treino classificatório e largando em segundo. Sebastian Vettel (Ferrari), vice-líder do campeonato, prometia fazer uma largada triunfal para surpreender os adversários, mas os instantes iniciais da corrida foram marcados por outra coisa.

Sergio Perez (Force India) se chocou com o companheiro Esteban Ocon e o francês acabou abandonando a prova na primeira volta. Poucos instantes depois, Vettel ultrapassou Verstappen e o safety car foi acionado. Apesar do ocorrido (idêntico ao incidente entre Max e Bottas no GP anterior, na Itália) a direção da prova NÃO puniu o mexicano: mais um capítulo da novela “Dois Pesos e Duas Medidas” que já dura muuuuuito tempo na Fórmula 1.

A vantagem do alemão para o holandês não durou muito. Vettel foi para os boxes e escolheu os pneus ultramacios. Hamilton e Valtteri Bottas (Mercedes) também fizeram suas paradas, colocando os pneus macios. Verstappen fez seu pit stop bem depois, porém voltou à frente de Vettel, com direito a disputa roda com roda que gerou vantagens para o jovem prodígio da Red Bull.

Com Kimi Raikkonen (Ferrari) e Daniel Ricciardo (Red Bull) fazendo as paradas, a liderança da prova voltou para Hamilton. Verstappen ficava cada vez mais rápido que Vettel. Na parte de trás do grid, Perez tinha dificuldades para ultrapassar Sergey Sirotkin (Williams) e se lançou em cima do russo. A manobra, porém, atrapalhou mais o mexicano, que além de perder pedaços da asa e ser obrigado a fazer um pit stop, recebeu uma punição de drive through pelo ocorrido.

Outro incidente que chamou a atenção ocorreu entre Sirotkin e Romain Grosjean (Haas). O francês travou uma briga com o russo, ignorando a bandeira azul e permitindo que Verstappen colasse em Hamilton (que se defendeu de uma possível ultrapassagem). Grosjean recebeu 5 segundos de punição. Sirotkin recebeu a mesma sentença ao forçar Brendon Hartley (Toro Rosso) para fora da pista, algumas voltas depois.

Lewis Hamilton foi o grande vencedor, com Max Verstappen em segundo e Sebastian Vettel em terceiro. O GP ainda contou com a volta mais rápida marcada por Kevin Magnussen (Haas), 1:41.072. A vantagem do inglês agora é de 30 pontos. A corrida reforçou as dificuldades enfrentadas pelos pilotos no Circuito Marina Bay, que proporciona uma das provas mais lindas da Fórmula 1 com seu show de luzes à noite. Ficamos no aguardo do GP da Rússia para sabermos o que virá pela frente na disputa do título de 2018.

 

Notas

Corrida: 8

Pilotos

  1. Lewis Hamilton: 10
  2. Max Verstappen: 10
  3. Sebastian Vettel: 7
  4. Valtteri Bottas: 7
  5. Kimi Raikkonen: 8
  6. Daniel Ricciardo: 8
  7. Fernando Alonso: 8
  8. Carlos Sainz Jr. 8
  9. Charles Leclerc: 6
  10. Nico Hülkenberg: 6
  11. Marcus Ericsson: 5
  12. Stoffel Vandoorne: 3 (nem apareceu na transmissão)
  13. Romain Grosjean: 1
  14. Pierre Gasly: 6
  15. Lance Stroll: 6
  16. Sergio Perez: 0 (não contente em bater em Ocon, bateu em Sirotkin: Perez tava mais barbeiro do que nunca)
  17. Brendon Hartley: 4
  18. Kevin Magnussen: 7 (resultado fraco, mas volta rápida surpreendente)
  19. Sergey Sirotkin: 5

Abandonou

20. Esteban Ocon:   (Ocon anda muito superestimado pelos fãs, mas não posso avaliar seu desempenho porque Perez o fez abandonar na primeira volta)

 

Driver of the Day (escolhido pelo público): Max Vertsappen

Melhores pilotos: Max Verstappen e Lewis Hamilton

Pior piloto: Sergio Perez

Estressadinho do dia: Sergio Perez

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *