Análise GP da Alemanha de 2018

O Grande Prêmio da Alemanha de 2018 aconteceu no dia 22 de julho (um dia de luto). Muitos contavam com o triunfo de Sebastian Vettel (Ferrari), que liderava o campeonato com uma vantagem de 8 pontos para o segundo colocado, Lewis Hamilton (Mercedes). Mas o que a corrida de Hockheinheim nos mostrou foi que jamais devemos subestimar o adversário.

 

Circuito de Hockenheim, onde foi realizada a prova.

 

Vettel largou na pole, ao lado de Valtteri Bottas (Mercedes). Kimi Raikkonen (Ferrari) e Max Verstappen (Red Bull) formavam a segunda fila. Hamilton teve um problema hidráulico no treino classificatório e teve de largar do 14º lugar. Quando foi dada a largada, Verstappen e Raikkonen disputaram o 3º lugar. Ao longo da corrida, não houve muitas surpresas. Hamilton fazia uma boa recuperação e alcançou o 5º lugar pouco tempo depois.

 

 

Daniel Ricciardo (Red Bull), que largou em 19º após uma punição por troca de motor, conseguiu chegar à zona de pontuação em 10 voltas. Mas um problema no motor o fez abandonar.

 

Ricciardo teve seu 4º abandono do ano. Nessa foto, ele ultrapassa Alonso.

 

Kimi Raikkonen liderava a prova, enquanto Vettel sofria com bolhas nos pneus. A Ferrari deixou clara a ordem para que o finlandês deixasse o alemão passar. Kimi resistiu um pouco, mas foi obrigado a ceder.

 

Hockenheim é o palco do “Fulano is faster than you”

 

Mas Vettel teve um grande problema pela frente. Bateu com tudo no muro e saiu do carro chutando a brita. Os repórteres o cercavam e o piloto não tirou o capacete até entrar no motorhome da Ferrari.

 

Abandono de Vettel: Tristeza dos ferraristas, alegria dos fãs de Max

 

O safety car foi acionado. Os carros da Williams também tiveram problemas e ambos abandonaram. Após o safety car, Bottas perdeu a liderança para Hamilton e a equipe lhe deu a ordem para manter o 2º lugar. No final, Fernando Alonso (McLaren) também abandonou.

 

Bottas teve de segurar Raikkonen nas últimas voltas

 

A corrida terminou com a vitória de Lewis Hamilton, seguido por Valtteri Bottas e Kimi Raikkonen. Não foi uma prova emocionante e a chuva que caiu no final não mudou muito o cenário. A Mercedes, no entanto, tem muito o que comemorar, pois Hamilton agora lidera com a vantagem de 17 pontos.

 

Pódio da corrida

 

Notas

Corrida: 7 (sem ação e narração ruim)

Pilotos:

  1. Lewis Hamilton: 10 (excelente recuperação e prova bem-feita)
  2. Valtteri Bottas: 9 (se manteve longe de problemas e fez uma boa corrida)
  3. Kimi Raikkonen: 9 (sobreviveu ao “Sebastian is faster than you” e ainda chegou no pódio; nada mal)
  4. Max Verstappen: 8,5 (tentou bastante, se manteve bem e agora está a um ponto do companheiro)
  5. Nico Hülkenberg: 8 (resultado muito bom)
  6. Romain Grosjean: 8 (idem acima)
  7. Sergio Perez: 6 (bom resultado, mas rodou e jogou terra na pista; manobra arriscada)
  8. Esteban Ocon: 6 (sofreu muito, mas chegou na zona de pontuação)
  9. Marcus Ericsson: 5,5 (melhorou muito desde o ano passado)
  10. Brendon Hartley: 5,5 (idem acima)
  11. Kevin Magnussen: 4 (só vi ele apanhando de todo mundo)
  12. Carlos Sainz Jr.: 3 (ultrapassou durante o safety car e perdeu a oportunidade de ter um bom resultado com a punição de 10 segundos)
  13. Stoffel Vandoorne: 2 (performance muito ruim)
  14. Pierre Gasly: 2 (largou em último por causa da troca de motor e não conseguiu recuperar o prejuízo)
  15. Charles Leclerc: 1 (o piloto mais superestimado do mundo tem mais uma performance medíocre)

Abandonaram

  1. Fernando Alonso: 6 (estava fazendo uma boa prova)
  2. Lance Stroll: 6 (o dia 9 de Av não é auspicioso para corridas)
  3. Sebastian Vettel: 9 (ótima performance que terminou no MURO)
  4. Sergey Sirotkin: 2 (performance ruim, como sempre)
  5. Daniel Ricciardo: 8 (estava indo bem, mas o motor o abandonou)
6 respostas
  1. Fernando
    Fernando says:

    Gosto de Fórmula 1, porém precisamos de outros pilotos competitivos, sempre os mesmos… tem que ter mais equilíbrio entre as equipes.

    Responder
  2. Régis Fernandes
    Régis Fernandes says:

    Olá, Rebeca. Estou adorando visitar seu site. Vamos lá! Sobre o GP da Alemanha, em especial, tenho minhas considerações. Sou, declaradamente, torcedor do Lewis Hamilton. Não é a toa, é claro. Hamilton se espelhou em, nada mais nada menos, que nosso grande Ayrton. Sim, Ayrton Senna do Brasil, como narrava Galvão em cada vitória do tri campeão, que não foram poucas. Sua reverência ao maior piloto de F-1 de todos tempos é notória, inclusive a McLaren permitiu que ele pilotasse a MP/4 de Ayrton (disponível no Youtube). Hamilton vai às lágrimas quando seu ídolo é o assunto. Seu capacete tem uma tarja amarela em homenagem ao nosso eterno campeão. Hamilton, ao bater o record de pole positions de Senna, ganhou da família Senna um capacete utilizado por Ayrton. Ok, já deu pra perceber minha admiração pelo inglês. Mas por que tudo isso? Porque tenho plena convicção de que Hamilton, Alonso, Kimi e Max, este último apesar de ser muito jovem, são os únicos que carregam consigo o verdadeiro espírito de “batalha” nas pistas. Vettel tem seus méritos, mas é o tipo de piloto que se dá bem quando não há ninguém a sua frente. Isso por que ele ele comete um erro simples: ele bate. Vettel me parece não ter a paciência e a precisão cirúrgica de Hamilton. Não faz ultrapassagens emocionantes, e quando tenta, bate. Quando vão ultrapassá-lo e o espaço é pouco, ele bate. E o pior de tudo: ele reclama incessantemente. Reclama que o carro da frente está lento. Oras, se está lento, ultrapasse-o. Mas ele prefere dar chilique no rádio. Nesse GP, ele ia muito bem, mas choveu. E como ele corre bem quando corre sozinho, no seco, com equipamento superior e sem ninguém pra incomodar, ele bateu. Max tem o espírito, mas ainda está aprendendo a dominar seus instintos. Enquanto isso, esperamos mais maturidade e um carro mais competitivo. Agora o líder do campeonato é o que eu tenho de maior referência na atualidade ao recordar de Senna. Ele tem garra, tem força de campeão. Ele conduziu a flecha de prata com precisão, na ponta dos dedos, e ganhou merecidamente. Não cometeu erros e foi um rei na chuva. Finalizo com minha torcida: Iiiiiiiiiiiiiiiiit´s HAMMER TIME!

    Responder
    • Rebeca Pinheiro
      Rebeca Pinheiro says:

      Com certeza Hamilton é um dos grandes nomes da Fórmula 1. Também, desde muito novinho ele já deixava adultos no chinelo (você já viu o meu artigo sobre o Hamilton? https://theracingtrack.com/lewis-hamilton/).
      Eu nunca vou me esquecer da torcida do Max comemorando a batida do Vettel. É um bom piloto, mas de pavio muito curto. Bom, Max também tem, mas ele demonstrou o talento de um campeão com tão pouca idade, que ele acaba roubando a cena (sem Max e Lewis, as corridas não têm graça, a meu ver).
      Hamilton é muito prudente. Esse é um dos fatores que o ajuda a estar no topo de praticamente todas as corridas que ele participa. Também tenho uma simpatia por ele, é um dos pilotos favoritos da minha mãe.
      Obrigada pelo comentário! 🙂

      Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *