Análise do Grande Prêmio da Estíria de 2021 | 2021 Styrian Grand Prix Analysis

O Grande Prêmio da Estíria de 2021 ocorreu no dia 27 de junho. Pelo segundo ano consecutivo, a Fórmula 1 decidiu realizar uma corrida extra no Red Bull Ring (palco do Grande Prêmio da Áustria) para compensar as provas canceladas devido à pandemia de Covid-19.

Max Verstappen (Red Bull) largou da pole position, ao lado de Lewis Hamilton (Mercedes). Pelo resultado dos treinos classificatórios, Valtteri Bottas (Mercedes) teria largado na segunda posição. Porém, sua rodada no pit lane durante a segunda sessão de treinos livres lhe rendeu uma punição de três lugares. Lando Norris (McLaren) e Sergio Pérez (Red Bull) completaram a segunda fila. Verstappen começou a prova bloqueando qualquer possibilidade de ataque de Hamilton. Pérez e Norris disputaram a terceira posição. Lance Stroll (Aston Martin) ultrapassou dois adversários de uma vez, Fernando Alonso (Alpine) e Yuki Tsunoda (AlphaTauri), e chegou ao sexto lugar após um incidente entre Pierre Gasly (AlphaTauri) e Charles Leclerc (Ferrari). O francês tocou o monegasco e foi parar no fim do grid, onde se chocou com Antonio Giovinazzi (Alfa Romeo) e fez com que Nicholas Latifi (Williams) saísse temporariamente da pista. Por causa do incidente com Gasly, Leclerc foi obrigado a fazer um pit stop. Muitos acreditavam que a corrida estava acabada para o monegasco, mas ele continuou firme em sua luta pelos pontos.

Pouco depois, Pérez conseguiu superar Norris, tendo antes pedido mais potência à equipe. Bottas aos poucos se aproximou e entrou na briga pelo pódio. Outro piloto que teve destaque foi George Russell (Williams), que estava no oitavo lugar, seguido por Tsunoda. O inglês se mantia firme na zona de pontuação até fazer seu pit stop, que o colocou no 18º lugar. Enquanto isso, Leclerc enfrentava vários adversários e ficava cada vez mais próximo do décimo lugar. Mais uma vez houve um toque entre os pilotos da Haas, Mick Schumacher e Nikita Mazepin. Russell foi forçado a abandonar a corrida algumas voltas depois.

A Mercedes buscou um undercut e trocou os pneus de seus pilotos antes da Red Bull chamar Verstappen aos boxes. Pelos gráficos, os pneus de Hamilton estavam menos desgastados que os do holandês. No entanto, Verstappen conseguiu voltar à frente de Hamilton. O piloto da Red Bull chegou a relatar problemas nos freios, mas em nenhum momento da corrida isso apreceu ter efeito sobre seu desempenho. Verstappen abria vantagens cada vez maiores sobre Hamilton, que não via esperança de vitória.

A Ferrari passou a mostrar mais força perto das 15 voltas para o fim. Carlos Sainz Jr. conseguiu passar Stroll, e Leclerc iniciou uma série de ultrapassagens. Seu primeiro adversário foi Kimi Raikkonen (Alfa Romeo), depois desbancou Sebastian Vettel (Aston Martin), e superou Tsunoda, Alonso e Stroll. Depois Raikkonen ultrapassou Vettel, enquanto Leclerc mostrava que não importa como a corrida começa e sim como termina.

Nas últimas voltas, Hamilton trocou os pneus para tentar a volta mais rápida. A Red Bull havia tentado antes com Pérez, que estava muito à frente de Norris e não teria sua posição ameaçada. Hamilton foi bem sucedido, buscando o ponto extra para se manter firme na disputa pelo título. As previsões indicavam que Pérez conseguiria ultrapassar Bottas, mas o finlandês terminou a corrida com uma vantagem de meio segundo para o mexicano.

Max Verstappen foi o vencedor, com Lewis Hamilton em segundo e Valtteri Bottas em terceiro. Tal como foi no Grande Prêmio de Abu Dhabi de 2020, a vitória de Verstappen foi bem simples, partindo da pole e se mantendo na liderança até o fim. Corridas em que o holandês conquista a vitória em cima de muitas disputas são, obviamente, mais emocionantes. No entanto, o Grande Prêmio da Estíria de 2021 não foi uma corrida completamente monótona. O desempenho de Charles Leclerc foi digno de elogios, lembrando o que houve com Sergio Pérez no Grande Prêmio do Bahrein do mesmo ano. Ainda que ultimamente a mídia tenha ignorado o jovem monegasco nos últimos tempos, motivada pelo desempenho da Ferrari abaixo do esperado, Leclerc prova que é um piloto destemido e corajoso. Afinal, palavras podem até melhorar ou piorar a reputação de alguém, mas o talento é provado com a performance e os resultados, e isso só a pista pode revelar.

Não é à toa que o apelido de Leclerc é Cinderela: as coisas podem começar mal, mas depois ele dá um baile.

Notas

Corrida: 8

Pilotos

  1. Max Verstappen: 9,5
  2. Lewis Hamilton: 9
  3. Valtteri Bottas: 8,5
  4. Sergio Pérez: 9
  5. Lando Norris: 8
  6. Carlos Sainz Jr.: 8
  7. Charles Leclerc: 10
  8. Lance Stroll: 9
  9. Fernando Alonso: 8
  10. Yuki Tsunoda: 8
  11. Kimi Raikkonen: 7
  12. Sebastian Vettel: 6
  13. Daniel Ricciardo: 6
  14. Esteban Ocon: 4
  15. Antonio Giovinazzi: 4
  16. Mick Schumacher: 3
  17. Nicholas Latifi: 3
  18. Nikita Mazepin: 3

 

Abandonaram:

  1. George Russell
  2. Pierre Gasly

Piloto do Dia (escolhido pelo público): Charles Leclerc

Melhor piloto: Charles Leclerc

Pior piloto: Pierre Gasly

2 respostas
  1. Elizete
    Elizete says:

    Gostei da corrida. Muitas disputas em várias posições. O prêmio de piloto do dia para Leclerc foi muito merecido, só falta um bom carro para ele. “Chamem o Arrivabene para chefe de equipe novamente”.

    Responder
    • Rebeca Pinheiro
      Rebeca Pinheiro says:

      Com certeza! Conversei com uns amigos italianos e eles também acham que o Arrivabene era um chefe de equipe bem melhor que o Binotto, pois Arrivabene tinha comando. E o Leclerc mandou muito bem, superou todos os problemas. Obrigada pelo comentário 🙂

      Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *