A Demissão de Sebastian Vettel: Justiça ou Injustiça?

No dia 12 de maio de 2020, a Escuderia Ferrari anunciou que o contrato do piloto alemão Sebastian Vettel não seria renovado. A decisão chocou a imprensa e os torcedores, já que o desempenho de Vettel nos últimos anos se destacou por duas principais características: suas disputas pelo título em 2017 e 2018 e seus acidentes constantes. Em 2019, o alemão ficou atrás de seu companheiro, o monegasco Charles Leclerc, nos resultados finais, sendo que Leclerc estava em seu segundo ano de carreira e primeiro com a equipe de Maranello.

Durante a temporada de 2018, alguns torcedores chegaram a cogitar que uma aposentadoria do alemão seria mais indicado para ele. Outros usavam o passado glorioso de Vettel como tetracampeão para justificar sua permanência na Fórmula 1. Então, afinal, a decisão da Ferrari foi justa ou injusta? Para responder a essa dúvida, vamos fazer um retrospecto da carreira de Sebastian Vettel e avaliar se seu desempenho era digno dos investimentos da Ferrari.

 

1- O começo: um jovem talento ingressa na Fórmula 1

 

Sebastian Vettel estreou na Fórmula 1 no Grande Prêmio dos Estados Unidos de 2007 pela Sauber, substituindo o polonês Robert Kubica, que havia sofrido um grave acidente na etapa anterior, no Canadá. Vettel chegou em oitavo lugar, o último da zona de pontuação da época, marcando um ponto. No mesmo ano, foi contratado pela Toro Rosso para continuar a temporada a partir do Grande Prêmio da Hungria. Sua segunda e última pontuação em 2007 foi um quarto lugar no Grande Prêmio da China. Terminou o campeonato no 14º lugar, com seis pontos.

A partir de 2008 a estrela de Vettel começou a brilhar mais. Pontuando em nove corridas, o alemão teve uma vitória triunfante no Grande Prêmio da Itália, sendo a primeira vez que um piloto da Toro Rosso vencia uma corrida. Nessa mesma etapa, quebrou dois recordes: “mais jovem piloto a obter uma pole position” e “mais jovem piloto a vencer largando da pole position”. Terminou 2008 no oitavo lugar do campeonato, com 35 pontos.

 

Primeira vitória de Sebastian Vettel, no Grande Prêmio da Itália de 2008. (Foto: MAXF1.net) [1]

 

2- Juntando-se à Red Bull: o ápice e a queda

 

Em 2009, Vettel foi contratado pela equipe Red Bull Racing. Quebrou mais dois recordes: “mais jovem piloto a fazer um hat-trick” (pole position, vitória e volta mais rápida) e “mais jovem vice-campeão”. Com quatro vitórias, oito pódios e mais quatro pontuações, fez 84 pontos, 11 a menos que o campeão Jenson Button, da Brawn. Seus resultados foram tão impressionantes que ele se tornou a aposta da Red Bull para a disputa pelo título.

Correndo ao lado do australiano Mark Webber, seu companheiro desde seu primeiro ano na equipe austríaca, Sebastian Vettel se consagrou campeão por quatro anos consecutivos. Em 2010, com cinco vitórias, 10 pódios e mais cinco pontuações, marcou 256 pontos e garantiu o primeiro título de um piloto da Red Bull. Em 2011, conquistou 392 pontos, resultantes de 11 vitórias, 17 pódios e mais uma pontuação. No ano seguinte, teve 281 pontos, cinco vitórias, 10 pódios e mais sete pontuações. Seu último título foi conquistado em 2013, com 13 vitórias, 16 pódios e mais duas pontuações. O tetracampeonato de Vettel significou duas coisas para a Red Bull: o departamento de engenharia acertou no desenvolvimento de seu motor turbo e a equipe tinha em mãos um dos pilotos mais talentosos da história do esporte.

 

Vitória de Sebastian Vettel no Grande Prêmio da Alemanha de 2013. (Foto: Motor Authority) [2]

 

Nos anos de seu tetracampeonato, Vettel quebrou nove recordes que mantém até hoje. Em 2010 quebrou o de “mais jovem campeão”, aos 23 anos. Em 2011, quebrou os de “mais chegadas ao pódio em uma temporada” (17 no total), “mais pole positions em uma temporada” (15 no total), “mais voltas lideradas em uma temporada” (739 no total), “mais vitórias partindo da pole position em uma temporada” (nove ao todo) e de “mais jovem piloto a fazer um grand slam” (pole position, vitória, volta mais rápida e liderança em todas as voltas). Em 2013, quebrou os recordes de “mais vitórias consecutivas” (nove no total), “mais grand slams consecutivos” (totalizando dois), e “mais vitórias em uma temporada” (totalizando 13). Vettel ainda conseguiu mais três recordes, “mais jovem a liderar pelo menos uma volta”, “mais jovem a conseguir um pódio” e “mais jovem a vencer um grande prêmio”, mas estes foram superados anos depois por Max Verstappen. Com estes feitos, Vettel foi considerado o maior vencedor da era turbo da Fórmula 1.

 

Com a Red Bull, Sebastian Vettel conseguiu quatro campeonatos e nove recordes mantidos até hoje. (Foto: Sports Mole) [3]

 

Mas em 2014, a situação mudou drasticamente. Com a saída de Mark Webber, a equipe escolheu o também australiano Daniel Ricciardo para substitui-lo como companheiro de Vettel. Se antes o domínio do alemão era certeiro, ele passou a ser preterido pela equipe em favor do novo companheiro. O carro de Vettel em 2014 tinha pouca potência para atingir os resultados dos anos anteriores, provocando quatro abandonos. Em contrapartida, o de Ricciardo desfrutava de perfeitas condições, permitindo inclusive sua primeira vitória, no Grande Prêmio do Canadá. Conseguindo apenas quatro pódios e mais 12 chegadas à zona de pontuação, Vettel terminou o ano no quinto lugar do campeonato, com 167 pontos. Ricciardo ficou em terceiro lugar, com 238 pontos. No mesmo ano que a Red Bull resolveu dar preferência a um novo piloto, a equipe perdeu a liderança na Fórmula 1, e o título de Lewis Hamilton (segundo da carreira) começou o domínio da Mercedes, que dura até hoje.

 

A preferência da Red Bull por Daniel Ricciardo não só prejudicou a temporada de 2014 de Sebastian Vettel, como permitiu que a Mercedes fosse a nova equipe dominante. (Foto: Marca) [4]

 

3- Ida à Ferrari: bom negócio?

 

Vendo a decepção de Vettel com a Red Bull, a Ferrari lhe fez uma proposta para se juntar ao time italiano no lugar do espanhol Fernando Alonso. A escuderia sediada em Maranello estava desde 2007 sem ganhar o campeonato de pilotos e desde 2008 sem ganhar o de construtoras. Descontentes com o fracasso de Alonso, os dirigentes da Ferrari apostavam no jovem tetracampeão para trazer de volta os tempos de glória da equipe.

O contrato de Vettel com a Red Bull terminaria no final de 2015, mas a Ferrari pagou sua rescisão para tê-lo em seu time. Correndo ao lado do finlandês Kimi Räikkönen, último campeão pela escuderia italiana, o alemão voltou ao top-3 dos pilotos. Conquistando três vitórias, 13 pódios e mais quatro pontuações, terminou o ano no terceiro lugar do ranking, com 278 pontos, 44 a menos que o vice-campeão Nico Rosberg e 103 a menos que o campeão Lewis Hamilton (ambos da Mercedes). Embora sem conseguir outro título, a posição em 2015 foi um alívio para Vettel, pois estava em um carro mais competitivo, sendo a prioridade da equipe, e estava mais perto de competir pelo troféu de campeão.

 

Com a Ferrari, Sebastian Vettel recuperou as chances de lutar pelo título. (Foto: O Globo) [5]

 

Mas em 2016, o destino trouxe mais um grande rival: Max Verstappen. O holandês havia estreado pela Toro Rosso em 2015, e no ano seguinte foi promovido para a Red Bull no lugar do russo Daniil Kyvat (demitido pelo fraco desempenho e seus acidentes constantes, inclusive prejudicando Vettel, como no Grande Prêmio da Rússia). Verstappen tinha as mesmas características do piloto alemão: era jovem, destemido, arrojado, corajoso e não tinha medo de correr riscos. Responsável por quebrar três recordes que pertenciam a Vettel, o holandês travou intensas disputas com o piloto da Ferrari. As mais emblemáticas foram as disputas pelo pódio do Grande Prêmio do México e pelo quinto lugar do Grande Prêmio do Brasil (o qual Verstappen terminou em terceiro lugar). O jovem quase superou Vettel no campeonato, ficando a apenas oito pontos do alemão, que terminou o ano no quarto lugar do ranking, com 212 pontos.

Em 2017, Vettel voltou a se destacar, iniciando o campeonato com uma vitória no Grande Prêmio da Austrália. A disputa pelo título com Hamilton se manteve equilibrada por 13 corridas, com o alemão levando uma certa vantagem. Porém, no Grande Prêmio de Singapura, a ânsia da Ferrari por vitória acabou prejudicando seu piloto principal. Largando da pole position, ao lado de Max Verstappen, Vettel e Räikkönen fecharam o holandês o que provocou uma batida tripla. Os três pilotos tiveram que abandonar a prova e a vitória caiu no colo de Hamilton. Com a liderança do britânico, Vettel precisava vencer o Grande Prêmio do México e torcer para que Hamilton chegasse no máximo em nono lugar para se firmar campeão. Porém, mais uma disputa com Verstappen frustra os planos do alemão. O holandês lhe tomou a liderança e os dois tiveram um toque. Enquanto Verstappen continuou normalmente, Vettel acabou se chocando com Hamilton e os dois foram para os últimos lugares. O piloto da Ferrari terminou a prova em quarto lugar, já o inglês cruzou a linha de chegada em nono, garantindo o título daquele ano. Vencendo pela última vez no Grande Prêmio do Brasil, Vettel encerrou 2017 como vice-campeão, com 317 pontos resultantes de cinco vitórias, 12 pódios e mais cinco pontuações.

 

Acidente no Grande Prêmio de Singapura de 2017 envolvendo Sebastian Vettel, Kimi Räikkönen e Max Verstappen. (Foto: Busy.org) [6]

 

O ano de 2018 foi semelhante ao anterior. Vettel começou o campeonato com duas vitórias consecutivas (na Austrália e no Bahrein). Porém, a partir do Grande Prêmio da China, no qual teve um toque com Verstappen que o levou para o oitavo lugar, sua sorte começou a mudar. Naquele ano, Vettel se envolveu em uma série de acidentes que lhe custaram pontos preciosos para disputar o título. No Grande Prêmio da França, colidiu com o finlandês Valtteri Bottas, já no da Alemanha, apesar da equipe facilitar seu trabalho, ordenando ao companheiro Räikkönen que lhe cedesse a liderança, bateu no muro e abandonou a prova. No Grande Prêmio do Japão, arriscou a sorte em uma briga com Verstappen que o fez deixar momentaneamente a pista, terminando a corrida no sexto lugar. Ao todo, Vettel teve cinco vitórias, 12 pódios e mais oito pontuações em 2018, firmando-se vice-campeão mais uma vez, com 320 pontos.

Em 2019, Kimi Räikkönen foi substituído por Charles Leclerc. Apesar de muitos jornalistas e torcedores especularem que o novo piloto traria uma ameaça a Vettel, velhos conhecedores da Ferrari já sabiam que a equipe priorizaria o alemão e fariam do monegasco seu escudeiro (tal como fez com Rubens Barrichello e Felipe Massa no passado). Logo na primeira corrida do ano, na Austrália, apesar do carro de Leclerc ter um rendimento melhor, a Ferrari não permitiu que ele ultrapassasse Vettel (o mesmo ocorreu duas etapas depois, na China). Por essa razão, Leclerc ganhou o apelido de “Cinderela”. No entanto, Vettel não justificou a predileção de sua equipe por ele em 2019: só conseguiu uma vitória, em Singapura, que ainda lhe rendeu a polêmica acusação de ser ajudado pela Ferrari (que trocou seus pneus antes dos de Leclerc), além de oito pódios e mais sete pontuações. A principal marca de Vettel em 2019 foram seus acidentes, notadamente a batida com Hamilton no Grande Prêmio do Canadá, a colisão proposital com Verstappen no Grande Prêmio da Grã-Bretanha, com Lance Stroll no Grande Prêmio da Itália, e com Leclerc no Grande Prêmio do Brasil. No segundo e terceiro casos, Vettel apenas ficou entre as últimas posições, inclusive levando punição, já no último causou um duplo abandono ferrarista que alarmou a equipe. Terminando o ano no quinto lugar, com 240 pontos, Vettel ficou uma posição e 24 pontos atrás do companheiro.

 

4- De herói a zerói: qual foi o erro de Sebastian Vettel?

 

Conquistar um título na Fórmula 1 não é uma tarefa fácil. Os especialistas são praticamente unânimes em dizer que a chave para o sucesso no automobilismo é a soma do talento do piloto com o bom desempenho do carro. De nada adianta um carro potente se o piloto não tem garra para levá-lo ao título (Valtteri Bottas é um exemplo), assim como não adianta o piloto ser talentoso se o desempenho do carro não corresponde (Max Verstappen é um exemplo). As conquistas de Vettel (recordes, vitórias e títulos) provam seu talento. Ferrari e Red Bull são consideradas equipes de ponta (apesar de ultimamente o time austríaco estar bem diferente do que era na época que o alemão era seu piloto principal). Então como explicar tamanha queda em tão pouco tempo?

A resposta é simples: autocontrole. Este é um ingrediente importante na receita de um campeão. Um grande exemplo de como isso funciona é o Grande Prêmio da Malásia de 2017. Lewis Hamilton disputava o título com Vettel e havia largado da pole position. Porém, um Verstappen cheio de fúria lutava pela liderança. Hamilton preferiu não oferecer muita resistência, pois preferia garantir um segundo lugar, manter uma série constante de pontuações e firmar o título do que disputar a vitória e arriscar um acidente, dando chances para seu concorrente superá-lo. Vettel não pensa da mesma maneira. O alemão é deveras impulsivo e arrisca até o último segundo, provocando acidentes desnecessários e perdendo pontos significativos. Quando esta disputa acontece com outro piloto impulsivo, como Verstappen, o estrago é ainda maior. Quem sabe o campeonato de 2017 não teria terminado de outro jeito se Vettel e Räikkönen não tivessem armado aquele fechamento em cima de Verstappen para tentar assustá-lo?

 

Batida de Sebastian Vettel no Grande Prêmio da Alemanha de 2018. Erros bobos lhe custaram a chance de vencer mais três títulos. (Foto: Goodwood) [7]

 

A estratégia também é importante para se vencer um jogo. Fórmula 1 é um esporte coletivo, que depende da interação entre o piloto e sua equipe (esta dividida em seus vários departamentos e funcionários, como engenheiros, mecânicos, estrategistas, entre outros). Arrojo e coragem são sim fatores relevantes para uma carreira bem sucedida, mas até mesmo em situações extremas, como numa disputa de posições, é preciso pensar bem antes de agir. Uma boa estratégia seria reunir a equipe antes das corridas para discutir como proceder em situações hipotéticas e colocar em prática o que foi discutido antes.

O erro principal de Sebastian Vettel foi deixar suas emoções tomarem conta da razão. Acidentes como o dos Grandes Prêmios da Grã-Bretanha e do Brasil de 2019 foram nitidamente resultados da raiva do piloto por ser ultrapassado por seus rivais (respectivamente Verstappen e Leclerc). Vettel deveria seguir o exemplo da prudência de Hamilton se quiser voltar a ganhar títulos.

 

5- Conclusão

 

A Ferrari percebeu que não vale mais a pena gastar seus investimentos em um piloto que, apesar de talentoso, sempre mete os pés pelas mãos. É provável que Charles Leclerc seja a nova aposta do time, que contratará outro piloto para ser seu escudeiro (fontes especulam sobre o nome de Carlos Sainz Jr.). Sebastian Vettel, por sua vez, tem dois caminhos possíveis: ou a aposentadoria, ou uma equipe mais fraca (embora Toto Wolff já tenha mostrado certo interesse por ele na Mercedes, mas não se sabe se Vettel aceitaria ser companheiro de Lewis Hamilton). A dispensa do tetracampeão foi resultado de sua impulsividade, que mais o atrapalhou do que ajudou. No entanto, não seria justo ignorar os feitos de Vettel, que deixou seu legado na Fórmula 1 como um piloto arrojado e destemido, que traduziu sua coragem em quatro títulos. A lição mais importante que ele deixa para os novos talentos no esporte é a de que vale muito mais a pena pensar antes de agir do que arriscar tudo, pois você pode perder a última chance de brilhar.

 

Fontes

 

 

Fotos

Obs.: Nenhuma das fotos inseridas neste artigo pertence a mim. Este site possui fins informativos, não comerciais. Abaixo estão indicados os links de onde tirei as fotos. Todos os direitos reservados.

5 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *