Sabia Disso? 2

Análise Grande Prêmio do Brasil de 2019 | 2019 Brazilian Grand Prix Analysis

Ocorrido no dia 17 de novembro, o Grande Prêmio do Brasil de 2019 foi uma corrida enérgica e emocionante. Abandonos imprevisíveis e lutas impressionantes marcaram a penúltima etapa do ano, no Autódromo José Carlos Pace, no bairro de Interlagos, zona sul de São Paulo.

Max Verstappen (Red Bull) largou da pole position, dividindo a primeira fila com Sebastian Vettel (Ferrari). Pouco depois da largada, Lewis Hamilton (Mercedes) ultrapassou o alemão e começou a caça ao holandês. O companheiro de Vettel. Charles Leclerc, largou em 14º após levar uma punição, porém em poucas voltas chegou ao sexto lugar. Também no começo da prova, Daniel Ricciardo (Renault) e Kevin Magnussen (Haas) se chocaram, levando o dinamarquês a sair da pista e o ítalo-australiano a trocar a asa dianteira. Ricciardo foi punido com 5 segundos pela colisão.

A Mercedes chamou Hamilton para os boxes para tentar um undercut em Verstappen, porém trocou os pneus macios por outros do mesmo tipo. A Red Bull reagiu e chamou Max para a troca de pneus na volta seguinte, também trocando os pneus macios por outros macios. Com isso, tanto Lewis quanto Verstappen seriam obrigados a fazer mais uma troca para usar dois tipos diferentes de pneus. Max voltou à frente (mesmo com Robert Kubica, da Williams, atrapalhando sua saída dos boxes) e conseguiu recuperar a liderança após as paradas de Vettel e Valtteri Bottas (Mercedes). Os líderes algumas voltas mais tarde trocaram seus pneus macios por médios. Kubica foi punido com 5 segundos pela “gracinha”.

Algum tempo depois, Bottas começou a perseguir Leclerc. O carro da Mercedes se aproximava bem da Ferrari, mas não conseguia ultrapassá-la. O motor de Bottas começou a fumar e o finlandês parou seu carro perto da saída dos boxes. O safety car foi chamado e Verstappen foi para os boxes trocar seus pneus médios por macios, tornando Lewis novamente o líder da prova. No entanto, após a saída do safety car, Max o ultrapassou e retomou o primeiro lugar. Em seguida, Alexander Albon (Red Bull) conseguiu bloquear um ataque de Vettel. Pouco tempo depois, Leclerc tentou ultrapassar o companheiro, mas Sebastian não deu muito espaço para Charles. Os dois acabaram batendo, causando um duplo abandono da equipe. Lance Stroll (Racing Point) acabou passando por cima de um pedaço das Ferraris e foi obrigado a deixar a prova. Esse foi o primeiro abandono do piloto indígena desde o Grande Prêmio da Espanha de 2019.

Com Verstappen na liderança, houve uma briga entre Albon e Hamilton que fez com que o tailandês virasse o carro e fosse para o fim do grid. Com isso, o beneficiado foi Pierre Gasly (Toro Rosso), que assumiu o segundo lugar. Os comissários (sempre eles) decidiram analisar o incidente após o fim da corrida. Nico Hülkenberg (Renault) foi penalizado com 5 segundos por ultrapassar Magnussen antes da re-largada.

Max Verstappen foi o grande vencedor, com Pierre Gasly em segundo e Lewis Hamilton em terceiro. Com certeza, o Grande Prêmio do Brasil de 2019 foi melhor do que a edição do ano anterior, arruinada pelo infame piloto sem talento Esteban Ocon. Max sai vitorioso, com uma corrida vencida por seu talento e arrojo. Como recompensa, recebeu um troféu que homenageia Ayrton Senna. Hamilton pode até ser o campeão e ser lembrado como um fã de Senna, mas se a alma de Ayrton já reencarnou, muito provavelmente ela está agora no corpo de Verstappen.  

Atualização: Hamilton foi punido com 5 segundos pela colisão com Albon. Com isso, Sainz herda o pódio.

Max Verstappen: a reencarnação de Ayrton Senna

Notas  

Corrida: 10

Pilotos

  1. Max Verstappen: 10
  2. Pierre Gasly: 7
  3. Carlos Sainz Jr.: 9
  4. Kimi Raikkonen.: 9
  5. Antonio Giovinazzi: 9
  6. Daniel Ricciardo: 9
  7. Lewis Hamilton: 8
  8. Lando Norris: 5
  9. Sergio Pérez: 9
  10. Daniil Kvyat: 7
  11. Kevin Magnussen: 6
  12. George Russel: 2
  13. Romain Grosjean: 3
  14. Alexander Albon: 9
  15. Nico Hülkenberg: 5
  16. Robert Kubica: 0

  Abandonaram:

  1. Sebastian Vettel
  2. Charles Leclerc
  3. Lance Stroll
  4. Valtteri Bottas

 Driver of the Day (escolhido pelo público): Max Verstappen

Melhor piloto: Max Verstappen

Pior piloto: Robert Kubica (graças a Deus sai da Fórmula 1 ano que vem!!!)

Análise Grande Prêmio dos Estados Unidos de 2019 | 2019 United Stades Grand Prix Analysis

Ocorrido no dia 3 de novembro, o Grande Prêmio dos Estados Unidos coroou Lewis Hamilton como hexacampeão mundial de Fórmula 1. Num fim de semana com certo equilíbrio de forças entre a Mercedes e a Red Bull, a Ferrari acabou saindo derrotada e o inglês se tornou o segundo maior campeão da história do esporte.

Valtteri Bottas (Mercedes) foi o pole position, largando ao lado de Sebastian Vettel (Ferrari). Max Verstappen (Red Bull), Charles Leclerc (Ferrari), Lewis Hamilton (Mercedes) e Alexander Albon (Red Bull) vinham logo atrás. Após a largada, Vettel perdeu sua posição para Verstappen e Hamilton ultrapassou a dupla ferrarista. Carlos Sainz Jr. (McLaren) se chocou contra Albon e causou danos ao carro do tailandês, que teve que fazer um pit stop mais cedo. Porém, a garra e determinação de Albon fez com que ele recuperasse as posições bem rápido.

Verstappen, que quase passou Bottas ainda na largada, se mantinha em segundo e Hamilton diminuía a diferença em relação ao holandês. Vettel, por outro lado, havia caído do segundo para o sétimo lugar e estava à caça de Daniel Ricciardo (Renault) e Lando Norris (McLaren). Para infortúnio do alemão, a passagem pela zebra da curva 8 quebrou sua suspensão traseira, deixou uma das rodas soltas e o piloto foi o primeiro a se retirar da corrida. Sergio Pérez (Racing Point) havia largado dos boxes devido a uma punição e conseguiu fazer uma boa prova ao lado de seu companheiro Lance Stroll. O piloto indígena canadense havia feito um pit stop mais cedo do que os demais por ter sido obrigado a sair do traçado e evitar uma colisão com pilotos do fundo do grid.

O meio da prova foi um tanto monótono, sem grandes surpresas. Verstappen acabou indo para os boxes antes dos piloto da Mercedes, fazendo a equipe alemã chamar Bottas para a troca de pneus antes. Leclerc teve outro pit stop desastroso, levando 7.7 segundos (a média da Ferrari é 2.5). O monegasco chegou a ficar longas distâncias atrás dos três primeiros colocados. Pouco tempo depois, Robert Kubica (Williams) foi obrigado a abandonar a corrida também.

Muito se especulava sobre a estratégia da Mercedes (se ela deixaria a vitória para Bottas ou Hamilton). Enquanto isso, Pérez e Stroll lutavam por pontos para passar a Toro Rosso no ranking das construtoras, duelando com o piloto russo dessa escuderia, Daniil Kvyat. No entanto, o segundo pit stop de Stroll fez ele perder muitas posições e ele não conseguiu recuperar o ritmo. No entanto, a Toro Rosso falhou com seus pilotos: Kvyat foi ultrapassado depois por Nico Hülkenberg (Renault) e por Kimi Raikkonen (Alpha Romeo), enquanto que o pit stop demorado de Pierre Gasly levou o francês a ficar atrás de pilotos como Antonio Giovinazzi (Alpha Romeo) e Romain Grosjean (Haas). Enquanto isso, Albon superava Sainz, Norris e Ricciardo, fazendo ultrapassagens espetaculares. Ele só não conseguiu chegar mais próximo de Leclerc porque estava à mais de 20 segundos do tempo do monegasco. Perto do fim da prova, Kevin Magnussen (Haas) errou o percurso e acabou na caixa de brita, acionando a bandeira amarela e impedindo Verstappen de ultrapassar Hamilton.

Valtteri Bottas foi o vencedor, com Lewis Hamilton em segundo e Max Verstappen em terceiro. Com o resultado da prova, Hamilton se consagrou campeão com 381 pontos. A Mercedes dominou o ano de 2019 devido a muitos fatores. Dois pontos importantes de se notar são a briga interna da Ferrari que impediu a escuderia italiana de lutar por mais vitórias (a equipe deu muita proteção a Vettel, freou Leclerc no começo do ano, e o alemão não conseguiu ritmo para ameaçar Lewis como ocorreu em 2017 e 2018) e a falta de competitividade do carro da Red Bull, que impede que o super talentoso Max Verstappen se aproxime de Hamilton. No entanto, não se pode tirar o mérito de Lewis: o inglês é um dos pilotos mais sábios da Fórmula 1: toma cuidado para não se chocar com ninguém, sabe o momento certo de ultrapassar e é prudente em suas manobras. Se continuar assim, não tenho dúvida nenhuma de que ele quebrará os recordes de Michael Schumacher.  

Parabéns, Lewis!!!!!!

Quer saber mais sobre o hexacampeão mundial? Leia nosso artigo: https://theracingtrack.com/lewis-hamilton/  

Notas

Corrida: 4

Pilotos

  1. Valtteri Bottas: 8
  2. Lewis Hamilton: 8
  3. Max Verstappen: 9
  4. Charles Leclerc: 7
  5. Alexander Albon: 10
  6. Daniel Ricciardo: 8
  7. Lando Norris: 3
  8. Carlos Sainz Jr.: 4
  9. Nico Hülkenberg: 6
  10. Sergio Pérez: 8
  11. Kimi Raikkonen: 7
  12. Daniil Kvyat: 6
  13. Lance Stroll.: 6,5
  14. Antonio Giovinazzi: 5
  15. Romain Grosjean: 4
  16. Pierre Gasly: 4
  17. George Russel: 3

Abandonaram

  1. Kevin Magnussen
  2. Robert Kubica
  3. Sebastian Vettel

Driver of the Day (escolhido pelo público): Alexander Albon

Melhor piloto: Alexander Albon

Pior piloto: Lando Norris