Análise Grande Prêmio da Rússia de 2019 | 2019 Russian Grand Prix Analysis

Ocorrido no dia 29 de setembro, o Grande Prêmio da Rússia de 2019 trazia consigo um tabu: nenhuma outra equipe além da Mercedes venceu no Circuito de Sochi. Para a surpresa de muitos, a Ferrari conseguiu a pole position, porém a corrida teve um resultado surpreendente.

Charles Leclerc largou da pole ao lado de Lewis Hamilton (Mercedes). Pouco após a largada, Sebastian Vettel (Ferrari), que havia largado em terceiro lugar, assumiu a liderança da prova. Ainda no começo, Antonio Giovinazzi (Alpha Romeo) chocou-se contra Romain Grosjean (Haas) e Daniel Ricciardo (Renault). O francês abandonou a corrida e o safety car foi acionado. É importante lembrar também que Kimi Raikkonen (Alpha Romeo) foi punido com um drive-through após queimar a largada.

Max Verstappen (Red Bull), que havia se classificado em quarto mas foi obrigado a largar em nono devido a uma punição por troca de motor, tentava fazer uma boa prova de recuperação. Com muito esforço, ele conseguiu passar Sergio Pérez (Racing Point), Lando Norris (McLaren) e Carlos Sainz Jr. (McLaren). Seu companheiro Alexander Albon, que largou da linha dos boxes devido ao acidente no treino classificatório, conseguia boas ultrapassagens e se tornou um dos destaques da corrida.

Na frente do grid, Leclerc reclamava com a equipe sobre a estratégia adotada. Segundo o monegasco, ele havia sido obrigado pela equipe a deixar Vettel passá-lo na largada para bloquear um possível ataque de Hamilton, mas que sua posição seria devolvida em seguida. No entanto isso não aconteceu. Charles mais tarde quebraria sua promessa de não reclamar das estratégias.

A Ferrari chamou Leclerc para os boxes antes de Vettel, dando a entender que Charles seria a preferência da equipe, pois voltaria à frente quando o alemão trocasse os pneus. Porém, a Mercedes conseguiu uma boa vantagem e continuou à frente. Ricciardo sentiu os efeitos da colisão e foi obrigado a deixar a prova. Duas voltas depois, Vettel teve um problema na unidade de potência de seu motor (MGU-K) e abandonou a corrida. Pouco tempo depois, George Russell (Williams) bateu no muro e Robert Kubica (Williams) se retirou da corrida uma volta depois do companheiro.

Albon aproveitava tudo em seu carro para chegar ao Top-5. Ele sabia que Verstappen estava longe, mas isso não desanimou o tailandês, que fez excelentes ultrapassagens em cima de pilotos como Norris e Sainz. Por outro lado, o carro de Max não tinha um bom rendimento e ele não conseguia se aproximar de Leclerc, que lutava pelo segundo lugar com Valtteri Bottas (Mercedes). Charles só não conseguiu a ultrapassagem por causa de pequenos erros em curvas. Ao mesmo tempo, grandes batalhas se travavam no final do grid. Pierre Gasly (Toro Rosso) era ultrapassado por vários pilotos e quase bateu no muro em uma luta com o companheiro Daniil Kvyat. Kevin Magnussen (Haas) cortou um pedaço da pista ao tentar se proteger do ataque de Pérez e foi punido com 5 segundos.

Lewis Hamilton foi o vencedor da prova, com Valtteri Bottas em segundo e Charles Leclerc em terceiro. Muitos relembraram que no ano passado Bottas foi obrigado pela equipe a deixar Hamilton passar, e esse ano a Ferrari faz o mesmo com Leclerc e Vettel. O clima na Ferrari parece tenso: a escuderia italiana não ganha um campeonato de pilotos desde 2007 (e não ganha o de construtores desde 2008) e Leclerc não está aceitando bem essa ideia de ser escudeiro de Vettel por ter dado mais vitórias à equipe do que o alemão. Vettel também não aceita ser escudeiro do monegasco. A Ferrari prova nessa corrida que nem sempre é possível ensinar a uma velha raposa novos truques.

Veja a charge do dia no Instagram: https://www.instagram.com/p/B2_5EAunmY_/

Notas

Corrida: 8

Pilotos

  1. Lewis Hamilton: 9
  2. Valtteri Bottas: 8,5
  3. Charles Leclerc: 9
  4. Max Verstappen: 8
  5. Alexander Albon: 10
  6. Carlos Sainz Jr.: 7
  7. Sergio Pérez: 7
  8. Lando Norris: 7
  9. Kevin Magnussen: 6
  10. Nico Hülkenberg: 5
  11. Lance Stroll: 7
  12. Daniil Kvyat: 6,5
  13. Kimi Raikkonen: 5
  14. Pierre Gasly: 4
  15. Antonio Giovinazzi: 3

Abandonaram

  1. 16. Robert Kubica
  2. 17. George Russell
  3. 18. Sebastian Vettel
  4. 19. Daniel Ricciardo
  5. 20. Romain Grosjean

Driver of the Day (escolhido pelo público): Sebastian Vettel

Melhor piloto: Alexander Albon

Pior piloto: Antonio Giovinazzi

Análise Grande Prêmio de Singapura de 2019 | 2019 Singapore Grand Prix Analysis

Ocorrido no dia 22 de setembro, o Grande Prêmio de Singapura de 2019 teve um resultado inédito. Pela primeira vez na história, o Circuito de Marina Bay presenciava uma dobradinha (vencedor e segundo lugar da mesma equipe). Incrivelmente, os acidentes aconteceram no final da prova em vez do começo como é o costume.

Charles Leclerc (Ferrari) largou da pole position ao lado de Lewis Hamilton (Mercedes). Seu companheiro Sebastian Vettel e Max Verstappen (Red Bull) largaram da segunda fila. Embora Hamilton tenha prometido ser agressivo na largada, Leclerc conseguiu uma boa vantagem. Enquanto isso, no fim do grid, Daniel Ricciardo (Renault) largava em último após ser punido por conta de uma gambiarra no motor. Ainda no começo, semelhante a uma vingança, Alexander Albon (Red Bull) chocou-se contra Carlos Sainz Jr. (McLaren) e o espanhol foi obrigado a trocar os pneus mais cedo, indo para o fundo do grid.

As maiores brigas estavam no fim do grid. Ricciardo fazia uma boa prova de recuperação enquanto Lance Stroll (Racing Point) também conseguia boas ultrapassagens, como a em cima de Daniil Kvyat (Toro Rosso). Na frente do grid, Valtteri Bottas (Mercedes) se aproximava de Verstappen, porém não conseguia a ultrapassagem, e o mesmo acontecia entre Verstappen e Vettel e entre Hamilton e Leclerc.

A Ferrari adotou uma estratégia de troca de pneus que pudesse conter o avanço da Mercedes e garantir a vitória. Vettel trocou os pneus antes e Leclerc voltou atrás do alemão após a troca. Com a parada de Hamilton, Vettel, que havia ultrapassado todos os carros à frente que não haviam trocado os pneus ainda, assumiu a liderança. Leclerc reclamou de ter ficado atrás de Vettel até o final da prova.

O primeiro a abandonar a corrida foi George Russell (Williams), que se chocou com Romain Grosjean (Haas). O safety car foi acionado. Algumas voltas depois, sem o safety car, Sergio Pérez (Racing Point) teve problemas no motor e também abandonou, chamando novamente o safety car, que voltou à pista pela terceira e última vez após Kvyat bater em Kimi Raikkonen (Alpha Romeo) e tirar o finlandês da prova.

Sebastian Vettel foi o vencedor, com Charles Leclerc em segundo e Max Verstappen em terceiro. A Ferrari consegue um resultado histórico (primeira dobradinha de Singapura) e Vettel consegue uma vitória pessoal: não ganhava desde o GP da Bélgica de 2018 e nem ele nem seus fãs engolem a punição no GP do Canadá de 2019. Com o resultado, Leclerc e Verstappen estão empatados em terceiro lugar no campeonato, que mesmo com as reviravoltas, não sai tão fácil do colo de Lewis Hamilton.

Nosso site está passando por problemas e não consigo carregar as fotos. Veja a charge do dia no Instagram: https://www.instagram.com/p/B2t-TRDhLG5/

Notas

Corrida: 5

Pilotos

  1. Sebastian Vettel: 10
  2. Charles Leclerc: 9
  3. Max Verstappen: 9
  4. Lewis Hamilton: 8
  5. Valtteri Bottas: 7
  6. Alexander Albon: 7
  7. Lando Norris: 7
  8. Pierre Gasly: 0
  9. Nico Hülkenberg: 6
  10. Antonio Giovinazzi: 6
  11. Romain Grosjean: 5
  12. Carlon Sainz Jr.: 4
  13. Lance Stroll: 9
  14. Daniel Ricciardo: 9
  15. Daniil Kvyat: 0
  16. Robert Kubica: 3
  17. Kevin Magnussen: 3

Abandonaram

  1. 18. Kimi Raikkonen
  2. 19. Sergio Pérez
  3. 20. George Russell

Driver of the Day (escolhido pelo público): Sebastian
Vettel

Melhor piloto: Sebastian Vettel

Piores pilotos: Pierre Gasly e Daniil Kvyat


Análise Grande Prêmio da Itália de 2019 | 2019 Italian Grand Prix Analysis

 

Em repúdio à corrida mais racista da história da Fórmula 1, não farei uma análise aos moldes das demais para não correr o risco de ser processada ou de atrair o ódio de quem amou esse lixo de prova. Não reconheço o resultado da corrida e nenhuma das punições aplicadas, exceto à dada a Sebastian Vettel (Ferrari). Pilotos brancos europeus não valem mais do que pilotos indígenas, negros, asiáticos ou de qualquer outra etnia. A Ferrari não vale mais do que as outras equipes. Enquanto existir racismo e padrão-duplo, o esporte estará manchado.

 

Rejecting the most racist race in Formula One’s history, I will not make an analysis along the lines of the others so as not to risk being sued or attracting hatred to those who loved this rubbish race. I don’t recognize the final results of this grand prix nor any of the penalties applied except that given to Sebastian Vettel (Ferrari). European white drivers aren’t worth more than Native American, Afrodescendant, Asian or any other ethnic drivers. Ferrari isn’t worthy more than the other teams. As long as racism and double standards exist, the sport will be tarnished.

Análise Grande Prêmio da Bélgica de 2019 | 2019 Belgian Grand Prix Analysis

Ocorrido no dia 1º de setembro, o Grande Prêmio da Bélgica de 2019 começou com um clima de luto pela morte do piloto de Fórmula 2 Anthoine Hubert, de 22 anos. Um acidente na Eau Rouge no dia anterior afetou três pilotos e tirou a vida do francês. Homenagens foram prestadas a ele. Na corrida da Fórmula 1, o clima era semelhante, porém, o sapatinho de cristal serviu em um piloto.

Charles Leclerc (Ferrari) foi o pole position, seguido do companheiro de equipe, Sebastian Vettel. Os pilotos da Mercedes, Lewis Hamilton e Valtteri Bottas, largaram da segunda fila. Logo após a largada, Max Verstappen (Red Bull) se chocou com Kimi Raikkonen (Alpha Romeo) e pouco depois bateu em um muro, sendo o primeiro a abandonar a prova. O safety car foi chamado. Raikkonen foi obrigado a trocar a asa dianteira.

Algum tempo depois, o carro de Carlos Sainz Jr. (McLaren) desligou durante os boxes e seu rendimento foi afetado. O piloto espanhol deixou a corrida uma volta depois. Leclerc abria vantagem e a maior parte das brigas por posição ocorreram no meio do grid. Sergio Pérez (Racing Point) teve uma briga com Kevin Magnussen (Haas) e conseguiu ultrapassado. Em seguida, Magnussen foi superado por Pierre Gasly (que foi rebaixado para a Toro Rosso durante as férias), Lance Stroll (Racing Point) e Daniil Kvyat (Toro Rosso). Alexander Albon (promovido para a Red Bull no lugar de Gasly) enfrentava dificuldades para sair do 14º lugar.

Com as trocas de pneus, Vettel assumiu a liderança, mas o rendimento dos carros da Mercedes era maior. Algumas voltas depois, Leclerc se aproximou dele e a equipe, surpreendentemente, reconheceu que o carro do “escudeiro” estava melhor que o do primeiro piloto e mandou Vettel deixar o companheiro passar. O alemão cumpriu a ordem. Seus pneus estavam bem desgastados e a briga com Hamilton seria difícil, já que não seria aconselhada a troca naquele momento.

Hamilton superou Vettel e foi à caça de Leclerc. Porém, embora estivesse mais rápido, o inglês não conseguia se aproximar do monegasco. Nas voltas finais, Antonio Giovinazzi (Alpha Romeo) bateu no muro e Lando Norris (McLaren) fez o mesmo. Albon conseguiu aproveitar a potência do carro para alcançar o quinto lugar.

Charles Leclerc venceu a corrida, com Lewis Hamilton em segundo e Valtteri Bottas em terceiro. A Ferrari finalmente admitiu que não foi uma boa escolha frear o jovem piloto no começo do ano. Mesmo com uma vitória, Charles permanece em quinto lugar no campeonato, mas a vitória serve para afastar os fantasmas do Bahrein (onde seu carro teve problemas e a vitória foi para Hamilton) e da Áustria (onde Verstappen o ultrapassou nas voltas finais e venceu a corrida). Dessa vez, a carruagem de Leclerc não virou abóbora e ele pôde aproveitar o baile.

(Infelizmente, eu não consegui postar a imagem dessa corrida. Veja a charge do dia no Instagram: https://www.instagram.com/p/B134IgcHO3_/ )

Notas

Corrida: 8

Pilotos

  1. Charles Leclerc: 9,5
  2. Lewis Hamilton: 9
  3. Valtteri Bottas: 7
  4. Sebastian Vettel: 7
  5. Alexander Albon: 8
  6. Sergio Pérez: 10
  7. Daniil Kvyat: 7
  8. Nico Hülkenberg: 9
  9. Pierre Gasly: 7
  10. Lance Stroll: 8,5
  11. Kevin Magnussen: 2
  12. Romain Grosjean: 3
  13. Daniel Ricciardo: 3
  14. George Russell: 3
  15. Kimi Raikkonen: 3
  16. Robert Kubica: 3

Abandonaram

  1. 17.Lando Norris
  2. 18. Antonio Giovinazzi
  3. 19. Carlos Sainz Jr.
  4. 20. Max Verstappen

Driver of the Day (escolhido pelo público): Charles Leclerc

Melhor piloto: Sergio Pérez

Pior piloto: Kevin Magnussen