Análise GP do Azerbaijão 2018

Ocorrido no dia 29 de abril, o GP do Azerbaijão de 2018 provou que o Circuito de Baku é uma caixinha de surpresas. As corridas que ele recebe são repletas de acidentes e resultados surpreendentes. Equipes aprenderam com os erros na China e melhoraram seus carros (exemplo da Williams e Sauber). Outras repetiram desastres, como a Red Bull.

Novamente, a pole foi de Sebastian Vettel (Ferrari), largando ao lado de Lewis Hamilton (Mercedes). Logo na primeira volta, acidentes tiraram Esteban Ocon (Force India) e Sergey Sirotkin (Williams) da prova. O safety car foi acionado. Vettel liderava com folga e Hamilton estava a uma boa distância. Kimi Raikkonen (Ferrari) e Fernando Alonso (McLaren) tiveram que parar no pit stop: o primeiro trocou os pneus e a asa dianteira e o segundo, apenas os pneus.

Boas disputas por posição foram travadas. Carlos Sainz Jr. (Renault) conseguiu ultrapassar a dupla da Red Bull, que sofria com problemas na bateria. Seu companheiro, Nico Hülkenberg, que havia sofrido uma punição de 5 lugares no grid por ter trocado o câmbio, não teve a mesma sorte. O alemão teve de abandonar depois de conseguir ultrapassar vários carros.

As paradas no pit stop mudaram o rumo da corrida. Hamilton foi o primeiro da ponta a parar. Vettel parou bem depois, perdendo a liderança para Valtteri Bottas (Mercedes), que mesmo tendo seu pit stop mais tarde, ainda voltou como líder. Os carros da Red Bul travavam ótimas disputas de posição, com Max Verstappen levando a melhor sobre Daniel Ricciardo. Depois que o australiano passou o holandês, foi chamado aos boxes. Max trocou os pneus depois, mas voltou à frente do companheiro. Numa tentativa frustrada de ultrapassagem, Ricciardo bateu na traseira de Verstappen e os dois pilotos saíram da corrida.

Pouco tempo depois, Romain Grosjean (Haas) bateu no muro perto da Curva do Castelo e o safety car foi chamado. O francês ainda atirou uma luva em um funcionário da garagem. Lance Stroll (Williams) diminuía sua diferença para Charles Leclerc (Sauber), que via Sainz cada vez mais longe, mas o canadense não pode ultrapassá-lo. Bottas acabou com o pneu rasgado e foi forçado a abandonar, perdendo a liderança e a chance de vitória.

Hamilton venceu a corrida, com Raikkonen em segundo e Sergio Perez (Force India) em terceiro. Essa etapa foi um alívio para a Mercedes, que conquista sua primeira vitória, e para Lewis, que agora lidera o campeonato com 4 pontos de vantagem sobre Vettel. Baku é simplesmente mágica: tudo pode acontecer nessa pista.

 

Notas

Corrida: 10 (emocionante ao máximo)

Pilotos:

Lewis Hamilton: 9 (foi ajudado pelas quebras e pit stops, mas se manteve consistente durante toda a prova)

Kimi Raikkonen: 8 (tocou em Ocon no começo, mas fez uma boa corrida de recuperação)

Sergio Perez: 9 (idem Lewis Hamilton)

Sebastian Vettel: 8 (foi prejudicado com as quebras e pit stops; teve a chance de passar Perez e conseguir um pódio, mas não conseguiu nada além de um 4º lugar)

Carlos Sainz Jr.: 9 (seu desempenho foi muito bom, mostrou garra para ultrapassar seus adversários)

Charles Leclerc: 3 (só conseguiu o 5º lugar por causa dos acidentes)

Fernando Alonso: 7 (boa corrida de recuperação)

Lance Stroll: 7 (ótimo resultado para a equipe; se o carro tivesse ajudado, teria conseguido mais pontos)

Stoffel Vandoorne: 3 (despercebido na corrida)

Brendon Hartley: 3 (idem acima)

Marcus Ericsson: 2 (travou a roda e quase causou um acidente com Magnussen; recebeu 10 segundos de punição por isso)

Pierre Gasly: 3 (idem Vandoorne e Hartley)

Kevin Magnussen: 2 (se a travada do Ericsson não tivesse sido mostrada, os espetadores nem saberiam que Magnussen estava correndo)

Valtteri Bottas: 10 (um grande azar o tirou da corrida, estava fazendo uma prova limpa e consistente)

Romain Grosjean: 6 (não foi bem e ainda fez um barraco na garagem)

Max Verstappen: 10 (todas as emoções da corrida foram graças a Max; acabou saindo da prova devido à atitude impetuosa de seu companheiro)

Daniel Ricciardo: 1 (tava fazendo uma boa prova, jogou tudo fora ao acertar a traseira de Verstappen com um movimento que claramente poderia ter sido evitado)

Nico Hülkenberg: 5 (tava indo bem, até o abandono)

Esteban Ocon:  (o coitado foi atingido tão rápido que não dá pra opinar)

Sergey Sirotkin:  (idem acima)

 

Driver of the Day (votado pelo público): procurem no site da Fórmula 1

Melhor piloto: Max Verstappen (esse sabe o que é corrida: pegar a posição dos outros, não ceder a sua)

Pior piloto: Daniel Ricciardo (encher a traseira dos outros não dá, com isso ele foi o pior na corrida)

Estressadinho do dia: Romain Grosjean (Vamo quebrar tudo! Vamo! Vamo!)

Análise GP da China 2018

O Grande Prêmio da China de 2018, ocorrido no dia 15 de abril, trouxe a emoção que faltou nas corridas anteriores. Foi a prova que a Ferrari não é invencível e que a Mercedes precisa repensar suas estratégias para brigar pelo título. Recheado de ultrapassagens e com alguns incidentes, o GP foi uma daquelas corridas que não ficará esquecida tão rápido.

Sebastian Vettel conseguiu sua terceira pole do ano, dividindo a primeira fila com Kimi Raikkonen. Em seguida, vinha uma fileira da Mereces (Valtteri Bottas e Lewis Hamilton) e uma da Red Bull (Max Verstappen e Daniel Ricciardo). Mal tinha sido dada a largada, várias ultrapassagens foram feitas, incluindo Verstappen passando do 5º para o 3º lugar.

Até o meio da prova, as maiores brigas aconteciam no meio do grid. Os carros da McLaren e da Renault tinham facilidade para recuperar as posições após os pit stops, enquanto a Williams chamava seus pilotos tarde demais, o que impediu que Stroll mantivesse o 9º lugar. A dupla da Force India tentava colocações melhores, mas o rendimento do carro não correspondia.  Toro Rosso e Sauber permaneciam no fundo do grid.

Bottas conseguiu ultrapassar Raikkonen e tomou a liderança de Vettel. Na 30ª volta, Gasly se chocou com Hartley, deixando pedaços de asa na pista e causando bandeira amarela e safety car. O francês depois foi punido com 10 segundos. Os carros da Red Bull fizeram seus pit stops juntos e sinalizavam briga pela vitória. Ao fim do safety car, Verstappen e Hamilton brigaram pelo 3º lugar e o holandês acabou jogado para fora da pista, perdendo posição para Ricciardo. O ocorrido não foi investigado, mas Max conseguiu superar o inglês mais tarde. Na caça de Vettel, os dois se envolveram em um incidente semelhante ao da dupla da Toro Rosso. O alemão levou a pior e não conseguiu lutar pelo pódio até o fim da corrida.

Ricciardo superou Bottas em uma manobra limpa e perfeita, liderando até o fim. Verstappen recebeu a mesma punição que Gasly, e por isso não lutou pelo pódio apesar de estar bem perto dos finlandeses. A corrida terminou com a vitória de Daniel, seguido por Bottas e Raikkonen. Hartley abandonou faltando 5 voltas pro fim. Nenhum piloto punido cumpriu a penalidade na pista, e acabaram perdendo as posições depois da corrida: Verstappen de 4º foi pra 5º e Gasly de 15º foi pra 18º. O GP da China levou os torcedores ao delírio com sua agitação. São corridas como esta que os fãs esperam para ver quando ligam a televisão.

 

Notas

Corrida: 10 (corrida emocionante e imprevisível)

Pilotos:

Daniel Ricciardo: 10 (superou completamente os problemas dos treinos livres e lutou até o fim para transformar sua largada em 6º em uma vitória espetacular)

Valtteri Bottas: 10 (sua ultrapassagem em cima de Vettel foi perfeita e resistiu aos ataques de Raikkonen)

Kimi Raikkonen: 9 (apesar de ser superado em vários momentos, como por Verstappen, Hamiton e Ricciardo, conseguiu recuperar o pódio e não cometeu muitos erros)

Lewis Hamilton: 8 (seu carro não estava nos melhores dias, houve erro de estratégia no pit stop – segundo ele – e o toque não investigado com Verstappen poderia ter atrapalhado mais)

Max Verstappen: 9 (dou as notas pelo desempenho, e inegavelmente ele mandou muito bem, mas sua agressividade lhe causou mais problemas que qualquer outra coisa)

Nico Hülkenberg: 8 (superou bem a situação pós-pit stop e garantiu uma boa posição)

Fernando Alonso: 8,5 (mais um ótimo trabalho para o ano do piloto espanhol: chegou aos pontos após largar em 13º e ainda ultrapassou Vettel no final)

Sebastian Vettel: 8,5 (parecia que mais uma pole seria convertida em vitória, mas não conseguiu superar seus adversários, a não ser Kimi, que claramente lhe cedeu a posição quando Bottas passou os dois; entretanto, o acidente com Verstappen estragou o resto de sua prova)

Carlos Sainz Jr.: 8 (idem Hülkenberg)

Kevin Magnussen: 6 (começou bem a corrida, mas seu desempenho foi caindo até o fim)

Esteban Ocon: 5 (sua performance foi estável, mas sem chances de melhores resultados)

Sergio Perez: 5 (idem Esteban Ocon)

Stoffel Vandoorne: 5 (idem os dois acima)

Lance Stroll: 7 (sua largada foi incrível, saindo do 18º para o 12º ainda na primeira volta; se não fosse o pit stop lento e tardio da Williams, teria mais chances de permanecer no 9º lugar que conquistou)

Sergey Sirotkin: 5 (situação semelhante a Magnussen, mas sem chances de sair das colocações mais baixas)

Marcus Ericsson: 2 (nem na transmissão ele apareceu)

Romain Grosjean: 2 (sem atuações impressionantes)

Pierre Gasly: 4 (não tava lá essas coisas, mas depois que bateu em Hartley piorou de vez)

Charles Leclerc: 1 (só apareceu quando rodou e parou na brita)

Brendon Hartley: 2 (idem Pierre Gasly, mas o pior sobrou pra ele)

 

Driver of the Day (votado pelo público): Daniel Ricciardo

Melhor piloto: Daniel Ricciardo (Merecido!!!)

Pior piloto: Charles Leclerc (Roda a Roda, Leclerc!)

Estressadinhos do dia: Max Verstappen e Pierre Gasly

 

Análise GP do Bahrein 2018

O Grande Prêmio do Bahrein de 2018, ocorrido no dia 8 de abril, marcou um grande contraste em relação à prova anterior, na Austrália. O Circuito Internacional do Bahrein propiciou diversas disputas por posições e brigas emocionantes, o que o público anseia por ver em uma corrida. O GP também revelou que equipes como a Red Bull e a Williams estão passando por problemas de engenharia em seus carros. E se elas não querem dar um prato cheio aos haters de plantão que adoram culpar os pilotos pelos erros dos engenheiros, é bom que antes da próxima etapa, na China, estes times eliminem os problemas pela raiz.

Sebastian Vettel largou na pole position, dividindo a primeira fila com Kimi Raikkonen. Porém quem se destacou na largada foram Hamilton, Verstappen e Stroll. O inglês cumpria uma punição, largando em 9º, mas não se intimidou pelas circunstâncias e poucas voltas depois, estava mais próximo do top-5. O holandês largava em 15º devido a um problema no treino classificatório, mas sua bravura o encaminhou para 12º em poucos minutos e ainda travou com Hamilton uma batalha impressionante. O canadense passou Leclerc SEGUNDOS depois da largada e em pouco tempo, pulava do 20º para o 13º. Isso mostra que, garra Stroll com certeza tem.

É importante notar que logo na primeira volta Gasly e Magnussen brigaram feio e o dinamarquês acabou saindo da pista, embora tenha voltado. Gasly, que largara em 6º, não facilitou para ninguém. Seu companheiro Hartley se envolveu em problemas e foi punido com 10 segundos. Perez rodou na pista logo no começo, mas continuou a corrida.

Infelizmente, os momentos de alegria da Red Bull duraram pouco. O painel do carro de Ricciardo simplesmente apagou e encerrou a prova para o australiano. Em seguida, foi a vez de Verstappen abandonar, pois a briga com Hamilton danificou sua roda traseira esquerda. Ele, no entanto, lutou para trazer o carro para os boxes e tentou o máximo que pode (foi até aplaudido no pit stop).

A prova seguia com muitas disputas no meio do grid, com destaque para os carros da McLaren e da Renault. Alonso e Vandoorne davam tudo de si para alcançar uma boa posição, enquanto que Sainz e Hülkenberg oscilavam entre as posições para brigar com pilotos da Force India e Sauber. As Williams tentavam ultrapassagens, mas não tiveram muito sucesso. Seus pilotos tentavam o máximo, mas os carros não correspondiam.

Mercedes e Ferrari fizeram seus pit stops e a liderança da corrida mudou algumas vezes. Hamilton, porém, acabou ficando 17 segundos atrás de Raikkonen e não conseguia tirar a diferença. Bottas tentava chegar mais perto de Vettel, mas a briga entre os dois não ocorreu até as últimas voltas do GP. No pit stop de Raikkonen, houve um incidente infeliz: a luz para liberar o piloto acendeu antes do que deveria e um mecânico acabou com a perna fraturada (rezamos para que ele fique bem). Fumaça saia das rodas do carro do finlandês, que teve de abandonar a prova.

Vettel venceu a corrida, seguido por Bottas. Hamilton chegou em 3º, embora distante do companheiro. Gasly conseguiu um impressionante 4º lugar e foi eleito “driver of the day”, calando aqueles que duvidavam de seu êxito. Há muito tempo não se via a Toro Rosso comemorar tanto. Ainda é cedo para dizer o que será do ano, pois o GP do Bahrein foi apenas a segunda prova da temporada. Equipes que passavam por problemas estão se recuperando, portanto não é hora de perder a esperança: tudo pode acontecer.

 

Notas:

Corrida: 7 (foi melhor que a anterior e teve bons momentos, mas a quebra de carros de ponta, Red Bull e Ferrari, e os problemas de engenharia enfrentados por outras equipes impediram maiores disputas).

Pilotos:

Sebastian Vettel: 9 (se manteve bem, largou na pole e venceu, mas não teve momentos emocionantes até o final da prova, quando se defendeu de Bottas)

Valtteri Bottas: 9 (também se manteve bem, mas somente chamou a atenção no final, disputando a vitória com Vettel)

Lewis Hamilton: 9,5 (embora tenha ficado longe de Bottas, fez uma boa recuperação desde a largada em 9º até o 3º lugar)

Pierre Galsy: 10 (brigou com Magnussen logo no começo, lutou para conseguir mais posições e terminou com um merecido 4º lugar, praticamente um pódio para o driver of the day)

Kevin Magnussen: 8 (a Haas é a grande surpresa até agora; Magnussen travou boas batalhas e trouxe uma boa colocação para seu time)

Nico Hülkenberg: 8 (passou boa parte da corrida disputando posições com Alonso e terminou à frente)

Fernando Alonso: 8 (mostrou que nesse ano, sem os problemas de motor, não dará sossego a seus adversários; teve boas brigas por posições)

Stoffel Vandoorne: 7 (embora não com o mesmo desempenho de Alonso, brigou por posições melhores e conseguiu uma boa colocação)

Marcus Ericsson: 7 (não parece o mesmo Ericsson do ano passado; o sueco conseguiu seus primeiros pontos após um ano inteiro sem pontuar; incrível!!!)

Esteban Ocon: 6 (o modesto 10º lugar não é o bastante para a Force India, que parece sofrer os mesmos problemas da Williams e da Red Bull, mas Ocon deu o melhor de si para fechar a zona de pontuação)

Carlos Sainz Jr.: 5 (seu 11º não era o que a Renault esperava, mas ele tentou ao máximo para chegar a uma posição melhor)

Sergio Perez: 4 (cometeu muitos erros na corrida e ficou abaixo do esperado para uma Force India)

Brendon Hartley: 5 (embora não tenha conseguido uma boa posição e foi punido por um incidente, não se pode negar que ele se esforçou muito)

Charles Leclerc: 3 (foi ultrapassado por Stroll SEGUNDOS após a largada e seu 14º se deve aos problemas de engenharia sofridos pelas Williams e pelo pit stop de Grosjean)

Romain Grosjean: 5 (como Hartley, se esforçou muito, além de ter perdido posições após um pit stop tardio)

Lance Stroll: 6 (ultrapassou Leclerc SEGUNDOS após a largada, demonstrando garra e habilidade, além de ter conseguido ficar em 13º minutos após o início da corrida; se não fosse os problemas na engenharia do carro da Williams, que persistem desde o ano passado, teria ficado no top-10 com certeza).

Sergey Sirotkin: 5,5 (se manteve bem no início, mas foi perdendo muitas posições ao longo da corrida; o carro não o permita ultrapassar)

Kimi Raikkonen: 8 (um erro no pit stop o impediu de continuar a boa corrida que fazia)

Max Verstappen: 9 (Max fazia uma prova impressionante, disposto a compensar o ocorrido no treino classificatório, mas a disputa com Hamilton danificou sua roda; porém, não se pode subestimá-lo, afinal, estamos falando de Max Verstappen)

Daniel Ricciardo: 9 (Ricciardo corria muito bem até o painel de seu carro apagar; mais um exemplo de caso em que o piloto paga pelos erros do engenheiro)

Driver of the Day (votado pelo público): Pierre Gasly

Melhor piloto: Pierre Gasly (Mandou muito bem!!!! Ele merece!!!!)

Pior piloto: Charles Leclerc (Lance is faster than you!)